Economia

Carlos Wizard e Ricardo Bellino detalham novo projeto em live no iG nesta 4ª

Publicado


source
A dupla será entrevistada na live do Brasil Econômico desta quarta-feira (31)
Brasil Econômico

A dupla será entrevistada na live do Brasil Econômico desta quarta-feira (31)


Os empresários Carlos Wizard, fundador da rede Wizard de escolas de idiomas, e Ricardo Bellino – que tem entre ex-sócios e mentorados o ex-presidente dos EUA, Donald Trump -, serão os entrevistados da live do Brasil Econômico  desta quarta-feira (31). A partir das 17h, a dupla vai participar de uma conversa sobre o novo projeto conjunto: a Escola da Vida.

Após três décadas empreendendo no Brasil e no exterior, Wizard e Bellino se unem para compartilhar experiências de gestão, negócios e finanças. A Escola da Vida vai ensinar técnicas empresariais e dar conceitos de como obter equilíbrio emocional entre a vida pessoal, profissional e familiar.

 Leia também

Carlos Wizard já esteve à frente de uma rede de escolas responsável por atender um milhão de alunos por ano e gerar 50 mil empregos. 

Ricardo Bellino se destacou por atuar em diferentes setores da economia, inclusive em negociações com Donald Trump. 

Você viu?

Desde o início de março, os dois empreendedores oferecem gratuitamente aulas diárias de segunda-feira a sábado, com início às 7h da manhã. O currículo didático seguido por Wizard e Bellino conta com a experiência acumulada de grandes líderes empresariais como Luciano Hang, Rachel Maia, Edu Lyra, João Kepler, Antonio Carbonari Neto, Chaim Zaher, entre outros.


Lives do Brasil Econômico


Semanalmente, a redação do Brasil Econômico economico entrevista algum especialista para aprodundar um tema do noticiário da economia. A entrevista desta semana será conduzida pelo repórter João Vitor Redevilho e do jornalista e fundador do Brasil Econômico, Ricardo Galuppo.

Na semana passada, o entrevistado foi o advogado criminalista Kakay , que falou sobre a judicialização da política, o fim da operação Lava Jato e a condução da pandemia pelo governo federal. 

Assista!






Comentários Facebook

Economia

Flávio Bolsonaro diz que governo quer ampliar alcance e valor do Bolsa Família

Publicado


source
O senador e filho do presidente da República, Flávio Bolsonaro (Patriotas - RJ)
Reprodução: iG Minas Gerais

O senador e filho do presidente da República, Flávio Bolsonaro (Patriotas – RJ)


O senador Flávio Bolsonaro (Patriotas-RJ) disse que o governo federal planeja aumentar a base dos beneficiados Bolsa Família , cujo valor deve ficar em torno dos R$ 270. O filho do presidente Jair Bolsonaro falou sobre isso em uma coletiva após uma reunião que teve com o mandatário, o governador do Rio, Claudio Castro (PL), e empresários do estado fluminense.

Segundo Flávio, o valor do novo Bolsa Família será discutido com o ministro da Cidadania, João Roma (Republicanos). A nova versão do auxílio deverá ser chamada de Alimenta Brasil .


“Voltando agora para Brasília a gente vai sentar com o ministro João Roma, que é quem tá cuidando desse assunto. O comando do presidente ao ministro foi de ampliar a base do Bolsa Família, ou seja, atingir mais pessoas. Aumentar também o valor. Hoje se discute algo em torno dos R$ 270, aproximadamente”, disse.

O senador afirmou ainda que o governo pretende criar estímulos com educação e capacitação para os beneficiados do programa social.

“O diferencial vai ser criar estímulos para que as pessoas deixem de depender desse auxílio do governo”, afirmou.

Veja Mais:  Em votação apertada, Senado aprova texto que prevê privatização da Eletrobras

Na coletiva, Flávio disse ainda que seu pai fez um apelo aos empresarios para que, com o aumento do auxílio, os mercadistas reduzam as a margem de lucro dos produtos de primeira necessidade. O objetivo é aumentar o consumo e incentivar a economia.

“Ele [Bolsonaro] reconheceu o grande sacrifício que mercadistas já fazem. Se possível [vamos] reduzir um pouco ainda mais a margem de lucro”, disse.

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Bolsonaro tem cinco dias para explicar Orçamento Paralelo, determina STF

Publicado


source
A ministra do STF, Rosa Weber
Reprodução: iG Minas Gerais

A ministra do STF, Rosa Weber


A ministra Rosa Weber , do Supremo Tribunal Federal ( STF ), determinou que os presidentes da Câmara e do Senado, Arthur Lira (PP-AL) e Rodrigo Pacheco (DEM-MG), respectivamente, e o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido) tem cinco dias para prestar esclarecimentos sobre o Orçamento Paralelo .

O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, também terá que explicar o caso. Weber é a relatora de duas ações sobre o caso no STF. Ela também ordenou que a Advocacia-Geral da União (AGU) e a Procuradoria-Geral da República (PGR) prestem depoimento depois dos chefes do Executivo e do Congresso.


Os dois pedidos de investigação protocolados pela Câmara, do PSB e do Cidadania, pediram recuo após o indexamento devido a pressões dos demais parlamentares. A ministra, entretanto, recusou-se a aceitar a desistência:

Você viu?

“É firme a jurisprudência desta Suprema Corte no sentido de que não produz efeitos a desistência de ação integrante do sistema objetivo de fiscalização da ordem jurídica”.

Também há apurações sobre o Bolsolão no Tribunal de Contas da União (TCU) e na própria PGR.

Entenda o caso

O “Orçamento Secreto”, Tratoraço ou Bolsolão , são  emendas parlamentares que somaram cerca de R$ 3 bilhões sem conhecimento dos órgãos de fiscalização e transparência pública. O dinheiro era direcionado para a pasta de Marinho e o governo definia os parlamentares que seriam beneficiados com recursos extra.

Veja Mais:  Bolsonaro tem cinco dias para explicar Orçamento Paralelo, determina STF

Parte das emendas foi destinada à compra de equipamentos agrícolas e tratores por preços até 259% acima dos valores de referência fixados pelo governo.

O ganho do governo com o esquema é a sustentação política enquanto o Brasil vê sua vacinação contra a Covid-19 desacelerar e o número de mortes pela doença se aproximarem da marca do meio milhão.

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Fábrica proíbe uso de maconha e sofre com falta de funcionários; entenda

Publicado


source
fábrica da GM
Divulgação

fábrica da GM


A General Motors  ( GM ) está com dificuldades para contratar trabalhadores temporários para duas de suas fábricas principais, em Michigan e em Indiana, nos Estados Unidos. Um dos motivos é a obrigatoriedade do teste toxicológico .

A maconha é liberada para uso recreativo em Michigan desde 2018. A companhia está procurando por operários temporários para as fábricas de Flint (Michigan) e Fort Wayne (Indiana). Os polos produzem as picapes mais lucrativas. 


Em Indiana, foram contabilizados apenas 60 candidatos, mas a empresa precisa de 275 funcionários. Segundo reportagem do Detroit Free Press, o teste de toxicologia usa um fio de cabelo para determinar se a pessoa usou maconha nas últimas semanas. 

Esse tipo de teste pode dar um falso positivo e apontar para a concentração de um dos princípios ativos da droga ( THC ) mesmo em quem usou produtos apenas com canabidiol (CBD), diz um estudo do Journal Analytical Toxicology, principal publicação mundial sobre o toxicologia. 

Comentários Facebook
Veja Mais:  Bolsonaro admite que não houve corrupção no BNDES após gastar R$ 48 mi em buscas
Continue lendo

ALMT – Campanha Fake News II

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana