Saúde

Entenda por que carne vermelha aumenta risco de doenças no coração

Publicado

Carne vermelha
Reprodução: pixabay – 01/08/2022

Carne vermelha

Ter uma rotina alimentar que envolve porções diárias de carne vermelha pode não ser a melhor ideia para uma boa saúde do coração. Um novo estudo, conduzido por pesquisadores da Universidade de Tufts e do Instituto de Pesquisa Lerner, ambos nos Estados Unidos, quantificou o impacto do alimento no aumento do risco de doenças cardiovasculares para os mais velhos. A cada 1,1 porção extra por dia, cerca de 75 gramas, o risco aumentou 15%. O trabalho mostra ainda que parte dessa consequência é devido a substâncias liberadas por bactérias que ficam na microbiota intestinal durante a digestão de uma série de nutrientes presentes na carne.

Para chegar à conclusão, o estudo, publicado na revista científica Arteriosclerosis, Thrombosis, and Vascular Biology, analisou dados de quase 4 mil participantes com mais de 65 anos, monitorados durante em média 12 anos e meio. Ao final, eles constataram um risco aumentado de aterosclerose em 15% entre quem consumia o volume de carne vermelha acima da média, percentual que chegava a 22% considerando todos os tipos de carne em excesso.

Segundo os pesquisadores, o aumento no risco de 15% para 22% foi atribuído principalmente pela adição das carnes processadas, não tendo sido observado um impacto significativo para doenças do coração relacionados à alimentação com aves e peixes.

Veja Mais:  Saiba o que é nistagmo, condição que afeta o cantor do Black Eyed Peas

A aterosclerose é o acúmulo de substâncias como colesterol e gordura nas artérias que leva ao espessamento ou entupimento dos vasos sanguíneos. Isso leva à perda da oxigenação nas regiões irrigadas por esses vasos, o que causa uma série de doenças cardiovasculares, como infarto e acidente vascular cerebral (AVC).

No entanto, não é apenas o aumento da gordura e do colesterol causado pelo excesso da carne vermelha que leva ao maior risco para os problemas no coração. Pesquisas anteriores já apontavam que certos metabólitos – substâncias liberadas pelas bactérias da microbiota intestinal durante a digestão – aumentam as chances de doenças cardiovasculares.

Com isso, os cientistas do trabalho atual decidiram avaliar as taxas de metabólitos dos participantes para encontrar se havia um aumento dessas substâncias a partir do consumo de carne. Segundo os autores, foi observado de fato um aumento nos níveis de três metabólitos produzidos por bactérias intestinais a partir de nutrientes abundantes na carne vermelha: a TMAO, a gama-butirobetaína e a crotonobetaína.

“Essas descobertas ajudam a responder a perguntas de longa data sobre os mecanismos que ligam as carnes ao risco de doenças cardiovasculares. As interações entre a carne vermelha, nosso microbioma intestinal e os metabólitos bioativos que eles geram parecem ser um caminho importante para o risco, o que cria um novo alvo para possíveis intervenções para reduzir doenças cardíacas”, disse uma das autoras do artigo, Meng Wang, pesquisadora da Universidade de Tufts, em comunicado.

Os pesquisadores afirmam que os metabólitos justificam cerca de 10% da variação no risco de doenças cardiovasculares pelo excesso de carne vermelha. Os demais são fatores como aumento no nível de açúcar do sangue e a ativação de vias gerais de inflamação do organismo pela carne. Esses motivos foram mais significativos para provocar a aterosclerose que o impacto na pressão arterial ou na taxa de colesterol, apontam os autores do estudo.

“Curiosamente, identificamos três caminhos principais que ajudam a explicar as ligações entre carne vermelha e processadas e doenças cardiovasculares – metabólitos relacionados ao microbioma, níveis de glicose no sangue e inflamação geral – e cada um deles parecia mais importante do que os caminhos relacionados ao colesterol ou pressão arterial do sangue. Isso sugere que, ao escolher alimentos de origem animal, é menos importante se concentrar nas diferenças de gordura total, gordura saturada ou colesterol, e mais importante entender melhor os efeitos sobre a saúde de outros componentes desses alimentos, como os metabólitos”, afirma o também autor do estudo e pesquisador da Universidade de Tufts, Dariush Mozaffarian.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook

Saúde

Covid: pacientes podem ficar com sintomas neurológicos por 2 anos

Publicado

Covid pode deixar pacientes com sintomas neurológicos por mais de 2 anos
Rovena Rosa/Agência Brasil 10.03.2022

Covid pode deixar pacientes com sintomas neurológicos por mais de 2 anos

Um novo estudo realizado com pacientes que contraíram a  Covid-19 indica que os sintomas neurológicos, como psicose, demência, névoa mental e convulsões, podem perdurar por mais de dois anos.

A conclusão veio em uma pesquisa realizada pela Universidade de Oxford publicado na revista “The Lancet Psychiatry”.

“Desde as primeiras fases da pandemia, é conhecido que a Covid-19 está associada a um aumentado risco de muitas sequelas neurológicas e psiquiátricas. Todavia, mais de dois anos do diagnóstico do primeiro caso, três importantes perguntas permanecem sem respostas: primeiro, não sabemos se ou quando os riscos de diversos problemas pós-Covid voltam para os valores padrão; em segundo lugar, o perfil de risco nas diversas faixas etárias; e em terceiro se os perfis de risco mudaram com o aparecimento de tantas variantes”, informam os pesquisadores.

Por isso, os especialistas analisaram os dados de 1,25 milhão de pacientes para verificar se já existe alguma resposta a essas questões principais.

O estudo mostrou que, entre os adultos, 640 pessoas a cada 10 mil ainda relatavam “névoa cerebral” após mais de dois anos de cura. O risco, porém, era mais do que o dobro naqueles que tinham mais de 65 anos – com 1.540 casos a cada 10 mil.

Veja Mais:  Vape: Anvisa mantém proibição à venda de cigarros eletrônicos

Nos outros problemas apontados, os números também eram o dobro entre os idosos: 450 em cada 10 mil sofriam com demência; e 85 em cada 10 mil relataram surtos psicóticos.

Os pesquisadores relatam que esse tipo de problema também ocorre com outras infecções respiratórias graves, mas que os números pré-pandemia eram muito menores.

Os problemas neurológicos e psiquiátricos da chamada “Covid longa” resultaram muito mais raros nas crianças, mas não ausentes: 260 em cada 10 mil sofriam ainda com convulsões – o dobro do grupo de controle – e 18 em cada 10 mil tinham distúrbios psicóticos (em relação aos 6 a cada 10 mil no controle).

Entre as variantes, o estudo da Oxford confirmou que a variante Delta é muito mais severa para quase todos os sintomas de longo prazo da Alfa, a primeira das mutações. Porém, os especialistas apontam que há indicativos de que a variante Ômicron, que se dissemina de forma intensa desde o fim do ano passado, tenha as mesmas características de longo prazo de sua antecessora – apesar dos sintomas mais leves.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Veja Mais:  Vacinação para múltiplas doenças segue em SP durante o fim de semana

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Estudo revela maneira de reduzir consumo de vinho

Publicado

Taças de vinho
Redação EdiCase

Taças de vinho


Pesquisadores da Universidade de Cambridge e da Universidade de Bristol, ambas no Reino Unido, descobriram um truque para ajudar a reduzir o consumo de bebida alcoólica. O achado foi relatado em um estudo publicado esta semana na revista científica Addiction.

Apesar de parecer bem simples e óbvio, o truque se mostrou eficaz na redução do consumo de vinho: reduzir o tamanho da taça ou copo que será usado para ingerir a bebida alcoólica.

Participaram da pesquisa 260 famílias no Reino Unido que consumiam uma quantidade moderada de álcool, bebendo pelo menos duas garrafas de vinho em casa a cada semana. Ao longo de dois períodos de 14 dias, eles foram solicitados a comprar uma quantidade predefinida de vinho para beber em casa: garrafas padrão de 750 ml ou menores de 375 ml. Os voluntários também receberam taças menores (290 ml) ou maiores (350 ml) para beber em ordem aleatória.

No final de cada período de duas semanas, os pesquisadores contaram quanto vinho havia sido ingerido pelas famílias. Os cientistas descobriram que copos menores reduziram a quantidade de vinho consumida em cerca de 6,5% (253 ml em um período de 14 dias) e beber de garrafas menores reduziu a quantidade de vinho consumida em 3,6% (146 ml em duas semanas).

Veja Mais:  Scrotox: cresce busca por botox no saco escrotal; saiba os riscos

No estudo, os pesquisadores afirmaram que não pretendiam entender o mecanismo por trás da relação entre menor consumo e recipientes com menor capacidade. No entanto, acreditam que tudo está relacionado à percepção de quanto se está bebendo.

Pesquisas sugerem que pratos de comida menores podem ajudar algumas pessoas a comer menos porque isso afeta sua percepção e, por sua vez, a fome que você sente. Talvez algo semelhante aconteça quando você está bebendo taças de vinho.

Um outro estudo feito pela mesma equipe, em 2016, teve um resultado bem parecido. Na época, os pesquisadores analisaram como o tamanho da taça influenciava a quantidade de vinho que as pessoas bebiam em um bar no Reino Unido. Em suma, eles descobriram que as vendas de vinho aumentaram 9,4% quando vendidas em copos maiores em comparação com copos de tamanho padrão, sugerindo que as pessoas bebiam mais quando tinham um copo maior.

Se mais dados apoiarem essa teoria, os pesquisadores dizem que ela pode ser usada para influenciar as políticas públicas destinadas a reduzir o consumo de álcool. Por exemplo, governos e órgãos de saúde pública podem ajudar a regular o tamanho do copo em bares e restaurantes para incentivar a beber menos e mudar as normas sociais sobre o “tamanho padrão” de uma bebida.

Veja Mais:  Vape: Anvisa mantém proibição à venda de cigarros eletrônicos

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Entenda a relação entre diabetes e saúde bucal

Publicado

Entenda a relação entre diabetes e saúde bucal
Redação EdiCase

Entenda a relação entre diabetes e saúde bucal

O diabetes é uma doença causada pela produção insuficiente ou má absorção de insulina, hormônio que regula a glicose (açúcar) no sangue. Quando o nível de glicose está muito alto, pacientes diabéticos ficam mais suscetíveis às infecções. Isso porque os mecanismos de defesa do corpo não conseguem funcionar de maneira tão eficiente. Entre as infecções mais comuns em quem tem diabetes estão aquelas que atingem a boca, devido ao descontrole da glicemia e interferência na produção da saliva.

Prejuízos da boca seca para a saúde

A boca seca, por exemplo, pode ocorrer em diversas situações, como na síndrome de Sjögren, uma doença autoimune , que afeta as glândulas produtoras de lágrimas e saliva. “Em relação ao diabetes, relacionamos com a poliúria, a urina em excesso. Amenizamos a causa aconselhando o paciente a ingerir muita água”, explica Dr. Sérgio Kignel, especialista em saúde bucal e estomatologia.

Em casos de não tratamento da boca seca, ela pode trazer problemas como, aumento de cáries e gengivites. “Além disso, o crescente aparecimento de feridas traumáticas pode ocorrer por deficiência de lubrificação, possibilitando a probabilidade de infecções”, completa o médico. Vale lembrar que o uso do cigarro piora o quadro.

Cuidado com a escovação dos dentes

É importante que o paciente seja orientado a escovar os dentes com cuidado, para evitar machucados na gengiva, pois a cicatrização em paciente com diabetes é mais demorada, devido à alta taxa de açúcar no sangue. O que é bem comum entre os pacientes, como explica o Dr. Sérgio Kignel, é parar de escovar assim que a gengiva é machucada. Pelo contrário, você deve continuar escovando a região afetada, para que remova toda a placa bacteriana e diminua o quadro inflamatório.

Veja Mais:  Scrotox: cresce busca por botox no saco escrotal; saiba os riscos

Necessidade de acompanhamento e cuidados

Pacientes com diabetes devem avisar o dentista sobre a doença. “O paciente deve ter suas responsabilidades, como manter o controle glicêmico , cultivar hábitos de higiene e não se submeter a cirurgias quando estiver descompensado”, aconselha Dr. Sérgio Kignel. Além disso, para essas pessoas recomenda-se visitais regulares ao médico.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

ALMT – Campanha Fake News II

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana