Saúde

Novo coronavírus pode sobreviver por 28 dias em celular e dinheiro, diz estudo

Publicado


source

BBC News Brasil

celular
BBC News Brasil

Resultados destacam a necessidade de não apenas lavar as mãos, mas também limpar as telas sensíveis ao toque regularmente

O vírus responsável pela Covid-19 pode permanecer infeccioso em superfícies como notas de dinheiro,  telas de celulares e aço inoxidável por até 28 dias, dizem pesquisadores. A descoberta da agência científica nacional da Austrália sugerem que o Sars-Cov-2 pode sobreviver em superfícies por muito mais tempo do que se pensava.

No entanto, alguns especialistas duvidam da real ameaça representada pela transmissão por superfícies. O vírus é mais comumente transmitido quando as pessoas tossem, espirram ou falam.

Estudos anteriores feitos em laboratórios descobriram que o Sars-Cov-2 poderia sobreviver de dois a três dias em cédulas e vidro, e até seis dias em superfícies de plástico e aço inoxidável, embora os resultados variem.

A última pesquisa da agência australiana CSIRO revelou que o vírus era “extremamente robusto”, sobrevivendo por 28 dias em superfícies lisas, como vidro usado para fabricar  telas de telefones celulares, além de notas de papel e plástico, quando mantidos a 20° C — considerada temperatura ambiente.

Em comparação, o vírus da gripe pode sobreviver nas mesmas circunstâncias por 17 dias. Os experimentos foram realizados no escuro, já que a luz ultravioleta já demonstrou matar o vírus.

Veja Mais:  Fiocruz quer promover estudos da vacina contra Covid em crianças e adolescentes

“Estabelecer por quanto tempo o vírus realmente permanece nas superfícies nos permite prever e mitigar sua disseminação com mais precisão, e fazer um trabalho melhor de proteger o nosso povo”, disse o presidente-executivo da CSIRO, Larry Marshall.

No entanto, o professor Ron Eccles, ex-diretor do Common Cold Centre, da Cardiff University, criticou o estudo e disse que a sugestão de que o vírus poderia sobreviver por 28 dias estava causando um “medo desnecessário nas pessoas”.

“Os vírus se espalham nas superfícies a partir do muco de tosses, espirros e dedos sujos. E este estudo não usou muco humano fresco como veículo para espalhar o vírus”, disse o professor Eccles.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook

Saúde

Internado por Covid, paciente tem desejo atendido e toma cerveja em hospital

Publicado


source
Paciente foi autorizado pela equipe médica a tomar cerveja sem álcool
Foto: Hospital Santa Isabel/Divulgação

Paciente foi autorizado pela equipe médica a tomar cerveja sem álcool

Em recuperação da Covid-19, um paciente, de 58 anos, teve o desejo de tomar uma cerveja realizado. Valdelir está internado há 43 dias no Hospital Santa Isabel, no Vale de Itajaí, em Santa Catarina.

Segundo o hospital, ele deu entrada no dia 29 de março, foi intubado, traqueostomizado e teve complicações graves relacionadas ao novo coronavírus, mas está se recuperando.

Você viu?

Valdelir foi autorizado pela equipe médica, nutricional e de fonoaudiologia a consumir a bebida sem álcool após avaliação e constatação de que o produto não iria interferir no tratamento médico.

A Equipe Multidisciplinar atendeu ao pedido do paciente por meio do projeto “O que Importa para Você?”, cujo objetivo é aprimorar o cuidado de saúde e a assistência social, ouvindo e realizando o que realmente importa para o paciente além do cuidado hospitalar.

Valdelir segue internado na enfermaria Covid sem previsão de alta, de acordo com o hospital.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Veja Mais:  Cientistas descobrem nova variante coronavírus na França
Continue lendo

Saúde

Perfil genético torna pacientes mais suscetíveis a ter Covid-19

Publicado


source
O teste genético é o único modo de conhecer se a pessoa é mais suscetível ou não à covid
Foto: Alessandra Nogueira

O teste genético é o único modo de conhecer se a pessoa é mais suscetível ou não à covid

Pesquisa que contou com a participação de professores da Escola de Medicina da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) verificou que o perfil genético pode tornar pacientes mais suscetíveis para desenvolver a covid-19.

A equipe de pesquisadores analisou amostras de 20 pacientes que morreram em decorrência do novo coronavírus no Hospital Marcelino Champagnat, em Curitiba, entre abril e setembro de 2020, e de dez pacientes infectados pelo H1N1 que faleceram, a fim de comparar os casos. A coleta foi autorizada pelas famílias e pelo Conselho Nacional de Ética em Pesquisa (Conep).

As amostras foram comparadas também com dez casos de pacientes controle, que não morreram por causas respiratórias. “A gente estudou, especificamente, uma proteína chamada interleucina 17 (IL-17). Ela tem uma ação antiviral bem conhecida”, disse hoje (12) à Agência Brasil a professora da escola de medicina, que participou do projeto, Lúcia de Noronha. Segundo a médica, já existem várias publicações no mundo sobre a interleucina 17 (IL 17) no H1N1 e na Influenza.

De acordo com Lúcia, já havia desconfiança dos pesquisadores em relação ao perfil genético, pelo fato de alguns pacientes desenvolverem a covid-19 leve, enquanto outros tinham a forma mais grave da doença. Há casos de, em uma mesma família, algumas pessoas pegarem a covid-19 e outras não, outras ainda ficarem assintomáticas, algumas terem a forma leve.

Veja Mais:  Cientistas descobrem nova variante coronavírus na França

“A gente já desconfiava de situações como essa, de pessoas que ficam junto a pessoas com covid e não pegam, fazem a forma assintomática, e outras fazem a forma grave”.

Padrão genético Um aspecto observado é que, às vezes, uma família inteira pega a doença. “Isso aponta para um padrão genético que possa ter uma suscetibilidade. Fizemos, então, uma genotipagem por pontos específicos dentro do gene, que são chamados polimorfismos, e que podem estar presentes em algumas pessoas e em outras não. A surpresa foi que todos os 20 pacientes da covid-19 tinham um tipo de polimorfismo que não aparecia nem no H1N1, nem no grupo controle. Isso pode estar mostrando que o polimorfismo pode estar deixando a pessoa mais suscetível à forma mais grave da doença.”

Em geral, o polimorfismo produz uma proteína diferente, segundo a professora. “Então, pode ser que ele produza uma proteína mais frágil, pouco funcional ou em menor ou maior quantidade. O polimorfismo muda a proteína. Nesse caso, parece que ele produz menos interleucina 17 e ela tem uma ação antiviral. Então, o paciente passa a perder essa ação”, afirmou a professora..

Você viu?

Os pesquisadores estão, agora, fazendo genotipagem de vários outros tipos de interleucina, como a 4 e a 6. Lúcia de Noronha afirmou que, como não existe um tratamento para prevenir ou para curar os pacientes da covid-19, “a coisa mais efetiva do ponto de vista de saúde pública seria proteger os suscetíveis. É o que estamos fazendo. O idoso fica em casa, é vacinado antes, o que tem diabetes também é vacinado antes. Já sabemos quais são os suscetíveis pela idade ou pela comorbidade. O estudo genético acrescentaria mais um fator para a gente encontrar o suscetível”, disse.

Veja Mais:  Brasil registra 3.780 mortes por Covid-19, um novo recorde em apenas um dia

Testagem em massa Segundo a professora, se há outras pessoas além de idosos e pacientes com comorbidades internados indo a óbito, isso significa que não são esses somente os suscetíveis. Há outras pessoas que são suscetíveis. “É o fator genético. Isso ajudaria na proteção aos suscetíveis”. Ao mesmo tempo, isso ajudaria a identificar quem teria mais chance de ter uma covid-19 grave. “Conseguir entender que além da comorbidade, mais um grupo da população poderia ter mais chance de desenvolver a doença em sua forma mais grave”.

O teste genético é o único modo de conhecer se a pessoa é mais suscetível ou não à covid. É um teste simples no qual a coleta de saliva é suficiente para fazer um exame genético no paciente, mas o único problema é seu valor elevado.

Lúcia afirmou que, no momento, isso impede a testagem em massa de pessoas, muito menos no Sistema Único de Saúde (SUS), “mas daria para entender que tem uma população suscetível”.

Na pesquisa, o teste genético chega a custar perto de R$ 1 mil. A professora percebeu que, provavelmente, não é um gene só (da interleucina 17). Os pesquisadores vão testar outros genes. Eles esperam encontrar um perfil genético. “Um perfil que suscetibilize o paciente”, a exemplo do que ocorre em testes para câncer de mama, onde os preços variam entre R$ 1,5 mil a R$ 14 mil cada exame.

Veja Mais:  União Química mostra 1º lote-piloto da Sputnik V, produzido totalmente no Brasil

O estudo dos pesquisadores da PUCPR, intitulado “Lung Neutrophilic Recruitment and IL-8/IL-17A Tissue Expression in COVID-19” foi publicado na revista científica Frontiers in Immunology, referência na área de imunologia.

Além de pesquisadores da Escola de Medicina da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, participaram do estudo profissionais da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e das Faculdades Pequeno Príncipe. O artigo completo pode ser acessado neste endereço. 

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Brasil tem mais de 70 mil casos de Covid-19 em 24h pelo 2º dia consecutivo

Publicado


source
Já são 112 dias seguidos no Brasil com a média de mortes acima da marca de mil
Foto: Andréa Rêgo Barros/PCR

Já são 112 dias seguidos no Brasil com a média de mortes acima da marca de mil

O país registrou mais de 70 mil casos de Covid-19 em apenas 24 horas pelo segundo dia consecutivo. Nesta quarta-feira (12), dados revelados pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) mostram que foram 76.692 infecções em apenas um dia. Ontem (11), número chegou a 72.715.

Em casos confirmados, desde o começo da pandemia 15.359.397 brasileiros já tiveram ou têm o novo coronavírus. A média móvel de casos nos últimos 7 dias voltou a subir e foi de 61.316 novos diagnósticos por dia.

O país também teve 2.494 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas e totalizou, nesta quarta-feira (12), 428.034 óbitos acumulados desde o início da pandemia. Com isso, a média móvel de mortes no Brasil nos últimos 7 dias sofreu leve queda e chegou a 1.948. 

Já são 112 dias seguidos no Brasil com a média de mortes acima da marca de mil e 57 dias com essa média acima dos 1.900 mil mortos por dia. Os dados são do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass).

Estados

Você viu?

O ranking de estados com mais mortes pela Covid-19 é liderado por São Paulo (102.356), Rio de Janeiro (47.052) e Minas Gerais (36.495). As unidades da Federação com menos óbitos são Roraima (1.559), Amapá (1.599) e Acre (1.601).

Veja Mais:  Anvisa concede certificados às farmacêuticas da Janssem e Sputnik V

Em relação aos casos confirmados, São Paulo também lidera, com mais de 3 milhões de casos. Minas Gerais, com 1,4 milhão, e Rio Grande do Sul, com pouco mais de 1 milhão de casos, aparecem na sequência. O estado com menos casos de Covid-19 é o Acre, com 79.718, seguido por Roraima (98.875) e Amapá (108.287).

A contagem de casos realizada pelas Secretarias Estaduais de Saúde inclui pessoas sintomáticas ou assintomáticas; ou seja, neste último caso são pessoas que foram ou estão infectadas, mas não apresentaram sintomas da doença.

Desde o início de junho, o Conass divulga os números da pandemia da Covid-19 por conta de uma confusão com os dados do Ministério da Saúde. As informações dos secretários de saúde servem como base para a tabela oficial do governo, mas são publicadas cerca de uma hora antes.

Mais de 160 milhões pessoas foram infectadas em todo o mundo. Do total de doentes, mais de 3,3 milhões morreram, segundo a Universidade Johns Hopkins.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

ALMT – Campanha Fake News II

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana