conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Policial

OPERAÇÃO TAMOIO: PRF encerra Operação com 39 pessoas detidas e mais de 300kg de maconha apreendidos

Publicado


.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF), encerrou no último domingo (31) a Operação Tamoio. As atividades que se iniciaram na quinta-feira (28), tiveram foco no combate à criminalidade através de orientações de inteligência policial, conferindo otimização dos recursos humanos, tecnológicos e o emprego das Unidades de Recursos Especializados da PRF.

Em Mato Grosso foram apreendidos mais de 300 kg de maconha, 10 kg de skunk (variedade de maconha, também conhecida como super maconha) e ao final da Operação 39 pessoas foram detidas.

OCORRÊNCIAS  RESULTADO
Armas de fogo 2
Munições 17
Madeira apreendida (m³) 41
Maconha apreendida (kg) 314,390
Skunk (kg) 10,290
Veículos adulterados 4
Veículos recuperados 2
Mandados de prisão 2
Alcoolemia 11
Pessoas detidas 39

 

A Tamoio foi a maior Operação nacional de enfrentamento à criminalidade promovida pela PRF. Em todo o país, foram apreendidas mais de 15 toneladas de maconha e 385 kg de cocaína, além de 715.000 maços de cigarro.

TAMOIO – O nome Tamoio vem do Tupi Guarani TAMUÍA, que significa o avô, o antepassado. A Confederação dos Tamoios foi uma aliança de tribos indígenas firmada com o objetivo de combater os portugueses e outras tribos que os apoiavam. A referência é em relação à aliança dos grupos especializados da PRF unidos nessa operação.

SECOM PRF MT

Fonte: PRF MT

Comentários Facebook
Veja Mais:  Ação integrada apreende cápsulas com maconha e cocaína que entrariam na PCE como medicamento para Covid-19

Policial

Operação integrada cumpre 87 mandados judiciais contra tráfico de drogas nas regiões norte e noroeste de MT

Publicado


.

Assessoria/Polícia Civil-MT

Uma operação integrada, com a participação das forças de segurança do Estado, foi deflagrada simultaneamente nas primeiras horas da manhã desta quarta-feira (08.07) nas regiões norte e noroeste de Mato Grosso, para o cumprimento de 87 mandados judiciais de prisões e de buscas e apreensões contra alvos envolvidos com o tráfico de drogas e organização criminosa. As ordens judiciais da Operação Vitae III são cumpridas em municípios das Regiões Integradas de Segurança Pública (Risp) de Alta Floresta, Juína e Sinop.

As investigações para desmantelar a organização criminosa, que age principalmente em cidades das regiões de Alta Floreste e de Juína, teve início em fevereiro deste ano, a partir de investigação da Delegacia da Polícia Civil de Alta Floresta, quando foram realizadas outras duas etapas da operação resultando em prisões de diversas pessoas envolvidas com o tráfico de entorpecentes e abastecimento de pontos de venda de drogas nas cidades do norte e noroeste do estado.

Os mandados judiciais foram expedidos pela 5ª Vara Criminal de Alta Floresta para cumprimento nas cidades de Alta Floresta, Nova Monte Verde, Carlinda, Panaraíta, Sorriso e Sinop. Na Risp de Juína serão cumpridos 20 mandados judiciais nas cidades de Cotriguaçu, Juína e Juruena.

O coordenador da operação, delegado da Polícia Civil, Pablo Carneiro, informou que foram apreendidos quase 100 quilos de entorpecentes em Alta Floresta nas fases anteriores que integraram a Operação Vitae.

Veja Mais:  Polícia Civil flagra traficante transportando dois tabletes de maconha

A operação Vitae III tem a participação de profissionais da Polícia Civil, Polícia Militar, Sistema Penitenciário, Corpo de Bombeiros, Politec e de policiais de unidades especializadas da PJC, entre elas a Gerência de Operações Especiais (GOE), Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), Delegacia de Repressão a Entorpecentes e Polinter.

Fonte: PJC MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Crimes de feminicídios aumentam 75% nos primeiros cinco meses de 2020

Publicado


.

Nos primeiros cinco meses deste ano, em Mato Grosso, 28 mulheres morreram em decorrência de feminicídio, que é o homicídio em função de violência doméstica e familiar ou menosprezo e discriminação contra a condição de mulher. O número de 2020 é 75% maior ao que foi registrado no mesmo período de 2019 quando foram contabilizadas 16 mortes em todo o Estado.

Os dados são da Superintendência do Observatório de Violência, da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT) e os números são medidos com base nos dados lançados no Sistema de Registro de Ocorrências Policiais (SROP) e informações fornecidas pelas Diretorias Metropolitana e de Interior da Polícia Judiciária Civil (PJC-MT).

Apesar do aumento nos casos de feminicídio, os homicídios com vítimas femininas – o que engloba outras motivações para morte como rixas, tráfico de drogas, por exemplo – reduziu 68%. Saiu de 22 casos em 2019 para sete em 2020. Tais dados contemplam os 141 municípios do Estado, no período de janeiro a maio.

A Superintendência do Observatório da Violência alerta que os dados de feminicídio apresentados são passíveis de alteração, tendo em vista que a investigação do crime é complexa, e a consolidação da motivação pode necessitar de extensão de prazo e envio posterior.

“A Sesp juntamente com representantes da Polícia Militar, Polícia Judiciária Civil e demais órgãos do Estado e entidades de defesa da mulher tem debatido o tema para buscar ações efetivas de prevenção e repressão aos crimes contra as mulheres, mas entendo que é preciso ampliar o envolvimento da comunidade como um todo para obter a mudança neste cenário”, avalia o secretário de Integração Operacional da Sesp, coronel PM Victor Fortes.

Veja Mais:  Crimes de feminicídios aumentam 75% nos primeiros cinco meses de 2020

Outros dados

De janeiro a maio deste ano, o Estado registrou quedas nos registro de ameaça (-16%), lesão corporal (-10%), tentativa de homicídio (-25%), dentre outros. As reduções são em comparação com o mesmo período de 2019.

Em 2020 foram registrados 7.259 Boletins de Ocorrência por ameaça. Em 2019 o total foi 8.632. Já os crimes de lesão corporal foram 3.831 neste ano contra 4.259 no ano passado. Ainda no período, foram 91 tentativas de homicídios em 2020 contra 121 em 2019.

Diante dos dados de aumento de feminicídio frente às reduções de outras ocorrências, a delegada e coordenadora da Câmara Temática de Defesa da Mulher da Sesp-MT, Jozirlethe Criveletto, acredita que as mulheres estão dentro de casa com os agressores e sem poder sair para denunciar.

“Esse comparativo janeiro a maio de 2019 e 2020, que pega justamente o período do ápice da pandemia, percebe-se que todas as outras violências, a maioria delas, diminuíram seus registros, mas quando nós lembramos que os canais de denúncias como o 180 têm aumentando o número de recebimento de denúncia, nós então entendemos que os registros por si só não espelham a realidade da violência doméstica em Mato Grosso. O número das denúncias nos canais, a exemplo do número 180 mostra um aumento de 35% nos atendimentos entre os primeiros meses do ano passado e 2020”, destaca.

Veja Mais:  Foragidos da justiça são capturados em Cuiabá e Rondonópolis

A Polícia Militar mantém os atendimentos por meio da Patrulha Maria da Penha. Neste período de prevenção a Covid-19, as visitas às mulheres que têm medida protetiva continuam.

“Estamos fazendo atendimentos de vítimas de violência doméstica que já possuem medidas protetivas de urgência deferidas pelo Judiciário. Continuamos o trabalho normalmente porque entendemos que é um período crucial e necessário para a segurança das vítimas. Entendemos também que neste momento parte da redução nos índices de violência se deve ao fato das vítimas estarem convivendo com seu agressor, o que tem impedido de fazer a denúncia. A nossa orientação é para que elas conversem com algum vizinho ou parente e não deixem de falar das agressões que estão sofrendo”, ressalta a tenente PM Denise Valadão.

Canais de ajuda

As mulheres que precisam de auxílio podem recorrer ao Disque 180, e às Delegacias Especializadas de Defesa da Mulher ou qualquer delegacia do município que reside. Em Cuiabá, a DEDM está localizada na Rua Joaquim Murtinho, nº 789, Centro Sul. Há ainda o Núcleo de Defesa da Mulher (Nudem) da Defensoria Pública de Mato Grosso, que atende pelo telefone (65) 3613-8204, e no Edifício Top Tower Center, na Capital, e o Conselho Estadual dos Direitos da Mulher de Mato Grosso: (65) 3613-9934.

Fonte: PM MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Ação integrada apreende cápsulas com maconha e cocaína que entrariam na PCE como medicamento para Covid-19

Publicado


.

Assessoria/Polícia Civil-MT

Uma grande quantidade de drogas que entraria na Penitenciária Central do Estado (PCE) disfarçada como medicamento para tratamento e prevenção ao Covid-19 foi apreendida, no final da tarde desta terça-feira (07.07), em uma ação integrada da Polícia Civil e Polícia Penal.

As investigações da Delegacia Especializada de Repressão a Entorpecentes (DRE) com apoio da Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP) iniciaram após denúncias de que uma organização criminosa aproveitaria o momento de pandemia do coronavírus para entrar com entorpecentes na PCE.

Segundo as informações, os familiares de detentos da unidade prisional receberam instruções da facção criminosa para comprar medicamentos destinados a prevenção e tratamento da doença (em alguns casos utilizando receitas médicas falsas) e nos frascos de polivitamínicos com cápsulas maiores, substituir o medicamentos por substâncias entorpecentes como maconha e cocaína.

De acordo com o delegado da DRE, Vitor Hugo Bruzulato Teixeira, os supostos medicamentos chegaram a ser recebidos na PCE e seriam distribuídos na unidade prisional na quarta-feira (08) no raio cinco, onde estão os presos considerados de maior periculosidade do estado.

“Diante da denúncia, em ação conjunta da DRE, DHPP e Polícia Penal foi possível impedir a entrada da da grande quantidade de drogas em cápsulas na penitenciária, assim como a comercialização do entorpecente na unidade prisional. Todo material apreendido será periciado, pesado, porém visualmente já se percebe que são centenas de cápsulas recheadas com entorpecentes”, disse o delegado.

Veja Mais:  Em patrulhamento, Rotam percebe homem entregando droga

O delegado DHPP, Caio Fernando Álvares Albuquerque, disse que a apreensão da droga foi possível graças o recebimento da informação da entrada de entorpecentes tipo maconha e cocaína de boa qualidade, na unidade aproveitando o período da pandemia

“Recebemos informações fidedignas sobre a manobra utilizada pela organziação criminosa e conseguimos identificar o entorpecente quando já entregues na PCE, porém antes de ser distribuída aos seus destinatários”, frisou.

O diretor da PCE, Agno Sérgio Ramos, destacou a importância das ações integradas entre a Polícia Civil e Polícia Penal para evitar a entrada de drogas especialmente em grande quantidade, no interior das unidades prisionais.

‘A equipe da Polícia Civil conseguiu levantar as informações que prontamente compartilhadas evitando que o material ilícito entrasse e fosse comercializado no interior da penitenciária, mostrando que a segurança deve trabalhar de forma conjunta no combate ao crime”,  destacou.

 

Fonte: PJC MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Câmara Municipal de Rondonópolis

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana