Saúde

Gravidez ectópica: principal causa de mortalidade materna na gestação

Publicado

source
Apesar de ser uma condição pouco frequente, ocorre em cerca de 2% das gestações
Pixabay

Apesar de ser uma condição pouco frequente, ocorre em cerca de 2% das gestações

Em uma gestação natural, o óvulo e o espermatozoide se encontram e se combinam dentro de uma das tubas uterinas. O óvulo fecundado se desloca então pela tuba até o útero, onde se implanta no revestimento uterino e cresce até ser retirado após nove meses.

Entretanto, às vezes, o óvulo fecundado não chega ao útero e permanece na tuba, ou em um ovário, no colo do útero, no abdômen, ou até mesmo em cicatrizes de cesarianas anteriores ou outras cirurgias. Essas anomalias no processo de gestação são chamadas de gravidez ectópica.

Apesar de ser uma condição pouco frequente, ocorrendo em cerca de 2% das gestações, ela é a principal causa de mortalidade materna no primeiro trimestre de gestação. Cerca de 90% das gestações ectópicas são tubárias, ou seja, que ocorrem nas tubas, o que acaba resultando em um perigo ainda maior para a mulher.

O embrião implantando continua crescendo na estreita tuba uterina. Depois de três semanas o tamanho do embrião é o suficiente para causar uma pressão por dentro da tuba, capaz de rompê-la, resultando em uma hemorragia que pode ser fatal se não for tratada com cirurgia.

Os principais sintomas enquanto o embrião cresce na tuba são dores abdominais unilaterais, sangramento vaginal e desmaios. Quando há o rompimento, os sinais se intensificam: a paciente sente uma dor aguda ou dilacerante em um lado do abdômen, perto da virilha, e apresenta queda da pressão arterial e outros sintomas de choque.

Veja Mais:  Ministério da Saúde vai desfazer secretaria de combate ao coronavírus

As mulheres que têm mais risco de gravidez ectópica são aquelas que já passaram por uma anteriormente, mas também há uma grande possibilidade naquelas com infecções pélvicas ou cirurgias uterinas prévias. A fertilização in vitro também aumenta as chances de se ter uma gravidez ectópica. Entretanto, em metade dos casos, as mulheres eram saudáveis e não possuíam nenhum fator de risco.

O tratamento para este tipo de alteração também vai depender do histórico de saúde da grávida e os riscos de uma possível ruptura do tubo uterino. Geralmente, as mulheres saudáveis recebem uma injeção de metotrexato, que é também usado para tratar certos tipos de câncer e distúrbios autoimunes e dificulta a formação de DNA ou a multiplicação das células. Com este medicamento, o embrião para de crescer, e o organismo acaba por reabsorvê-lo.

Caso haja o rompimento da tuba, a gestante precisa passar por uma cirurgia de emergência, onde é retirado o embrião. Nos dois casos, tanto com a cirurgia ou com a injeção, o processo de gestação é interrompido, o que faz muitas pessoas acreditarem ser um aborto.

Entretanto, com ou sem intervenção, gestações ectópicas não sobrevivem além dos primeiros meses. Dificilmente um óvulo fecundado sobrevive por muito tempo fora do óvulo, visto que outras estruturas do corpo não são capazes de proteger ou nutrir um embrião.

Veja Mais:  Japão emite alerta de nível 1 contra varíola dos macacos
Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook

Saúde

Acordar de madrugada para comer pode indicar distúrbio do sono

Publicado

Acordar de madrugada para comer pode indicar distúrbio do sono
FreePik

Acordar de madrugada para comer pode indicar distúrbio do sono

Acordar no meio da noite para revirar a geladeira em busca de alimentos pode ser um distúrbio de sono, porque o organismo da maioria das pessoas está preparado para o jejum durante a madrugada e não digerir comidas calóricas e em abundância durante o período do sono. O distúrbio alimentar associado ao sono e a síndrome do comer noturno podem explicar esta conduta atípica.

“Nessas pessoas, o organismo entende que a hora de maior funcionamento seria à noite. Por causa disso, têm pouca fome de manhã e mais apetite à noite”, afirmou médica e pesquisadora do Instituto do Sono Dalva Poyares.

A síndrome do comer noturno é um distúrbio alimentar que se caracteriza pelo aumento da necessidade de ingestão de alimentos à noite, antes do período principal de sono e com despertares noturnos para comer. O comer noturno pode ter explicações ligadas ao metabolismo e ao ritmo circadiano, que é o relógio interno do organismo do indivíduo.

Há pessoas, chamadas de vespertinas, que são mais ativas no período noturno.Para identificar o distúrbio de sono de forma correta, os médicos investigam se o paciente se lembra, ou não, de ter despertado para comer.

A amnésia total ou parcial do fato é um indicativo de distúrbio alimentar associado ao sono, que pode ser desencadeado por medicamentos hipnóticos ou por parassonia, que é um comportamento semelhante ao sonambulismo.

Veja Mais:  Ministério da Saúde vai desfazer secretaria de combate ao coronavírus

Na síndrome do comer noturno, o paciente tem consciência do que ingeriu e memória dos eventos no dia seguinte.

Segundo a médica, o distúrbio alimentar associado ao sono acomete pessoas com propensão a ter parassonia e se caracteriza por despertares noturnos acompanhados de comportamento exclusivamente relacionado à mastigação e à deglutição de alimentos ou substâncias.

No dia seguinte, a pessoa não tem memória do fato ou apresenta apenas alguns fragmentos de lembrança.“Quem tem esse distúrbio de sono tende a comer alimentos não usuais ou misturar alimentos que não combinam e que nunca consumiriam, se estivessem conscientes, podendo acordar nauseado ou se sentindo mal”, explicou Dalva Poyares.

Ela disse que medicamentos hipnóticos usados para combater a insônia também podem desencadear o distúrbio de sono em qualquer pessoa. Ao ingerir o medicamento, em vez de dormir, a pessoa tem comportamento de sonambulismo.

“Uma das coisas que acontecem é a pessoa comer e não lembrar. Nesse momento ela corre riscos associados à ingestão de substâncias tóxicas, coisas que estão na geladeira e não estão muito boas, misturar alimentos que não combinam, ou mesmo ter lesões por cozinhar ou preparar alimentos durante a madrugada, ou acordar se sentindo mal”, afirmou.

De acordo com a pesquisadora, há tratamentos disponíveis para os distúrbios de sono. Se o comportamento persistir, é preciso procurar ajuda profissional. “É preciso investigar as causas da superficialidade do sono e os motivos que fazem o sono ficar fragmentado para tratar. Se não se encontrar nada, é sinal de sonambulismo, que é outro tratamento.”

A médica alerta que essa situação pode ser perigosa e recomenda que se tomem medidas de segurança como retirar objetos perfurocortantes do ambiente, dificultar o acesso à geladeira, além de fazer o tratamento para sanar tais distúrbios.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Frontoplastia: Saiba o que é e como é feita

Publicado

Saiba como é o procedimento Frontoplastia
Reprodução/Twitter

Saiba como é o procedimento Frontoplastia

Recentemente, o tema Frontoplastia chamou a atenção nas redes sociais por causa da ex-BBB Thais Braz, j á que ela realizou o procedimento , dividindo opiniões entre os seus seguidores. A técnica cirúrgica tem como objetivo aumentar ou diminuir o tamanho da testa, oferecendo rejuvenescimento do paciente, segundo explica o doutor Marcos Badim, cirurgião plástico do Hospital Badim, do Rio de Janeiro.

“A intenção dessa cirurgia é deixar o rosto mais simétrico, podendoelevar as sobrancelhas, reduzindo as rugas de expressão. É um procedimento considerado simples, que podemos usar anestesia local ou geral, dependendo da análise clínica de caso”, explica o médico.

O especialista diz também que é fundamental que o profissional que for fazer o procedimento realize a anamnese e identifique as reais necessidades do paciente. “As consultas iniciais também são importantes para a gente identificar a melhor técnica para cada caso, porque esse procedimento varia conforme os objetivos do indivíduo, a estrutura do rosto, as características da pele”, relata.

“Dependendo da necessidade, associamos a frontoplastia a outras técnicas, uma delas pode ser a blefaroplastia, onde conseguimos retirar o excesso de pele das pálpebras. Quanto aos tipos de cirurgia de frontoplastia, podemos fazer por incisão coronal ou endoscópica. Mas isso também é decidido junto ao paciente”, acrescenta.

Apesar de ser uma cirurgia simples, há um pequeno risco para quem for fazer. “Os pontos da cirurgia sempre são uma preocupação, porque podem infeccionar por vários motivos, inclusive se não houver uma adequada higienização. E quando há esse tipo de infecção pode ser que cheguei ao nervo da região facial, o que costuma diminuir a sensibilidade no local e esse sintoma pode durar até três meses ou até ficar de forma permanente”, explica o doutor Marcos Bonfim.

Veja Mais:  Ministério da Saúde vai desfazer secretaria de combate ao coronavírus

Ele ainda detalha que, dependendo do organismo do paciente, o inchaço após a realização da cirurgia pode durar até 15 dias, podendo surgir ainda hematomas. Porém, o médico deixa claro que tudo isso vai desaparecendo com a cicatrização, mas faz uma ressalva: “Não é muito comum, mas pode haver queda de cabelo também no local da intervenção. Importante enfatizar que todas essas complicações, em boa parte dos casos, podem ser revertidas sem grandes complicações”.

Tempo de recuperação

A recuperação é muito simples e bem mais rápida do que a plástica de face, como a ritidoplastia, conhecida como lifting facial. “Porém, apresenta os mesmos inconvenientes no pós operatório, com apresentação de edema, hematoma, cicatrizes aparentes, entre outros”, pontua.

Geralmente, o paciente recebe a autorização para deixar o hospital no mesmo dia que a cirurgia é feita, tendo que ficar em repouso por 48 horas em casa, cuidando do local da intervenção. “Nos primeiros dias é bom também evitar abaixar a cabeça e ainda se afastar dos exercícios físicos e outras práticas que exigem maior esforço por 30 dias”, orienta o médico.

Esse tipo de procedimento estético não é um dos mais procurados pelo Brasil. No entanto, o público acima de 40 anos tem buscado conhecer um pouco mais da intervenção.

Autoestima

O doutor Marcos Badim conta que o procedimento pode mexer com a autoestima do paciente. “Como todas as cirurgias estéticas, essa também tem grande influência na autoestima, principalmente porque ao olharmos para alguém, a face é a primeira a ser notada. O paciente se sente muito melhor, física e psicologicamente, após o procedimento, o que reflete no seu humor, na sua vida pessoal e profissional”, relata.

Veja Mais:  Coreia do Norte registra primeira morte por Covid-19

Porém, caso a pessoa não goste do resultado final, ela poderá reverter, dependendo da situação. “Alguns procedimentos são temporários, mas outros são permanentes. Vai depender da técnica utilizada e uma série de outros fatores que são avaliados nas consultas pré-operatória”, detalha o cirurgião.

“Por isso essas consultas com o especialista são fundamentais, pois são muito esclarecedoras e dão segurança para o melhor procedimento e recuperação do paciente”, conclui.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Covid-19: nova vacina da Ômicron é aprovada pela primeira vez

Publicado

Covid-19: nova vacina da Ômicron é aprovada pela primeira vez
FreePik

Covid-19: nova vacina da Ômicron é aprovada pela primeira vez

A Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde do Reino Unido (MHRA) aprovou nesta segunda-feira a primeira versão atualizada da vacina contra a Covid-19. O imunizante, desenvolvido pela farmacêutica Moderna, é chamado de bivalente. A formulação oferece proteção tanto contra a cepa original do Sars-CoV-2, descoberta em 2019, na China, como para a subvariante BA.1 da Ômicron, identificada no fim do ano passado na África do Sul.

Agora, o Comitê Conjunto de Vacinação e Imunização britânico (JCVI) precisa decidir se irá incorporar a nova vacina à campanha antes do próximo inverno, que começa em dezembro no Hemisfério Norte. É o primeiro país do mundo a dar o aval para uma versão atualizada do imunizante, em meio à prevalência de subvariantes da Ômicron que conseguem escapar com mais facilidade da proteção oferecida pelas vacinas originais.

“A primeira geração de vacinas contra a Covid-19 usadas no Reino Unido continua a fornecer proteção importante contra a doença e a salvar vidas. O que esta vacina bivalente nos dá é uma ferramenta afiada em nossa armadura para nos ajudar a nos proteger contra a doença à medida que o vírus continua a evoluir”, diz a chefe-executiva da MHRA June Raine, em comunicado.

Segundo a agência, a decisão foi baseada em dados de testes clínicos sobre a aplicação de um reforço com a vacina bivalente. Os resultados mostraram a indução de uma forte resposta imune contra a primeira subvariante da Ômicron, a BA.1, e a cepa original da doença, chamada de ancestral.

Veja Mais:  Covid-19: Damares Alves ressalta ser a favor da vacinação infantil

Em uma segunda análise, o imunizante também apresentou uma boa resposta contra as sublinhagens BA.4 e BA.5 da Ômicron, que predominam hoje no mundo e têm uma capacidade maior de provocar reinfecções até mesmo aqueles contaminados pela BA.1 no início do ano.

“O vírus Sars-CoV-2 está evoluindo continuamente para evitar a imunidade fornecida pelas vacinas. Esta nova vacina bivalente representa o próximo passo no desenvolvimento de vacinas para combater o vírus, com sua capacidade de levar a uma resposta imune mais ampla do que a vacina original”, afirma o professor Munir Pirmohamed, presidente da Comissão de Medicamentos Humanos da MHRA.

O avanço das novas subvariantes da Ômicron levou inclusiva a Food and Drug Administration (FDA), agência reguladora dos Estados Unidos, a pedir que as farmacêuticas que estão desenvolvendo versões atualizadas das vacinas, como a Pfizer/BioNTech e a Moderna, utilizem as BA.4 e BA.5 na formulação.

Embora o pedido tenha levado a Moderna a iniciar testes clínicos com uma segunda versão atualizada, focada nas duas sublinhagens, a farmacêutica afirma que a primeira candidata para a Ômicron, desenvolvida com base na BA.1 e agora aprovada no Reino Unido, também oferece proteção para as subvariantes emergentes.

Aplicada como um reforço, a nova vacina induziu uma produção de anticorpos oito vezes maior contra a Ômicron BA.1, diz o laboratório. Em relação a BA.4 e BA.5, o aumento foi de 6,3 vezes. Ambos foram significativamente superiores à melhor proporcionada pela formulação atual, acrescentou a Moderna.

Veja Mais:  Saiba como prevenir a obesidade infantil

“Estamos muito satisfeitos com a autorização da MHRA da Spikevax Bivalent Original/Omicron, nossa vacina contra a Covid-19 de próxima geração. (…) Esta vacina bivalente tem um papel importante a desempenhar na proteção das pessoas no Reino Unido do COVID-19 à medida que entramos nos meses de inverno”, disse o CEO da Moderna, Stéphane Bancel, em comunicado.

A farmacêutica afirmou ainda que está trabalhando com as autoridades de saúde britânicas para disponibilizar o reforço para a população do Reino Unido. O laboratório também completou o processo de solicitação para um aval da nova vacina no Canadá, na União Europeia e na Austrália, e espera que novas autorizações sejam anunciadas nas próximas semanas.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

ALMT – Campanha Fake News II

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana