Mato Grosso

Doadores de medula óssea relatam experiência da compatibilidade

Publicado


.

Doadora de sangue de carteirinha, Marina Farias de Araújo, 28 anos, de Cuiabá, conta que sempre soube que nasceu para salvar vidas. Em 2013, após doar sangue no MT Hemocentro, a jovem se cadastrou no Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome) e, cinco anos depois, com seu gesto de amor, salvou não só uma vida, mas também de uma família inteira ao devolver esperança e a alegria para um paciente de Natal (RN), que era 100% compatível com sua genética. 

“Não me arrependo de nada. Faria tudo de novo. É uma mistura de sensação, porque para mim era um sonho de vida. Eu moveria mundos e fundos para conseguir realizar essa doação porque ela não salva só uma vida, salva uma família inteira por estar devolvendo a esperança e a felicidade”, acredita Marina que, ao lado de outros doadores, contou durante live realizada pelo MT Hemocentro, na sexta-feira (18), sua experiência de ser compatível com outra pessoa.

A doadora também relatou que durante o procedimento de doação é possível sentir uma dor, só que uma dor suportável. “Fiz vários exames antes, como de sangue, eletrocardiograma e tomografia do tórax. Minha doação foi por aférese. Precisei tomar um medicamento por 5 dias que estimula a multiplicação das células mãe. Depois disso fui doar, a doação levou cerca de 3h30 minutos”, recorda.

Diferente de Marina, que doou para alguém do Brasil, cuja a compatibilidade é de 1 em 100 mil, é a história de Idnascir dos Santos Moreira, 33 anos, de Várzea Grande, que doou neste ano sua medula para um paciente entre 10 e 12 anos, que morava em outro país, na qual a compatibilidade é de 1 em 1 milhão. “Eu já era doador de sangue regular. Conheci o Redome através de um colega e seis meses depois de ser voluntário entraram em contato dizendo que tinha uma pessoa compatível comigo, de outro país”, relata.

O procedimento de Idnascir foi por punção e realizado no Rio de Janeiro. “O pessoal fala que é uma dor insuportável, mas não é. O processo foi tranquilo, eles fizeram a retirada por meio de anestesia geral, fazem dois furos pequenos na bacia e não leva ponto. No outro dia já estava sentando e no terceiro dia eu já estava andando. Eu recuperei rápido”, lembra

Tanto Marina como Idnascir tiveram as passagens, hotel, ajuda de custo para transporte e alimentação pagas pelo Redome via Sistema Único de Saúde (SUS). Cada doador, ao ser confirmada a compatibilidade dele com um paciente, tem direito a um acompanhante, que também tem as despesas pagas pelo Redome durante o período que passar fora de sua cidade de residência. 

Vida em meio ao caos

Veja Mais:  Escola em Cuiabá é reformada para atender alunos em tempo integral

O nome do filme ideal para Larissa Vilela Pereira, de 24 anos, de Cuiabá, e para Ketlin Cristina Linhares, de 38 anos, de Rondonópolis, seria vida em meio ao caos. Elas se cadastraram no Redome em 2015 e jamais imaginaram que em meio a pandemia poderiam entrar para o time de heróis de sangue. As duas foram avisadas de que haviam dois pacientes possivelmente compatíveis com o tipo genéticos delas. “Abençoadas”, disseram elas, ao serem ‘escolhidas por Deus’ para levar vida em meio ao caos a outra pessoa. 

“Me senti abençoada por Deus. Eu até me emociono pelo fato de eu poder salvar uma vida. Quando me veio essa possiblidade de ser doadora eu pensei no meu filho, então o paciente poderia ser uma criança, foi quando eu disse: vou ajudar!”, decidiu Larissa, que recebeu a ligação do Redome em julho deste ano e já realizou os exames  e está esperando o resultado para checar o percentual de compatibilidade com o paciente. 

Há dois anos a mãe de Keittlin venceu o câncer de mama. O irmão dela não conseguiu esse resultado na luta contra o câncer de fígado e veio a óbito neste ano. Ambos não tinham indicação para tratamento com células troncos, mas mesmo assim essa situação incentivou mais ainda Keittlin a ser doadora de medula.

“Você tem um pedacinho de você que uma pessoa precisa e aquela pessoa só espera um pouquinho da sua coragem para receber aquilo que Deus te deu com tamanha graça”, diz a doadora emocionada em poder salvar uma vida. Keittlin recebeu a ligação do Redome no início de setembro deste ano, já realizou os exames e também está esperando o resultado para checar o percentual de compatibilidade com o paciente.

Veja Mais:  Batalhão Ambiental identifica desmatamento em propriedade particular em Ribeirão Cascalheira

Queda no número de doadores 

A diretora do MT Hemocentro, Gian Carla Zanela, ressalta que é importante ter pessoas como Marina, Idnascir, Larissa e Ketlin, mas ela reforça que é necessário mais doadores voluntários de medula óssea.  Conforme dados do Banco de Sangue Público, há 65.460 doadores de medula óssea cadastrados no estado. Desses, 2.565 ingressaram como doadores em 2019. Devido a Pandemia pela Covid-19, em 2020 o número de novos doadores diminuiu. Até o momento, o Hemocentro contabiliza 730 novos cadastros neste ano. “Precisamos desmistificar esse tema e alcançar mais doadores. A doação não oferece risco a vida do doador”, reforça Gian.

A medula óssea é constituída por um tecido esponjoso mole localizado no interior dos ossos longos. É nela que o organismo produz praticamente todas as células do sangue: glóbulos vermelhos, brancos e plaquetas. Os principais beneficiados com o transplante são os pacientes com leucemia, linfomas e doenças autoimunes.

Como ser um dador de medula óssea

Interessados em ser um doador de medula óssea podem ir até o MT Hemocentro, situado na rua 13 de junho, número 1055, no Centro, em Cuiabá, e realizar o cadastro no banco de doadores do Redome. O local fica aberto de segunda a sexta-feira, das 07h30 às 17h30.

É necessário portar documento oficial com foto, estar saudável e ter entre 18 e 55 anos de idade para realizar o cadastro. A carteirinha de doador é impressa em papel sulfite no ato do cadastro, sendo o único documento de comprovação de cadastro emitido pelo Redome. 

Veja Mais:  Secel publica editais com recursos de R$ 25 milhões da Lei Aldir Blanc

Outras informações podem ser obtidas por meio do telefone (65) 3623-0044.

Fonte: GOV MT

Mato Grosso

Sema suspende atividades do Parque Mãe Bonifácia

Publicado


A Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema) suspende temporariamente, a partir desta sexta-feira (30.10), as atividades do Parque Estadual Mãe Bonifácia. 

O fechamento ocorre devido a morte de sete macacos saguis e atende os protocolos de segurança biológica. As atividades estarão suspensas até que os laudos da necropsia dos animais estejam concluídos e haja garantia de segurança da saúde da população e dos animais. 

Os laudos serão divulgados pela Unidade de Vigilância em Zoonoses da Prefeitura de Cuiabá que está analisando amostras coletadas. 

As equipes da Sema e do Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental estão realizando varreduras sanitárias em todo perímetro do Parque.

Fonte: GOV MT

Veja Mais:  Filhote de veado-catingueiro é levado para Santuário de Elefantes após tratamento no PAEAS
Continue lendo

Mato Grosso

Município de Ribeirãozinho está com risco moderado de contaminação de Covid-19 em Mato Grosso

Publicado


Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT) divulgou nesta quinta-feira (29.10) mais uma atualização do panorama da situação epidemiológica da Covid-19 em Mato Grosso. O Boletim Informativo n° 235 mostra (a partir da página 12) que o município de Ribeirãozinho configura na classificação com risco “moderado” para contaminação do novo coronavírus.

Os demais 140 municípios estão na classificação de risco “baixo”, indicado pela cor verde e não apresentam grandes riscos de contaminação. Nenhuma cidade de Mato Grosso foi classificada com risco “muito alto”, indicado pela cor vermelha que representa alerta máximo de contaminação.

O sistema de classificação que indica o nível de risco é definido por cores: muito alto (vermelho), alto (laranja), moderado (amarelo) e baixo (verde). De acordo com a definição dos riscos é necessária a adoção de medidas restritivas para o controle da propagação do coronavírus nas cidades. Os indicadores de classificação de risco são atualizados duas vezes por semana e os resultados são divulgados nos Boletins informativos da SES-MT.

Veja a tabela de classificação de risco por município

 

Recomendações e cuidados

– Evitar contato próximo com pessoas que sofrem de infecções respiratórias agudas;

– Usar máscara quando sair de casa;

– Evitar aglomerações;

– Lavar as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos. Se não houver água e sabão, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool;

Veja Mais:  Secel publica editais com recursos de R$ 25 milhões da Lei Aldir Blanc

– Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas;

– Evitar contato próximo com pessoas doentes. Ficar em casa quando estiver doente;

– Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo;

– Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.

 

Fonte: GOV MT

Continue lendo

Mato Grosso

Filhote de veado-catingueiro é levado para Santuário de Elefantes após tratamento no PAEAS

Publicado


Um filhote de veado-catingueiro que estava em tratamento no Posto de Atendimento Emergencial de Animais Silvestres (PAEAS) do Pantanal, com ferimentos graves na boca, está recuperado e foi encaminhado ao Santuário de Elefantes, em Chapada dos Guimarães.

O filhote foi encontrado em uma estrada próximo a um assentamento rural de Rosário do Oeste, sem a mãe e com abscesso na região oral. O animal foi entregue às autoridades competentes e encaminhado ao PAEAS para ser atendido por veterinários locais. O bicho não foi uma das vítimas das queimadas.

Participou da ação de resgate e transporte do veado-catingueiro até o Santuário de Elefantes, que o recebeu por meio de um Termo de Guarda, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Polícia Militar e Polícia Militar de Proteção Ambiental

Até o momento, o Posto de Atendimento Emergencial de Animais Silvestres já atendeu 182 animais silvestres.

Toda vida importa

O PAEAS Pantanal está em atividade desde o dia 30 de agosto é um dos instrumentos de resposta aos incêndios florestais e integra as ações do Centro Integrado Multiagências (Ciman).

A força-tarefa para atendimento aos animais reúne esforços de órgãos do Governo de Mato Grosso, Governo Federal, entidades de classe, terceiro setor e instituições privadas e já distribuiu até o momento mais de 7 milhões de litros de água e 68 toneladas de alimentos em mais de 16 mil pontos estratégicos.  

Veja Mais:  Equipe de obras da SES já esteve no Hospital Metropolitano para verificar incidente após chuva

O grupo é coordenado pelo Comitê Estadual de Gestão do Fogo e é formado pelas secretarias de Meio Ambiente e Segurança Pública, BPMPA, Batalhão de Emergências Ambientais do Corpo de Bombeiros Militar, Programa REM-MT, Instituto de Defesa Agropecuária (Indea) e Marinha do Brasil. 

Assembleia Legislativa, Prefeitura de Poconé, Juizado Volante Ambiental e Ibama também estão presentes. A UFMT atua por meio do Hospital Veterinário, Centro Acadêmico de Medicina Veterinária e Centro de Medicina e Pesquisa em Animais Silvestres. O Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT) também apoia as ações.

O Conselho Regional de Medicina Veterinária e a Ordem dos Advogados do Brasil em Mato Grosso compõem o grupo. Do terceiro setor, a Ampara Silvestre, Associação de Defesa do Pantanal (Adepan), Instituto Mata Ciliar, Ecotrópica, É o Bicho MT, Instituto Luísa Mell, Grupo de Resgate de Animais em Desastres (GRAD), Reprocon e SOS Pantanal somam esforços. Já da iniciativa privada apoiam a ação a Integral Pet, laboratório VET Vida, Vivet, Clínica Anjo da Guarda e Pantaneiro Clínica Veterinária.

Fonte: GOV MT

Continue lendo

CAMPANHA COVID-19 ALMT

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana