Economia

Pandemia custou 3,7 trilhões de dólares aos trabalhadores do mundo todo, diz ONU

Publicado


source

Brasil Econômico

Fila de desempregados em agência no RS
Reprodução / CUT

Fila de desempregados em agência no RS

A crise econômica da  Covid-19 custou aos trabalhadores em todo o mundo 3,7 trilhões de dólares perdidos, o que equivaleria a mais de 20 trilhões de reais, de acordo com a OIT (Organização Internacional do Trabalho), a agência multilateral da ONU, especializada nas questões do trabalho. Isso porque, segundo os dados levantados, o ano de 2020 teve cerca de 9% de horas de trabalho a menos que em 2019.

Esse impacto é, aproximadamente, quatro vezes maior que o sofrido pelos trabalhadores nas crises de 2008 e 2009. 

De acordo com a OIT, as mulheres e os trabalhadores mais jovens sofreram o impacto da perda de empregos e da redução de horas. O organismo também alertou que as pessoas nos setores mais afetados pela crise – como hotelaria e varejo – correm o risco de ficar para trás quando a economia se recuperar.

Você viu?

De acordo com o órgão, os níveis de desigualdade social correm o risco de aumentar ao ponto de se tornarem uma característica definidora da recuperação econômica da Covid-19. A agência disse que os governos em todo o mundo precisam tomar medidas urgentes para apoiar as populações mais frágeis, econômica e socialmente. 

Recortes da crise

A crise no mercado de trabalho afetou mais as mulheres que os homens. O novo relatório mostrou que, além das trabalhadoras serem mais propensas a perder o emprego, elas têm mais dificuldade de se recolocar no merecado de trabalho. O estudo também mostrou que os jovens sofreram o impacto da pandemia intensamente, tanto na saída da força de trabalho quanto no atraso pela busca do primeiro emprego.

Veja Mais:  Caixa cria linha de crédito habitacional com correção pela poupança

A OIT disse que a implementação gradual da vacina de Covid-19 pelo mundo é um horizonte de melhora no mercado de trabalho. No entanto, a agência afirmou que a contínua crise econômica levará a uma perda de 3% das horas de trabalho em 2021 no mundo inteiro em comparação com o final de 2019. Essa queda é equivalente a 90 milhões de empregos em tempo integral.

Comentários Facebook

Economia

iFood no WhatsApp não é golpe; empresa recomenda cautela

Publicado


source
iFood é um dos principais aplicativos para pedir comida e se diferencia por possuir mais formas de pagamento e restaurantes
Divulgação/iFood

iFood é um dos principais aplicativos para pedir comida e se diferencia por possuir mais formas de pagamento e restaurantes


O iFood tem surpreendido alguns usuários com mensagens no WhatsApp em que oferece descontos e promoções exclusivas. O mesmo acontece via e-mail. Alguns clientes desconfiados suspeitam de golpes virtuais ou fraudes, como tem ocorrido com cada vez mais frequência nos últimos meses.

A página institucional da empresa esclarece que as mensagens enviadas por WhatsApp e E-mail são verídicas, mas os únicos remetentes confiáveis são o endereço de email tal e, pelo zap, o telefone tal, que já terá o contato do iFood seguido por uma certificação verde. 

O site ainda reforça que a empresa nunca vai solicitar dados bancários ou de cartões de crédito, e que está comprometida com a  segurança digital e a disseminação de informação confiável. 

Você viu?

Qualquer outro número ou endereço que te mande mensagem dizendo ser o iFood é golpe , alerta a foodtech. 


Privacidade e segurança


O portal iG contactou o iFood para esclarecer o meio de obtenção dos dados dos seus usuários e as medidas de segurança com estas informações, mas recebemos resposta até a publicação desta matéria.

iFood
Brasil Econômico / Ludmilla Pizarro

Se o remetente da mensagem for verdadeiro, o nome da empresa estará ao lado de uma verificação verde, como no print.

Comentários Facebook
Veja Mais:  Governo deve lançar programa MEI caminhoneiro na próxima semana
Continue lendo

Economia

Em investimentos, “ser impulsivo é o principal pecado capital”, diz Werner Roger

Publicado


source
Werner Roger foi o entrevistado do Brasil Econômico ao vivo desta quinta-feira (25).
Brasil Econômico / Guilherme Naldis

Werner Roger foi o entrevistado do Brasil Econômico ao vivo desta quinta-feira (25).


Entrevistado na live do  Brasil Econômico desta quinta-feira (25), o sócio fundador da Trígono Capital e especialista no mercado de ações  Werner Roger afirmou que quem pretende aprender a investir deve ter paciência, diversificar e não apostar. Para ele, o investidor deve evitar ser impulsivo. 

“Aposta é algo curto, como uma corrida de cavalo, a mega-sena ou um cassino. As apostas são de muito curto prazo e podem dar um lucro muito grande, mas com chances pequenas. No investimento, você tem controle e ele funciona a longo prazo, no mínimo dois ou três anos no futuro”, explicou.

Sobre a diversificação, ele apontou que é importante começar com ações de empresas em diversos setores, o que garante certa segurança para o acionista que está começando, além de certeza de retorno a longo prazo.

O especialista ainda destacou que o mercado de ações “é um investimento racional, e no longo prazo, isso se traduzirá em retorno. Não é uma expectativa de algo que não está no seu controle, mas uma certeza”. 

Roger é atualmente um dos principais especialistas em ‘small caps’ empresas que estão na bolsa de valores com valor de mercado abaixo de R$ 5 bilhões. Ele explicou porque elas podem ser uma boa alternativa para pequenos investidores e iniciantes. 

Veja Mais:  Em investimentos, "ser impulsivo é o principal pecado capital", diz Werner Roger

“As small caps são mais estáveis que empresas grandes por não chamarem tanta atenção”, disse durante a entrevista. “Além disso, a recuperação das small caps, diante de uma crise, é consideravelmente mais rápida do que as grandes”, completou.

Estatais

Werner aponta que algumas empresas são mais fáceis de privatizar do que outras. Tanto pelo interesse da população e do governo, quanto pelo interesse do mercado. “A Eletrobrás , além de uma companhia de energia, é responsável por muitas usinas, como a nuclear de Angra. É muito complicado vender uma empresa para o setor privado gerir”, contou.  

Você viu?

Ele avalia ainda que o mercado agiu por impulso durante a troca de presidente da Petrobras. Em investimentos, “ser impulsivo é o principal pecado capital” , frisa

“As empresas que continuam estatais têm um desempenho muito inferior às que foram privatizadas. Na mão do setor privado, essas empresas se dão muito bem e são voltadas para a eficiência e o lucro dos acionistas, e não para o lucro político”, relata. 

O baixo rendimento  e as intenções políticas das estatais diminuem o atual interesse de investimento nestas empresas, avalia. Suas privatizações, entretanto, podem torná-las mais atraentes. 

Ainda assim, Roger ressalta que o mercado tem pouco interesse em privatizar estatais comprometidas com questões binacionais, como a hidrelétrica de Itaipu, ou com interesses políticos diretos, como a Petrobras. 

Veja Mais:  Senado adia votação da PEC Emergencial para a próxima semana

Lives Brasil Econômico

Semanalmente, a equipe do Brasil Econômico traz um entrevistado diferente para discutir assuntos relevantes da economia atual, sempre às quintas, 17h. 

Werner Roger, CIO (Chief Investment Officer) da Trígono Capital e colunista do Brasil Econômico, foi entrevistado pela editora do portal iG, Ludmila Pizarro e pelo repórter João Victor Redevilho. 

Roger ainda falou sobre os benefícios do dividendos, sobre a escolha de empresas para investir e a retomada de serviços que envolvam o público.

Assista na íntegra!


Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Petrobras: Em tom de despedida, presidente exalta resultados e manda recado

Publicado


source
O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, durante call com analistas
Reprodução / internet

O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, durante call com analistas


Em sua primeira aparição pública após o anúncio de que será destituído do cargo , o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, se apresentou em uma videoconferência com analistas do mercado usando uma camisa com os dizeres “Mind the gap”. E mandou seu recado: disse que a Petrobras de hoje é melhor do que a de um ano atrás e que os preços dos combustíveis estão abaixo da média global.

Castello Branco, que está em home office, usou como pano de fundo na videoconferência uma foto do edifício sede da Petrobras, na Avenida Chile. A “call” com analistas na manhã desta quinta-feira era para comentar o lucro recode da empresa, divulgado na véspera. E os dizeres na camisa traziam uma mensagem subliminar.

A expressão “mind the gap” em inglês, usada nos avisos sonoros do metrô de Londres para alertar os passageiros sobre o vão entre o trem e a plataforma, pode ser traduzida também para “atenção à defasagem”. Em inglês, “gap” é o termo usado para se referir à distância entre dois preços.

E foi justamente a polêmica sobre a defasagem entre os preços dos combustíveis aqui e no exterior um dos principais motivos para a demissão de Castello Branco. Pressionado pelos caminhoneiros, o presidente Jair Bolsonaro se queixava de os preços do diesel e da gasolina terem subido muito no Brasil este ano – o último reajuste foi na sexta-feira passada, mesmo dia em que o presidente da República anunciou a destituição de Castello Branco.

A frase “Mind the gap” vem sendo repetida por Castello Branco em apresentações ao longo dos últimos dois anos. Ontem, a estatal apresentou lucro líquido recorde de R$ 59,9 bilhões no quatro trimestre de 2020, com uma política de preços que segue a paridade internacional.

Para Castello Branco, é surpreendente que, em pleno século XXI, o país esteja discutindo os preços dos combustíveis. Segundo ele, o petróleo é uma commodity como outros produtos, que são cotados em dólar e seguem a lei de oferta e demanda global.

“Fugir da regra da paridade de preço de importação, a Petrobras já provou que foi desastrasosa. A Petrobras perdeu US$ 40 bilhões. E tem outro impacto. Reduzimos a dívida em US$ 36 bilhões em dois anos e a empresa ainda é muito endividada. Devemos US$ 75,5 bilhões. Nossa dívida é majoritariamente em dólares e como você vai conciliar obrigações em dólares com receita em reais? Outro efeito perverso do descolamento da paridade dos preços de importação”, disse.


Política de preços


Castello Branco frisou que a média dos preços do Brasil estão abaixo dos preços globais, embora alguns impostos aqui sejam altos, pressionando os valores para cima.

“O preço não é barato nem caro. O preço é o preço de mercado. Se o Brasil quiser ser uma economia de mercado tem que ter preço de mercado. Preços abaixo do mercado geram muitas consequências, algumas previsíveis outras imprevisíveis, mas todas negativas” acrescentou.

Veja Mais:  Governo deve lançar programa MEI caminhoneiro na próxima semana

Comentários Facebook
Continue lendo

CAMPANHA COVID-19 ALMT

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana