Rondonópolis

Promoção e Assistência Social marca Dia Internacional da Mulher com debate em live sobre violência doméstica

Publicado


Berros, ironias, chantagens, manipulações, ameaças, xingamentos, entre outros desrespeitos são o prenúncio de ações que podem tomar forma concreta na violência física – que deixa marcas visíveis – contra a mulher. Porém, a agressão não é só um tapa. Ela pode começar de uma maneira invisível, sutil, sendo, inicialmente, uma violência psicológica. Para combatê-la, é importante conscientizar a população e nada melhor para isso do que um debate que leve à identificação na raiz para sua eliminação logo que se manifeste.

Por isso, a Secretaria Municipal de Promoção e Assistência Social realiza, na próxima segunda-feira (8), às 14 horas, uma live, por meio do link https://www.facebook.com/CREAS… onde o público poderá dialogar com a psicóloga do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), Rafaela Alves Scaramal, sobre o tema “O Creas e as mulheres vítimas de violência doméstica”, que vai abordar não apenas a conjuntura atual das relações abusivas envolvendo o universo feminino, mas também as ações dessa entidade como suporte para que suas vítimas consigam enfrentar as esse tipo de circunstância e as sequelas advindas dessa prática, recuperar sua dignidade e se refazer dos traumas.

“Muitas mulheres silenciam ao viverem uma situação de violência doméstica. É importante, no entanto, que elas compartilhem com outras pessoas o que está acontecendo, dando esse primeiro passo para, a partir daí, conseguirem tomar novos rumos, se libertando do agressor e superando todas as consequências decorrentes do comportamento abusivo do companheiro”, adverte a secretária de Promoção de Assistência Social, Neiva de Cól.

Veja Mais:  Após intervenção de vereadores e deputados estaduais, 20 leitos de UTIs Covid-19 entrarão em funcionamento neste domingo (11) em Rondonópolis

São seríssimos os impactos que a violência por parte do companheiro gera na vida da mulher, como assinala Rafaela: “Por vezes, as pessoas não têm noção da gravidade, da dimensão, das consequências e da repercussão que os atos de violência doméstica podem ocasionar. É importante ressaltar que o excesso de submissão, de dominação, de subalterinzação e de manipulação também são formas de violências, a famosa a violência psicológica”.

Vários fatores envolvem o contexto de violência doméstica, entre eles, o social, o econômico, o psicológico e o emocional. “É comum a violência ser ofuscada pela própria vítima porque ela depende, muitas vezes, financeiramente ou afetivamente do companheiro agressor. Inclusive, há casos em que elas, sequer, sabem por onde começar e não conseguem ver uma porta de saída ou um caminho longe daquele homem”, relata a psicóloga.

Para promover o amparo necessário à mulher em situação de vulnerabilidade causada pela violência, existe uma rede de atendimento e proteção que envolve Centros de Referência de Atendimento à Mulher (Crams), Centros de Referência de Assistência Social (Cras), Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher (Deams), Casas Abrigo, Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, Defensoria Pública, além dos Creas.

“No CREAS é ofertado o acompanhamento psicossocial voltado ao enfrentamento e superação da violência, bem como dos obstáculos decorrentes de submissões a situações que provocam danos e agravos à condição de vida da mulher e as impedem de usufruir de sua autonomia e bem-estar. Por meio de uma rede de proteção”, explica Rafaela e emenda: “O acompanhamento disponibilizado pela entidade oferece serviço de apoio e orientação, compreende atenções direcionadas para a promoção de direitos, para o fortalecimento da função protetiva das famílias diante do conjunto de condições que as vulnerabilizam, as submetendo a situações de risco pessoal e social”.

Veja Mais:  Município fica impedido de entregar kits para alunos após decisão judicial

De acordo com a psicóloga, os encaminhamentos das vítimas chegam através de documentos oriundos dos órgãos parceiros, em especial a delegacia especializada, o poder judiciário, os Cras, os conselhos de defesa de direitos e demais atores da rede, através dos quais se realiza a busca ativa da vítima. Assim, há o contato inicial com a escuta sensível, estabelecimento de vínculo e apresentação do serviço. Com isso, acontece a identificação de demandas e avaliação da necessidade de acompanhamento.

Após esse primeiro momento, segundo a servidora do Creas, são traçadas estratégias de fortalecimento da vítima adequadas a cada caso, com atendimento médico e psicológico e, ainda, com a contribuição da Defensoria Pública – onde a mulher pode requerer seus direitos, especialmente, em casos de separação –, encaminhamento ao Serviço Nacional de Emprego (Sine) – para que ela possa conseguir uma vaga no mercado de trabalho e assim desenvolver autonomia financeira –, e, também, direcionamento à Secretaria de Habitação e Urbanismo – a fim de fazer inscrição para uma casa própria.

Rafaela comenta que, com os serviços que se articulam com as atividades e atenções prestadas às famílias nos demais serviços socioassistenciais, nas diversas políticas públicas e com os demais órgãos do Sistema de Garantia de Direitos, após receberem os cuidados de que precisam para vencerem a opressão em que se encontram, as vítimas mencionam que o alívio por terem conseguido se desvencilhar do jugo é maior do que a falta que sentem do companheiro e das dificuldades que precisam encarar por estarem começando uma nova fase sozinhas para reconstruírem suas vidas.

Veja Mais:  Santa Casa Rondonópolis é escolhida para participar de pesquisa da Fiocruz

Tanto as vítimas como qualquer pessoa que tenha conhecimento de alguma situação de violência doméstica deve denunciar para que possa ser preservada ou restaurada a integridade da mulher. Há diversas formas de se fazer isso: por meio de boletim de ocorrência na Delegacia Especializada de Defesa da Mulher (DEDM), no disque 100 e no disque 180 – que são telefones onde específicos de serviços voltados para a proteção às mulheres vítimas de violência –, além da própria polícia, pelo 190.

Comentários Facebook

Rondonópolis

Prefeitura cumpre Decreto Estadual e aguarda nova classificação para fazer mudanças

Publicado


A Prefeitura de Rondonópolis está cumprindo na íntegra o Decreto Estadual, conforme a determinação da Justiça, que prevê restrições durante o combate a pandemia da Covid-19. O município que registrou queda na fila de espera por leitos de UTI espera baixar a classificação de risco passando de ‘Muito Alta’ para ‘Alta’.

 Uma comissão de vereadores se dirigiu até a Secretária de Estado de Saúde nesta segunda-feira (12) e protocolou pessoalmente em Cuiabá, uma solicitação de reclassificação do município. A classificação feita pelo Governo do Estado acontece semanalmente sempre as terças-feiras.

Conforme o secretário Municipal de Saúde, Vinicius Amoroso, “até que não tenhamos uma resposta quanto a reclassificação, o município segue cumprindo o decreto do Estado. Assim que tivermos uma resposta da Secretaria Estadual de Saúde, o município poderá fazer mudanças nas restrições e publicar um novo decreto dentro da situação existente e imposta pelo Estado”, explicou.

Comentários Facebook
Veja Mais:  Município fica impedido de entregar kits para alunos após decisão judicial
Continue lendo

Rondonópolis

Exposição da artista Marlene Trouva vai até domingo no shopping

Publicado

O Projeto “MARLENE TROUVA: Cor da Arte no Cerrado” quer evidenciar que a obra da artista tem por objetivo transformar, dar relevo e textura e colorir o vazio cotidiano existente com leveza, de forma encantadora, profunda e significativa. É um projeto individual e original em sua essência e expressão pois Marlene trabalha com encáustica, uma técnica de pintura conhecida como pintura a fogo, desenvolvida pelos gregos desde o século V A.C., na qual os pigmentos de cor são diluídos em cera quente. Ela também trabalha com cera fria.

Os pontos fortes da técnica, os quais encantam a artista são o relevo e a textura.

Em suas palavras: “A característica mais marcante em meu trabalho é a textura e o relevo produzido nos trabalhos com encáustica. Ela faz parte da minha vida! Me apaixonei por essa técnica justamente porque ela me possibilita criar uma gama de texturas e relevos na tela, de forma que eu consigo representar, do meu jeito, explorando o colorido do cerrado mato-grossense.” Quando fez o curso, os principais pontos que chamaram a atenção da artista foram: o desvendar de uma técnica milenar, o efeito produzido por ela e o fato de a cera de abelha ser uma matéria prima orgânica.

O fato de criar suas próprias obras, restaurar peças sentimentais, entre outras e ministrar cursos de pintura em tela para alunos em seu ateliê e no SESC-Rondonópolis, Trouva evidencia seu compromisso e cuidado em manter e preservar a cultura regional.

Veja Mais:  Após intervenção de vereadores e deputados estaduais, 20 leitos de UTIs Covid-19 entrarão em funcionamento neste domingo (11) em Rondonópolis

O evento pandêmico despertou Marlene quanto a inserção de cores, habilidades e técnicas sobre a tensa realidade do panorama atual, e para tanto, tem se superado e desdobrado criatividade sobre telas e painéis, tornando suportável, o momento vivido.

A ideia dessa proposta vem da efervescência criativa em meio ao isolamento social e a originalidade e caráter pictórico único dessa artista, no centro de uma crise sem precedentes na História, vem impactar a cena cultural de Mato Grosso e Rondonópolis e atrair o interesse público para uma forma de expressão artística milenar.

Para tanto, será realizado um documentário – Curta Metragem – registro digital, de intensa criatividade e imaginário, pois Marlene Trouva driblou as adversidades em 2020 e ressurgiu em 2021 com novo fôlego de vida e habilidade técnica singular, fomentando uma produção de caráter interativo, para todo o Estado de Mato Grosso. A exposição segue até domingo (18/04), das 8 às 19 horas, no Rondon Plaza Shopping. A entrada é gratuita.

Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Vereador Ozeas Reis (PP) e Vereador Marisvaldo (PSL) estiveram reunidos nesta manhã na Secretaria Municipal de Saúde

Publicado

 

Vereador Ozeas Reis (PP) e Vereador Marisvaldo (PSL) estiveram reunidos nesta manhã na Secretaria Municipal de Saúde. Vereador Ozeas Reis (PP) e Vereador Marisvaldo (PSL) estiveram reunidos nesta manhã na Secretaria Municipal de Saúde, oportunidade em que foram prontamente recepcionados pelo Secretário Vinicius Amoroso, foram levadas diversas demandas que beneficiará a população rondonopolitana, por fim, o Sr. Vinicius se comprometeu em atende-las.

Comentários Facebook
Veja Mais:  Após intervenção de vereadores e deputados estaduais, 20 leitos de UTIs Covid-19 entrarão em funcionamento neste domingo (11) em Rondonópolis
Continue lendo

ALMT – Campanha Fake News II

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana