Saúde

Covid: pessoas imunizadas com a Janssen têm esquema vacinal diferente

Publicado

source
Após primeira dose com imunizante da Janssen é preciso ao menos duas de reforço
Divulgação/Secretaria Municipal da Saúde

Após primeira dose com imunizante da Janssen é preciso ao menos duas de reforço

A Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria municipal de Saúde (SMS), divulgou o novo esquema vacinal contra a Covid-19 para quem tomou na 1ª dose (D1) o imunizante Janssen . Apesar de ele ser a chamada dose única, que equivale às aplicações da D1 e D2 de uma única vez, a SMS indica duas ou três doses de reforço (DR), de acordo com a faixa etária.

No esquema vacinal divulgado nesta segunda-feira (20), a imunização contra a Covid-19 para quem recebeu D1 com Janssen fica da seguinte forma:

  • Quem tem de 18 a 39 anos toma 2 doses de reforço (total = 3 doses)
  • Quem tem 40 anos ou mais toma 3 doses de reforço (total = 4 doses)

O intervalo entre as aplicações, segundo a secretaria, é de dois meses entre a dose inicial e o 1º reforço e quatro meses entre os reforços seguintes.

Os imunizantes de reforço podem ser Pfizer, Astrazeneca e Janssen, de acordo com a disponibilidade. Segundo a SMS, a Janssen, quando aplicada como dose de reforço, não vale como duas doses. Por isso, deve-se cumprir o esquema recém divulgado. Já grávidas e puérperas devem tomar a Pfizer como reforço e, caso não esteja disponível, devem receber a Coronavac.

Nesta terça-feira, o calendário para a quarta dose foi ampliado.  Pessoas com 40 anos ou mais e profissionais da saúde com 18 anos ou mais já podem ir aos postos para o segundo reforço, desde que tenha tomado a terceira dose há pelo menos quatro meses.

Veja Mais:  Entenda o que pode ter causado o inchaço no rosto da cantora Joelma

As demais pessoas com idade entre 18 e 39 anos podem receber a DR2 apenas se fizerem parte do grupo imunizado com a Janssen na 1ª dose, desde que respeitando o intervalo estabelecido entre as doses.

O esquema vacinal com os demais imunizantes é organizado da seguinte forma:

Primeira dose: Pessoas com 5 anos ou mais que ainda não se vacinaram Segunda dose: Pessoas com 5 anos ou mais após a primeira dose seguindo o intervalo abaixo

  1. Coronavac: 4 semanas
  2. AstraZeneca: 8 semanas
  3. Pfizer: 21 dias
  4. Janssen: Não há segunda dose

Primeiro reforço: Pessoas com 12 anos ou mais quatro meses após a 2ª dose Segundo reforço: Pessoas com 40 anos ou mais que tomaram o 1º reforço há quatro meses ou mais. Trabalhadores da saúde a partir dos 18 anos, com o mesmo intervalo

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook

Saúde

Úvula: função, tipos, cuidados e tratamentos

Publicado

Médico examina a garganta do paciente otorrinolaringologista fazendo exame de garganta
Freepik/stefamerpik

Médico examina a garganta do paciente otorrinolaringologista fazendo exame de garganta

A úvula é o “sininho” que temos na entrada da garganta. Aquela parte molinha que fica lá no fundo da boca. Ela é formada de músculos, tecidos conjuntivos e mucosa; e está localizada próxima às amígdalas no palato mole.

Qual a função

  • auxilia na deglutição: essa estrutura se move para cima quando engolimos algo, impedindo que os pedaços de comida acabem entrando na cavidade nasal;
  • auxilia na fala: a úvula é conectada à emissão de sons, pois ajuda a articular cada fonema, formando as palavras que desejamos;
  • previne engasgamentos: ela gera a sensação de náuseas quando tentamos engolir algo que não foi bem mastigado, fazendo com que nenhum desses pedaços fique preso no meio do caminho para o estômago.

Alguns problemas que começam na Úvula

UVULITE

  • Esse é a doença na úvula mais comum, pois trata-se de uma infecção nessa área. Além da contaminação por bactérias ou germes, pode ser causada por alergias e até lesões na região. Os sintomas mais comuns nesses casos é o inchaço, vermelhidão, irritação na garganta e dor .

ÚVULA ALONGADA

  • O alongamento da úvula é quando essa estrutura tem seu tamanho maior que o normal, o que gera a obstrução do fluxo de ar. Essa condição é um dos fatores que causa a Apneia do Sono, um distúrbio que atrapalha a respiração durante o período que está adormecido e gera o ronco 
Veja Mais:  Remédios para varíola dos macacos não estão disponíveis no Brasil

ÚVULA BÍFIDA

  • A úvula bífida é um problema que está na mesma categoria que a fenda palatina e o lábio leporino. Ela ocorre quando os tecidos do palato mole não conseguem se encontrar no meio do “céu da boca” para formar a úvula corretamente. Dessa forma, fica ali uma abertura na região que deveria ser como o filtro na parte de deglutição.
  • Se associada com a fenda palatina, essa má formação da úvula pode causar problemas na fala, dificuldades na alimentação – em especial de bebês – e potencializar as infecções no ouvido. Para corrigir essa condição, o paciente deve fazer uma cirurgia ainda nos primeiros anos de vida.

Tratamento

  • É possível remover a úvula e, em alguns casos, esse procedimento é necessário para manter a saúde bucal. No caso de úvula alongada, alguns casos ela precisa ser retirada parcialmente para desobstruir a respiração. Há também aqueles pacientes que possuem essa estrutura tão além do tamanho normal, que precisa ser cortada por completo.
  • Algumas vezes, quando é preciso retirar as amígdalas de um paciente, a úvula também é removida se estiver sendo constantemente debilitada pelas infecções nessas outras partes. 

CUIDADOS

  • lubrificar a garganta com certa frequência, bebendo água e sucos;
  • evitar fumar, pois a fumaça machuca a mucosa;
  • fazer gargarejos com antisséptico bucal para eliminar bactérias;
  • evitar o consumo de bebidas muito quentes, pois os tecidos do palato mole são mais sensíveis;
  • mastigar bem os alimentos, para evitar que algo arranhe a úvula ou a garganta.
Veja Mais:  STJ decide que planos de saúde podem ser obrigados a cobrir home care

Tomando esses cuidados, as chances de ter alguma complicação nessa região diminuirá bastante. Mesmo assim, se perceber qualquer incômodo na úvula ou garganta, busque tratamento com um especialista

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Brasil registra 51,6 mil casos de covid-19 e 127 óbitos em 24 horas

Publicado

Teste rápido para Covid-19 aponta resultado positivo
Nathaniel Hafer e Apurv Soni – The Conversation*

Teste rápido para Covid-19 aponta resultado positivo

O Ministério da Saúde divulgou nesta segunda-feira, 27, os novos números sobre a pandemia de covid-19 no Brasil. De acordo com levantamento diário feito pela pasta, o Brasil registrou 51,6 mil casos e 127 óbitos por covid-19 nas últimas 24 horas.

O país acumula 32,1 milhões de casos confirmados da doença e 670,5 mil mortes registradas. O número de recuperados da doença é de 30,6 milhões, equivalente a 95,5% dos casos.

O Estado de São Paulo tem o maior número de casos acumulados desde o início da pandemia. Foram registrados 5,6 milhões e 170,6 mil. Em seguida estão Minas Gerais (3,5 milhões de casos e 62 mil óbitos), Paraná (2,6 milhões de casos e 43,6 mil óbitos) e Rio Grande do Sul (2,5 milhões de casos e 39,9 mil óbitos).

Vacinação De acordo com o vacinômetro do Ministério da Saúde, já foram aplicadas 450 milhões de doses de vacinas contra a covid-19, sendo 178 milhões de primeira dose e 160 milhões de segunda dose. A dose única foi aplicada em 4,9 milhões de pessoas. Outras 93,2 milhões de pessoas receberam a dose de reforço.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Veja Mais:  Brasil tem 105 mil novos casos de covid-19 em 24h
Continue lendo

Saúde

Duas crianças de até 5 anos morrem todo dia por covid-19 no Brasil

Publicado

Crianças de até 5 anos de idade ainda não pode tomar vacina contra o coronavírus no Brasul
André Biernath – @andre_biernath – Da BBC News Brasil em Londres

Crianças de até 5 anos de idade ainda não pode tomar vacina contra o coronavírus no Brasul

Desde o início da pandemia da Covid-19 no Brasil, em fevereiro de 2020, a infecção pelo novo coronavírus vem matando, em média, duas crianças de até 5 anos de idade por dia no país . Ao todo, 1.439 crianças dessa faixa etária morreram, sendo 599 no ano de 2020, 840 em 2021. Entre janeiro e 13 de junho de 2022, houve 291 mortes de crianças abaixo de 5 anos. Os dados são de um levantamento realizado pela Observa Infância . Segundo a instituição, os números do boletim epidemiológico do Ministério da Saúde e do Sistema de Informação para Mortalidade (Sim) indicam que a média se mantém a mesma em neste ano.

“A análise dos dois primeiros anos de pandemia no Brasil mostra que crianças de 29 dias a 1 ano são as mais vulneráveis”, diz o documento. Para um dos coordenadores da Observa Brasil, Patricia Boccolini, os bebês dessa faixa etária totalizam quase metade do total de mortes. “É preciso celeridade para levar a proteção das vacinas a bebês e crianças, especialmente de 6 meses a 3 anos. A cada dia que passamos sem vacina contra a Covid-19 para menores de 5 anos, o Brasil perde duas crianças”, afirma a pesquisadora.

Veja Mais:  Bolsonaro anula decreto que criou comitê de enfrentamento à Covid-19

A pesquisa leva em conta todos os casos em que a Covid-19 agravou algum outro quadro de saúde já pré-existente na criança. “Embora nem todas essas crianças tenham morrido de Covid-19, todas morreram com Covid-19”, aponta o segundo coordenador do levantamento, Cristiano Boccolini.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

ALMT – Campanha Fake News II

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana