Economia

Europa pode liberar Boeing 737 MAX somente em janeiro

Publicado


source

Contato Radar

undefined
Lucas Marques

Europa pode liberar Boeing 737 MAX somente em janeiro

Apesar da liberação do Boeing 737 MAX pela autoridade de aviação dos EUA, a FAA, nesta semana, as autoridades dos demais países vem divulgando também sobre suas respectivas recertificações. No Brasil por exemplo, a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), já declarou que está nos ajustes finais para liberação.

De acordo com a agência internacional Reuters, a autoridade europeia, EASA, só deve liberar o modelo em janeiro. A EASA espera desenvolver suas análises totalmente independentes, incluindo voos de testes.

Para Patrick Ky, diretor da EASA, todos os estudos indicam a segurança do retorno do 737 MAX ao serviço com segurança, e que já começaram a colocar em prática. Entretanto, a previsão é que só libere em janeiro para os voos comerciais.

Fazendo assim, que a Europa recertifique o modelo depois do Brasil por exemplo, já que a GOL espera contar com o 737 MAX ainda em dezembro para suas operações. As autoridades do EUA, Canadá, Brasil e Europa, formaram uma cooperação internacional para o retorno seguro do equipamento.

Em outubro, a própria EASA já tinha dado indícios que o retorno do 737 MAX poderia acontecer ainda em novembro ( clique aqui para ler ). Portanto, companhias como Ryanair e Norwegian, terão que aguardar mais um pouco para poder contar com o retorno do equipamento.

Veja Mais:  Oi fecha acordo com AGU e vai pagar R$ 7 bi para União

O post Europa pode liberar Boeing 737 MAX somente em janeiro apareceu primeiro em Contato Radar – Notícias de aviação .

Economia

Dólar termina dia com leve queda e acumula recuo de 7,2% em novembro

Publicado


source

Agência Brasil

.
Reprodução: ACidade ON

Dólar termina dia com leve queda e acumula recuo de 7,2%


Em um dia de vaivém no mercado, o dólar encerrou esta sexta-feira (27) com pequeno recuo e acumula recuo de mais de 7% em novembro. A bolsa de valores também alternou altas e baixas, mas fechou o dia com leve alta e registra ganho de quase 18% no mês.


O dólar comercial fechou o dia vendido a R$ 5,326 , com recuo de R$ 0,01 (-0,18%). A cotação operou em alta ao longo de boa parte da sessão, chegando a R$ 5,37 por volta das 11h, mas não sustentou a valorização ao longo da tarde até fechar próxima da estabilidade.

A divisa fechou a semana com recuo de 1,13%. Esta foi a segunda semana consecutiva de retração do dólar, que acumula queda de 7,2% em novembro. Em 2020, a moeda subiu 32,72%.

No mercado de ações, o índice Ibovespa, da B3, encerrou o dia aos 110.575 pontos , com alta de 0,32%. O indicador chegou a subir 1,25% perto das 13h, mas recuou durante a tarde até terminar próximo da estabilidade.

Com ganhos há quatro semanas seguidas, a bolsa subiu 4,28% nesta semana e acumula alta de 17,7% em novembro. Se fechar com estabilidade na próxima segunda-feira (30), o Ibovespa terá o melhor desempenho mensal desde outubro de 2002. Em volta a níveis anteriores ao início da pandemia de covid-19, o índice acumula queda de 4,38% no ano.

Veja Mais:  Sementes recebidas pelos Correios têm pragas inexistentes no Brasil, diz governo

Nesta sexta-feira, o mercado foi influenciado por fatores externos. Além de progressos recentes no desenvolvimento de vacinas para a covid-19, os investidores reagiram a sinais de retomada na economia chinesa e a expectativa de que o governo de Joe Biden injete dólares na economia global.

Mais otimismo nas economias avançadas aumenta a disposição dos investidores em aplicarem em países emergentes, como o Brasil. No maior nível desde o início de março, os preços das commodities (bens primários com cotação internacional) também beneficia a economia brasileira, ao melhorar os termos de troca do país com o exterior.

Continue lendo

Economia

Oi fecha acordo com AGU e vai pagar R$ 7 bi para União

Publicado


source

Agência Brasil

.
Wesley Mcallister/AscomAGU

Um total de R$ 1,8 bilhão depositados pela Oi na Justiça serão convertidos em renda para a Anatel, como pagamento das primeiras parcelas


Em recuperação judicial desde 2016, o grupo de telecomunicações Oi fechou um acordo com a Advocacia-Geral da União (AGU) para obter um desconto de 50% na dívida de R$ 14,3 bilhões com a União. Os débitos vinham de 198 multas aplicadas pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) à operadora.


Segundo o acordo anunciado pela AGU, os 50% restantes da dívida serão parcelados da seguinte forma. Um total de R$ 1,8 bilhão depositados pela Oi na Justiça serão convertidos em renda para a Anatel, como pagamento das primeiras parcelas. O valor remanescente será dividido em prestações para o Fundo de Fiscalização das Telecomunicações (Fistel), cujos recursos são uma das fontes de financiamento da Anatel.

Em nota, a AGU informou que esse é o maior acordo da história fechado pelo órgão e pela Anatel. Com o procedimento, foram extintas 1.117 ações de execução fiscal, 199 ações anulatórias, 82 ações cautelares e 300 embargos à execução.

Segundo a AGU, o acordo foi firmado com base na Lei 13.988/2020, que permite que grandes empresas em recuperação judicial possam quitar as dívidas com a União com descontos de até 50% e parcelamento em até 84 meses.

Veja Mais:  Aerolineas Argentinas presta homenagem a Maradona em suas redes sociais

Ontem (26), a Oi tinha levantado R$ 1,4 bilhão com o leilão de torres de telefonia e centrais de processamento de dados. O novo plano de recuperação judicial da operadora, aprovado em setembro, prevê a venda de ativos para pagar credores e concentrar-se em investimentos de fibra ótica, que serão a prioridade da companhia de agora em diante.

Continue lendo

Economia

Black Friday: Maquiagem de preços é principal reclamação no Procon-SP

Publicado


source
.
Reprodução: iG Minas Gerais

Black Friday


A Black Friday motivou, até às 17h, 458 atendimentos no Procon-SP. Entre o primeiro boletim, divulgado às 9h, e o atual o órgão registrou um aumento de 219% nas reclamações. Do total, foram registradas 280 queixas e 178 consultas e denúncias nas redes sociais.


Quase um terço das reclamações recebidas pelo órgão (77) denunciam maquiagem de preço, ou seja, caso que o desconto oferecido não reflete a real queda do preço. Na segunda posição da lista dos motivos mais frequentes de queixas, estão produto e/ou serviço indisponível, com 52 registros, seguidos por mudança de preço ao finalizar a compra, com 42.

Até o momento, a empresa mais reclamada é a B2W Companhia Digital (americanas.com, Submarino, Shoptime, Soubarato) com 27 reclamações. Em seguida aparece Via Varejo (Casas Bahia, Pontofrio e Extra.com.br), 19; Kabum Comércio Eletrônico S/A e Magazine Luiza, 18.

Fernando Capez, diretor-executivo do Procon-SP , ressalta que o órgão segue monitorando as promoções ofertadas pelas empresas, e pede atenção do consumidor na hora da compra. “A defesa do consumidor terá prioridade total. Tome cuidado, siga nossas dicas e denuncie. Estamos atentos e as empresas que tentarem transformar essa data promocional em uma dor de cabeça para o consumidor serão punidas exemplarmente”, avisa Capez.

Veja Mais:  Oi fecha acordo com AGU e vai pagar R$ 7 bi para União

Veja como fazer sua reclamação

O Procon-SP disponibiliza no seu site (https://bit.ly/3lidaWB) e aplicativo um espaço específico para quem tiver problemas durante a Black Friday . A reclamação registrada no botão Black Friday será enviada imediatamente para o fornecedor, que terá até dez dias para dar uma solução ao consumidor.

No espaço, que fica acessível na página inicial do site e aplicativo, é possível informar problemas específicos do evento, como site intermitente ou congestionado, maquiagem de desconto, mudança de preço ao finalizar a compra, pagamento com boleto bancário indisponível, desconto ao mudar a compra e pedido cancelado após a finalização da compra. Além dos casos de não entrega, demora na entrega e produto/serviço entregue com defeito.

Continue lendo

CAMPANHA COVID-19 ALMT

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana