Economia

Projeto que fecha empresas públicas em SP pode ser votado nesta segunda

Publicado


source

Brasil Econômico

Projeto que fecha empresas públicas em SP pode ser votado nesta segunda
Governo do Estado de São Paulo/Divulgação

João Doria, governador do estado de São Paulo: projeto que fecha empresas públicas em SP pode ser votado nesta segunda

O Projeto de Lei estadual 529, de São Paulo, pode ser votado nesta segunda-feira (28). O megaprojeto do governo paulista prevê extinção de empresas públicas e retirada de verba de universidades.

Acabando o prazo de 45 dias que a Alesp teria para discutir a proposta, a base aliada tenta votá-la ainda hoje. A oposição, que inclui tanto alas de esquerda quanto bolsonaristas, quer obstruir a votação.

Algumas mudanças no projeto foram feitas. A Fapesp e o Caixa Beneficente da Polícia Militar (que dá a assistência a familiares de PMs) foram poupados da obrigação de repassar o superávit anual aos cofres do estado. A medida continua valendo para as demais autarquias e fundações, como Unicamp, Unesp e USP.

O PL/529 quer a extinção de dez empresas públicas estaduais. São elas:

  1. Fundação Parque Zoológico de São Paulo;
  2. Fundação para o Remédio Popular (FURP)
  3. Fundação Oncocentro de São Paulo (FOSP);
  4. Instituto Florestal;
  5. Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano de São Paulo (CDHU);
  6. Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo S. A. (EMTU/SP);
  7. Superintendência de Controle de Endemias (SUCEN);
  8. Instituto de Medicina Social e de Criminologia (IMESC);
  9. Departamento Aeroviário do Estado de São Paulo (DAESP);
  10. Fundação Instituto de Terras do Estado de São Paulo (ITESP).
Veja Mais:  Obra de Tarsila do Amaral à venda por R$ 40 milhões em feira on-line

Economia

Obra de Tarsila do Amaral à venda por R$ 40 milhões em feira on-line

Publicado


source

Brasil Econômico

Idílio
Reprodução/Pinterest

“Idílio” – Tarsila do Amaral, 1929.

A galeria paulistana Bergamin & Gomide está pedindo pela obra Idílio, feita em 1929, pela artista Tarsila do Amaral (1886-1973), o valor de US$ 7 milhões, cerca de R$ 40 milhões. A venda da obra será feita na feira Tefaf , que ocorre de 30 de outubro a 4 de novembro. Pela primeira vez, devido à pandemia do novo coronavírus, o evento será online, com apenas uma obra apresentada por galeria, o que também é novidade.

A tela em questão pertence a um colecionador brasileiro, cujo nome é mantido em sigilo. O motivo pelo qual ele quer se desfazer da obra é desconhecido, entretanto só permitirá que ela saia do país com novo dono. Por esse motivo, escolheu a Tefaf digital, pois, caso optasse por um leilão tradicional , ele precisaria permitir que a tela viajasse, correndo riscos de danificá-la.

O valor é provavelmente o mais alto já pedido por uma obra da Tarsila em uma feira. As suas telas raramente se encontram disponíveis no mercado de arte . As que aparecem, geralmente, são de fases mais tardias e menos valorizadas da pintora.

Veja Mais:  Brasil tem saldo positivo de empregos formais por terceiro mês seguido

Fundada em 2012, a Bergamin & Gomide pertence a Antonia Bergamin e Thiago Gomide. Localizada nos Jardins, em São Paulo, é uma espécie de continuação da galeria do pai de Antonia, a Bergamin, criada 12 anos atrás. A atuação é no chamado mercado secundário, que consiste, principalmente, na revenda de obras de artistas falecidos. O único representado atualmente pela galeria é o ilustrador Marcelo Cipis.

O pai de Antonia, Jones Bergamin, é dono da casa de leilões Bolsa de Arte . Ele ficou famoso pelos leilões que promovia no Copacabana Palace. Inclusive, uma das lembranças da infância de Antonia, é de brincar, no hotel, com uma das esculturas da série “Bichos”, da mineira Lygia Clark.

Continue lendo

Economia

Veja como solicitar a aposentadoria sem ir à agência

Publicado


source

Brasil Econômico

inss
Martha Imenes

Não é mais necessário ir às agências para pedir a aposentadoria

Quem quiser solicitar a aposentadoria do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) por tempo de contribuição ou por idade já pode fazer o pedido pela internet. Essa opção exclui a necessidade de comparecer pessoalmente a uma agência da Caixa Econômica Federal , podendo fazer o requerimento da aposentadoria pelo aplicativo Meu INSS, pelo site ou por telefone.

Porém, é importante ressaltar que apenas as aposentadorias por tempo de contribuição e por idade podem ser pedidas online. É importante, também que, antes de solicitar o benefício, o segurado verifique seus dados no CNIS .

Para checar as informações, é só consultar o extrato previdenciário pelo aplicativo Meu INSS , em “Extrato de Contribuição (CNIS)”. Caso haja algum erro nos dados, a solicitar de retificação deve ser feita ligando para o número 135.

Como solicitar a aposentadoria

Pelo aplicativo Meu INSS ou ligando para o número 135, o interessado deverá agendar uma data para assegurar a entrega da documentação. Além disso, é preciso estar com número de protocolo do benefício, CPF e nome da pessoa que depositará o envelope na urna encontrada na entrada das agências de segunda a sexta-feira, das 7h às 13h.

Veja Mais:  Veja como solicitar a aposentadoria sem ir à agência

Depois de agendar o serviço, deverá:

  • Preencher o formulário de “Autodeclaração de Autenticidade e Veracidade das Informações”;
  • Adicionar todos os documentos requeridos pelo INSS, assim como também o formulário de “Autodeclaração de autenticidade e Veracidade das Informações” no envelope.

O envelope deverá estar lacrado e com a seguinte identificação do lado de fora: nome completo, telefone, CPF, e-mail, endereço e número do protocolo do agendamento.

De acordo com o diretor do INSS, “cabe destacar que não são aceitos documentos originais e que as cópias não precisam ser autenticadas em cartório. É imprescindível, porém, que estejam legíveis e sem rasuras”.

Continue lendo

Economia

PL das fake news deve focar em quem financia o mecanismo, diz Augusto Botelho

Publicado


source

Brasil Econômico

Augusto Arruda Botelho foi o entrevistado do Brasil Econômico ao Vivo desta quinta
Divulgação

Augusto Arruda Botelho foi o entrevistado do Brasil Econômico ao Vivo desta quinta

O advogado criminalista e especialista em Direito Penal e Direito Penal Econômico Augusto Arruda Botelho foi o entrevistado desta quinta-feira (29) no Brasil Econômico Ao Vivo para falar sobre fake news e eleições. Segundo o Botelho, ainda que haja um inquérito e um Projeto de Lei das fake news em discussão, não será possível isentar as eleições municipais deste ano do problema.

“Assim como foi em 2018, as eleições de 2020 serão, sim, comprometidas pela propagação de notícias falsas. O inquérito da fake news não tem foco apenas as fake news, é muito mais amplo, não podemos esperar dele grandes modificações. Já o PL, que trata especificamente das fakenews, ainda está sob discussão no congresso. A versão atual precisa ainda de inúmeros reparos, é algo que não vai ser aprovado em curto espaço de tempo. Então as eleições ainda serão marcadas sobremaneira pelo impacto da propagação das notícias falsas”, afirmou.

Apesar de considerar positivo a instrumentação de dois mecanismos que discutem a propagação de notócias falsas – o inquérito das fake news e o Projeto de lei nº 2630 -, o especialista pontua algumas ressalvas. A principal delas é quanto ao foco principal da PL.

Veja Mais:  Azul recebe mais um Embraer 195-E2

“O termo ‘milícias digitais’ nos leva a um caminho que deve ser o foco do combate, mas que é justamente onde a PL peca. Se tem milícia, tem lucro, há algo comercial por trás. Ao falar de milícia digital, chegamos perto de quem financia a disseminação das fake news, e é quem financia que deve ser o foco, não o ‘tiozinho do whatsapp’ que compartilha as mensagens. Temos visto que às vezes políticos estão por trás, empresários estão por trás. Deve-se investigar para que as candidaturas que utilizam desses artifícios sejam punidas”, explica.

Liberdade de expressão

Uma das objeções às legislações que visam combater a propagação das mentiras é o suposto cerceamento da liberdade de expressão. O debate, como diz Botelho, é complexo.

“A liberdade de expressão não pode em nenhum momento ser cerceada. É uma discussão ampla e, caso a PL seja aprovada, o Brasil será pioneiro em ter uma legislação específica para essa averiguação de notícias. Não temos exemplo em outros países, por isso deve haver uma ampla discussão antes de qualquer decisão.”

Sociedade civil no combate às fake news

Ainda que considere de extrema importância a existência de investigações criminais, Augusto Botelho ressalta o papel da sociadade civil no combate às informações mentirosas. Ele cita a atuação do grupo Sleeping Giants , que páginas de estarem anunciando sites que propagam inverdades.

Veja Mais:  Obra de Tarsila do Amaral à venda por R$ 40 milhões em feira on-line

“A gente fica esperando sempre que a justiça se responsabilize, mas temos visto que a pressão da sociedade civil tem surtido eefeitos rápidos e satisfatorios. A resposta do estado muitas vezes é um processo longo e moroso.”

O especialista ainda diz que é ingênuo pensar que aquele que se beneficia das fake news, vá combater o problema. “Quantos candidatos não foram eleitos por plataformas recheadas de notícias falsas? Vamos esperar que esses mesmos parlamentares, que se beneficiam diretamente do mecanismo, façam alguma coisa?”, continua

Botelho também nega que a disseminação massiva de notícias mentirosas esteja lidada a somente uma linha ideológica, embora admita que candidatos à direita sejam os mais beneficiados. Ele também pondera que, embora notícias falsas sempre tenham existido, o volume hoje é muito maior e houve uma “profissionalização” do mecanismo.

“Existem campanhas que basicamente só se criam divulgando informações falsas, sem proposição ou plano de governo. O que antes funcionava mais como um ‘telefone sem fio’, hoje é feito com a clara intenção de minar candidaturas.”

Regulamentação pelas redes sociais

Para Augusto botelho, falta transparência e eficiência por parte das redes sociais no momento de modelar o conteúdo e, nesse sentido, existe um trecho positivo na PL. “A PL endereça essa questao trazendo a responsabilidade mais pra perto pros provedores”, diz. 

Outro ponto bastante positivo, segundo ele, é que a PL proibe autoridades de bloquear usuários. “Eu, como cidadão, não posso ter meu direito à informação limitado por um bloqueio do presidente da república, por exemplo.”

Veja Mais:  Veja como solicitar a aposentadoria sem ir à agência

Enfraquecimento da democracia

De acordo com uma pesquisa realizada pela câmara dos deputados e pelo senado, 79% dos brasileiros utilizam o WhatsApp para obter informação; por consequência, temos visto a diminuição de assinaturas em veículos tradicionais da mídia. 

“Um dos maiores problemas é o enfraquecimento de veiculos confiáveis da mídia. É enorme a dificuldade de mostrar que a informação não é verdadeira. Muitas vezes as pessoas rejeitam a informação da mídia, afirmando ser mentirosa, e preferem acreditar na que recebem no WhatsApp”, diz, relevando também a importância do aumento de agências de checagem.

O especialista ainda se atém à questão da criação dos falsos debates, como o engajamento através de hashtags nas redes sociais. “A partir do momento que a hashtag é difundida e passa a ser trending topic, ela cria um debate que muitas vezes não existe. É uma pauta criada, impulsionada por robôs, de um e que não existe. Isso enfraquece toda a democracia de uma forma ampla.”

 “A partir do momento em que um governo usa uma rede social como veiculo oficial de comunicação com seus eleitores e para construir campanha, tem que estar sujeito a moderação. Não há como propor saida que não passe por moderação”, finaliza.

Continue lendo

CAMPANHA COVID-19 ALMT

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana