conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Economia

“O acesso à moeda estrangeira era muito caro, até eu descobrir as criptomoedas”

Publicado

A cotação do dólar e outras moedas estrangeiras pode ser uma dor de cabeça para empresários que trabalham com o exterior. Jefferson Rondolfo passava por esse problema, ele tinha uma empresa nos EUA que enviava para o Brasil hardwares específicos para mineração de criptomoedas
, a JR Envios. O problema era que os compradores pagavam em real e ele acabava perdendo parte do lucro devido a diferença da moeda e as taxas bancárias.

Leia também: Entenda como funcionam as criptomoedas

“Depois que eu comecei a viajar para fora do Brasil, percebi o quanto era difícil e caro ter acesso à outra moeda que não fosse o real. Então me dei conta que as criptomoedas eram um meio mais fácil e mais acessível pra mim”, conta Jefferson.


Foto mostra o empresário do mercado de criptomoedas Jefferson Rondolfo
Reprodução

Jefferson Rondolfo trabalha com o mercado de criptomoedas

De fato, as moedas digitais
solucionavam boa parte do problema: ofereciam transações com taxas baixas e conversão prática. Como já trabalhava envolvido com esse mercado e seus clientes já conheciam as diversas vantagens da moeda virtual, decidiu usar os benefícios a seu favor e passou a aceitar as criptomoedas como forma de pagamento.

Depois de um ano tocando seu negócio no exterior, Jefferson voltou para o Brasil em 2018, deu uma pausa na JR Envios e decidiu procurar uma nova oportunidade. Nesse período, estava acontecendo uma onda de sentimento de insegurança com o criptomercado, pois foram registrados roubos de criptomoedas de até 1 bilhão. O empresário juntou esse cenário ao conhecimento que tinha da importância de garantir a segurança das moedas virtuais e da falta de procura por isso para abrir seu novo negócio: a venda de carteiras físicas para moedas criptografadas.

Veja Mais:  Dólar fecha em  R$ 5,08, menor nível em dez semanas

Nesse novo negócio, ele não só continuou aceitando as criptomoedas como também as tornou sua principal forma de pagamento. Jefferson usou a estratégia de fornecer 10% de desconto para quem optar por elas para incentivar cada vez mais essa praticidade nos pagamentos de seus clientes. “Eu nem aceito mais cartão ou boleto como forma de pagamento, no máximo transferência bancária”, conta o empresário.

O fato de aceitar principalmente criptomoedas como pagamento não interferiu nas vendas da empresa de Jefferson. A explicação é que, além de trabalhar com clientes que já estão acostumados com o criptomercado, ele é o único revendedor oficial no Brasil das duas maiores fabricantes de carteiras físicas do mundo.

Tal facilidade com a aceitação por parte dos clientes para pagamento com moedas criptografadas ainda não é a realidade de todos os mercados, mas pela falta de burocracia e taxas tende a ser. O empresário, por exemplo, acredita que “as criptomoedas são o futuro” e plataformas como o IG TradeCoin

podem aumentar o conhecimento sobre elas.

“O IG possui um alcance incrível, é um dos maiores portais de notícias do Brasil e o IG TradeCoin é maravilhoso e inédito, uma vez que é necessária a evangelização ainda das criptomoedas. Ainda mais conhecendo a plataforma que utiliza e sabendo o quão é diferente de qualquer outra do mercado. Exchanges assim são primordiais para o sistema”, finaliza Jefferson.

Veja Mais:  São Paulo suspende corte de gás, luz e água até o final de julho

Comentários Facebook

Economia

Dólar fecha em  R$ 5,08, menor nível em dez semanas

Publicado


source

Agência Brasil

dólar
MARCELLO CASAL JR./AGÊNCIA BRASIL

Dólar tem menor valor em 10 semanas

Em mais um dia de alívio nos mercados internacionais, o dólar fechou no menor nível em dez semanas. A bolsa de valores ultrapassou os 93 mil pontos e encerrou no nível mais alto em quase três meses.

O dólar comercial encerrou esta quarta-feira (3) vendido a R$ 5,086, com recuo de R$ 0,124 (-2,38%). A cotação operou em queda durante toda a sessão e fechou no menor nível desde 26 de março (R$ 4,996). Na mínima do dia, por volta das 12h, chegou a atingir R$ 5,02. A divisa acumula alta de 26,74% em 2020.

O euro comercial fechou o dia vendido a R$ 5,722, com recuo de 2,38%. A libra comercial caiu 2,45% e terminou a sessão vendida a R$ 6,369.

O Banco Central (BC) interveio pouco no mercado. A autoridade monetária ofertou até US$ 620 milhões para rolar (renovar) contratos de swap cambial – venda de dólares no mercado futuro – que venceriam em julho.

Bolsa de valores

No mercado de ações, o dia foi marcado pelo otimismo com o exterior. O Ibovespa, índice da B3 (bolsa de valores brasileira), fechou o dia aos 93.002 pontos, com ganho de 2,15%. O índice está no maior nível desde 6 de março, quando tinha fechado próximo aos 98 mil pontos.

Veja Mais:  Com 70% de inadimplência, faculdades em SP evitam reduzir as mensalidades

O Ibovespa seguiu o mercado norte-americano. O índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, fechou a quarta-feira com alta de 2,05%. Apesar do acirramento dos protestos antirracistas nos Estados Unidos, os investidores reagiram à queda de novos casos de covid-19 em regiões norte-americanas e em países europeus e a dados econômicos positivos.

Nos Estados Unidos, o setor privado fechou 2,76 milhões de vagas. O nível veio melhor que a extinção de 9 milhões de postos esperada pelos analistas. O setor de serviços da China cresceu pela primeira vez desde janeiro e teve, em maio, o melhor desempenho mensal desde o fim de 2010. Na Europa, a contração das empresas diminuiu em maio, indicando início de recuperação.

Há várias semanas, mercados financeiros em todo o planeta atravessam um período de nervosismo por causa da recessão global provocada pelo agravamento da pandemia do novo coronavírus. Nos últimos dias, os investimentos têm oscilado entre possíveis ganhos com o relaxamento de restrições em vários países da Europa e em regiões dos Estados Unidos e contratempos no combate à doença.

No Brasil, a emissão em títulos da dívida externa pelo Tesouro, anunciada hoje pela manhã, indicou que ainda há demanda por ativos brasileiros no exterior.

Veja também:  Petrobras aumentára em 5,3% o preço no gás nesta quinta-feira

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Presidente do Banco do Nordeste é exonerado um dia após tomar posse

Publicado


source

O presidente do Banco do Nordeste ( BNB ), Alexandre Cabral , que tomou posse em Fortaleza na última terça (2), será exonerado do cargo. A informação foi noticiada primeiramente pela jornalista Cristiana Lobo nesta quarta-feira (3).

Menos de um quarto das ocupações no Brasil tem potencial de adotar home office

De acordo com a jornalista, um importante auxiliar do presidente teria dito que Cabral “está cheio de problemas”. O presidente é alvo de investigação do Tribunal de Contas da União ( TCU ) por suspeita de irregularidades enquanto foi presidente da Casa da Moeda em 2018, segundo o que informa o jornal “O Estado de S. Paulo” desta quarta.

O agora ex-presidente do BNB, Alexandre Cabral
Reprodução/ Casa do Moeda

O agora ex-presidente do BNB, Alexandre Cabral


Quem indicou Cabral foi o ministro da Economia, Paulo Guedes , para tentar evitar uma indicação do Partido Liberal ( PL ) de Valdemar da Costa Neto .

Taxa Selic deve cair ainda mais e se aproximar de 2%, indica diretor do BC

De acordo com o ministro da Articulação Política, general Luiz Eduardo Ramos , o nome não foi indicação política. “A imprensa fala que é indicação do Centro Democrático – eu não mais falo em Centrão, que é muito pejorativo – e isso nos traz problemas, mas não foi”, afirmou.

Veja Mais:  Produção industrial tem queda de 18,8% em abril, a maior em 18 anos

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Com 70% de inadimplência, faculdades em SP evitam reduzir as mensalidades

Publicado


source

A pandemia do novo coronavírus (Sars-coV-2) provocou um crescimento de mais de 70% de inadimplência nas universidades privadas, segundo o Sindicato de Entidades Mantenedoras de Ensino Superior (Semesp). Sem trabalho ou com rendimentos reduzidos, alguns estudantes atrasaram as mensalidades ou até já abandonaram os cursos.

Leia também:  São Paulo passa de 6,4 mil mortes e 86 mil casos de Covid-19

PUC-SP
Divulgação

PUC-SP é uma das faculdades impactadas pela inadimplência

Leia também:  São Paulo passa de 6,4 mil mortes e 86 mil casos de Covid-19

Na internet, alunos se organizam para cobrar melhores condições de pagamento dos débitos, melhorias no conteúdo programático e redução do valor das mensalidades argumentando que disciplinas presenciais foram convertidas para o regime EAD e que suas rendas foram afetadas pela pandemia de Covid-19.

Leia também:  São Paulo pode chegar a 265 mil casos de Covid-19 no fim de junho

De frente a uma realidade inesperada, Maria Falcone, estudante e presidente do Centro Acadêmico da FEA, da PUC-SP, uniu forças a outras chapas, como a de direito e a de medicina, que compartilham das mesmas dificuldades , para criar a campanha “Reduz PUC”.

No Instagram , o perfil da campanha coleciona histórias de estudantes com problemas, seja para contactar a universidade, com dificuldades financeiras e até com reclamações sobre a qualidade do ensino, que supostamente teria caído.

“Meu pai e eu desempregados, minha mãe com o salário reduzido em 70%. Eles me mandaram um e-mail da rematrícula, que só será possível pagando os débitos. Agora me diz, como vou conseguir pagar isso?”, relatou um estudante, no perfil do “Reduz PUC”, que preferiu não se identificar.

De acordo com Maria Falcone, tentativas de diálogo com a universidade não faltaram. “Levantamos propostas e soluções para a Fundasp (mantenedora da PUC) e para a reitoria”, afirma.

“Passaram-se semanas e até agora não recebemos resposta. Ou seja, tem gente passando necessidade sem saber se no mês seguinte estará cursando o ensino superior que desejou a vida toda ou se vão ter que abrir mão disso porque estão sem dinheiro para comprar o mínimo, para se manter em casa”, acrescenta.

Faculdade de Belas Artes
Divulgação

Alunos da Faculdade Belas Artes aderiram ao protesto

Assim como os estudantes da PUC-SP, alunos de outras instituições aderiram ao protesto. Nas redes sociais é possível encontrar inúmeros perfis semelhantes ao “Reduz PUC”, como o “Reduz Belas Artes” e o “Reduz Mackenzie”.

Veja Mais:  Menos de um quarto das ocupações no Brasil tem potencial de adotar home office

Pedro Aguiar, estudante de Publicidade e Propaganda da Belas Artes, disse que criou o movimento “Reduz BA” junto de amigos para unificar as reclamações dos alunos e repassá-las de forma mais coesa a universidade.

Diferente do ocorrido na universidade católica, porém, Pedro afirma que a iniciativa resultou em uma reunião com membros da coordenação da Belas Artes, onde os representantes argumentaram a proposta e relataram a existência de uma análise caso a caso.

“Eu fiz um pedido de redução , mas só o que me ofereceram foi um desconto de 50% na mensalidade de junho, porém, no próximo semestre eu teria que pagar os outros 50% parcelado em até seis vezes”, revelou.

Já no Instituto Presbiteriano Mackenzie , a realidade é similar. Beatriz Lima, estudante de direito e co-fundadora do “Reduz Mackenzie”, relatou: “São três meses sem ir à universidade, sem desfrutar do que o campus pode fornecer. Muitos cursos demandam necessidade de laboratórios e as pessoas não estão tendo essas aulas. Sabendo disso, não achamos justo a universidade cobrar o valor integral”.

Procurada pelo Portal iG , a assessoria do Mackenzie alegou que não haverá redução da mensalidade, pois a instituição está honrando com contratos de professores e colaboradores, além de manter a qualidade do ensino.

“Não existe a possibilidade genérica de haver redução nos pagamentos das mensalidades. Estamos sob regime de excepcionalidade e, embora assim, mantendo todo o conteúdo programado para o ensino” iniciou o comunicado.

faculdade Mackenzie
Divulgação

Mackenzie afirma que não pretende diminuir as mensalidades

Entretanto, a instituição mostrou-se aberta para dialogar sobre os débitos dos discentes: “Estamos, sim, abertos à toda comprovada dificuldade dos alunos que nos procurarem. Para cada caso, iremos buscar uma solução negociada que atenda o aluno e/ou responsável realmente necessitado sem prejuízo à evolução do seu histórico acadêmico”, completou.

Veja Mais:  Produção industrial tem queda de 18,8% em abril, a maior em 18 anos

Segundo Beatriz, do Mackenzie, assim como na Belas Artes, a universidade oferece apenas um parcelamento da mensalidade, o que para ela não parece viável.

“Acreditamos que isso vai causar um endividamento a longo prazo, pois vai chegar um momento que família estará pagando a mensalidade parcelada e a regular, ou seja, vai virar uma bola de neve”, afirma a estudante.

Uma recente pesquisa realizada pelo Sindicato das Entidades Mantenedoras de Ensino Superior (Semesp) aponta que 484 mil estudantes no País devem terminar 2020 fora das instituições privadas.

Para Maria Falcone, da PUC, isso já é uma realidade. “Uma quantidade considerável de alunos trancaram matérias e matrículas para poder aliviar o valor da mensalidade, muitos relataram ainda ter interesse em trancar. Outros que têm intenção de se rematricular, mas não podem por estarem inadimplentes”, comenta ela.

Uma luz no fim do túnel

Leci Brandão
Divulgação

A cantora Leci Brandão começou sua carreira política em 2004


Foi publicado em março no Diário Oficial, um projeto de lei da deputada estadual Leci Brandão (PCdoB-SP), que prevê a redução da mensalidade em 33,3% nas universidades privadas, garantia de rematrícula mesmo em inadimplência e a impossibilidade de juros nos pagamentos de mensalidades.

O projeto é voltado para estudantes do ensino superior e de pós-graduação e é válido durante o Plano de Contingência do Estado de São Paulo para Infecção Humana pelo novo coronavírus (Sars-coV-2), ainda sem data de término.

“O PL foi protocolado pela deputada Leci Brandão, em parceria com a UEE-SP, e visa proteger os estudantes durante a pandemia e evitar a evasão universitária” observou Caio Yuji, presidente da União Estadual dos Estudantes de São Paulo (UEE-SP).

Veja Mais:  Bolsonaro veta utilização de R$ 8,6 bilhões para combate à pandemia

Para se tornar lei, o projeto da deputada tem um longo caminho, tendo que passar por duas comissões, ser votado e, por fim, aprovado pelo Executivo.

Além de São Paulo

Fora da cena paulistana, no Rio de Janeiro, o Procon-RJ ingressou com uma ação civil pública contra a Universidade Estácio. Com mais de 300 reclamações feitas por alunos de medicina, a empresa foi uma das quatro faculdades notificadas pelo órgão, porém se recusou a apresentar a planilha de custos.

Com o resultado favorável ao público, a Justiça determinou que a universidade aplique uma redução de 15% sobre o valor das mensalidades referentes aos cursos presenciais a partir de abril de 2020.

Além da Estácio de Sá, as universidades Veiga de Almeida, Unigranrio e Cândido Mendes também foram notificadas pelo Procon-RJ. A autarquia aguarda a chegada de novos esclarecimentos destas empresas para trabalhar de forma a solucionar as demandas. Em São Paulo, o Procon ainda não têm registro de ações civis.

Leia também:  Pesquisadora alerta que Covid-19 é apenas “ponta do iceberg”

Procuradas pela reportagem do Portal iG , até a publicação desta matéria as assessorias da PUC-SP e da Belas Artes não responderam.

Confira a nota do Mackenzie na íntegra:

“Não existe a possibilidade genérica de haver redução nos pagamentos das mensalidades. A Instituição está honrando com todos os contratos com seus professores, colaboradores e fornecedores. Estamos sob regime de excepcionalidade e, embora assim, mantendo todo o conteúdo programado para o ensino. Nosso comprometimento é garantir a qualidade e a quantidade do ensino (conteúdo programático e dias letivos determinados pelo MEC), incluindo ao longo do semestre seguinte aulas em períodos alternativos, de modo a cumprir a grade acordada com cada aluno quando contratou nossos serviços educacionais.

Estamos, sim, abertos à toda comprovada dificuldade dos alunos que nos procurarem. Para cada caso, iremos buscar uma solução negociada que atenda o aluno e/ou responsável realmente necessitado sem prejuízo à evolução do seu histórico acadêmico. Temos um Setor de Atendimento Financeiro ao Aluno que está sempre aberto a ouvir e apresentar soluções para cada específica situação financeira apresentada”, Instituto Mackenzie.

Comentários Facebook
Continue lendo

Câmara Municipal de Rondonópolis

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana