Economia

Panettone a R$ 1: rede de supermercados faz Best Friday até domingo; conheça

Publicado


source

Brasil Econômico

panettone
Divulgação

Panettone Gotas de Chocolate da rede Barbosa Supermercados sai por R$ 1 em compras no Rappi

A tão esperada Black Friday, temporada de descontos que ganha cada vez mais força no Brasil e aquece as vendas de todo o varejo, chegou! Nesta sexta-feira (27), produtos de todos os segmentos têm descontos e condições especiais em muitas lojas.

Na Rede Barbosa Supermercados , que possui 30 unidades localizadas em São Paulo, na capital, na Grande São Paulo e também no interior, a ação Best Friday traz descontos de até 50% em todos os setores, incluindo bebidas, bazar, perfumaria, limpeza, entre outros, até o próximo domingo, dia 29 de novembro.

Neste ano, a Best Friday contempla também os pedidos de delivery, pensando na pandemia e em evitar aglomerações. Em parceria com a Rappi , o Barbosa Supermercados está com ofertas especiais no app, e o item natalino mais esperado do ano que ganha preço irresistível, o panettone . Nesta sexta, 27 de novembro, para todos os pedidos feitos pelo aplicativo, o Panettone Gotas de Chocolate Barbosa, de 400g, será vendido a 1 real.

Veja Mais:  Emirates planeja operar todas as aeronaves da frota no próximo ano

Outra novidade que a rede de supermercados inaugura no período, é a venda de TV´s a preços competitivos, com destaque para modelos de 43″ e 55″.

“Apostamos na campanha de rebaixamento de preços para mostrar que no Barbosa Supermercados o Best Friday é real. Além disso, ampliamos as condições de parcelamentos sem juros”, afirma o coordenador de marketing Weslley Novax.

Comentários Facebook

Economia

Solicitação de perícia para auxílio-doença negado termina neste sábado

Publicado


source
INSS
Agência Brasil

Marcação de exames podem ser feitos pelo site ou aplicativo do INSS

Termina neste sábado (16) o prazo para que segurados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que deram entrada em um benefício por incapacidade — auxílio-doença ou aposentadoria por invalidez — a partir de fevereiro de 2020 façam o pedido de perícia médica presencial. Segundo a Defensoria Pública da União (DPU) , devem fazer o pedido as pessoas que não enviaram o atestado médico pelo aplicativo Meu INSS, nem passaram por perícia médica, ou ainda aquelas que tiveram o benefício negado com base no atestado médico enviado.

A medida foi publicada pelo INSS no dia 16 de dezembro de 2020, e previa o prazo de 30 dias para a solicitação de benefício de incapacidade negado durante o período em que não foram realizadas perícias médicas presenciais no INSS devido à pandemia de Covid-19.

Segundo a DPU, é importante que o segurado faça a renovação do requerimento de auxílio-doença, pois, caso haja entendimento pela incapacidade após a perícia, o benefício será pago desde a data do primeiro pedido.

“Apesar da possibilidade de antecipação do benefício de auxílio-doença no valor de um salário-mínimo, muitos benefícios foram negados pelo não encaminhamento da documentação correta ao INSS via canais remotos. Por isso a DPU alerta às pessoas que não percam a data até dia 16.01.2020 para pedir a realização de perícia presencial, para que seja possível a análise do INSS sobre a incapacidade e a possibilidade de concessão do benefício, desde o requerimento realizado após 01.02.2020”, informa a Defensoria, por meio de nota.

Veja Mais:  Governo de SP regride 8 regiões para fase mais restritiva do Plano SP; veja

A marcação de perícia médica pode ser feita por meio do site ou aplicativo do Meu INSS ou da central telefônica 135.

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Vendas no comércio fecham novembro em estabilidade, aponta IBGE

Publicado


source
Vendas
Marcelo Casal/Arquivo/Agência Brasil

Nem Black Friday ajudou no aumento das vendas

As vendas no varejo ficaram estáveis em novembro, com ligeira queda de 0,1%, na comparação com outubro, segundo a Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) , divulgada nesta sexta-feira (15) pelo  IBGE . O resultado interrompe uma série de seis altas seguidas e confirma que o setor perdeu fôlego nos últimos meses. A projeção de analistas ouvidos pela Reuters era de alta de 0,4%.

A queda no consumo de alimentos foi a principal responsável por frear a sequência de altas do setor, o que analistas atribuem à alta da inflação, que corrói o poder de compra, especialmente dos mais pobres.

Das oito atividades investigadas, cinco cresceram na comparação com outubro, porém o grupo hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, que têm peso de cerca de 45% no índice, apresentou retração de 2,2%.

“É comum que o consumidor, quando tem uma queda de renda ou do seu poder de compra, passe a comprar menos produtos que não são essenciais e a optar por marcas mais baratas”, diz o gerente da PMC, Cristiano Santos.

Nem Black Friday faz vendas avançarem

Nem a Black Friday , que costuma inflar o desempenho das vendas do varejo em novembro, conseguiu manter a trajetória de altas no comércio. O segmento de móveis e eletrodomésticos, que é geralmente impactado pelas promoções, ficou estável, com ligeiro recuo de 0,1% ante outubro.

Mas outros dois segmentos que costumam ser beneficiados pelas ofertas apresentaram avanços: outros artigos de uso pessoal e doméstico (1,4%) e equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (3,0%) .

Mesmo com a perda de fôlego, o comércio já recuperou as perdas da pandemia. No ano, acumula alta de 1,2% e, em 12 meses, de 1,3%.

Na comparação com igual mês de 2019, também houve perda de ritmo, com o varejo crescendo 3,4% em novembro, bem menos que a alta de 8,4% registrada em outubro.

Se considerado o chamado comércio varejista ampliado, que inclui, além das oito atividades de varejo, os segmentos de veículos, motos e peças e material de construção , o setor manteve expansão, embora em ritmo modesto.

Houve crescimento de 0,6% no varejo ampliado em novembro em relação a outubro, a sétima alta seguida.

Nesta semana, o IBGE divulgou também o resultado de serviços, que surpreendeu e avançou 2,6% em novembro na comparação com outubro. A indústria avançou 1,2% no penúltimo mês do ano.

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Governo de SP regride 8 regiões para fase mais restritiva do Plano SP; veja

Publicado


source

Brasil Econômico

doria
Reprodução

Governo de SP regride 8 regiões para fase mais restritiva do Plano SP

O governo de São Paulo anunciou, nesta sexta-feira (15), durante coletiva de imprensa, que vai regredir 8 regiões do estado para uma fase mais restritiva do Plano São Paulo, de flexibilização econômica por conta da pandemia de Covid-19. A justificativa foi o aumento recente no número de casos e internações no estado.

As mudanças passam a valer já a partir de segunda-feira (18). “As medidas são para evitar a superlotação nos hospitais e unidades de terapia intensiva e a falta de atendimento médico necessário”, afirmou o governador João Doria (PSDB).

As regiões de Araçatuba, Bauru, Piracibaca, Franca, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto e Taubaté saíram da fase amarela e foram para a fase laranja do plano de reclassificação. Já Marília deixou a fase laranja e regrediu para a fase vermelha.  O rebaixamento acontece porque os leitos de UTI na região estão com 83% da capacidade ocupados.

Você viu?

A região da  Grande São Paulo segue na fase amarela do plano de reclassificação, apesar do aumento no número de internações na capital paulista.

plano sp
Governo de SP

Plano SP

Na última sexta-feira (8), quando foi anunciada a primeira atualização do Plano SP em 2021, o governo havia dito que novas orientações seriam anunciadas apenas no dia 5 de fevereiro. Porém, por conta da alta nos números da pandemia no estado, o governo decidiu adiantar a reclassificação.

Veja Mais:  Governo de SP regride 8 regiões para fase mais restritiva do Plano SP; veja

“A reclassificação foi adiantada por razões substantivas. É uma medida preventiva e necessária para proteger vidas dos brasileiros em São Paulo”, afirmou João Doria.

Números no estado 

Nesta última quinta-feira (14), o estado ultrapassou a marca de 49 mil mortes causadas pela Covid-19 desde o início da pandemia, em meio a uma nova alta de casos, óbitos e internações pela doença.

Comentários Facebook
Continue lendo

CAMPANHA COVID-19 ALMT

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana