Nacional

Deputados pedem fundo da OMS e aprovação de projetos para combate ao coronavírus entre indígenas

Publicado


.
Alex Pazuello/Prefeitura de Manaus
Saúde - doenças - coronavírus Covid-19 pandemia índios indígenas máscaras
Frente denuncia atraso na chegada de equipamentos nos distritos sanitários especiais indígenas

A Frente Parlamentar em Defesa dos Povos Indígenas estabeleceu em reunião nesta quinta-feira (23) sete prioridades imediatas para tentar conter a propagação do novo coronavírus entre os cerca de 900 mil índios brasileiros.

Na reunião, que contou com representantes do governo federal, associações indígenas e outras lideranças socioambientais, os parlamentares acataram a sugestão da ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva de que seja pedida à Organização das Nações Unidas (ONU) e à Organização Mundial da Saúde (OMS) a criação de um fundo específico com recursos para ajudar todas as etnias indígenas do mundo a enfrentarem a pandemia.

“Nesse momento, sem dúvida, temos muitos segmentos vulneráveis, mas esses são os mais vulneráveis, até porque já foram vítimas de tantas pandemias que foram usadas para os eliminar”, defendeu a ex-ministra.

Projetos
Outra prioridade da frente é a urgência na votação dos projetos de lei que vários deputados já apresentaram na Câmara sobre o tema. Os principais (PL 1142/20, PL 1299/20 e PL 1305/20) tratam, entre outros pontos, de aumento emergencial do número de profissionais de saúde, garantia de testagem rápida e medidas restritivas de circulação nas aldeias. Já há requerimentos de urgência para votação em Plenário e para que os três projetos tramitem apensados.

A coordenadora da frente, deputada Joenia Wapichana (Rede-RR), disse que a ideia é apresentar um texto único em Plenário englobando todos os temas. A deputada espera que essa votação ocorra até a próxima semana.

Veja Mais:  Bolsonaro não repassa R$ 2 bi a Santas Casas e hospitais; Diz Colunista

“O primeiro projeto protocolado (PL 1142/20) já foi matéria de discussão na reunião de líderes. A proposta é fazer uma emenda aglutinativa que contemple as proposições. Por isso, pedi que os deputados apoiem essa causa indígena que é apartidária e extremamente necessária nesse momento”.

Reunião
A frente quer organizar ainda uma reunião com o novo ministro da Saúde, Nelson Teich, para cobrar ações do governo que confirmem o status “prioritário” para os indígenas no enfrentamento do coronavírus.

Joenia denunciou o atraso na chegada de equipamentos nos distritos sanitários especiais indígenas.  “O último ministro esteve aqui conosco, falou (que os indígenas) eram prioritários e nós conseguimos antecipar a vacinação. Mas, neste momento, a gente está vendo que realmente (o material) não está chegando nos distritos (sanitários) dos polos-bases. Eu perguntei ao governador a situação de Roraima e o governador disse: ‘nós não temos equipamentos, os 2.400 testes rápidos não deram nem para o começo”.

Invasões
A frente parlamentar também decidiu acionar o Ministério da Justiça em busca de solução urgente para a invasão de terras indígenas. O deputado Edmilson Rodrigues (Psol-PA) alertou que e a exploração ilegal de recursos minerais nessas áreas, ampliando os riscos para a saúde indígena.

“Tem que sair um ofício para mostrar o que roubam de madeira, a grilagem de terra, a ocupação de terras indígenas e de unidades de conservação e a agressão aos direitos humanos, além do que corre de dinheiro sem nenhum registro porque são atividades ilegais”.

Veja Mais:  Guedes defende aumento do Bolsa Família e valor deve ser de R$ 300

Pedidos
Outra prioridade será reenviar, dessa vez por escrito, pedidos de informação a vários órgãos federais quanto a providências que facilitem a entrega de cestas básicas e o acesso dos indígenas ao auxílio emergencial de R$ 600, como explicou o deputado José Ricardo (PT-AM).

“É uma ação federal e precisaria ter toda uma logística de estrutura do governo federal, mas também com parceria com os governos dos estados e os municípios. E, em relação à Caixa, é a história dos cadastros: realmente muitas questões envolvem indígenas e essa é uma questão que precisa ser equacionada”.

Representantes da Funai informaram ter conseguido a descentralização de R$ 5 milhões para a aquisição de cestas básicas e itens de limpeza a serem encaminhados para as comunidades indígenas. A entidade admite que não será possível atingir todas as aldeias do País, mas que há monitoramento das áreas de maior vulnerabilidade.

A Funai ainda pediu a ajuda dos deputados para desburocratizar algumas ações do Executivo no atendimento das demandas indígenas no âmbito da medida provisória (MP 926/20) que trata de procedimentos para aquisições governamentais durante a pandemia.

Reportagem – José Carlos Oliveira
Edição – Geórgia Moraes

Comentários Facebook

Nacional

Hulk vai ser papai pela quarta vez

Publicado

Hulk vai ser papai pela quarta vez. O jogador fez o anúncio da gravidez da mulher, Camila Ângelo, nas redes sociais.

O casal ainda não sabe o sexo da criança. Confira o comunicado na íntegra:

“Hoje com o coração cheio de gratidão a DEUS, venho compartilhar com vocês que pela quarta vez estou sendo abençoado com mais um filho(a). Meu coração transborda de tanta felicidade e só consigo falar obrigado DEUS. Nós já estamos ansiosos para te receber filho(a) te amamos incondicionalmente. Venha cheio de saúde meu bebê”.

O jogador tem três filhos com a ex-mulher, Iran Ângelo.

Comentários Facebook
Veja Mais:  Hulk vai ser papai pela quarta vez
Continue lendo

Nacional

Agentes de patrulha de fronteira encontram duas crianças abandonadas nos EUA

Publicado

Foto: CBP/Fox News

Agentes da Patrulha de Fronteira dos Estados Unidos resgataram na terça-feira (14) uma menina de dois anos e um bebê de três meses abandonadas na fronteira dos EUA com o México, na região do rio Grande, perto de Eagle Pass, cidade localizada no estado norte-americano do Texas. As informações são da Fox News.

Em nota, o Customs and Border Protection (CBP) – Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA – informou que as duas crianças são irmãos hondurenhos.

Eles foram encontrados quando agentes que estavam em um barco notaram “uma cor incomum” na margem do rio.

Os agentes encontraram uma nota identificando a nacionalidade e idade das crianças, que foram resgatas em segurança e não precisaram de atendimento médico.

É o último caso registrado de crianças abandonadas na fronteira, muitas vezes por contrabandistas, na esperança de serem recolhidas pela Patrulha da Fronteira e liberadas para familiares que já estão nos EUA.

Em junho, a Patrulha da Fronteira divulgou um vídeo de uma menina de 5 anos vagando sozinha na fronteira depois de ser abandonada. Outro vídeo mostrava um menino de 5 anos gritando “não vá!” depois de ser abandonado ao longo da fronteira EUA-México.

Uma autoridade do Department of Health and Human Services (DHS) disse à Fox News na quarta-feira (15) que 18.847 crianças abandonadas foram encontradas em agosto na fronteira dos EUA com o México.

Um grupo de 140 brasileiros foi detido na quinta-feira (16) ao cruzar ilegalmente a fronteira do México com os Estados Unidos. Dados do órgão de Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA revelam que o número de brasileiros cruzando ilegalmente a fronteira sul dos EUA bateu recorde ao longo dos últimos dez meses. De outubro de 2020 a agosto deste ano, 46.410 brasileiros foram detidos — seis vezes mais do que um período semelhante anterior.

Só em agosto, 9.098 tentaram a travessia, a maior marca desde o início do ano fiscal de 2021 (que vai de 1º de outubro de 2020 a 30 de setembro de 2021).

Brasileira morre no deserto

Agentes de fronteira do estado do Novo México encontraram nesta semana o corpo de uma brasileira que tentava entrar clandestinamente nos Estados Unidos,

Lenilda dos Santos morreu aos 49 anos, quatro meses antes de realizar o sonho de ser avó de uma menina. O corpo da imigrante, que era de Rondônia, foi encontrado no deserto, onde tentava cruzar a fronteira do México com os Estados Unidos ilegalmente. Ela foi abandonada pelos amigos de infância com quem viajava.

Da redação com G1

Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Enfermeira morre de fome e sede ao tentar entrar nos Estados Unidos com ajuda de coiotes

Publicado

Foto: Divulgação

A técnica de enfermagem, Lenilda Oliveira, de idade não divulgada, moradora de Vale do Paraíso-RO, morreu na última quarta-feira (15), enquanto tentava atravessar o deserto entre o México e Estados Unidos. Ela tentava entrar nos EUA em busca de uma vida melhor e teria sido deixada para trás por um grupo guiado por um coiote (pessoa especializada em entrar ilegalmente no país americano).

Lenilda enviou diversos áudios de Whatsapp explicando como ocorreu toda a situação. Uma parente da vítima contratou uma segunda pessoa no México, que a procurou no deserto, e encontrou a rondoniense desmaiada. A técnica de enfermagem ainda foi levada ao hospital, mas não resistiu e morreu. A mulher deixa duas filhas.

DETALHES

Em um áudio enviado a uma amiga, a mãe da vítima afirma que a filha morreu de fome e sede, e foi abandonada pelo grupo com quem ficou por cerca de um mês aguardando para atravessar a fronteira.

“Minha filha acabou morrendo no deserto de fome e sede, abandonada pelos amigos que [durante] 30 dias ficaram juntos. Chegou no deserto ela não conseguiu andar. Coitadinha e eles foram embora e deixaram ela sozinha no deserto. Ela morreu com fome e sede. Nem água deixaram pra ela nem nada de comer”, disse a senhora.

Informações de amigos destacam que Lenilda, em seu último áudio enviado, tinha dificuldades para falar. Uma amiga da técnica de enfermagem fez uma postagem nas redes sociais lamentando a perda. “Partiu dessa vida buscando realizar o sonho de ter uma vida melhor em outro país”, lamentou ela.

Veja Mais:  Agentes de patrulha de fronteira encontram duas crianças abandonadas nos EUA

Comentários Facebook
Continue lendo

ALMT – Campanha Fake News II

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana