Saúde

Encerramento da emergência em saúde pública preocupa órgãos de saúde

Publicado


source
Encerramento
Tomaz Silva/Agência Brasil – 06.10.2021

Encerramento “abrupto” do Espin pode ter impacto negativo, afirmam órgãos de saúde

O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) se preocupam com o “impacto de um encerramento abrupto” da Emergência em Saúde Pública de importância Nacional (Espin). Na avaliação dos gestores, estados e municípios devem ter 90 dias como prazo para ajustar as ações neste cenário de transição da pandemia .

A portaria do governo, prevista para esta semana, prevê um terço desse tempo, isto é, de 30 dias, o que é considerado “exíguo” e “inexequível” pelos secretários. Como antecipado pelo GLOBO, essas críticas constam em carta entregue ao ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, na manhã desta terça-feira. 

“Preocupa-nos o impacto de um encerramento abrupto, pois há considerável número de normativos municipais e estaduais que têm se respaldado na declaração de emergência publicada pelo Ministério da Saúde, assim como há diretrizes do próprio ente federal que impactam estados e municípios e que também têm seus efeitos vinculados à vigência da declaração de emergência. Consequentemente, tais atos normativos precisarão ser revistos e atualizados para adequação à nova realidade”, diz a carta.


Leia Também

O documento vem em tom de cautela e alerta para “risco de desassistência à população”. Gestores veem que uma série de medidas, como a contratação de profissionais, está ligada à vigência do estado de emergência.

“O foco principal é a transição do estado de emergência. Nós reconhecemos que caminhamos para superá-lo, mas pretendemos que não seja um ato administrativo puro e simples de revogação de ato anterior, mas que compreenda estratégia de saída do estado de emergência, o que permita que todos os entes federados tenham prazo mínimo para poder adequar todos os seus atos administrativos e seus contratos”, afirmou ao GLOBO o presidente do Conass, Nésio Fernandes.

Os secretários salientam que ações de serviços de saúde, principalmente na atenção primária, devem ser mantidos. São os casos da vacinação contra a Covid-19 e da ampliação do número de leitos em hospitais. A justificativa deles é que a revogação do estado de emergência, anunciada no domingo, não reflete no fim da pandemia.  

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook

Saúde

Dieta cetogênica: conheça a alimentação que reduz o consumo de carboidratos

Publicado

source
Dieta cetogênica: conheça a alimentação que reduz o consumo de carboidratos
Redação EdiCase

Dieta cetogênica: conheça a alimentação que reduz o consumo de carboidratos

Especialista explica por que o método deve ser utilizado com cautela e acompanhamento profissional

Por Guilherme Zanette 

Quando se fala em emagrecer, a primeira coisa que a maioria das pessoas pensa é em diminuir o consumo de carboidratos. Um exemplo disso é a dieta cetogênica, que já existe há muito tempo.

Nos anos 1920, a dieta cetogênica surgiu como tratamento para epilepsia, e foi ganhando fama como alternativa para a perda de peso apenas nos anos 60. A prática foi evoluindo com o tempo, e hoje em dia é utilizada até mesmo por famosas, como a atriz Giovanna Antonelli e a norte-americana Megan Fox. 

Como funciona a dieta cetogênica

Como explica a Dra. Marcella Garcez, médica nutróloga e professora da Associação Brasileira de Nutrologia, geralmente, as refeições nessa dieta são compostas de proteínas de alto valor biológico e cada uma dessas refeições contém proteínas, carboidratos e gorduras, em quantidades e calorias restritas, e costumam ter três fases: ativa, reeducação e manutenção. 

“A fase ativa pode variar de 30 a 45 dias é a fase que ocorre a maior perda de peso. Na segunda fase, a de reeducação, o paciente vai incorporando, gradualmente, comidas naturais e saudáveis na sua rotina. Após uma dieta muito restrita, a pessoa retorna a se alimentar com uma quantidade mais segura de calorias, no geral, em torno de 1200 a 1800 por dia, mas nessa fase ainda há perda de peso, ainda que menor do que na fase anterior. Por fim, vem a fase de manutenção do peso obtido nas duas fases anteriores”, detalha.

Veja Mais:  Tabagistas são mais propensos a câncer de cabeça e pescoço

> 7 mitos e verdades sobre o uso do limão

Vantagens desse tipo de alimentação

De acordo com a Dra. Marcella, a dieta é eficaz, mas a custos altos: “fisiologicamente falando, faz sentido diminuir o apetite através da produção dos corpos cetônicos, mas a prática traz efeitos colaterais relevantes e não deve ser iniciada sem o acompanhamento de um especialista”, afirma.

> 6 substituições para ter uma alimentação mais leve e saudável

A dieta cetogênica é segura? 

Segundo a Dra. Marcella, sim, mas com ressalvas. “É uma dieta que não pode ser feita por tempo prolongado, é eficaz a médio e curto prazo, e não pode ser seguida por qualquer pessoa. No grupo que deve evitar a prática estão os diabéticos, os hipertensos, e pacientes com problemas no fígado ou rim.  O alto consumo de gorduras é outro ponto a ser considerado antes de optar pelo plano, já que, ao fazer com que 90% das calorias venham da gordura, há o risco de alterações no perfil lipídico”, completa. 

Consulte um especialista 

Em suma, pode-se dizer que a dieta cetogênica tem, sim, eficácia, especialmente no combate à obesidade e/ou síndrome metabólica. No entanto, deve ser feita sob acompanhamento nutrológico, para que os riscos de efeitos colaterais sejam excluídos, assim como para uma boa indicação de alimentos. Além disso, a Dra. Marcella reforça: “O tempo máximo para praticar a dieta cetogênica deve ser de seis meses”, finaliza.

Veja Mais:  Câncer de próstata: tamanho da barriga aumenta risco, diz estudo

Confira mais conteúdos sobre saúde na revista ‘Emagreça com saúde’

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Covid: Vacinas salvaram 20 milhões de vidas em um ano, aponta estudo

Publicado

source
Covid: Vacinas salvaram 20 milhões de vidas em um ano, aponta estudo
LuAnn Hunt/Pixabay

Covid: Vacinas salvaram 20 milhões de vidas em um ano, aponta estudo

As vacinas contra a Covi-19 salvaram quase 20 milhões de vidas durante o primeiro ano de sua existência, segundo estimativas feitas por pesquisadores do Imperial College London. O estudo foi publicado na revista The Lancet Infectious Diseases. Os cientistas consideraram os imunizantes da Pfizer, AstraZeneca e Moderna.

O trabalho calculou os benefícios das vacinas e chegou à conclusão de que os imunizantes salvaram 19,8 milhões de vidas em 185 países nos primeiros 12 meses de uso. Os cientistas estimaram que 12,2 milhões de vidas foram salvas em países ricos e mais 7,5 milhões de vidas foram salvas em países cobertos pela iniciativa Covid-19 Vaccine Access (Covax), projetada para fornecer vacinas a nações mais pobres.

No entanto, os pesquisadores também descobriram que mais 600 mil mortes poderiam ter sido evitadas se a meta da Organização Mundial da Saúde (OMS) de vacinar 40% da população em todos os países até o final de 2021 fosse cumprida.A maioria das mortes evitáveis ocorreu no continente africano. Atualmente, apenas 60% da população mundial recebeu as duas doses primárias de uma vacina contra a Covid.

Das vidas salvas, os especialistas estimam que 15,5 milhões delas foram resultado dos imunizantes que protegem contra sintomas graves de Covid. Estima-se que outras 4,3 milhões de mortes foram evitadas indiretamente pelas vacinas de Covid, ajudando a reduzir a transmissão e impedindo a sobrecarga dos sistemas de saúde.

Veja Mais:  Tabagistas são mais propensos a câncer de cabeça e pescoço

No estudo, os pesquisadores afirmam que a aplicação das vacinas representou uma redução global de 63% no total de mortes (19,8 milhões de 31,4 milhões) durante o primeiro ano de vacinação contra a Covid-19.

O estudo analisou dados sobre taxas de vacinação, mortes por Covid e excesso de registros de óbitos. Especialistas da Universidade Johns Hopkins estimam que 6,3 milhões de pessoas morreram de Covid em todo o mundo. Enquanto isso, cerca de 11,6 bilhões de imunizantes foram entregues.

“A alta proteção em nível individual contra doenças graves e mortalidade devido à Covid-19, bem como o benefício em nível populacional proporcionado pela proteção leve contra a infecção pelo coronavírus (antes do surgimento da variante Ômicron), conferida pela vacinação, alterou fundamentalmente o curso da pandemia de Covid-19”, escreveram os pesquisadores no estudo.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Covid-19: Brasil tem 38,7 mil novos casos e 140 óbitos em 24 horas

Publicado

source
Veja os números referentes às doses únicas e as demais
Reprodução: BBC News Brasil

Veja os números referentes às doses únicas e as demais

Boletim epidemiológico do Ministério da Saúde divulgado hoje (25) mostra que o Brasil registrou, em 24 horas, 38,793 novos casos de covid-19. No total, o país contabiliza 32.061.959 registros da doença.

Destes, 806.062 (2,5%) seguem em acompanhamento, ou seja, são casos ativos. As secretarias estaduais de saúde registraram 140 mortes por covid-19 em 24 horas. No total, a pandemia resultou em 670,369 óbitos no país.

O número de recuperados é de 95,4% do total – 30,5 milhões de brasileiros são considerados curados. O informativo mostra ainda que houve 161 óbitos por síndrome respiratória aguda grave (SRAG) nos últimos 3 dias. Há também 3.283 óbitos por SRAG em investigação, e que ainda necessitam de exames laboratoriais confirmatórios para serem relacionados à covid-19.

Segundo o balanço do Ministério da Saúde , no topo do ranking de estados com mais mortes por covid-19 registradas até o momento estão São Paulo (170.600), Rio de Janeiro (74.053), Minas Gerais (62,015), Paraná (43.651) e Rio Grande do Sul (39.966). Já os estados com menos óbitos resultantes da pandemia são Acre (2.002), Amapá (2.140), Roraima (2.152), Tocantins (4.158) e Sergipe (6.355).

Veja Mais:  Covid-19: média móvel de óbitos fica em 103 neste sábado no Brasil

Até este sábado, foram aplicadas 449,3 milhões de doses, sendo 177,9 milhões referentes à 1ª dose e 160,6 milhões relativas à 2ª dose. Outras 92,8 milhões de doses dizem respeito à primeira dose de reforço, enquanto 8,7 milhões são da segunda dose de reforço. O painel registra, ainda, 4,1 milhões de doses adicionais. As vacinas de dose única – protocolo que já não é mais usado – foram 4,9 milhões.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

ALMT – Campanha Fake News II

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana