conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Economia

Em busca de trabalho? Saiba quais cidades mais geraram vagas de emprego em 2019

Publicado

Gerar emprego arrow-options
MARCELLO CASAL JR./AGÊNCIA BRASIL

Ao todo, Brasil gerou mais de 461 mil vagas de emprego neste ano, de acordo com o Caged

São Paulo fechou os sete primeiros meses de 2019 com um saldo de 50.251 novos empregos com carteira assinada, e é o município que mais ofereceu oportunidade de trabalho neste ano. As informações são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgadas na sexta-feira (23).

Só em julho o saldo da capital paulista foi de 20.204 vagas geradas na capital paulista, ou seja, o resultado do total de admissões menos o total de desligamentos. 

Atrás de São Paulo, vem Curitiba, no Paraná, com 15.632 empregos novos de janeiro a julho; em terceiro lugar está Brasília, Distrito Federal, que abriu 14.884 vagas. 

Além das capitais, Joinville (SC), Dourados (MS) e Santa Cruz do Sul (RS) tiveram destaque entre as cidades que mais ofereceu postos de trabalho neste ano. Veja abaixo a tabela com os 20 municípios do Brasil que mais colaboraram com o crescimento da economia gerando empregos.


Desligamentos

Entre as cidades que ficaram com o saldo negativo, o Rio de Janeiro foi a que mais sofreu. A capital carioca fica isolada na ponta da tabela: foram 16.733 postos de trabalho fechados de janeiro até julho.

Veja Mais:  Governo Bolsonaro quer dobrar verba em propaganda para melhorar imagem

Fortaleza, no Ceará, também perdeu oportunidades de emprego (4.806), seguido de Rio Formoso, em Pernambuco (4.040). Confira a tabela abaixo.


Emprego formal cresce no Brasil

Em linhas gerais, o emprego formal no Brasil cresceu pelo quarto mês consecutivo. Foram 43.820 vagas de trabalho com carteira assinada abertas só em julho, um crescimento de 0,11% em relação ao estoque de junho

“Consideramos que o mercado de trabalho tem apresentado sinais de recuperação gradual, em consonância com o desempenho da economia. O governo vem adotando medidas de impacto estrutural e esperamos reflexos positivos no mercado de trabalho, na medida do aprofundamento das reformas”, afirmou o secretário de Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Dalcolmo.

Também houve aumento no emprego se considerados os resultados dos sete primeiros meses deste ano. De janeiro a julho foram abertas 461.411 vagas formais, variação de 1,20% sobre o estoque. Em 2018, no mesmo período, as novas vagas tinham somado 448.263. 

Leia também: Brasil cria 408 mil vagas de emprego no 1º semestre, melhor resultado em 5 anos

Nos últimos 12 meses, o saldo ficou positivo em 521.542 empregos, variação positiva de 1,36%. Assim como no acumulado do ano, os últimos 12 meses tiveram crescimento maior do que no período anterior. Em 2018, o saldo tinha ficado positivo em 286.121 vagas.

Veja Mais:  Dono da Havan diz que não sabe "o que é fake news"

Comentários Facebook

Economia

Governo Bolsonaro quer dobrar verba em propaganda para melhorar imagem

Publicado


source
bolsonaro
Marcos Corrêa/PR

Depois de tentar tirar do Bolsa Família para a comunicação do governo, Bolsonaro quer dobrar gastos com propaganda governamental

A Secretaria de Comunicação do Governo (Secom) pediu, no início de junho, a liberação ainda para 2020 de R$ 325 milhões para publicidade e  relações públicas. O gasto é uma tentativa de melhorar a imagem do governo Jair Bolsonaro no Brasil e no exterior.

O pedido por mais verba na comunicação oficial foi feito dois dias depois de o governo cortar o orçamento do Bolsa Família para gastar da publicidade institucional. A aplicação de R$ 83,9 milhões acabou sendo cancelada após repercussão negativa.


O atual orçamento de 2020 para comunicação governamental é cerca de R$ 138,1 milhões, metade do novo valor que o governo Bolsonaro quer. A Secom justificou o pedido por mais recurso com o argumento da pandemia de Covid-19.

“Tais providências são determinantes para que a Secom, no contexto de enfrentamento do Brasil à pandemia de Covid-19, tenha condições de cumprir com sua missão de promover a comunicação do governo federal com a sociedade e ampliar o acesso às informações de interesse público”, afirma o documento.

Veja Mais:  Novo calendário de saques do auxílio começa nesta segunda; veja quem tem direito

No entanto, o governo deve tentar recuperar sua imagem, abalada pelas crises provocadas por decisões tomadas por Bolsonaro e sua equipe. A pesquisa mais recente do Datafolha, feita no final de junho, mostra que a rejeição ao presidente atinge de 44% dos brasileiros e a aprovação é de 32%, enquanto  23% avaliam Bolsonaro como regular.

O pedido de ampliação foi feito antes de Bolsonaro reformular a área e recriar o Ministério das Comunicações. Bolsonaro expressado insatisfação com a maneira com que seu governo é retratado Brasil e fora.

A pasta de comunicação é comandada por Fábio Faria (PSD), congressista ligado ao centrão, que anunciou mudanças. Na posse, Faria disse que a “mídia continua a estar entre as prioridades” do governo Bolsonaro e defendeu a liberdade de expressão.

Bolsonaro afirmou que o governo está procurando corrigir o que chamou de “opiniões distorcidas” que arranharam a imagem do país no exterior na quinta-feira (2), durante reunião virtual de cúpula de presidentes do Mercosul.

“Nosso governo vai desfazer opiniões distorcidas sobre o Brasil, mostrando ações que temos tomado em favor da floresta amazônica e do bem-estar das populações indígenas”, disse Bolsonaro.

Segundo assessores ligados à cúpula do Planalto e da ala militar do governo, o discurso ideológico contaminou a comunicação oficial, especialmente no exterior, fazendo mal à imagem do Brasil.

Um grupo de investidores internacionais enviou uma carta aberta a embaixadas brasileiras em oito países manifestando preocupação com o “desmantelamento de políticas ambientais e de direitos humanos” no final do mês de junho.

Veja Mais:  Depois de três meses, milhões seguem sem auxílio emergencial

O jornal Folha de S.Paulo teve acesso a três ofícios encaminhados pela Secom à Secretária-Geral da Presidência, à Secretaria de Governo e ao Ministério da Economia. No pedido, a repercussão negativa das ações do governo está impactando a imagem do país e é necessário incentivar a “veiculação de pautas positivas” no Brasil e no exterior.

É prevista a liberação da R$ 200 milhões em publicidades que terão como foco principal mídias regionais em detrimento a veículos nacionais — que veiculam críticas ao governo — e quintuplicar o valor gasto em relações públicas com a mídia.

“Há necessidade de coordenação e capilaridade regional, associada a situações muitos díspares em cada local. Já o trabalho internacional vai focar nos veículos influenciadores de opinião nos países-chave para o Brasil”, afirmou o secretário-adjunto Samy Liberman em um dos ofícios.

Também há o pedido de liberação de R$ 60 milhões para gastar em veículos no exterior. “O Brasil tem sido citado de forma recorrente pelos principais jornais e agências de notícias internacionais, e críticas à atuação do governo no enfrentamento à Covid-19 têm sido amplamente divulgadas”, expressou Liberman.

Ele cita seis publicações em veículos de imprensa americanos e europeus que criticam as ações de Bolsonaro.

A Secom está sem contrato para os serviços de relações públicas no exterior desde janeiro de 2019. A média de gastos anual tem sido de R$ 10 milhões para ações focadas na participação do Brasil em fóruns internacionais.

Veja Mais:  Dono da Havan diz que não sabe "o que é fake news"

Além dos recursos para publicidade e relações públicas, o governo quer destinar outros R$ 10 milhões para comunicação digital. No documento, Liberman diz que os recursos vão ser usados para a adoção de uma identidade visual nos portais do governo.

Redes sociais – ponto de crítica constante por parte de um dos filhos do presidente, o vereador Carlos Bolsonaro – também pode receber uma parte de R$ 5 milhões.

O documento diz que “as redes sociais é uma das formas usuais de verificação dos anseios da sociedade” e ambiente para a “formação de parte da opinião pública no processo dialógico”.

Veja a evolução dos gastos do governo com comunicação em 2020:

Dotação inicial: R$ 124,5 milhões
Dotação atual: R$ 138,1 milhões
Dotação pedida: R$ 325 milhões

Em quais áreas o governo quer gastar a verba pedida:

Publicidade no Brasil e no exterior: R$ 260 milhões
Relações públicas e com a imprensa no Brasil e no exterior: R$ 50 milhões
Comunicação digital: R$ 10 milhões

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Dono da Havan diz que não sabe “o que é fake news”

Publicado

 

 

source
Luciano Hang
Reprodução

Luciano Hang, chamado de “véio da Havan” por seus adversários, é alvo de duas investigações ligadas á disseminação de fake news.

O empresário Luciano Hang , dono das lojas Havan e um dos principais apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, disse que não sabe “o que é uma fake news”. A declaração foi dada por Hang durante uma entrevista ao jornal Estado de S. Paulo.

Quando foi questionado sobre as acusações de ter financiado um esquema de disseminação de fake news, Hang, que é chamado de “véio da Havan” por seus adversários, disse que a forma como as pessoas enxergam os fatos varia.

“Eu nem sei o que é uma fake news. O que é uma fake news? Um fato tem várias versões. A versão que você encampa depende do lado que você está”, afirmou.

Ele também disse que, durante as eleições de 2018, fez vídeos para apoiar Bolsonaro e negou que tenha disseminado fake news. “Simplesmente atuei em grupos de WhatsAapp que eu montei. Fiz muitos vídeos, que eu publicava nas minhas redes pessoais do Instagram e do Facebook. O que eu produzi de conteúdo coloquei nas minhas redes. Então, estou muito tranquilo, porque não produzi nenhuma fake news.”, disse.

Veja Mais:  Manifestação: donos de bar pedem reabertura em frente à hospital com UTI lotada

A pergunta fazia referência às investigações realizadas contra o empresário. Hang é alvo do inquérito das fake news no Supremo Tribunal Federal (STF) e de uma outra investigaão no Tribunal SUperior Eleitoral (TSE) por impulsionamento de mensagens no Whatsapp.

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Depois de três meses, milhões seguem sem auxílio emergencial

Publicado


source
auxílio
Divulgação

Depois de três meses de pagamentos do auxílio emergencial de R$ 600 do governo federal, milhões de pessoas que pediram a renda de socorro ainda não foram atendidas

Depois de três meses de pagamentos do  auxílio emergencial de R$ 600 do governo federal, milhões de pessoas que pediram a renda de socorro ainda não foram atendidas.

Segundo os dados mais recentes da  Caixa Econômica Federal, há 1,2 milhão de pessoas em primeira análise e 700 mil em reanálise para obter o auxílio, totalizando 1,9 milhões de pessoas à espera dos R$ 600 – ou, no caso de mães solteiras, R$ 1.200.

Em um total de 108,9 milhões de pessoas que pediram o auxílio, 107,7 milhões já foram analisados – 65,2 milhões foram considerados elegíveis, mas 42,5 milhões foram tidos como inelegíveis.

A Dataprev, empresa responsável por realizar as análises dos cadastros, divulgou no sábado (4) que  1,1 milhão  dos cadastros são inconclusivos. Isso significa que os dados foram preenchidos de maneira incorreta pelos candidatos ao auxílio.

Veja Mais:  Procon-SP notificou Enel por alta na conta de luz na pandemia

As pessoas ainda podem ajustar os cadastros, mesmo que o prazo para  inscrição ao auxílio já tenha terminado na semana passada.

Quem quiser contestar o auxílio negado pode fazer isso no aplicativo e site da Caixa (Caixa Auxílio Emergencial), ou na  Defensoria Pública da União.

Se pedir reanálise pelo DPU, ela será feita de forma individual pelo órgão, com base nos documentos comprobatórios enviados. A orientação do procedimento está disponível no  site da Defensoria.

Comentários Facebook
Continue lendo

Câmara Municipal de Rondonópolis

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana