Saúde

Conselho dos secretários de Saúde lamenta 500 mil mortes e critica governo

Publicado


source
Conselho dos secretários de Saúde lamenta 500 mil mortes e critica governo
Reprodução

Conselho dos secretários de Saúde lamenta 500 mil mortes e critica governo

Com críticas ao governo federal, o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) lamentou as  500 mil mortes por Covid-19 no Brasil, marca alcançada neste sábado.

O órgão, que reúne os secretários estaduais, não citou o nome do presidente Jair Bolsonaro, mas fez menção aos governantes que contrariam a lógica e a ciência para questionar medidas eficazes contra a doença e desdenhar a vacina. Disse ainda haver duas crises: a do vírus e a da ignorância. Bolsonaro, por várias vezes, já fez críticas ao uso de máscaras e lançou dúvidas quanto à eficácia das vacinas.

“Contra a lógica e a ciência, alguns governantes questionam a dimensão da tragédia, lançam dúvidas sobre medidas comprovadamente eficazes para reduzir o risco do contágio e desdenham da vacina. Temos, portanto, duas crises: a do vírus e a da ignorância.

Essa perigosa combinação expõe mais pessoas ao risco de contágio e dificulta ainda mais as estratégias de prevenção da doença”, diz trecho da nota assinada pelo presidente do Conass, o secretário de Saúde do Maranhão, Carlos Lula.

Você viu?

A entidade diz que o país poderia ter um trabalho melhor no enfrentamento à doença e fez um “apelo por uma coordenação nacional que unifique os discursos e as ações para que, assim, tomemos todas as medidas possíveis capazes de mudar essa triste realidade”. Destacou ser “urgente ainda que a gestão federal do SUS fortaleça o pacto federativo e volte a assumir o importante papel de coordenador do sistema”.

Veja Mais:  Minas Gerais deve iniciar testes em humanos de nova vacina contra Covid-19

O Conass ressaltou que o Brasil é o segundo país em número de mortes diárias, atrás apenas da Índia, que tem uma população muito maior. “O Brasil, com 2,7% da população mundial, detém 12,8% dos óbitos por Covid-19 no mundo.

Enquanto a proporção de mortes por Covid-19 no mundo é de 488 por milhão de habitantes, aqui é de 2.293″, diz o texto, lembrando ainda que o número de novos casos voltou a crescer.

O órgão apontou ainda alguns problemas enfrentados no Brasil, como a alta ocupação de leitos de UTI e a escassez de medicamentos para intubação. Defendeu ainda uma vacinação mais rápida, e a união, diálogo e transparência para superar o desafio.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook

Saúde

Brasil alcança a marca de 100 milhões de vacinados com a primeira dose

Publicado


source
Enfermeira enchendo seringa com vacina contra a Covid-19
Reprodução/Allan Phablo/PMM

Enfermeira enchendo seringa com vacina contra a Covid-19

O Brasil chegou a 100 milhões de pessoas imunizadas ao menos com a primeira dose da vacina contra a Covid-19. De acordo com o Ministério da Saúde, mais de 62% da população adulta já recebeu ao menos uma dose.

“Estamos cada vez mais próximos de chegar na nossa meta: até setembro, 100% dos adultos estarão vacinados com a primeira dose. E, até o final do ano, todos estarão imunizados”, afirmou o ministério, em nota à imprensa.

Ao mesmo tempo, o governo tem alertado a população sobre a importância da segunda dose. O ministério lançou no início de julho uma campanha para incentivar as pessoas que já tomaram a primeira dose a procurarem os postos de saúde para completar o esquema vacinal. Nas redes sociais, o ministério ressalta a importância de se vacinar:

O chefe da pasta, ministro Marcelo Queiroga defendeu que governo federal, estados e municípios devem reforçar a comunicação para estimular a procura das pessoas que já tomaram a primeira dose para que completem o ciclo dentro do prazo previsto.

Em evento em Presidente Prudente (SP), no início da tarde de hoje (31), Queiroga destacou o avanço da vacinação contra Covid-19 no país, e afirmou sua expectativa de cumprir a meta de vacinar todos os brasileiros acima de 18 anos até setembro.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

“Febre” na pandemia, oxímetro funciona menos em pessoas negras

Publicado


source
Oximitro
Reprodução: ACidade ON

Oximitro

O Reino Unido alertou neste sábado que os aparelhos usados em casa para medir os níveis de oxigênio no sangue de pacientes de covid-19 podem favorecer diagnósticos “equivocados” em negros.

Por meio de um comunicado oficial, o serviço de saúde do Reino Unido apontou que fez uma alteração em suas diretrizes para o uso dos oxímetros, após um estudo que advertia que os oxímetros aumentavam “às vezes” os níveis de oxigênio no sangue “de pessoas com a cor da pele mais escura”.

Os oxímetros de pulso, muito usados pelos próprios pacientes para monitorar um possível agravamento do quadro de coronavírus, funcionam por meio de uma luz que permite medir a quantidade de oxigênio no sangue.

Entretanto, ficou comprovado que alguns dados imprecisos podem atrasar uma hospitalização de um paciente. “Devemos tentar saber os possíveis limites de alguns equipamentos médicos, especialmente nos setores da população que apresentam um maior risco para esta doença”, disse o médico Habib Naqvi, diretor do Observatório da Raça e da Saúde.

“Isso inclui diversas comunidades de negros e asiáticos que usam os oxímetros de pulso para controlar seus níveis de oxigênio em casa”, enfatizou.

Veja Mais:  Covid-19: Pessoas com 27 e 26 anos já têm data para se vacinar em São Paulo

Apesar do estudo, o Reino Unido segue recomendando o uso dos oxímetros. Além disso, aconselha aos pacientes que, em vez de observar a quantidade total de oxigênio, o paciente priorize as alterações significativas, já que isso permite “ver se os níveis de oxigênio diminuem, embora o oxímetro não seja totalmente preciso”.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Minas Gerais deve iniciar testes em humanos de nova vacina contra Covid-19

Publicado


source
Vacinas
Divulgação

Vacinas

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recebeu oficialmente o pedido para realização de estudo fase 1 e 2 da vacina SpiNTec, desenvolvida em parceria entre a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e a Fundação Exequiel Dias (Funed). A solicitação foi enviada na sexta-feira.

Se autorizado, terá início os testes do imunizante em humanos. De acordo com a UFMG, as duas fases serão desenvolvidas concomitantemente e estão previstas para setembro. A primeira seria feita em 40 voluntários e tem o objetivo de avaliar a segurança da vacina, para identificar se ela provoca ou não efeitos adversos.

Já a fase 2, que vai reunir 150 a 300 voluntários, busca comprovar a capacidade imunogênica da vacina, isto é, de induzir a geração de anticorpos e células de defesa específicas contra o coronavírus.

De acordo com os procedimentos da Anvisa, a análise considerará a proposta do estudo, o número de participantes e os dados de segurança obtidos até o momento nos estudos pré-clínicos realizados em laboratório e animais.

Segundo a UFMG, os resultados em camundongos foram positivos, já que a vacina não gerou efeitos colaterais adversos detectáveis e demonstrou a capacidade de produção de anticorpos tanto para proteína S, na qual ocorre a maioria das mutações do coronavírus, quanto para a N. Além disso, foram identificadas respostas protetoras de linfócitos T.

Veja Mais:  Covid-19: Pessoas com 27 e 26 anos já têm data para se vacinar em São Paulo

A expectativa é que a Spintec esteja disponível em 2022, quando toda a população já tiver recebido duas doses de vacina. O objetivo é que a vacina reforce a imunidade das pessoas contra o coronavírus.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

ALMT – Campanha Fake News II

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana