Saúde

EUA tem três mortes relacionadas ao uso de vapes; riscos estão sendo estudados

Publicado

Enquanto o Brasil  estuda a liberação dos cigarros eletrônicos e vaporizadores – conhecidos como vapes – os Estados Unidos caminha na direção contrária. De acordo com os Centros de Prevenção e Controle de Doenças (CDC, em inglês) do país, existem pelo menos três mortes associadas ao uso contínuo do dispositivo. Os casos ainda estão sendo investigados.

vitrine mostra vaporizadores e utensílios para o fumo arrow-options
Ana Weiss/ IG

Mercado de vaporizadores deu um salto nos últimos anos

A morte mais recente relacionada aos vaporizadores foi notificada nesta sexta-feira (6), no estado de Indiana. Além das mortes, outras centenas de pessoas podem ter adquirido doenças cuja ligação com os vapes ainda não é completamente certa.

Por enquanto, a recomendação – pelo menos nos Estados Unidos – é de que “enquanto as investigações correm, as pessoas não devem usar os vaporizadores ”. Com cerca de 2 milhões de jovens em idade escolar que fazem uso dos cigarros eletrônicos, o governo norte-americano trata o hábito como uma epidemia. 

De acordo com a vice-diretoria interina do CDC, Ileana Arias, a prioridade neste momento é descobrir qual componente está deixando as pessoas doentes. “Ainda estamos enfrentando perguntas complicadas nesse surto”, disse a profissional ao canal  ABC News

A suspeita até o momento é de que um aditivo específico que contém vitamina E pode ser a causa das doenças. A suspeita, porém, ainda não foi confirmada, uma vez que existem dezenas de aditivos e substâncias que podem ser inaladas pelo dispositivo. Todas as vítimas também afirmaram ter feito uso de THC, tabaco ou ambas as substâncias imediatamente antes da doença. 

Veja Mais:  Rio de Janeiro prorroga vacinação contra gripe por mais 15 dias

De acordo com os centros, pelo menos 450 pessoas apresentaram sintomas similares após o uso dos cigarros , refil ou inalação dos líquidos especiais. Entre eles, a dificuldade para respirar, fadiga, febre, náuseas, diarréia e vômito. 

Brasil discute queda de proibição dos vapes

Os dispositivos eletrônicos para fumar – grupo onde está incluído o vape – são proibidos no Brasil desde 2009. A medida compõe a política antifumo do país. Nos últimos anos, porém, o comércio de vaporizadores deu um salto, o que conduziu a Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa a discutir, junto à população, uma eventual flexibilização na regra. 

Quem se posiciona a favor do produto alega, principalmente, que a liberação pode beneficiar a economia além de oferecer uma via mais saudável às 18 milhões de pessoas dependentes de tabaco no Brasil, uma vez que a vaporização ofereceria menos riscos do que a combustão do fumo.

Leia mais: Como funciona o cigarro eletrônico 

A última audiência pública sobre o assunto aconteceu no dia 27 de agosto, no Rio de Janeiro. Apesar do diálogo, a  Anvisa garante que ainda existe um longo caminho até que a liberação dos vapes aconteça.

Comentários Facebook

Saúde

Pequim deve relaxar medidas da Covid neste domingo, diz governo

Publicado

source
Homem tem amostra coletada para teste de Covid-19 na China
Reprodução/NBC News

Homem tem amostra coletada para teste de Covid-19 na China

Neste sábado (28), as autoridades chinesas informaram que  Pequim deve facilitar a circulação em algumas áreas de baixo risco da capital a partir deste domingo (29), com o objetivo de permitir um retorno à vida normal.

Em entrevista coletiva, as autoridades disseram que os distritos de Fangshan e Shunyi podem passar do trabalho home office para o modelo presencial. Além disso, o transporte público — ônibus, táxis e metrô — vai retomar o serviço em três distritos. Shoppings também serão permitidos em algumas áreas.

A retomada para empresas, incluindo tutoria, cafés e bares de karaokê, ainda será adiada, de acordo com o governo.

Até a tarde deste sábado, Pequim já relatou 1.716 infecções de Covid-19, desde o dia 22 de abril.

A China está vivendo o pior momento da pandemia desde o fim de 2019, em uma onda pior do que a registrada no país no início da crise sanitária mundial. A situação em Pequim, com os temores de um lockdown,  derrubou as bolsas de valores em todo o mundo por conta do medo que a cadeia mundial de fornecimento de alimentos e mercadorias sofram mais uma vez com problemas de abastecimento.

Veja Mais:  Rio de Janeiro prorroga vacinação contra gripe por mais 15 dias

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Brasil teve 107 mortes de mães a cada 100 mil nascimentos em 2021

Publicado

source
Especialista diz que mortes maternas podem ser evitadas
Pixabay

Especialista diz que mortes maternas podem ser evitadas

No Dia Internacional de Luta pela Saúde da Mulher e Dia Nacional de Redução da Mortalidade Materna, comemorados neste sábado (28), o vice-presidente da Comissão Nacional Especializada em Mortalidade Materna da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), Rodolfo de Carvalho Pacagnella, assegura que as mortes maternas podem ser evitadas.

De acordo com o Painel de Monitoramento da Mortalidade Materna, o Brasil teve, em 2021, média de 107 mortes a cada 100 mil nascimentos. A taxa de mortalidade materna se refere ao número de mulheres que morrem durante a gravidez ou nos 42 dias seguintes ao parto devido a causas relacionadas à gravidez ou por ela agravada a cada 100 mil nascidos vivos em um determinado ano, em um país. A morte é causada por qualquer fator relacionado ou agravado pela gravidez ou por medidas tomadas em relação a esse período.

O Brasil apresenta números bem distantes dos fixados pela Organização das Nações Unidas (ONU). Até 2015, a meta era atingir menos de 35 mortes por 100 mil nascimentos e o Brasil estava na faixa de 70 a 75 óbitos maternos por 100 mil nascidos vivos. Com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), a ONU indicou, até 2030, reduzir a taxa de mortalidade materna global para menos de 70 mortes por 100 mil nascidos vivos. 

À  Agência Brasil , Rodolfo Pacagnella explicou que, desde 2014, os números não apresentam queda significativa no Brasil. Já os países de alta renda, de maneira geral, têm uma razão de mortalidade materna que varia entre 10 e 20 mortes por 100 mil nascimentos. A maior parte dessas ocorrências é de causas indiretas, que não são evitáveis ao longo da gestação.

Causas

Segundo Pacagnella, a grande parte das mortes maternas poderia ser evitada. A grande questão, disse, não é o número de mortes maternas, mas o por que elas acontecem e a consequência que elas trazem. “A grande questão é que ela [morte] acontece, em geral, por causas evitáveis. São situações que poderiam ter sido identificadas ao longo do cuidado dessa gestante, durante o pré-natal e, especialmente, nos momentos próximos ao nascimento. E essas condições não foram identificadas e não foram tratadas de forma oportuna”. 

Veja Mais:  Cansaço pós-covid: por que fadiga pode durar mais que curso da doença

E essa demora em reconhecer a situação de gravidade e em tratar essa condição levam, em consequência, ao óbito materno, disse.

De acordo com o vice-presidente da Comissão da Febrasgo, a consequência da mortalidade materna é nefasta, porque a mulher sempre foi, mas hoje tem um papel reconhecido, como indivíduo central na organização social, emocional e financeira da família. A morte de uma mulher no momento do parto ou puerpério leva a uma desestruturação de tudo que a envolve, apontou o médico. 

“Frequentemente há uma desorganização da família, desorganização do cuidado dos filhos, perpetuação de pobreza, uma série de questões que vêm em função de que ela é figura fundamental na organização daquela comunidade, não só da família, mas da comunidade como um todo”.

No Brasil, a principal causa de morte materna é a hipertensão . Em segundo lugar, aparece a hemorragia, seguida de aborto inseguro e infecção puerperal. Depois, vêm as causas indiretas, associadas a condições físicas já existentes, ou agravadas na gestação, como doenças cardíacas, renais, cânceres, entre outras.

Covid

As principais causas são evitáveis, reiterou Rodoldo Pacagnella. Hoje, sabe-se como fazer o diagnóstico e como identificar uma mulher que tem risco de desenvolver uma hipertensão na gravidez, chamada pré-eclâmpsia, e tratar essa condição, evitando que a mulher morra. O mesmo ocorre em relação à hemorragia e, ainda, às condições relacionadas à sepse, que é uma infecção generalizada. Essa questão ganhou relevância durante a pandemia do novo coronavírus, segundo o especialista, porque houve um aumento de mortes maternas por doenças respiratórias, como consequência de um olhar pouco atento para a gestante, que é uma população de risco para a gravidade dessas doenças, principalmente as virais, associadas ao coronavírus.

Veja Mais:  Rio de Janeiro prorroga vacinação contra gripe por mais 15 dias

Dados preliminares indicam que o número de mortes maternas por SARS Cov 2 aumentou de 1.500, que vinha sendo registrado nos últimos 6 anos, para 2,2 mil, em 2021. “E esse excesso de mortalidade foi decorrente, especialmente, das condições associadas à síndrome respiratória aguda grave”. 

O excesso de lotação em hospitais levou também a um aumento de mortalidade materna por outras causas, porque esgotou a capacidade de assistência. “E a mortalidade materna está muito centrada no período próximo ao parto, em que as mulheres precisam de assistência hospitalar para reconhecer essas condições”, disse o especialista.

O médico apontou que a morte materna acontece porque não se tem uma visão objetiva para as necessidades de saúde da mulher. O fato de a mulher ter uma condição de maior risco de morrer pela gravidez é um fator biológico. Mas a morte dessas mulheres por causa desses outros fatores é uma questão social, alertou. “Diz respeito a como a gente olha essas necessidades e dá atenção a elas. Não é uma condição biológica intrínseca, mas a falta de acesso adequado aos serviços de saúde em um momento que a mulher precisa mais”.

Rede de assistência

A redução da mortalidade materna passa, em primeiro lugar, pela necessidade que haja um entendimento social da importância da mulher no contexto da formação social do país, disse Pacagnella. “Como figura central da constituição da sociedade, a mulher deveria ter respeito maior. Isso quer dizer ter políticas públicas que assegurem acesso e assistência com qualidade aos serviços de saúde materno-infantil. Isso envolve facilidade de acesso a políticas de saúde de qualidade, atenção primária, até os serviços de emergência”, defendeu.

De acordo com Pacagnella, esses pontos já começaram a ser abordados em algumas políticas, embora de maneira periférica. Para reduzir, de fato, a mortalidade materna, o Brasil tem que construir uma rede de assistência que seja capaz de reconhecer as situações de gravidade, com profissionais treinados e especialistas em ginecologia e obstetrícia, disse o especialista. 

Veja Mais:  Dia Internacional do Farmacêutico: Especialista da Unic Rondonópolis orienta sobre os principais perigos da automedicação

“É preciso uma rede de saúde estruturada e muito organizada”, recomendou. “O treinamento dos profissionais é uma parte importante desse processo, mas a constituição de um sistema de atendimento é fundamental, com definição de prioridade pelo Sistema Único de Saúde (SUS)”.

A Febrasgo está envolvida em uma série de ações de treinamento de profissionais sobre a importância da mulher na constituição da sociedade e, também, em ações de implementação de processos de melhoria clínica e de gestão, de tratamento de questões associadas à gravidade, em parceria com outras instituições, até que haja a criação de uma percepção nacional sobre a importância desse tema.

A Febrasgo considera o dia 28 como um ponto de referência para falar da importância de se olhar para a condição da mulher na sociedade. “Em especial nesse momento em que a gente percebe que há um excesso de mortalidade, em função de uma doença que poderia ter sido manejada de outra maneira e cujo óbito poderia ter sido evitado se tivesse uma ação mais atenta, com um bom direcionamento de ações para as necessidades da mulher no momento do parto”, disse Pacagnella. 

Rodolfo Pacagnella alerta que a sociedade precisa olhar para a condição da mulher. “Estamos fazendo pouco. As mortes que ocorreram nos últimos anos foram em função da falta de uma organização adequada para a gestão do risco que a mulher tem nessas condições. É importante a gente mostrar isso e lutar para que não volte a acontecer”, concluiu.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Covid: Ministério da Saúde libera terceira dose para adolescentes

Publicado

source
Intervalo para a terceira dose será de quatro meses após a segunda
Tomaz Silva/Agência Brasil – 17.01.2022

Intervalo para a terceira dose será de quatro meses após a segunda

O Ministério da Saúde decidiu liberar nesta sexta-feira a dose de reforço da  vacina contra a Covid-19 para adolescentes de 12 a 17 anos. O intervalo para a terceira dose, exclusivamente de Pfizer, será de quatro meses após a segunda. Até agora, a terceira aplicação estava disponível apenas para quem tinha acima de 18 anos ou imunossuprimidos.

O ministério deve publicar uma nota técnica nesta sexta-feira para orientar como estados e municípios devem conduzir essa aplicação, ainda sem data para começar. Cabe à pasta enviar as doses, mas cada unidade federativa tem autonomia para definir os próprios calendários de vacinação.

Técnicos da Câmara Técnica de Assessoramento em Imunização da Covid-19 (CTAI-Covid) já haviam recomendado a medida há cerca de duas semanas. Agora, a pasta chancelou a aplicação da terceira dose no grupo após receber os últimos dados epidemiológicos que faltavam antes de bater o martelo.

Dados do Sistema de Informação da Vigilância Epidemiológica da Gripe (SIVEP-Gripe), alimentado pelo ministério, registram que pelo menos 8.059 jovens de 12 a 17 anos foram internados por Covid-19 no Brasil desde o início da pandemia até o último domingo. 


Do montante, 729 tiveram a morte confirmada pela doença. A letalidade hospitalar da faixa etária está em 9,04%, o que aponta para os riscos e as complicações da doença para o grupo.

A recomendação anterior da pasta definia que apenas os adolescentes imunossuprimidos deveriam receber a dose de reforço, além da quarta dose. No grupo, incluem-se pacientes em tratamento de quimioterapia, com HIV/Aids ou que passaram por transplante, entre outros.

Segundo as orientações do ministério, adolescentes podem receber duas doses de Pfizer ou de CoronaVac. A pasta, contudo, não indica a vacina produzida pelo Instituto Butantan como opção para reforço por gerar menor produção de anticorpos contra a Covid-19. 

Já a AstraZeneca e a Janssen não têm aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para aplicação em pessoas menores de idade.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

ALMT – Campanha Fake News II

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana