Internacional

Itamaraty informa que 19 crianças já foram reunidas com suas famílias nos EUA

Publicado

Senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) se licenciou do cargo e assumiu o Ministério das Relações Exteriores em abril. Agora tem que gerenciar a crise das crianças brasileiras separadas dos pais nos Estados Unidos
Pedro França/Agência Senado – 19.2.2014

Senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) se licenciou do cargo e assumiu o Ministério das Relações Exteriores em abril. Agora tem que gerenciar a crise das crianças brasileiras separadas dos pais nos Estados Unidos

O Ministério das Relações Exteriores informou neste sábado (21) que 19 crianças brasileiras já foram reunidas com seus pais nas últimas duas semanas nos Estados Unidos. Essas crianças foram separadas dos pais ao atravessarem a fronteira dos Estados Unidos depois que foram interceptadas e enquadradas na política de “tolerância zero” do presidente Donald Trump.

Leia também: Um dos maiores traficantes de armas do Brasil é condenado nos EUA

Em nota, o Itamaraty afirmou ainda que restam outras 30 crianças brasileiras mantidas separadas dos pais em abrigos do governo americano. De acordo com o Ministério, porém, esses menores já foram localizados, identificados e se encontram: 15 em Chicago, seis em Houston, seis em Los Angeles, dois em Miami e um em Nova York.

O governo ainda informou que os processos para reuniar essas famílias já estão em fase de finalização e o reencontro deve ocorrer em breve. Isso porque o governo norte-americanao tem até o dia 26 de julho para reunir todas as 2.551 crianças de 5 a 17 anos de idade que foram abrigadas em separado de seus pais desde abril deste ano.

Veja Mais:  Naufrágio nos EUA: “Deus, me deixa morrer”, disse mulher que perdeu 9 familiares

Nessa época, a política de tolerância zero do governo do presidente norte-americano Donald Trump entrou em vigor e começou a separar pais e filhos que tentavam entrar ilegalmente nos Estados Unidos pela fronteira com o México.

Os adultos capturados eram levados a prisões e os menores para abrigos separados, muitas vezes, por milhares de quilômetros de forma que a medida causou polêmica e obrigou Trump a, em junho, assinar uma ordem para acabar com a separação de famílias.

Os 19 brasileiros que voltaram a se encontrar com os pais fazem parte de um grupo maior de 450 crianças de 5 a 17 anos que, desde sexta-feira (20), começaram a se reunir com seus pais.

Leia também: Advogado gravou Donald Trump falando sobre suborno a ex-modelo

Pais e crianças brasileiras não querem voltar ao Brasil

Mesmo com política de tolerância zero de Trump com imigrantes ilegais, brasileiros preferem continuar preso nos Estados Unidos a retornar ao Brasil
Reprodução/CNN

Mesmo com política de tolerância zero de Trump com imigrantes ilegais, brasileiros preferem continuar preso nos Estados Unidos a retornar ao Brasil

Em nota, o Itamaraty afirmou que os agentes consulares brasileiros mantém visitas regulares aos abrigos onde estão essas crianças, com contato com cada um dos menores “para assegurar que estão recebendo os cuidados devidos.

O Ministério das Relações Exteriores afirmou, no entanto, que não cabe ao governo brasileiro obrigas essas crianças e familiares a retornarem ao Brasil. O Ministério chegou a dizer que “a maioria expressiva manifesta o interesse de permanecer nos Estados Unidos, ainda que para isso tenha de aguardar a decisão das autoridades locais.”

Veja Mais:  Furacão Lane se aproxima do Havaí e causa primeiros estragos

O comunicado do Itamaraty foi uma resposta ao novo ofício encaminhado ao Ministério pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). A organização pediu ao chanceler Aloysio Nunes (PSDB), que é senador licenciado por São Paulo, informações mais precisas sobre a quantidade de crianças brasileiras que ainda estavam em abrigos nos Estados Unidos.

Segundo a OAB, a identificação correta dos menores e dos locais onde se encontram “é de fundamental importância” para que a entidade possa tomar as providências devidas para fazer uma defesa adequada dos brasileiros “com o intuito de cessar a violação aos direitos humanos perpretrada” pelo governo norte-americano.

Leia também: Naufrágio nos EUA: “Deus, me deixa morrer”, disse mulher que perdeu 9 familiares

O Itamaraty, no entanto, se esquivou da crítica e, sem citar o ofício da OAB, afirmou que tem mantido a sociedade brasileira informada sobre a localização e o estado dos menores que estão nos abrigos nos Estados Unidos, sem compromete sua privacidade. Além disso, o Ministérioa ainda informou que “tem feito chegar ao governo norte-americano, em diferentes momentos, seu firme desagrado com uma prática que considera cruel e em franca violação de instrumentos internacionais de direitos das crianças brasileiras.
.”

Comentários Facebook

Internacional

Salão do livro em Nova York abre inscrições para escritores

Publicado

Para quem sonha em ver seus livros rodando o mundo, o 5º Salão do livro de Nova York está com inscrições abertas para autores. Organizado pela ZL Books Editora, o evento acontece, dias 19 e 20 de junho, na Biblioteca Brasileira de Nova York (Brazilian Endowment for the Arts). Os interessados precisam se cadastrar, até dia 25 de abril, pelo e-mail [email protected].

O programa também conta com a realização de atividades culturais e palestra sobre literatura brasileira no mundo. O projeto Internacional existe há quase dez anos e já foi realizado em Lisboa (Portugal), Berlim (Alemanha), em algumas cidades da França e em Montreal (Canadá), além do Rio de Janeiro. 

 

Para Jô Ramos, escritora e idealizadora do evento, a iniciativa tem como objetivo disseminar a literatura de língua portuguesa para todos os cantos. Para ela, há muitos estrangeiros interessados no que é produzido no Brasil, além de brasileiros residentes no exterior que amam os escritores de língua portuguesa.

Ramos comenta que o salão do livro ajuda a valorizar o trabalho dos autores independentes e as pequenas editoras, ambos sem acesso ao circuito oficial literário brasileiro. “Projetos assim estimulam a preservação e a produção da nova literatura e dos novos autores”.

– Com intercâmbios culturais entre o Brasil e o exterior, desejamos criar mais oportunidades para que esses escritores possam conquistar novos leitores, além de acessar novas formas de divulgação da sua obra artística – diz.

Veja Mais:  Ministro da Cultura fala em queda de balão como causa do incêndio em museu

 

Serviço:

5º Salão do Livro de Nova York

Inscrições pelo e-mail: [email protected]

Até dia 25 de abril

Evento acontece dias 19 e 20 de junho.

Horário: das 12h às 20h

Local: Brazilian Endowment for the Arts.

Endereço: 240 E 52nd Street, Nova York (USA).

Comentários Facebook
Continue lendo

Internacional

Crânio é encontrado no mesmo cômodo em que Luzia era mantida no Museu Nacional

Publicado


Após buscas no Museu Nacional, bombeiros encontraram crânio que pode ser de Luzia, o fóssil mais antigo das Américas
Reprodução/TV Globo

Após buscas no Museu Nacional, bombeiros encontraram crânio que pode ser de Luzia, o fóssil mais antigo das Américas

Bombeiros informaram nesta terça-feira (4) que um crânio foi encontrado em meios aos escombros deixados após o incêndio no Museu Nacional do Rio de Janeiro, em Cristóvão, zona norte da cidade. De acordo com informações da TV Globo
, a equipe estima que o achado seja uma parte de Luzia, o fóssil humano mais antigo já encontrado nas Américas.

Leia também: Defesa Civil interdita museu e diz que paredes internas podem desabar

O canal afirmou que um grupo de cientistas do Museu Nacional
realizará analises do material para descobrir se o crânio pertence ou não a Luzia. A ossada foi identificada no mesmo cômodo onde era mantida e, segundo relatos, estaria esfarelada.

A chuva ao longo da madrugada desta terça foi responsável pelos avanços nas buscas e por apagar focos de incêndio ainda remanescentes. A Defesa Civil do Rio de Janeiro comunicou que o local está interditado porque há chance de desabamento do telhado, laje e divisórias do prédio. Já na área externa, a avaliação feita por técnicos mostrou que a espessura das fachadas não apresenta risco iminente.

Acervos de Museu Nacional em cofres podem estar a salvo


Corpo de Bombeiros realizou buscas para retirar peças que estavam em meio aos escombros no Museu Nacional do RJ
REPRODUÇÃO/AGÊNCIA BRASIL

Corpo de Bombeiros realizou buscas para retirar peças que estavam em meio aos escombros no Museu Nacional do RJ

Bombeiro que atuou no combate ao fogo durante o incêndio
, Rafael Luz
contou que se arriscou para salvar Luzia, mas acabou desistindo após se ferir durante o processo.

Veja Mais:  Pesquisadores acham nova espécie de ‘dinossauro blindado’ de 76 milhões de anos

Leia também: Museu Nacional: vice-diretora diz que incêndio destruiu 90% do acervo

Luz disse que se queimou depois de a luva que estava usando derreter enquanto tentava destrancar o armário que abrigava o crânio de Luzia
. “Tentamos nos aproximar e abrir o armário, mas quando conseguimos, o móvel estava vazio. Na verdade, só tinha um ferro, que queimou os meus dedos. Doeu bastante. Saí do cômodo e chorei de frustração”, relembra.

Anteriormente, pesquisadores do museu levantaram a possibilidade de as peças mais raras e valiosas estarem “intactas” dentro de cofres e armários de aço especiais. Eles reconheceram que o trabalho será árduo, devido à temperatura ‘escaldante’ e da fragilidade da estrutura do prédio.

Leia também: Museu Nacional do Rio de Janeiro: para pesquisadores, dano é “irreparável”

A vice-diretora do Museu Nacional
, Cristiana Serejo, ressaltou que ao menos R$ 15 bilhões serão necessários para dar início à restauração do prédio, e que existem chances de itens estarem preservados após o incêndio. “A gente vai ter que aguardar. Mas a coleção de entomologia, de insetos, que ficava no terceiro andar, não resistiu. Isto foi uma perda gravíssima. Estava em armários compactadores, mas, como desabaram, foi um impacto muito grande”, concluiu.

*Com informações da Agência Brasil

Comentários Facebook
Continue lendo

Internacional

PT vai recorrer à ONU e ao STF por Lula candidato

Publicado


Haddad afirmou que o PT vai “tomar todas as providências jurídicas para assegurar a candidatura de Lula”
Divulgação

Haddad afirmou que o PT vai “tomar todas as providências jurídicas para assegurar a candidatura de Lula”

Após uma reunião com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a direção do PT anunciou  nesta segunda-feira (3) que pretende recorrer novamente
ao Comitê de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) para garantir que a candidatura de Lula à Presidência da República seja registrada nas eleições de outubro.

Em entrevista coletiva após a visita, Fernando Haddad, atual candidato a vice na chapa petista disse que o partido vai “tomar todas as providências jurídicas para assegurar a candidatura de Lula
”.

O PT prepara ainda dois recursos ao Supremo Tribunal Federal (STF), abordando questões eleitorais e criminais, para que não ocorra a necessidade de substituição do nome na chapa no prazo de dez dias, conforme definido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que negou o pedido de candidatura na última sexta-feira (31).

Segundo Haddad, Lula decidiu continuar defendendo sua candidatura. “Nós sabemos que o povo está sofrendo uma crise sem precedentes. As pessoas estão com a vida cada vez mais difícil e o ex-presidente Lula é o caminho para a saída dessa situação”, afirmou.

“Denunciaremos à ONU
o não cumprimento do que determinou em relação à candidatura do ex-presidente Lula, assim como entraremos com recursos judiciais cabíveis para defender essa candidatura”, afirmou a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann. 

Veja Mais:  Balão Baby Trump deverá sobrevoar os Estados Unidos no próximo mês

De acordo com o TSE, Lula não pode aparecer em propaganda política como candidato e está excluído da cédula eleitoral. Também nesta segunda feira, o ministro Luis Felipe Salomão  proibiu o PT de veicular propagandas
no horário eleitoral em que apresenta o ex-presidente como candidato. Foi fixada multa no valor de R$ 500 mil para o caso de descumprimento dessa determinação.

A decisão em caráter liminar (provisório) atende a pedido do Partido Novo , que argumentou na representação que, ao manter seus programas na TV e no rádio com Lula candidato, o PT
estava “desafiando” o TSE, uma vez que a maioria dos ministros da corte decidiu, na madrugada do último sábado (1º), barrar a candidatura do ex-presidente com base na Lei da Ficha Limpa.

Leia também: O que resta à defesa de Lula? Recurso no STF ainda pode tornar petista candidato

Haddad defendeu que a Coligação “O Povo Feliz de Novo” teve prazo muito exíguo para ajustar todas as plataformas de propaganda eleitoral, uma vez que a decisão do TSE sobre a candidatura de Lula
foi tomada na madrugada de sábado. Ele apontou que foram tomadas medidas ainda na madrugada pra ajustar a decisão, chamando os profissionais em suas casas para fazer as adequações.

Comentários Facebook
Continue lendo

ALMT – Campanha Fake News II

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana