Economia

Família de idosa que morreu após cair em desembarque da Gol, pede indenização

Publicado


source

A idosa aposentada Lucy Abreu Campos , 87, que havia caído da escada de desembarque de um voo da Gol em Congonhas ( SP ) em junho de 2019, morreu no último dia 27 por conta de complicações do acidente. A notícia foi divulgada, nesta quinta-feira (13), pelo jornal “Folha de S.Paulo”.

A família de Campos e a Gol estão travando uma batalha judicial visando que a empresa pague pelos custos do tratamento da vítima.

Itapemirim recebe aporte de R$ 2 bilhões para atuar no setor aéreo

Por decisão liminar provisória da Justiça , a companhia aérea foi forçada a pagar as despesas médicas, contudo, recorreu da sentença.

O jornal também afirma que a Gol se recusou a comentar o episódio.

De acordo com o processo, ao comprar as passagens, a filha da idosa, Andrea Campos , havia contratado o serviço de acompanhamento da Gol para Lucy , na ida e na volta.

Aeroporto de Congonhas arrow-options
Paulo Pinto/Fotos Públicas

Aeroporto de Congonhas


O serviço não teria sido prestado no último trecho da viagem. A Gol , no entanto, afirma que a idosa não quis aguardar um funcionário para auxiliar no desembarque, o que ocasionou o acidente.

Lucy perdeu o equilíbrio na escada móvel e caiu na pista. A idosa sofreu traumatismo cranioencefálico e lesões no rosto e no corpo.

No processo, a família alega negligência da companhia e requisitam uma indenização de R$ 200 mil por danos morais.

Veja Mais:  Menos de 50% das mulheres que solicitaram auxílio foram aprovadas, diz pesquisa

Segundo constam os autos, a senhora foi socorrida no ato do acidente pelo departamento médico da Infraero e, logo depois, foi encaminhada a um hospital municipal no bairro do Jabaquara (na zona sul de São Paulo). Lá, passou 125 dias internada, sendo dois meses na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI).

Depois disso, realizou uma tranferência a um hospital particular, ficando lá até 22 de novembro, quando foi transferida para outro hospital privado, de alta complexidade.

De acordo com a Folha, a filha da idosa, Andrea Campos, afirmou que: “Ela oscilava muito, e o primeiro hospital não tinha a estrutura de laboratório de que ela precisava para fazer exames como ressonância. Por recomendação médica, ela foi transferida a um local com maior estrutura. Ficou um mês na UTI e morreu depois que decidimos fazer apenas cuidados paliativos”.

De acordo com Andrea, o quadro de saúde de sua mãe era tido como irreversível e Lucy se manteve inconsciente a partir do acidente.

Após fala sobre domésticas, Guedes se reúne com empresários e ignora imprensa

“Ela só falou comigo depois da queda, mas estava confusa. Depois, nunca mais. Ficou inconsciente ou em coma. Passou o aniversário dela, em 12 de dezembro, na UTI”, completou Andrea. Segundo a filha, o último mês de internação custou R$ 180 mil.

Veja Mais:  Copom reduz a taxa Selic para 2% ao ano

Economia

Menos da metade da população adulta tem emprego, diz IBGE; desocupação é recorde

Publicado


source
trabalhador
Aaron Favila/Agência Pública

Menos da metade da população adulta brasileira tinha emprego ao final do segundo trimestre, segundo o IBGE

97.256 mortes, 2.859.073 casos confirmados  e 8,9 milhões de demitidos . O saldo da pandemia do novo coronavírus (Sars-Cov-2) no Brasil é desolador, crítico e preocupante. Se outrora o debate tinha como foco a “disputa” entre preservar vidas ou a economia, hoje vê-se que o País foi absolutamente incapaz de lidar com qualquer dos aspectos. Segundo pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgada nesta quinta-feira (6), menos da metade (47,9%) da população com idade para trabalhar no Brasil tem um emprego. A desocupação é recorde e não há perspectiva de melhora.

O nível de ocupação da população adulta, 47,9%, é o menor da série histórica do IBGE, iniciada em 2012. A taxa de desemprego, porém, ainda não reflete as 8,9 milhões de demissões no segundo trimestre. Para o instituto de pesquisa, só é desempregado aquele que procura emprego, e como muitos não conseguem nem sair de casa em busca de uma vaga por conta da pandemia, os números não sobem com a mesma velocidade que as demissões.

Veja Mais:  Quina acumulada: veja os números sorteados nesta quarta-feira

Hoje, a população ocupada no Brasil é de 83,3 milhões de pessoas, número que era de 92,2 milhões ao final do primeiro trimestre.

Ao todo, 5,2 milhões de pessoas entraram no grupo chamado “força de trabalho potencial”, que reúne pessoas que não trabalhavam nem estavam procurando emprego no segundo trimestre. Com esse importante crescimento, o grupo chega agora a 13,5 milhões de pessoas. 5,7 milhões desse total são desalentados , ou seja, aqueles que gostariam de trabalhar e estavam disponíveis, mas não procuraram emprego. No período, o desalento cresceu 19,1%, com 913 mil brasileiros a mais vivendo essa situação.

CLTs, informais ou por conta própria: onde a queda é maior?

Entre os trabalhadores com carteira assinada , os CLTs, 2,9 milhões perderam emprego, queda de 8,9%. Agora, há 30,2 milhões de pessoas empregadas com carteira no Brasil, o menor nível da série histórica.

O trabalho informal, muito afetado pela pandemia e em grande parte sustentado pelo auxílio emergencial de R$ 600 nesses últimos meses, perdeu 2,4 milhões de trabalhadores. O grupo reúne agora 8,6 milhões de pessoas. A queda, de 21,8%, é maior do que entre os CLTs e os trabalhadores por conta própria.

O grupo das pessoas que trabalhavam por conta própria passou de 24,2 milhões de pessoas a 21,7 milhões, com 2,5 milhões desocupados. A queda foi de 10,3%.

Veja Mais:  Covid-19: "Custo com shopping pesa mais do que folha de pagamento", diz lojista

Entre os setores da economia, o comércio foi o mais afetado, respondendo por 2,1 milhões das 8,9 milhões de demissões, mas todos os grupos de atividades pesquisados tiveram queda na ocupação. Na categoria Alojamento e alimentação, por exemplo, a queda foi de 25,2%, com 1,3 milhão de pessoas demitidas.

Continue lendo

Economia

Shoppings de Belo Horizonte reabrem nesta quinta-feira; confira as regras

Publicado


source
Shopping
Wikipedia

Shoppings deverão seguir uma série de regras para garantir uma reabertura segura

Após a confirmação por parte da prefeitura na última terça-feira (4), autorizando a reabertura do comércio na cidade de Belo Horizonte em três dias da semana , esta quinta (6) marca a retomada das atividades nos shoppinga da capital mineira. Porém, como a pandemia da Covid-19 segue em alta no país, os estabelecimentos precisarão seguir uma série de regras para garantir as medidas de segurança e saúde.

Entre as principais restrições, estão a autorização de funcionamento por apenas oito horas – das 12h às 20h -, a obrigatoriedade de distancimento social em todos os locais internos, a aferição de temperatura antes da entrada e até a proibição de animais de estimação dentro dos estabelecimentos comerciais de Belo Horizonte .

Além disso, o protocolo definido pela prefeitura ainda não autoriza a reabertura de cinemas, academias e praças de alimentação, com os restaurantes podendo atuar apenas no sistema “take Away”, em que os clientes realizam a compra, mas só podem consumir os alimentos fora dos shoppings .

Veja Mais:  Menos de 50% das mulheres que solicitaram auxílio foram aprovadas, diz pesquisa

Segundo informações do jornal Estado de Minas, alguns shoppings também tomaram medidas próprias para garantir um conforto maior aos clientes. Entre elas, estão o funcionamento automático das cancelas nos estacionamentos, a desativação de algumas áreas comuns e de lazer, a instalação de purificadores de ar e tapetes sanitizantes, bem como maior higienização e limpeza.

Continue lendo

Economia

Menos de 50% das mulheres que solicitaram auxílio foram aprovadas, diz pesquisa

Publicado


source
Mulheres
Lúcio Bernardo Jr./Agência Brasília

Pesquisa ouviu 7.500 mulheres entre os dias 26 e 27 de julho

Um levantamento feito pela empresa Famivita mostra que o  auxílio emergencial, benefício criado pelo Governo Federal para combater a crise gerada pela pandemia da Covid-19, chegou a menos de 50% da população feminina brasileira desde que os pagamentos começaram a ser realizados.

Segundo o estudo, apenas 46% das mulheres que solicitaram o auxílio recebem ou receberam as parcelas de R$ 600, que poderiam subir para R$ 1.200 em caso de chefe de família. Inclusive, apenas 57% das mães com filhos pequenos tiveram o dinheiro disponibilizado.

O levantamento mostra ainda que o Acre foi o estado em que mais mulheres tiveram o pedido aprovado, com 62%, enquanto Santa Catarina aparece na outra ponta,com apenas 39%. Mais atingido até o momento pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2), o estado de São Paulo somou 44% de aprovações entre as solicitantes.

Desemprego

Outro ponto abordado pela pesquisa foi a perda de emprego em meio à pandemia. Ao todo, 35% das mulheres ouvidas disseram que ficaram desempregadas, incluindo as trabalhadoras informais. Antes do início da crise, 53% das entrevistadas trabalhavam.

Veja Mais:  Benefício de Prestação Continuada (BPC): saiba quem tem direito e como solicitar

O estado do Amazonas aparece como o mais afetado por esta estatística, com 61%. Distrito Federal e Rio de Janeiro somaram 35%, enquanto São Paulo ficou na marca de 33%. Mais uma vez na última posição, desta vez em uma análise positiva, aparece o estado de Santa Catarina, com 28%.

O estudo, que teve abrangência nacional, foi realizado com mais de 7.500 mulheres entre os dias 27 e 28 de julho.

Continue lendo

Câmara Municipal de Rondonópolis

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana