Saúde

Estudo: Surgimento de variantes mais perigosas da Covid-19 é iminente

Publicado

source
Cientistas de Hong Kong revelam imagem de microscópio da variante Ômicron
Reprodução/ Universidade de Hong Kong

Cientistas de Hong Kong revelam imagem de microscópio da variante Ômicron

Uma pesquisa conduzida por um grupo de pesquisadores brasileiros, publicada na revista especializada ‘Viruses’, apontou a alta probabilidade do surgimento de novas – e mais perigosas – variantes da covid-19  no país.

Os cientistas do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) e do Instituto de Química (IQ) da Universidade de São Paulo (USP) e do Hospital Sírio-Libanês revisaram mais de 150 artigos analisando todos os aspectos do vírus, considerando a imunidade da população e a eficácia da vacinação.

Em entrevista exclusiva ao iG, Cristiane Guzzo, professora do ICB-USP e principal autora do artigo, afirmou que há uma falsa sensação de segurança no país desde que as medidas de prevenção foram relaxadas.

“Nesse momento, o número de casos e óbitos decaiu. Os valores são inferiores ao pico da pandemia, então isso dá uma sensação de que a tendência agora é que a pandemia acabe. Não temos tantos óbitos ou casos de infecção como no pico da pandemia – é claro que o ideal seria que não tivessemos nenhum caso. Mas isso dá uma sensação de conforto”, analisa.

A principal conclusão do trabalho, no entanto, é que “não devemos deixar o vírus circular”, pois segundo os especialistas, “não sabemos como serão as variantes nos próximos meses”, afirma.

Veja Mais:  Covid: mulher 'bate recorde' com duas infecções em 20 dias

Na esteira desse resultado, Cristiane considera que a liberação do uso de máscaras e o fim da emergência de saúde pública em todo o país prejudicam o combate aos novos casos.

“Tirar a máscara dá a sensação para a população de que a pandemia acabou, de que tudo está sob controle, e não está. Só temos um cenário de baixo número de infectados. Mas com o histórico do coronavírus, sabemos que ele se adapta ao ser humano, que tem essa característica de se modificar, então isso [novas variantes] é esperado”, diz.

“Relaxar as linhas de segurança passa uma sensação de que não existe uma preocupação. Cria uma sensação de que é uma gripezinha, e aí que mora o perigo. No meu ponto de vista [o ‘rebaixamento’] é sim um erro. Acelera o surgimento de uma nova variante de preocupação, sem levar em consideração o pós-covid, ainda não sabemos quais serão os problemas, se serão para a vida toda ou se serão tratáveis”, completa.

Leia Também

Outro fator que preocupa os pesquisadores é a transmissibilidade, iniciada cada vez mais cedo entre os que são infectados.

Veja Mais:  Covid-19: Moderna anuncia vacina específica para Ômicron em setembro

Segundo Cristiane, 74% dos casos de transmissões da delta foram feitas por pacientes assintomáticos. Se na cepa original o paciente passava a transmitir um dia antes dos sintomas, no caso da Delta, isso passou a acontecer dois dias antes.

“Isso é extremamente perigoso, é bom para o vírus, porque assim ele consegue continuar evoluindo, se camuflando e se mantendo na sociedade.”

Para além da vacina, os pesquisadores recomendam a manutenção das medidas sanitárias, como uso de máscaras, higiene das mãos, além da etiqueta da tosse, para evitar a contaminação.

A pesquisadora afirma que falta um esforço coordenado entre países para que novas ondas não aconteçam.

“Cada país em um momento toma medidas diferentes. Isso dificulta o controle da pandemia. Imagina que, logo que soubéssemos que a China estava enfrentando esse problema, já tivéssemos feito bloqueios. Falta uma coordenação internacional. A pandemia veio para nos mostrar que o único caminho que a gente tem é pensar em unidade, e não como um fragmento de país, tratando isso de forma independente. As atitudes deveriam ser universais”, finaliza.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook

Saúde

‘Dor e queimadura’, diz primeiro brasileiro com varíola dos macacos

Publicado

'As bolhas no corpo doem como queimadura', diz 1º brasileiro com a varíola dos macacos transmitida no país
Reprodução/Montagem iG 25.5.2022

‘As bolhas no corpo doem como queimadura’, diz 1º brasileiro com a varíola dos macacos transmitida no país

Meus primeiros sintomas começaram há 14 dias. Cheguei em casa à noite e comecei a sentir uma dor muito forte nas costas. Pensei até que era de ter ficado o dia inteiro de pé.

Acordei umas cinco vezes durante a madrugada ensopado. Percebi que estava ardendo em febre. Medi a temperatura: 39°C. Tomava remédio, mas nada abaixava ou diminuía a febre. Percebi que tinha algo de errado.

No dia seguinte, fui ao meu médico. Ele me examinou e percebeu uma pequena erupção, que parecia uma espinha debaixo dos pelos da barba, bem perto do pescoço. Ele me perguntou o que era aquilo e eu falei que havia aparecido junto. Enquanto ele observava cada ponto do meu corpo encontrou outras na região do peito, braço e coxa.

Áreas em que eu tenho muito pelo, como tenho facilidade para encravar, achei que era apenas casos de pelos encravados, mas nunca pude imaginar que seria algo mais sério ou que poderia ser essa varíola que estamos escutando há alguns dias.

Meu médico pediu para eu fazer exames e me avisou que suspeitava que fosse a varíola. Ele pediu para eu ir direto ao Instituto de Infectologia Emílio Ribas, lugar onde estava fazendo o exame para o diagnóstico da varíola dos macacos. Quando cheguei lá, veio o primeiro choque.

Eu apenas dei o meu nome completo e a enfermeira deu um grito. Começou a falar para todo mundo que eu havia chegado, pessoas de máscaras me acompanharam até um quarto afastado, todos tinham o maior cuidado de chegar perto de mim, ou encostar em mim.

Me senti como no início da pandemia de coronavírus, quando as pessoas tinham medo de chegar perto das outras, não podia falar um “A”, para conhecidos, se tossisse então, era sentença de morte. Eu me assustei e tive até vergonha em falar o meu nome.

Os enfermeiros me levaram em direção a uma porta. Assim que eu entrei, eles pregaram um papel escrito “sujo”. Fiquei constrangido com isso. Apesar de ninguém saber sobre a doença, os níveis de contágio, não vou mentir que fiquei um pouco mal com a palavra.

Veja Mais:  Com chegada do verão, campanha nacional alerta para combate a mosquito da dengue

Me fecharam nesta sala, que parecia um consultório médico. Tinha uma maca, uma mesa com uma cadeira e um lixo escrito infectado. A cada dez segundos uma cabeça diferente aparecia na janela de vidro da porta. Era algum funcionário do hospital que queria ver quem era o paciente com suspeita de varíola.

Minhas erupções, quando estão com as bolhas, doem muito por si só. A dor é tanta, que eu não conseguia levantar o braço para colocar uma camiseta, para se ter uma ideia. Elas doem como se fossem uma queimadura. Parece que seu corpo está queimando em diversas partes. E ainda por cima, arrancam uma parte do seu tecido, bem ali onde há essa queimadura. É muito invasivo e dolorido. Apesar de ser necessário, é muito ruim.

Os enfermeiros disseram que o exame ficaria pronto em 48 horas e mandaram eu ir direto para casa. Só pediram para eu entrar em isolamento e apenas sair de casa depois do exame negativo.

Desde então estou em casa já vai fazer mais de duas semanas. Meu médico me ligou no dia seguinte com o resultado positivo do exame. Fiquei em estado de petrificação. Milhares de perguntas surgiram na minha cabeça. Mas a primeira pergunta que eu fiz para ele foi: “eu vou morrer, doutor?”.

Ele tentou me tranquilizar e, acima de tudo, me acalmar. Disse que eu não corria risco de vida, mas que a doença é nova para todo mundo e que apesar de não ter um tratamento, ou um remédio específico, que a gente teria que controlar a minha febre, minha dor e que o meu corpo iria dar conta de fazer o resto.

Os médicos não conseguiram rastrear as pessoas que tiveram contato comigo recentemente, até porque eu tinha ido a uma festa no dia em que surgiram os sintomas. Mas consegui avisar aos amigos mais próximos que em qualquer sintoma aparente para procurar um médico. E coloquei em minhas redes sociais também, que quem estava na festa, e teve contato comigo, se começasse a sentir algum sinal diferente, para procurar um médico.

Veja Mais:  Coração de porco transplantado nos EUA estava com vírus suíno

Passei cerca de uma semana com febre entre 39 e 40°C. Acredito que os piores momentos foram esses, pois eu não sabia se eu melhoraria ou pioraria. Apesar do sol que fazia do lado de fora do apartamento, eu só conseguia ficar debaixo das cobertas, agasalhado, morrendo de frio, mas meu corpo suava, eu precisava trocar de roupa a todo momento.

Falava com o meu médico todos os dias, praticamente todas as horas indagando se era melhor eu ir ao hospital, me internar, se eu estava piorando, se aqueles sintomas eram normais. Eu que era supertranquilo, acabei estimulando minha ansiedade em níveis extremos.

Eu já tinha pegado Covid. A varíola dos macacos incomoda, mas é muito mais branda e tranquila e parece que não vou ter sequelas, como eu fiquei com a Covid. Fiquei praticamente três meses sem sentir o sabor de nada. Uma das coisas mais difíceis, sem dúvida, foi falar com a minha família.

Quando contei para o meu pai, ele passou mal, começou a chorar loucamente. Achou que eu morreria. Minha mãe, é a mais forte, ligava para ela quando estava com medo extremo. Ela me acalmava, apesar das preocupações.

O único sintoma que ainda persiste é a coceira. Com os machucados secando, começa uma coceira que eu nunca senti igual. É agoniante. Preciso tomar um remédio para parar a coceira, que é um antialérgico e me dá muito sono, o que acaba sendo bom, porque eu durmo e não sinto a coceira.

Tenho vontade, as vezes, de amarrar minhas mãos na tentativa de parar de coçar porque eu acabo me machucando. Mas isso é bom, segundo o médico, significa que os machucados estão cicatrizando e que o meu corpo já está na fase final da doença.

Agora, passados quase 14 dias, posso dizer que eu estou melhorando. Faz praticamente três dias que não sinto febre, minhas dores no corpo passaram e os machucados no corpo estão cicatrizando. Mas ainda não posso sair de casa ou ter alta. Isso apenas quando todas as erupções sumirem. A perspectiva é que eu seja liberado por volta do dia 9 de julho, mas ainda é cedo para afirmar com certeza.

Veja Mais:  Covid: mulher 'bate recorde' com duas infecções em 20 dias

O que fico muito chateado e que acaba me machucando são os ataques que eu acabo recebendo pelas redes sociais por causa do vírus. São pessoas mal-informadas, que não procuram ler sobre a doença e atacam sem medir esforços, sem lembrar que do outro lado existe um ser humano. Estou em um momento superdelicado, frágil. Estou sozinho em casa há mais de 14 dias sem ter contato com ninguém. Sem saber se eu iria melhorar, piorar, com medo da morte, e as pessoas não têm o mínimo de sensibilidade.

Recebi comentários baixos, homofóbicos. Um deles era: “usa camisinha”, como se o vírus fosse uma doença sexualmente transmissível. Não acho que vale a pena falar sobre a minha orientação sexual aqui, porque não foi em razão disso que eu peguei a doença. Eu sou DJ, trabalho em diversas festas, encontro com várias pessoas. Esse vírus se transmite no ar, pelo cumprimento, pela saliva, não é apenas pelo sexo. É importante que as pessoas entendam isso antes de irem às redes sociais para apenas destilar ódio.

Não me sinto confortável em pronunciar. Não é por causa de sua sexualidade que você vai pegar isso. A internet não é uma terra sem lei. Eu ainda não cheguei a pensar no que vou fazer a respeito desses comentários no futuro, pois estou focado agora na minha recuperação, na minha melhora. Mas eu não vou deixá-los de lado.

Talvez eu procure a polícia, mais para frente, mas agora quero me abster deles, focar apenas nos comentários positivos, de força. Daqueles que realmente torcem por mim. Acho que isso é o mais importante neste momento.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Médicos trazem alternativas ao Losartana, que foi recolhido do mercado

Publicado

Remédio Losartana
Reprodução – 23.06.2022

Remédio Losartana

Medicamentos que tem como princípio ativo a losartana estão entre os mais indicados e usados no Brasil para o tratamento de pressão alta (hipertensão arterial) e insuficiência cardíaca, reduzindo o risco de derrame e infarto.

Mas, na semana passada, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou a interdição e recolhimento de alguns lotes desses.

Segundo a agência, a medida foi tomada devido a “presença da impureza ‘azido’ em concentração acima do limite de segurança aceitável”. A decisão provocou dúvidas em pacientes que usam esses remédios. O GLOBO ouviu especialistas para saber quais são as alternativas à losartana.

O cardiologista Luciano Drager, diretor de promoção e pesquisa da SOCESP (Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo) e presidente da Associação Brasileira do Sono, diz que existem várias classes de medicamento disponíveis para o tratamento da hipertensão que podem substituir a losartana.

Entretanto, ele ressalta que a troca só deve ser feita pelo médico e que não há necessidade de trocar a losartana devido a esse recolhimento anunciado pela Anvisa.

“Apenas alguns lotes foram afetados. Não existe a necessidade de trocar a losartana de todo mundo, mas existem opções, caso o médico ache necessário”, diz Drager.

Ele também reforça que os resíduos potencialmente tóxicos encontrado no medicamento não são por causa da losartana em si, mas do processo de fabricação, o que pode ser modificado.

Veja Mais:  Varíola dos macacos: São Paulo confirma segundo caso da doença

“É preciso mencionar também que é um risco baixo de exposição e que esse mesmo problema já foi verificado em outros remédios da mesma classe da losartana”, ressalta o cardiologista.

O médico Antonio Carlos do Nascimento, doutor em endocrinologia pela Faculdade de Medicina da USP, diz que o telmisartan, a valsartana e a candesartana são os medicamentos mais utilizados como alternativa à losartana, já que pertencem à mesma classe farmacêutica, chamada de bloqueadores de receptores de angiotensina.

“É preciso mencionar que a losartana é subsidiada pelo governo, enquanto as alternativas de mesma classe farmacêutica não os são”, diz Nascimento.

Em comunicado, a Anvisa também ressalta que o recolhimento dos lotes não impacta o tratamento, visto que há outros lotes de losartanas no mercado que podem substituir os medicamentos recolhidos ou interditados.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Diabetes: uma ameaça chamada hipoglicemia

Publicado

A hipoglicemia também precisa ser controlada
Arquivo pessoal

A hipoglicemia também precisa ser controlada

Quando falamos em diabetes, logo associamos ao nível elevado de glicose no sangue, que, se não controlado, pode trazer complicações sérias para a vida da pessoa. Entre eles estão infarto, derrame, problemas renais, amputações e perda de visão. Calma, não é para se desesperar! Isso pode acontecer após muito tempo convivendo com os níveis elevados de açúcar no sangue, ou seja, não fazendo um tratamento adequado.

Mas o que muita gente não sabe ao receber o diagnóstico de diabetes é que existe também o risco de ter hipoglicemia. Eu, por exemplo, descobri isso dá pior forma possível: tendo uma crise hipoglicêmica e não sabendo o que fazer para tratar.

Assim como eu, muitas pessoas me escrevem ou relatam que não foram avisadas pelo médico sobre hipoglicemia após o diagnóstico de diabetes. Foi assim com a Josefa Sousa, mãe do pequeno Wemersson, de 8 anos, que convive com diabetes tipo 1. A família mora no sertão do Piauí. “Meu filho começou a passar mal de madrugada e eu não sabia do que se tratava. Coloquei os sintomas que ele estava tendo na internet para descobrir o que estava acontecendo. Foi assim que descobri o que era hipoglicemia. Consegui tratar na hora e salvei a vida do meu filho”, relata Josefa.

A hipoglicemia ocorre quando o nível de glicose no sangue está muito baixo, glicemias inferiores a 70mg/dl. Apesar de ser mais comuns em pessoas com diabetes que fazem uso de insulina ou até mesmo medicações para baixar a glicose, a hipoglicemia não pode e não deve ser tratada com normalidade, como explica a endocrinologista e pesquisadora Denise Franco. “Crises de hipoglicemia fazem com que a pessoa tenha uma perda do reflexo, podendo resultar em acidentes, por exemplo. Além disso, a crise pode causar convulsão e, em caso mais severo, até levar à morte quando não tratada a tempo.”

Além do risco imediato à saúde e à vida da pessoa, a hipoglicemia também afeta o controle do diabetes, sendo um dos principais fatores para não adesão do tratamento, já que muitos pacientes deixam de usar as medicações ou a insulina por medo.

Principais causas de hipoglicemia em pessoas com diabetes:

  • Dose excessiva de insulina ou medicamentos utilizados no tratamento de diabetes 
  • Ingestão de bebida alcóolica
  • Excesso de atividade física
  • Jejum por muitas horas

Atenção: hipoglicemia não é embriaguez

Em alguns casos, as crises de hipoglicemia são confundidas aparentemente para as pessoas que desconhecem a causa com embriaguez, isso pode atrasar o socorro. Portanto, separei os principais sintomas de glicose baixa:

  • Tremor
  • Suor
  • Calafrios
  • Confusão mental
  • Tontura
  • Taquicardia
  • Fome excessiva
  • Náusea
  • Sonolência
  • Visão embaçada
  • Dor de cabeça
  • Convulsões
  • Inconsciência 
Veja Mais:  Varíola dos macacos: Rio Grande do Sul confirma terceiro caso no país

Tratamento da hipoglicemia

Em casos de hipoglicemia em que a pessoa está consciente, o tratamento deve ser feito com ingestão rápida de 15g de carboidrato simples, por exemplo:

  • 1 copo de 150ml de água com açúcar, suco natural ou refrigerante com açúcar
  • 3 balas moles

Depois de 15 minutos é preciso fazer um novo teste para saber se a glicose subiu. Caso a crise de hipoglicemia persista, repita as orientações acima e, se mesmo assim não melhorar, procure ajuda de emergência.

Nos casos mais graves, o serviço de urgência precisa ser chamado ou a pessoa deve ser levada ao Pronto-Socorro mais próximo.


Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

ALMT – Campanha Fake News II

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana