conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Portal Agro

Nota de esclarecimento ao MPMT

Publicado


.

Fortalecimento Institucional

Nota de esclarecimento ao MPMT

Com essas declarações, os doutos promotores desconhecem, não somente a realidade dos fatos, mas também a própria lei

06/04/2020

Em nota publicada nesta segunda-feira (06.04) em seu site institucional, o Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio das 15ª e 16ª Promotorias de Defesa do Meio Ambiente Natural de Cuiabá, representadas pelos promotores de Justiça, Ana Luíza Ávila Peterlini e Joelson de Campos Maciel declararam que “o ‘plantio experimental’, defendido pela Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja), não seguiu protocolos rígidos e não tem amparo legal e científico. Em um mundo cheio de ‘achismos’ a ciência tem se mostrado o único caminho capaz de conduzir à sustentabilidade e segurança do planeta terra. Contudo, a proposta de ‘experimento’ feita pela Aprosoja não encontra lastro nem na lei e muito menos na ciência séria.”

Diante disso, a Aprosoja afirma que, com essas declarações, os doutos promotores desconhecem, não somente a realidade dos fatos, mas também a própria lei, e ainda, não tomam providência quanto à causa, focando apenas nos sintomas, já que os artigos 4º e 6º da Instrução Normativa Sedec/Indea 002/2015 que estabeleceram, respectivamente, a data limite para o plantio da soja em 31 de dezembro, e o prazo final para a colheita da soja em 05 de maio, carecem de legalidade. E mais, que o artigo 7º da referida norma, este sim, coloca em risco a fitossanidade, tendo em vista que autoriza excepcionalmente a presença de plantas vivas de soja dentro do vazio sanitário, para fins de melhoramento genético.

Passando aos fatos, a Aprosoja e o Estado de Mato Grosso, por meio do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea/MT), em procedimento de Mediação conduzido pela Câmara de Mediação, Conciliação e Arbitragem AMIS, firmaram acordo para pesquisa científica a campo, com a finalidade de comparar plantios de dezembro e fevereiro, como melhor período para produção de semente de soja. No referido procedimento, com base em metodologia científica apresentada pela Fundação de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico Rio Verde, e pelo Instituto Agris, representado pela pessoa do eminente professor doutor, Erlei Melo Reis, fitopatologista, especialista em ferrugem asiática da soja, foi firmado acordo para pesquisa científica a campo em 30 (trinta) áreas de até 50 (cinquenta) hectares cada.

Veja Mais:  Pátria no Campo conta com participação maciça de produtores em MT

Os promotores afirmam que “diversas instituições científicas já se manifestaram contrárias ao experimento. Relatório técnico elaborado pela Embrapa Soja, por exemplo, atesta que a permissão para semeadura em fevereiro, mesmo que em pequenas áreas, pode acelerar ainda mais a evolução da resistência de populações do fungo aos fungicidas”. Afirmam, ainda, que “os estudos, os pesquisadores acrescentaram ainda que a proposta de semeadura em fevereiro se contrapõe às técnicas empregadas com sucesso no controle da doença, visto que, mesmo que não seja semeada soja sobre soja na mesma área, as lavouras semeadas em fevereiro vão coexistir com as lavouras que foram plantadas na época normal”.

Pergunta-se, os promotores checaram se esses estudos foram publicados na comunidade científica? E mais, se as conclusões foram tiradas após pesquisa científica a campo que os embasassem? Ou seriam meras conjecturas técnicas teóricas, sem estudos práticos?

Note-se que o próprio Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), por meio de sua Coordenadoria Geral de Proteção de Plantas, concordou com a pesquisa conduzida pela Fundação Rio Verde, pelo Instituto Agris, e apoiada pela Aprosoja. Inclusive, solicitando que fosse franqueado total acesso às unidades experimentais para pesquisadores da Embrapa.

A Aprosoja, sempre interessada na busca da verdade, convidou formalmente para acompanhar a pesquisa, não só a Embrapa, mas também, diversas outras entidades de pesquisa. Porém, a Embrapa, sequer compareceu. E mais, em 2017, solicitado pela Aprosoja, a Embrapa se recusou a fazer a pesquisa que agora está sendo realizada pela Fundação Rio Verde.

Pergunta-se, a Embrapa, a qual embasou as conclusões do Ministério Público, estaria realmente interessada na busca da verdade?

Embora o acordo firmado pela Aprosoja e Indea previa a realização da pesquisa em 30 áreas de 50 hectares cada, a Aprosoja e seus técnicos, em audiência com os promotores acima, esclareceram que a área total da pesquisa já havia sido reduzida para menos da metade prevista. Esclareceu também a metodologia científica da pesquisa, mencionando que os plantios não adentrariam o vazio sanitário da soja, já que a colheita seria feita no mês de maio. Esclareceu, ainda, que o máximo de 5 hectares estabelecido para plantio experimental, é norma definida para experimento dentro do vazio sanitário, o que não é o caso da pesquisa em discussão que, ressalta-se, mais uma vez, não adentra a esse período proibitivo.

Veja Mais:  Mapa lança nesta quarta-feira (27) o Programa Nacional de Bioinsumos

Ao contrário do que mencionam os promotores, a autorização do Indea/MT para a pesquisa conduzida pela Fundação Rio Verde e Insituto Agris, foi dada em sessão de Mediação conduzida pela Câmara Amis em 06/12/2019.

Todo procedimento de Mediação foi amparado pela Lei nº 13.140, de 26 de junho de 2015, a qual, inclusive, prevê que esse tipo de decisão tomada em sede de Mediação, vale como título executivo extrajudicial.

Portanto, a alegação dos promotores destoa do ordenamento legal e coloca em xeque a segurança jurídica do que foi firmado.

Os promotores afirmam em sua nota que “o suposto acordo firmado perante a Câmara de Mediação e Conciliação Privada (Amis) entre a Aprosoja e o Indea/MT não tem legitimidade, pois sequer contou com a participação da Procuradoria-Geral do Estado”.

Mais uma vez os promotores desconhecem a realidade dos fatos, bem como todo procedimento da Mediação enviado ao Ministério Público estadual, já que não só a Procuradoria Geral do Estado foi convidada a participar do procedimento, como também a Secretaria da Casa Civil, e ambos órgãos aceitaram participar, tomando, inclusive, assento na Primeira Sessão de Mediação realizada em 05/08/2019, nas pessoas da Procuradora do Estado, Dr. Ana Flávia Gonçalves de Oliveira, e do Secretário Adjunto da Casa Civil, Sr. Carlos Brito de Lima.

Além da Procuradoria Geral do Estado e da Secretaria da Casa Civil, também tomaram assento no procedimento de Mediação os seguintes órgãos: Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec), Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (Seaf), Delegacia Especializada de Meio Ambiente (Dema), Superintendência do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Sfa), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), além do próprio Indea/MT. Todos, portanto, cientes do que estava sendo discutido e acordado.

O próprio Ministério Público do estado, na pessoa do promotor de justiça, Dr. Marcelo Caetano Vacchiano, ciente do procedimento da Amis, instaurou Notícia de Fato Simp nº 001056-097/2019, para acompanhamento das decisões da Mediação.

A causa da controvérsia – Todos esses fatos giram em torno dos artigos 4º e 6º, da IN Sedec/Indea 002/2015, ao estabelecer a data limite de 31 de dezembro para o plantio da soja no estado, e a data de 05 de maio como prazo final para a colheita da soja.

Veja Mais:  Mapa divulga consórcios municipais selecionados para participar do projeto de ampliação do mercado de Produtos de Origem Animal

Ocorre que, por diversas vezes, a Aprosoja alertou o Governo do Estado sobre a flagrante inconstitucionalidade e ilegalidade desses dois artigos, já que não seguiram os requisitos estabelecidos pela Instrução Normativa nº 002/2007, do Mapa, quais sejam, ouvir o setor produtivo, suporte de pesquisa agrícola e assistência técnica, não apenas na instauração da calendarização, mas ano a ano, após a implantação. Todavia, o governo estadual se omitiu em rever o seu próprio ato.

Aprosoja também já alertou a Procuradoria Geral do Ministério Público estadual sobre essa inconstitucionalidade e ilegalidade, tanto que, em despacho proferido em Procedimento Administrativo Simp nº 012710-001/2019, o Subprocurador-Geral de Justiça Jurídico e Institucional assim destacou, “no caso, a Instrução Normativa nº 002/2015 destoa diretamente de regramento legal (tal como a Lei nº 8.589/2006 e a Lei nº 9.415/2010), e apenas reflexamente confronta a ordem constitucional estadual, cenário que obsta a interposição da ação direta de inconstitucionalidade, vez que é necessário, primeiro, superar a crise de legalidade existente”.

Além disso, o plantio excepcional de soja dentro do vazio sanitário, para fins de melhoramento genético, este sim representa risco fitossanitário para a disseminação da ferrugem asiática, e por isto, a Aprosoja defende veementemente, também, a exclusão do artigo 7º da IN Sedec/Indea 002/2015.

Resta agora aos produtores de soja do Estado e a toda sociedade aguardar providências do Ministério Público estadual, em relação à essa flagrante ilegalidade, já que o estado, por si só, não reviu o seu ato.

E mais, muito se surpreende que os promotores do meio ambiente, por meio de uma denúncia anônima, sequer buscaram as provas agronômicas a campo, e científicas para recomendarem a suspensão da pesquisa da Fundação Rio Verde e Instituto Agris. Aqui fica a pergunta, os documentos apresentados junto com a denúncia anônima foram publicados cientificamente dentro do sistema Qualis?

Em tempo, faz-se aqui uma defesa do caráter, idoneidade, respeitabilidade e conhecimento científico do professor doutor, Erlei Melo Reis, o qual teve a sua metodologia e pesquisa caracterizadas como não lastreadas em ciência séria pelo Ministério Público. Talvez porque os doutos promotores do meio ambiente não tiveram tempo de ler o extenso currículo do professor, que pode ser visualizado clicando aqui.

 

Fonte: Ascom Aprosoja

Assessoria de Comunicação

Contatos: Telefone: 65 3644-4215 Email: [email protected]

Fonte: APROSOJA

Comentários Facebook

Portal Agro

Secretaria de Pesca recebe sugestões para concessão do Terminal de Cabedelo (PB)

Publicado


.

A Secretaria de Aquicultura e Pesca, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), recebe, até o próximo dia 11 de junho, sugestões para a formulação da proposta de concessão da exploração econômica do Terminal Pesqueiro Público de Cabedelo, na Paraíba. As contribuições, que deverão envolver propostas para a revitalização, modernização, operação e gestão do terminal, podem ser enviadas por meio deste link.

Cabedelo deverá ser o primeiro terminal pesqueiro a ser privatizado no país. A concessão faz parte do Programa de Parcerias e Investimentos (PPI), do Governo Federal, e prevê o prazo de 20 anos para exploração do serviço para iniciativa privada. A empresa ou consórcio vencedor da concorrência – que segue modalidade de maior preço – deverá realizar investimentos para a revitalização e modernização global do terminal. A outorga mínima prevista, de acordo com a minuta do edital, é de R$ 954,5 milhões.

Licitação

Como parte do processo de consulta pública, iniciada em 11 de maio, foi realizada, no último dia 25, audiência pública, por videoconferência, para debater o tema. Cabedelo faz parte do processo piloto para concessão dos terminais pesqueiros públicos que se encontravam paralisado há mais de 10 anos por entraves jurídicos.

O lançamento do edital de concorrência para o chamamento das empresas interessadas na concessão está previsto para o dia 25 de setembro. A assinatura do contrato com a empresa ou consórcio vencedor deverá ocorrer em 14 de outubro e início das operações deverá ser em janeiro de 2021.

Veja Mais:  Ministra destaca trabalho do Mapa para garantir abastecimento durante a pandemia

Estrutura

De acordo com informações do PPI, o projeto do terminal pesqueiro de Cabedelo foi qualificado na 12ª reunião do conselho do programa, por meio da Resolução nº 115, de 19 de fevereiro deste ano.

Instalado no município de mesmo nome, o terminal localiza-se em área contígua ao Porto de Cabedelo, na BR-230 (Km 14). Tem localização geográfica privilegiada e área de 5 mil m² para atracação de embarcações de pesca oceânica.

O entreposto de pescado dispõe de uma planta industrial para beneficiamento de pescado – prioritariamente atuns e afins, fresco e congelado – com capacidade para movimentação de 80 toneladas/dia, para realização de atividades de lavagem (água gelada e clorada), classificação, medição, pesagem, aferição de temperatura, tratamento, armazenagem de pescado e iscas com capacidade total de 550 toneladas.

Informações à imprensa
[email protected]

Comentários Facebook
Continue lendo

Portal Agro

Mapa divulga consórcios municipais selecionados para participar do projeto de ampliação do mercado de Produtos de Origem Animal

Publicado


.

 A Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) divulgou, nesta sexta-feira (29), a lista com os doze consórcios públicos selecionados para o projeto piloto que visa ampliar o mercado nacional de produtos de origem animal das agroindústrias de todo país. 

 O projeto recebeu 55 inscrições, passando para fase de entrevistas 40 consórcios públicos intermunicipais. Na avaliação final, foram selecionados 12 consórcios abrangendo as regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste, que receberão apoio direto da equipe do Mapa para adesão ao Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Sisbi). 

O Projeto tem por objetivo orientar tecnicamente os consórcios municipais que buscam desenvolver seus serviços de inspeção de produtos de origem animal visando ampliar o âmbito de comércio das suas agroindústrias de carnes, leite, pescados, ovos, mel e respectivos derivados. 

A iniciativa do Mapa conta com apoio da Confederação Nacional de Municípios (CNM), da Confederação Nacional de Consórcios Intermunicipais (Conaci) e da Rede Nacional de Consórcios Públicos. 

Confira a lista dos selecionados: 

 

Informações à Imprensa
[email protected]

 

Comentários Facebook
Veja Mais:  Secretaria de Pesca recebe sugestões para concessão do Terminal de Cabedelo (PB)
Continue lendo

Portal Agro

Pátria no Campo conta com participação maciça de produtores em MT

Publicado


.

Fortalecimento Institucional

Pátria no Campo conta com participação maciça de produtores em MT

Projeto Pátria no Campo já distribuiu quase 2 mil bandeiras do Brasil aos produtores

29/05/2020

Para marcar o símbolo brasileiro no meio rural, Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT), por meio do projeto Pátria no Campo já distribuiu quase 2 mil bandeiras do Brasil, hasteadas em todo Estado. Neste 30 de maio é celebrado o Dia das Bandeiras e a entidade lembra da importância da campanha, que busca resgatar o patriotismo no agro.

Por meio da iniciativa, os produtores rurais associados à entidade recebem uma bandeira do Brasil para ser hasteada na sede das fazendas. Iniciado há pouco mais de um ano, o projeto Pátria no Campo já possibilitou a compra de duas mil bandeiras e distribuição de mais de1.500 nos 25 núcleos da entidade espalhados por todo Estado. “Me recordo de quando implementamos o projeto, teve uma adesão muito grande porque foi paralelo a candidatura do atual do presidente, Jair Bolsonaro, que também estimula o patriotismo”, contou o vice-presidente da Aprosoja, Fernando Cadore.

Delegado coordenador e produtor rural do Núcleo de Diamantino, Mateus França também fixou o símbolo nacional na propriedade e parabenizou a iniciativa. Para ele, a Aprosoja acertou com a campanha que resgata o patriotismo do brasileiro começando pelo homem do campo. “Um patriotismo que perdemos ao longo do tempo. Quando criança tínhamos imensa alegria e honra em cantar o Hino em nossas escolas hasteando a bandeira. Hoje os jovens mal sabem cantar o Hino Nacional. Precisamos de pessoas de bem que acreditem no país que estejam dispostas a fazer dele um lugar melhor para se viver. Fazer dele a potência que merece ser. Devemos ser a mudança que nós queremos para nosso país”, reforçou. 

Veja Mais:  Pátria no Campo conta com participação maciça de produtores em MT

O produtor Silvino Bortolini, de Jaciara, diz que é muito importante participar do projeto. “Essa campanha da Aprosoja-MT mexeu comigo. Essa atitude de hastear a bandeira na fazenda e nas casas me foi despertada há mais de 15 anos também em uma viagem aos Estados Unidos e vi que lá eles colocam a bandeira em todos os lugares, quando voltei já instalei a bandeira na minha propriedade e troquei por uma nova com esse projeto da Aprosoja”, lembrou.

Produtor rural e presidente do Sindicato Rural de Alto Garças, José Milton Breintenbach, também aderiu ao projeto e disse que é uma honra participar da iniciativa. “Eu, como representante do agro no município de Alto Garças, tenho a honra de parabenizar a Aprosoja-MT, no momento representada pelo senhor presidente Antonio Galvan, pela iniciativa da retribuição com a doação das bandeiras do Brasil ao produtor rural. Hoje temos a honra de ter uma bandeira hasteada em nossa propriedade, como um grande patriota que cada um representa no Brasil. O agro é a economia que não para. Produz, preserva o meio ambiente, alimenta a população e enriquece a economia do mundo”, enalteceu Breintenbach.

As bandeiras hasteadas estão distribuídas em várias propriedades rurais localizadas nos municípios de Sinop, Sorriso, Ipiranga do Norte, Sapezal, Campo Verde, Nova Xavantina, Alto Taquari, entre outros. E a ação continua com a distribuição de mais bandeiras.

Veja Mais:  Secretaria de Pesca recebe sugestões para concessão do Terminal de Cabedelo (PB)

Conforme a gerência administrativa da Aprosoja, Gisele Lima Bendô, responsável pelo projeto, produtores que desejarem participar do Pátria no Campo, devem procurar os delegados coordenadores dos núcleos ou os supervisores de projeto da Associação. Também podem solicitar a bandeira por meio do Canal do Produtor, no telefone (65) 3027-8100.

“Esse projeto surgiu através de uma ideia que tivemos numa viagem aos Estados Unidos. Lá observamos como se comporta o produtor rural em relação ao patriotismo. É um projeto de sucesso, muito bem aceito pelos nossos associados. Mais uma vez reforço aos produtores que ainda não aderiram, que nos procurem para adquirir sua bandeira e nos ajudar a fomentar este projeto”, finalizou Cadore.

 

Bandeiras – Bandeiras são tradicionalmente definidas como o símbolo visual representativo de um país, Estado, município, organização ou qualquer entidade constituída.

 

Fonte:

Assessoria de Comunicação

Contatos: Telefone: 65 3644-4215 Email: [email protected]

Fonte: APROSOJA

Comentários Facebook
Continue lendo

Câmara Municipal de Rondonópolis

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana