Mato Grosso

Licitação para contratação de empresa para licenciamento de software deve ser suspensa

Publicado


Tony Ribeiro/TCE-MT

O Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE-MT), por meio de decisão singular do conselheiro José Carlos Novelli, determinou a suspensão cautelar de processo licitatório da Prefeitura de Santo Antônio do Leste, para futura e eventual contratação de empresa especializada em licenciamento de software de sistema integrado de gestão pública, no valor estimado de R$ 556,5 mil.  

A medida cautelar foi solicitada em representação de natureza interna proposta pela Secretaria de Controle Externo (Secex) de Contratações Públicas do TCE-MT, em virtude de suposta incompatibilidade do preço de referência com os valores praticados no mercado e exigência de serviço técnico sem a comprovada necessidade, que pode ter restringido a competitividade do certame.

Conforme a decisão, após notificação para apresentação de manifestação prévia, o gestor informou que o pregão se mostrou vantajoso para o município, já que resultou na formalização de ata de registro de preço no valor total de R$ 326,8 mil, abaixo do montante estimado.

“Ocorre que, de acordo com as informações iniciais prestadas pelas Secex, mesmo com a diminuição constatada, a estimativa de preço já se encontrava em níveis incompatíveis com os de mercado e, consequentemente, o valor final se manteve acima dos contratos de objeto similar firmados por municípios com número de habitantes similar ao da unidade gestora fiscalizada”, sustentou o conselheiro.  

Veja Mais:  Tributarista será um dos palestrantes do Congresso Brasileiro de Direito Tributário

Além disso, de acordo com José Carlos Novelli, o caso se torna mais grave quando considerada a possibilidade de contratação de serviços técnicos especializados de customização, licitados pelo valor de R$ 100/h, com estimativa de 1 mil horas no total.

“Não foi possível verificar nenhuma justificativa que demonstrasse de forma clara a necessidade e objetivos da contratação desses serviços, cuja estimativa perfaz o montante de R$ 100 mil, parcela substancial do valor total da licitação. Similarmente, não há qualquer definição do item no instrumento convocatório, bem como nenhum plano de trabalho para sua execução, de modo que não é possível estabelecer a relação causal entre a suposta necessidade administrativa e a contratação de um serviço cujo custo de investimento estimado se aproxima ao valor da licença para o uso do software”, argumentou o relator.

O conselheiro destacou ainda que apenas uma empresa compareceu ao pregão, sendo a vencedora do certame. “O que indica um provável prejuízo à competitividade, impondo ainda mais rigor na análise dos fatos narrados, até porque, na fase de formação de preço, a própria gestão apresentou diversos orçamentos provenientes de fornecedores diferentes, o que sugere a existência de ampla possibilidade de competição para o objeto licitado”.

Frente ao exposto, José Carlos Novelli entendeu estar presente a probabilidade do direito, consubstanciada na ausência de definição precisa e suficiente dos serviços técnicos especializados de customização das ferramentas objeto de contratação, alçando o valor do certame a patamares acima dos preços praticados por municípios de porte similar.

Veja Mais:  Policiais penais frustram entrada de drones na Penitenciária de Rondonópolis

“A este tribunal cumpre o papel de obstar a perpetração de atos relacionados ao certame licitatório e a celebração de eventual contrato marcado pela eiva de ilegalidade, de forma que, caso confirmados na fase meritória, os vícios apontados nesta representação podem resultar em graves prejuízos ao erário municipal, com a prestação e pagamento de serviços sem o devido controle, ou em quantitativos incompatíveis com a necessidade estatal, circunstância agravada pela possibilidade de adesão à referida ata por outras prefeituras, motivo pelo qual a suspensão cautelar do procedimento se mostra necessária para resguardar o interesse público no caso concreto”, finalizou o conselheiro.

O Julgamento Singular N° 508/JCN/2021 foi publicado no Diário Oficial de Contas (DOC) desta quarta-feira (09) e ainda será analisado pelo Tribunal Pleno, que decidirá pela homologação ou não da medida cautelar.

Secretaria de Comunicação/TCE-MT
E-mail: [email protected]
Flickr: clique aqui

Fonte: TCE MT

Comentários Facebook

Mato Grosso

Pesquisa aponta que 89% dos servidores do TCE-MT se sentiram acolhidos durante período de teletrabalho

Publicado


Quase 90% dos servidores do Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE-MT) se sentiram acolhidos pela instituição durante o período de teletrabalho.  A porcentagem aponta ainda que, para eles, houve preocupação do órgão com bem-estar em relação a sua saúde. É o que mostra a Pesquisa para Subsidiar a Elaboração de Propostas de Diretrizes para a Modalidade de Teletrabalho, divulgada pelo Comitê de Gestão de Pessoas do Instituto Rui Barbosa (IRB).  

O estudo, coordenado pela Escola de Contas Públicas do Tribunal do Espírito Santo (TCE-ES), engloba 32 Tribunais de Contas do país e foi realizado entre os dias 8 e 14 de março deste ano. Além dos dados sobre teletrabalho, o documento traz indicadores sobre competências técnicas e gerenciais e sinaliza o comportamento emocional do grupo de respondentes durante a pandemia de Covid-19.  

Em regime de teletrabalho desde março de 2020, quando a doença avançou pelo Brasil, o Tribunal vem buscando, por meio  da Secretaria Executiva de Gestão de Pessoas/ Núcleo de Qualidade de Vida no Trabalho, soluções para garantir a segurança de seus servidores e a prestação ininterrupta de serviços.

Neste contexto, vale destacar que 66.1% dos colaboradores apontaram que o TCE-MT ofereceu apoio em serviços de atendimento durante o período, sendo 44,7% relativos a médico, 9,8% à psicólogo e 11,6% à serviço social.

Além disso, 93% dos entrevistados constatou que órgão elaborou uma regulamentação específica ou ajustou o regulamento existente acerca desta modalidade de trabalho.   

Veja Mais:  Sefaz repassa veículos e bens para unidade prisional de Várzea Grande

Cenário no qual a comunicação por e-mail, whatsapp, zoom, teams, google, por exemplo, facilitou o desenvolvimento das atividades, segundo a avaliação de 97% dos servidores. Do total, 49% disseram que as ferramentas contribuíram extremamente; 38% disseram que contribuem bastante; 6% disseram que contribuem moderadamente; 5% disseram que contribuem um pouco e 3% disseram que não contribuem nem um pouco.  

Quanto à carga horária, 51,4% deles considera que não houve alterações, 11,5% que houve necessidade de maior carga horária, pois ocorreu aumento de produtividade, 9,6% que houve necessidade de menor carga horária, pois ocorreu diminuição de demandas, 10,5% considera que houve necessidade de maior carga horária para atender a mesma quantidade de demandas e 9,2% não tem parâmetros (por ingresso/relocação em 2020).

Para 90% dos servidores do TCE-MT há alguma forma de acompanhamento das atividades e entregas. O meio utilizado para esse acompanhamento, segundo 62% deles, é o sistema disponibilizado pelo Tribunal, enquanto que, para outros 36%, é a planilha criada pela área e, para 2%, aplicativos específicos, como o Trello.

Os dados agora, serão repassados às unidades responsáveis pelo desenvolvimento e capacitação dos servidores e área de Gestão de Pessoas. O estudo completo pode ser conferido aqui.

Metodologia utilizada

A pesquisa contou com 83 perguntas, e com 7.555 respondentes, de um total de 20.4131 servidores ativos com algum vínculo de trabalho com os tribunais. Ou seja, a amostra contém 37% do total da população, assegurando nível de confiança de 99% e erro amostral de 5%. Para que pudessem ser avaliados em relação ao período da Pandemia da Covid– 19, os resultados foram agrupados em antes, durante e após a pandemia.

Veja Mais:  Tributarista será um dos palestrantes do Congresso Brasileiro de Direito Tributário

Elaborado de acordo com a teoria da Psicologia Positiva, postulado desenvolvido pelo psicólogo norte-americano Martin Seligman, o levantamento tem o objetivo de destacar a importância de se observar os sintomas advindos da combinação de emoções negativas (ansiedade, medo, angústia, desânimo, tristeza) com esgotamento mental e dificuldades para dormir, que impactam resultados e engajamento no trabalho.

André Garcia Santana
Secretaria de Comunicação/TCE-MT
E-mail: [email protected]
Flickr: clique aqui

Fonte: TCE MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso

Sefaz repassa veículos e bens para unidade prisional de Várzea Grande

Publicado


A Secretaria de Fazenda realizou nesta quarta-feira (16.06) a transferência de bens e veículos do patrimônio considerados inservíveis para a Pasta. Esses equipamentos serão utilizados pelo Centro de Ressocialização de Várzea Grande, para melhorar a estrutura física e segurança daquela unidade prisional do Sistema Penitenciário da Secretaria de Segurança Pública (Sesp-MT).

Foram transferidos dois veículos da marca Ford, um modelo Fiesta e uma caminhonete modelo Ranger. Entre os móveis doados estão: freezer, ar condicionado split, uma estante de aço, longarinas, arquivos, armários, porta de ferro, cadeiras giratórias, além outros materiais.

A retirada dos materiais, equipamentos e veículos foi realizada pelos próprios reeducandos.

A ação é permitida pela Lei nº 11.109/2020, que dispõe sobre a Gestão Patrimonial da Administração Pública do Estado de Mato Grosso, mais especificamente no Art. 13, inciso 1º. A transferência dos bens foi autorizada pelo secretário adjunto da Administração Fazendária, Kleber dos Santos e pelo superintendente de Patrimônio e Serviços, Marcus Ferraz.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Veja Mais:  "A entrega dessas máquinas é um ganho fundamental para a nossa região", avalia prefeita de São Félix
Continue lendo

Mato Grosso

“A entrega dessas máquinas é um ganho fundamental para a nossa região”, avalia prefeita de São Félix

Publicado


Considerada uma medida que vai fortalecer os consórcios intermunicipais, a entrega de máquinas e equipamentos rodoviários realizada pelo governador Mauro Mendes vai não apenas melhorar a infraestrutura rodoviária do Estado, como impulsionar o desenvolvimento dos municípios, especialmente da região Araguaia de Mato Grosso.

A avaliação é da presidente do Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental Araguaia (Cidesa), a prefeita de São Felix do Araguaia, Janailza Taveira Leite. O consórcio recebeu cinco máquinas, sendo três motoniveladoras, uma pá-carregadeira e uma escavadeira hidráulica, durante evento realizado na última quarta-feira (16.06). 

Para a prefeita, os novos equipamentos destinados ao consórcio por meio de convênio junto à Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra) vão permitir que os municípios se dediquem exclusivamente na manutenção das estradas vicinais, enquanto o consórcio poderá se empenhar nos serviços de conservação das rodovias estaduais não pavimentadas.

Atualmente a região de atuação do consórcio abrange aproximadamente 1.060 quilômetros de rodovias não pavimentadas nos municípios de São Felix do Araguaia, Novo Santo Antônio, Alto Boa Vista, Bom Jesus do Araguaia, Luciara e Serra Nova Dourada.

“A entrega dessas máquinas é um ganho fundamental. Nossa região tinha dificuldade para cuidar das estradas não pavimentadas. Agora os municípios têm uma mão para cuidar, cada vez mais, dos municípios e o consórcio cuidar das estaduais.  É uma iniciativa que vai funcionar. O Governo Mauro Mendes está de parabéns por cuidar e acreditar nos consórcios”, disse.

Veja Mais:  Sefaz repassa veículos e bens para unidade prisional de Várzea Grande

Ainda segundo a prefeita, a manutenção das rodovias não pavimentadas vai auxiliar no escoamento da produção do agronegócio, que está em grande expansão da região, especialmente no Distrito de Espigão do Leste, em São Felix do Araguaia. Hoje a região do Araguaia depende, principalmente, das MT-100, MT-109, MT-110, MT-243, MT-322, MT-412, MT-424 e MT-433 para o trânsito e transporte – e suas rodovias ainda não são completamente pavimentadas.

“Para nós é uma honra. Vamos cuidar cada vez mais dessas rodovias. O distrito de Espigão do Leste, por exemplo, é uma potência no que diz respeito à produção agrícola. Estamos com obras de convênios federais, obras estaduais como a MT-109, tem projeto de outras MTs. É uma rota do desenvolvimento agrícola na região e que ninguém segura”, afirmou.

O prefeito de Luciara, Parassu de Souza, também reforçou a importância das máquinas para munícipios como o dele, que não tem nenhum acesso à cidade feito por via asfaltada e que depende exclusivamente de rodovias não pavimentadas.

“Para nós essas máquinas representam tudo. Nós precisamos dessas máquinas. A época de trabalhar na nossa região é agora, neste período de seca. Temos que aproveitar de agora em diante e trabalhar. Nossas estradas são quase 100% de estrada não pavimentada e essas máquinas vão ajudar a melhorar”, afirmou.

Ainda segundo o prefeito, a entrega das máquinas é uma oportunidade que o Governo de Mato Grosso dá para aqueles municípios e consórcios que querem trabalhar para a melhoria da trafegabilidade. “Quero agradecer o governador pela oportunidade, por essa chance que ele está dando para todas as prefeituras e consórcios. Vamos trabalhar, colocar a mão na massa. Essa é uma iniciativa ótima do governo. Só não faz as obras quem não quer”, concluiu Parassu de Souza.

Veja Mais:  Tributarista será um dos palestrantes do Congresso Brasileiro de Direito Tributário

Outros equipamentos 

Além do Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental Araguaia (Cidesa), outros nove consórcios intermunicipais, 10 prefeituras e duas associações foram beneficiadas com a entrega de máquinas e equipamentos rodoviários. Ao todo, foram entregues 74 máquinas, sendo 46 motoniveladoras, 14 pás-carregadeiras e 14 escavadeiras hidráulicas. O investimento realizado foi de R$ 42,2 milhões oriundos do Mais MT, maior programa de obras e ações da história de Mato Grosso.

Todos esses equipamentos rodoviários fazem parte do primeiro lote de máquinas que foram repassados pelo Governo de Mato Grosso às entidades. No total, o Estado vai repassar 175 máquinas e equipamentos rodoviários, com investimento de R$ 96,5 milhões como parte do Programa Mais MT, de modo a atender todas as regiões de Mato Grosso.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

ALMT – Campanha Fake News II

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana