Portal Agro

Produtores comemoram Dia Mundial do Meio Ambiente com nascentes preservadas

Publicado


Sustentabilidade

Produtores comemoram Dia Mundial do Meio Ambiente com nascentes preservadas

O estudo realizado pelo projeto Guardião das Águas aponta que 99% das nascentes em propriedades rurais na região Leste estão em ótimo estado de conservação

08/06/2021

Para celebrar o Dia Mundial do Meio Ambiente a Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja), apresenta um estudo que identificou e mapeou as nascentes preservadas em propriedades rurais na região Leste, por meio do projeto Guardião das Águas. A pesquisa apontou que, das 8.867 nascentes localizadas nos municípios de Canarana, Nova Xavantina e São Félix do Araguaia, 2.080 estão em áreas agricultáveis, e em ótimo estado de conservação.

Os dados apontam também que a preservação das fontes na região chega a 99%. O mapeamento também foi realizado em Querência e Bom Jesus do Araguaia, nessas localidades a preservação das nascentes chega a 98%. Em três anos de projeto já foram identificadas 63.859 fontes, em 34 municípios do Estado.

A produtora rural de Nova Xavantina, Ediane Dalcin, destacou a importância do projeto. “Em nosso município foram identificadas 3.403 nascentes, dessas 99% estão em ótimo estado de conservação, isso desmitifica a imagem do produtor agrícola de que é ele que degrada o meio ambiente. Estamos fazendo nosso papel ambiental, ajudando na sustentabilidade socioeconômico e contribuindo com o meio ambiente”, declarou.

Veja Mais:  Armazém para Todos é lançado pela Aprosoja MT

Gerente de Sustentabilidade da Aprosoja e responsável pelo projeto, Marlene Lima, explica que por meio da ação tem sido possível apresentar à sociedade dados concretos do quanto o produtor preserva e cuida do meio ambiente e mostrar que a produção de alimentos de Mato Grosso é aliada à preservação. “O que identificamos até o momento é um número muito bom de nascentes conservadas, demonstra que aqui se pratica uma agricultura com responsabilidade ambiental comprovada”, enfatizou Marlene.

Para o presidente da Aprosoja, Fernando Cadore, o Guardião das Águas é sem dúvida um dos principais projetos da instituição. “É absolutamente fantástico esse projeto, em média 95% das nascentes mapeadas em propriedades rurais estão em ótimo estado de conservação, e algumas delas intactas. Isso mostra que o produtor rural está preocupado não só com o plantio de soja e milho, mas também em preservar o meio ambiente”, afirmou Cadore.

Guardião das Águas – Ainda para 2021, serão levantados os dados das nascentes nos municípios de Nova Maringá, Água Boa, Santo Antônio do Leste, Alto Garças, São José do Rio Claro, Itanhangá, Ribeirão Cascalheira, São José do Xingú, Marcelândia, Alta Floresta, Comodoro e Alto Taquari.

Fonte: Rosangela Milles

Assessoria de Comunicação

Contatos: Telefone: 65 3644-4215 Email: [email protected]

Fonte: APROSOJA

Comentários Facebook

Portal Agro

Aprosoja orienta o produtor para boas práticas na compra e uso de fertilizantes

Publicado


Defesa Agrícola

Aprosoja orienta o produtor para boas práticas na compra e uso de fertilizantes

Os insumos são importantes para nutrição das plantas e no desempenho da fertilidade do solo

18/06/2021

Gastos com fertilizante têm uma participação elevada nos custos de produção. Na atualidade só perdem, em alguns casos, para as despesas com os agroquímicos, utilizados na defesa vegetal e controle de plantas indesejáveis. Com o objetivo de orientar os produtores efetuarem à aquisição correta dos fertilizantes, bem como a verificação da qualidade dos produtos, a Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja), disponibiliza a Cartilha de Fertilizantes com orientações importantes para as boas práticas na hora da compra e uso do adubo.

De acordo com a gerente de Defesa Agrícola da Aprosoja, Jerusa Rech, o produtor deve ficar atento as condições na hora do recebimento do produto e prezar pela qualidade. “Observar o teor de nutriente, para não ter perda econômica e nem falta de desempenho na cultura. Ter cuidado com a falsificação do produto, caso necessário, o produtor pode enviar uma amostragem para o laboratório de sua confiança para uma análise”, declarou.

Confira a Cartilha de Fertilizantes completa aqui.

Fonte: Rosangela Milles

Assessoria de Comunicação

Contatos: Telefone: 65 3644-4215 Email: [email protected]

Fonte: APROSOJA

Comentários Facebook
Veja Mais:  Vazio sanitário começa nesta terça-feira (15) em Mato Grosso
Continue lendo

Portal Agro

Armazém para Todos é lançado pela Aprosoja MT

Publicado


Fortalecimento Institucional

Armazém para Todos é lançado pela Aprosoja MT

A disparidade em relação a produção e a capacidade de armazenagem é o grande gargalo do setor produtivo

16/06/2021

Uma realidade: Mato Grosso é o maior produtor de grãos do país. Um problema: déficit de armazém. A demanda: aumentar o número de armazéns. Diante dessa realidade, a Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja MT) lançou, nesta quarta-feira (16.06), a campanha Armazém para Todos com objetivo de incentivar a construção de silos para que o agricultor de pequeno e médio porte tenha onde guardar os grãos.

“O produtor precisa ser dono daquilo que produz. A armazenagem tem que ser para todos”, enfatizou o presidente da Aprosoja, Fernando Cadore, durante coletiva de imprensa com os jornalistas. “A disparidade em relação ao que produzimos (cerca de 70 milhões de grãos) e a capacidade de armazém (2.211 unidades) é o grande gargalo do setor produtivo. Não temos silos suficientes para comportar as safras de soja e milho”, esclareceu Cadore.

A campanha Armazém para Todos passa pela questão socioeconômica, uma vez que garante ao produtor maior rentabilidade, tranquilidade na colheita e garantia de alimento o ano todo para o cidadão. Além disso, reduz o fluxo nas rodovias, custos na produção, desgastes na logística e desperdício de alimentos. “É hora de quebrar paradigmas. Precisamos desburocratizar o acesso ao crédito para a armazenagem”, pontou Cadore.

Veja Mais:  Primavera do Leste tem nascentes em ótimo estado de conservação

O produtor rural Zilto Donadello, e também coordenador da comissão de Sustentabilidade da Aprosoja, revelou que neste ano perdeu de sete a oito sacas de soja por hectare, justamente por não ter armazém. Ao fazer uma simulação com os dados da propriedade, por meio da plataforma eletrônica criada pela Aprosoja, ele conseguiu ter ideia da viabilidade econômica para construir silos.

“De acordo com o simulador, se eu construir um armazém de 1.000 toneladas deixaria de perder em média 6,5 sacas por hectare. Com isso, teria uma dinâmica de comercialização melhor. Hoje eu tenho um custo elevado na produção com frete, filas de descargas, descontos nos armazéns e trading”, explicou Donadello.

Evolução da produção

Mato Grosso avançou em produção, tecnologia e manejo do solo. Para se ter uma ideia, nos últimos 10 anos, o Estado evoluiu em mais de 43 milhões de toneladas da produção de soja e milho. Em contrapartida, a capacidade de armazenagem aumentou apenas 11,88 milhões, neste mesmo período.

Com a expectativa de avanço produtivo nos próximos anos, Mato Grosso precisaria ampliar a capacidade estática para 125 milhões de toneladas até 2030, ou seja, teria que apresentar uma taxa de crescimento anual da capacidade de armazenagem na ordem de 22,9%, frente aos 3,7% observados nos últimos anos. 

Fonte: APROSOJA

Comentários Facebook
Continue lendo

Portal Agro

Armazém para Todos é lançado pela Aprosoja MT

Publicado


Armazém para Todos é lançado pela Aprosoja MT

A disparidade em relação a produção e a capacidade de armazenagem é o grande gargalo do setor produtivo

Créditos:

16 de Junho de 2021

Uma realidade: Mato Grosso é o maior produtor de grãos do país. Um problema: déficit de armazém. A demanda: aumentar o número de armazéns. Diante dessa realidade, a Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja MT) lançou, nesta quarta-feira (16.06), a campanha Armazém para Todos com objetivo de incentivar a construção de silos para que o agricultor de pequeno e médio porte tenha onde guardar os grãos.

“O produtor precisa ser dono daquilo que produz. A armazenagem tem que ser para todos”, enfatizou o presidente da Aprosoja, Fernando Cadore, durante coletiva de imprensa com os jornalistas. “A disparidade em relação ao que produzimos (cerca de 70 milhões de grãos) e a capacidade de armazém (2.211 unidades) é o grande gargalo do setor produtivo. Não temos silos suficientes para comportar as safras de soja e milho”, esclareceu Cadore.

A campanha Armazém para Todos passa pela questão socioeconômica, uma vez que garante ao produtor maior rentabilidade, tranquilidade na colheita e garantia de alimento o ano todo para o cidadão. Além disso, reduz o fluxo nas rodovias, custos na produção, desgastes na logística e desperdício de alimentos. “É hora de quebrar paradigmas. Precisamos desburocratizar o acesso ao crédito para a armazenagem”, pontou Cadore.

Veja Mais:  Aumento na oferta de soja do Brasil, país é o fornecedor mais importante da China

O produtor rural Zilto Donadello, e também coordenador da comissão de Sustentabilidade da Aprosoja, revelou que neste ano perdeu de sete a oito sacas de soja por hectare, justamente por não ter armazém. Ao fazer uma simulação com os dados da propriedade, por meio da plataforma eletrônica criada pela Aprosoja, ele conseguiu ter ideia da viabilidade econômica para construir silos.

“De acordo com o simulador, se eu construir um armazém de 1.000 toneladas deixaria de perder em média 6,5 sacas por hectare. Com isso, teria uma dinâmica de comercialização melhor. Hoje eu tenho um custo elevado na produção com frete, filas de descargas, descontos nos armazéns e trading”, explicou Donadello.

Evolução da produção

Mato Grosso avançou em produção, tecnologia e manejo do solo. Para se ter uma ideia, nos últimos 10 anos, o Estado evoluiu em mais de 43 milhões de toneladas da produção de soja e milho. Em contrapartida, a capacidade de armazenagem aumentou apenas 11,88 milhões, neste mesmo período.

Com a expectativa de avanço produtivo nos próximos anos, Mato Grosso precisaria ampliar a capacidade estática para 125 milhões de toneladas até 2030, ou seja, teria que apresentar uma taxa de crescimento anual da capacidade de armazenagem na ordem de 22,9%, frente aos 3,7% observados nos últimos anos. 

Fonte: APROSOJA

Comentários Facebook
Continue lendo

ALMT – Campanha Fake News II

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana