Saúde

Até quando ser quem você é será mais doloroso que uma doença crônica?

Publicado

source
Daniel acha que a homofobia assusta mais que o diagnóstico de diabetes
Reprodução/Youtube

Daniel acha que a homofobia assusta mais que o diagnóstico de diabetes

Conviver com uma doença crônica, sem cura, como é o caso do diabetes, já é difícil para qualquer pessoa. Agora, tente imaginar toda essa demanda de cuidados que a doença exige na vida de quem precisa lutar diariamente para poder apenas existir ou sobreviver?

 Eu nunca tinha pensado nisso, até que um certo dia, durante a gravação da websérie “Sim, diabético”, eu ouvi de um entrevistado a seguinte frase: “O diabetes não ia me derrubar porque eu já venho numa luta muito mais pesada do que uma doença crônica: a homofobia”. A resposta com a voz embargada foi dada logo depois de eu perguntar o que ele sentiu quando recebeu o diagnóstico de diabetes.

Aquilo me tocou e por alguns dias fiquei refletindo sobre aquela fala. Isso me fez entender algumas atitudes minhas do passado, logo depois do meu diagnóstico.

Eu só tinha 22 anos e, pela primeira vez, tinha me apaixonado por uma pessoa do mesmo sexo. Apesar das piadinhas que costumava escutar na adolescência em relação a minha sexualidade, confesso que, até aquele momento, não entendia quem realmente eu era. O sentimento daquela ocasião confirmava algo que me dava medo.

O processo para eu ter essa resposta e certeza demorou cinco anos. Nesse período, precisei negligenciar parte do meu tratamento do diabetes, não porque eu queria, mas sim pelo fato de que questões prioritárias da vida exigiam minha atenção. Cuidar do diabetes não era prioridade para quem nem existia. Como falar de autocuidado? Eu passava a maior parte do tempo tentado me adaptar aos padrões com medo de que as pessoas não me aceitassem. Como se o fato de ser gay fosse algo errado e inadmissível. Se nem eu mesmo tinha capacidade de me acolher, me entender, como cuidaria de uma doença crônica que exige tanto tempo do dia. Estudos mostram que uma pessoa com diabetes tipo 1, por exemplo, chega a gastar 5 horas do dia tomando decisões relacionadas ao diabetes.  

Veja Mais:  Moderna anuncia acordo para distribuição de sua vacina no Brasil

Como eu disse, foi um processo duro e difícil, mas quando eu mesmo me aceitei, disse: “ok, sou gay e preciso viver essa vida, mesmo que isso não agrade aos outros. Tenho direito de existir como sou e não como minha família ou amigos querem”.  Tenho que admitir que essa aceitação e autoconfiança vieram em um momento em que já tinha saído da casa dos meus pais e já tinha independência financeira. Esse foi meu tempo!

Contei tudo isso para relatar que, depois disso, o autocuidado com o diabetes aconteceu. Entendi que não era só o médico que tinha a missão de tratar. Eu tinha um papel importante e essencial para não ter problemas mais graves decorrentes do diabetes descontrolado. Mas, isso só é possível quando questões básicas são resolvidas. Uma pessoa que não consegue existir ou precisa lutar todos os dias para sobreviver no país que mais se mata pessoas LGBTQIAPN+ o desafio de também ser diabético, por exemplo, acaba sendo ainda mais difícil para a maioria. Nem todo mundo tem a mesma sorte ou privilégio que eu, sem bem disso.

Por isso, eu sempre digo que o preconceito mata e adoece pessoas que só querem existir como são, como devem ser.  Por isso a fala do Daniel na minha entrevista é muito forte e deixa uma reflexão: até quando o fato da pessoa ser quem ela apenas é vai ser mais doloroso do que o diagnóstico de uma doença crônica sem cura?

Veja Mais:  Surto de sarampo: São Paulo investiga 25 novos casos da doença

Essa é uma questão para todos. Amor é amor!

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook

Saúde

Programa busca inserir pediatras e ginecologistas em todas as UBSs

Publicado

source

Um dos aspectos mais importantes da atuação do SUS (Sistema Único de Saúde) é o amparo à saúde da família, por meio de investimento para melhoria e qualificação do contínuo atendimento das equipes de saúde nas Unidades Básicas de Saúde em seu compromisso de assistência aos brasileiros. O Cuida Mais Brasil , programa lançado pelo governo federal no começo deste ano, se insere neste contexto, de ampliar o cuidado da mulher, gestante e criança na Atenção Primária à Saúde (APS).

Programa busca inserir pediatras e ginecologistas em todas as UBSs do País
Pexels

Programa busca inserir pediatras e ginecologistas em todas as UBSs do País

Esse primeiro ano do programa prevê o repasse de R$ 194 milhões para os municípios inserirema contratação de médicos pediatras e ginecologistas-obstetras para nas unidades básicas de Saúde (UBS) para atuarem em conjunto com as equipes de saúde da atenção primária nas unidades básicas de Saúde (UBS) de todo o Brasil. A ideia do Ministério da Saúde é que haja médicos dessa especialidade em todas as UBSs do Paísna porta de entrada do SUS.

Não há necessidade de solicitação de adesão por parte dos municípios e do Distrito Federal, o programa oferecerá apoio técnico aos municípios com vistas ao aumento da resolubilidade da Atenção Primária, bem como qualificar os processos processos de trabalho que contribuem para a integralidade do cuidado no âmbito do APS.

Veja Mais:  Surto de sarampo: São Paulo investiga 25 novos casos da doença

Ao todo, serão sete parcelas mensais transferidas na modalidade fundo a fundo, ou seja, o incentivo financeiro sai da esfera federal e vai direto para as esferas municipal e do Distrito Federal. Nesses moldes, o valor mínimo é de R$ R$ 108.684,32, enquanto o máximo é de até R$ 489.314,42.

Para o cálculo do valor destinado a cada Região de Saúde, são levados em consideração o quantitativo populacional estimado pelo IBGE para 2021, o perfil geográfico predominante e a proporção de pediatras e ginecologistas-obstetras registrados no Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (SCNES). Os estados e municípios, por meio da Comissão Intergestores Bipartite (CIB), que tem a representação das duas esferas administrativas, vão sinalizar ao Ministério da Saúde por meio de resoluções quais serão os municípios dessas regiões que vão receber o repasse e os valores para cada.

Reforço necessário

De acordo com o Ministério da Saúde, até o início do ano 5,7 mil pediatras e 5,3 mil ginecologistas-obstetras estão vinculados diretamente a 1.311 e 1.364 equipes, respectivamente, sem incentivo financeiro federal. O Cuida Mais Brasil vai incentivar a inclusão e fixação desses profissionais na Atenção Primária, qualificando os atendimentos nas UBS. Com o programa, o número de equipes com médico pediatra pode chegar a mais de 8 mil e 7 mil com ginecologistas-obstetras em todo país.

O programa busca fortalecer o cuidado materno-infantil e a atuação rotineira dos médicos pediatras e ginecologistas-obstetras é fundamental para que isso aconteça.

Veja Mais:  Covid: como regime de Kim Jong-un está reagindo ao aumento de casos

O Cuida Mais Brasil surge na esteira de outras ações do governo federal, como é o caso do Previne Brasil, um modelo de estruturação de financiamento focado em aumenta o acesso das pessoas aos serviços da atenção primária, que promoveu um salto de 20% na média na nota média de desempenho dos municípios em apenas oito meses.

Essa é a expectativa do Ministério da Saúde. Que o Cuide Mais Brasil , cujo objetivo é assegurar mais e melhor assistência a mulheres, gestantes e crianças em todo o Brasil por meio do SUS, apresente resultados alinhados ao contemplados pelo Previne Brasil.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Festa junina: conheça opções de alimentos típicos e saudáveis

Publicado

source
Festa junina: conheça opções de alimentos típicos e saudáveis
Redação EdiCase

Festa junina: conheça opções de alimentos típicos e saudáveis

Nutricionista explica como aproveitar as comemorações sem prejudicar a saúde

Por Débora da Mata 

Com o início da temporada das festas por todo o país, aumenta a expectativa de consumir as famosas comidinhas típicas. No entanto, é preciso estar atento à alimentação, nem sempre esses pratos tradicionais são os mais saudáveis, é o que diz a nutricionista Fabiana Guimarães.

Ela explica que é preciso ter atenção aos ingredientes e à forma como são preparados, se quiser aproveitar as festas sem culpa e sem prejudicar a saúde. “A ideia não é proibir este ou aquele alimento, mas, sim, tentar priorizar aqueles que são mais benéficos, com mais nutrientes, e reduzir os que não fazem bem”, comenta.

Além disso, a nutricionista ressalta que algumas substituições simples podem tornar o quitute mais saudável. Por isso, confira a seguir uma lista de doces e salgados saudáveis recomendados pela especialista para esta data!

> 8 mitos e verdades sobre alimentação e emagrecimento

Alimentos saudáveis para festa junina

Salgados 

  • Milho cozido (com moderação no sal e na manteiga);
  • Pinhão;
  • Cuscuz;
  • Pipoca de milho (atenção ao sal e a manteiga);
  • Churrasquinho (atenção ao tempero artificial);
  • Caldos (dependendo da forma de preparo também são boas opções).

Doces 

  • Batata-doce cozida;
  • Doce de abóbora ou de fruta sem açúcar;
  • Paçoca diet.
Veja Mais:  4 em cada 5 mulheres em idade fértil têm mioma uterino

Receitas saudáveis para festa junina 

Queijadinha de baixo carboidrato 

Ingredientes

  • 20 g de coco ralado fresco
  • 2 colheres de sopa de queijo ralado
  • 1 ovo
  • 1 colher de chá de adoçante
  • Óleo de coco para untar

> Sobremesas para diabéticos: confira receitas saudáveis e sem açúcar

Modo de preparo 

Em um recipiente, coloque todos os ingredientes e misture bem. Em seguida, unte formas para queijadinha com óleo de coco e despeje a massa sobre elas. Leve ao forno preaquecido em temperatura média por 15 minutos. Retire do forno, espere esfriar e sirva em seguida.

Carne louca 

Ingredientes

  • 1 kg de carne de lagarto cortado em tiras finas
  • 1 folha de louro
  • 3 dentes de alho amassado
  • 1/2 colher de sopa de cominho moído
  • 1 colher de sopa de tomilho fresco
  • 1/2 colher de sopa de semente de coentro moída
  • 5 colheres de sopa de azeite
  • 1 lata de tomate pelado picado
  • 4 tomates maduros sem pele, sementes e picados
  • 1 pimentão vermelho cortado em rodelas
  • 4 xícaras de chá de água
  • 1 pimentão amarelo cortado em rodelas
  • 4 colheres de sopa de vinagre de vinho tinto
  • Sal e pimenta-do-reino moída a gosto

> 8 tipos de alimentos essenciais para a saúde

Modo de preparo 

Em um recipiente, coloque a carne e tempere a folha louro, o alho, o cominho, o coentro e o tomilho. Adicione o sal e a pimenta-do-reino. Coloque metade do azeite em uma panela de pressão e leve ao fogo para aquecer. Coloque a carne na panela de pressão e refogue no fogo médio. Adicione a água e os tomates. Cozinhe por uma hora e meia, contando a partir do momento que pegar a pressão.

Veja Mais:  Rinoplastia pode dar errado?

Retire a panela do fogo, deixe sair o vapor com cuidado. Retire a carne do molho e desfie. Volte a carne para a panela e reserve. Em uma frigideira, aqueça o restante do azeite e refogue a cebola e o pimentão até ficarem macios, acrescente o vinagre e refogue por mais 1 minuto. Junte o refogado à panela e cozinhe por mais 15 min. Verifique o tempero e sirva em seguida.

Fernanda Guimarães

Nutricionista funcional e esportiva, com foco em emagrecimento (reeducação alimentar), saúde da mulher. Especializada em nutrição funcional e mestre em saúde.

Confira mais conteúdos na revista ‘Cuidando da saúde’

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Rio de Janeiro confirma transmissão local da varíola dos macacos

Publicado

source
Vírus da 'varíola dos macacos'
Foto: Centro de Controle de Doenças/Divulgação – 20/05/2022

Vírus da ‘varíola dos macacos’


O secretário municipal de Saúde do Rio de Janeiro, Rodrigo Prado, confirmou nesta sexta-feira que já há transmissão local de v aríola dos macacos na cidade. Os dois doentes, confirmados na última quinta-feira, não têm histórico de viagem internacional ou contato próximo com viajante. São dois homens, de 25 e 30 anos, residentes da cidade do Rio.

Ambos estão em isolamento domiciliar, sendo monitorados diariamente pela Superintendência de Vigilância em Saúde (SVS) e assistidos pelo Instituto Nacional de Infectologia (INI) da Fiocruz.

Com os dois novos casos, o município tem três casos confirmados da doença. Segundo Rodrigo Prado, neste momento a cidade não vive um surto de varíola dos macacos, nem há necessidade de pânico da população:

“São três casos isolados. Não podemos considerar um surto. É uma doença, em que a transmissão não é como a gripe ou a Covid. É preciso mais contato. Trata-se de uma doença nova, que a gente está monitorando, mas não é preciso ter pânico nesse momento. O importante é a pessoa procurar um médico se tiver tem algum sinal.”

O secretário já esperava que a doença chegasse à cidade. “Pela globalização do mundo, é dificil ter uma doença num lugar que não chegue no outro. Era esperado que os casos chegassem aqui no Rio.”

Veja Mais:  Rinoplastia pode dar errado?

De acordo com a Secretaria municipal de Saúde, todos apresentam boa evolução clínica, seguem em isolamento domiciliar e em monitoramento diário, assim como os seus contatos próximos que não apresentaram sintomas.

A capital foi a primeira do estado a ter um diagnóstico positivo para a doença e confirmou o caso no dia 14. O paciente é um homem de 38 anos residente em Londres, que chegou ao Brasil em 11 de junho e procurou atendimento médico no Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI/Fiocruz) no dia seguinte.

Na segunda-feira, dia 20, o Ministério da Saúde confirmou o segundo caso de varíola dos macacos no Estado do Rio de Janeiro. Trata-se de um homem de 25 anos que vive em Maricá, na Região dos Lagos. Ele está em isolamento. Agora, são quatro no estado.

O Ministério da Saúde está avaliando mudar o conceito de transmissão local. Pela nova metodologia, pessoas que tiveram contato com doentes que voltaram do exterior deverão ser enquadradas como transmissão local.


A varíola dos macacos é transmitida principalmente por contato próximo com alguém infectado ou com lesões na pele. Ou seja, através de beijo, abraço, lesões na pele ou secreções respiratórias. Pode haver contaminação ainda por contato com materiais infectados, tais como roupas pessoais ou de cama usadas pelo doente. Por enquanto, não há notícia de transmissão desse vírus pelo ar, como ocorre com a Covid-19.

Veja Mais:  Dia do Combate à Hipertensão: 5 hábitos para prevenir a doença

Os principais sintomas da doença são: dor de cabeça, dores musculares, febre e calafrios, feridas na pele, gânglios linfáticos inflamados e cansaço.

Apesar de a doença ter sido identificada pela primeira vez em macacos, o atual surto, de acordo com autoridades de saúde, não tem relação com os animais.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

ALMT – Campanha Fake News II

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana