Saúde

Psiquiatras estudam o ‘comportamento de manada’ no cérebro humano

Publicado

source
Psiquiatras estudam mecanismos do 'comportamento de manada' em humanos
GettyImages/BBC

Psiquiatras estudam mecanismos do ‘comportamento de manada’ em humanos

Um fenômeno que há muito tempo atrai o interesse de cientistas, o chamado “comportamento de manada” tem entrado mais recentemente no foco de médicos, por ter implicações de saúde pública e sociais.

Psiquiatras, psicólogos e neurocientistas estão avançando no entendimento daquilo que eles consideram ser um comportamento contagioso, nos quais as pessoas tendem a imitar as outras por sugestionamento.

Em um congresso internacional da área em Gramado (RS), no início do mês, uma das sessões apresentadas se dedicou a esse tema, reunindo dois psiquiatras clínicos e dois cientistas.

Casos de linchamento, em que pessoas são impelidas umas pelas outras a participar de atos de agressão, ou até o aumento na taxa de suicídios após notícias de celebridades que se matam, chamam a atenção, mas são difíceis de estudar na prática.

Um fenômeno semelhante, porém, foi objeto de estudo de Jair Mari, professor de psiquiatria da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Em colaboração com a colega moçambicana Lídia Gouveia, ele estudou um fenômeno ocorrido em Maputo na década passada: uma epidemia de desmaios em uma escola feminina da cidade.

Durante um período iniciado em 2010 por várias vezes as estudantes do colégio entravam em catarse e desmaiavam, como resposta a ansiedade provocada por um boato.

Quando se espalhou o rumor de que o colégio havia sido construído sobre um cemitério, várias tinham crises que as levavam a perder consciência, às vezes tendo convulsões.

Num estudo ainda inédito que os cientistas submeteram recentemente para publicação, eles traçam o perfil das meninas que tinham mais propensão a se deixar afetar por essa crise, que tinha um claro componente de influência social.

Veja Mais:  Covid-19 na Coreia do Norte: governo recomenda chá e água salgada

Fatores como personalidade extrovertida (aferida por questionários) e até a ausência de relação afetiva tornavam algumas das meninas mais propensa.  Segundo Mari, a avaliação clínica das estudantes foi importante para ajudar a dar suporte a elas.

“Quando isso acontece, nós temos que fazer alguma coisa para não deixá-las apenas nas mãos dos xamãs e dos curandeiros. Essas meninas precisam de cuidado psicológico”, diz.

Segundo o psiquiatra, porém, como a crença em espíritos é componente da cultura religiosa local, é preciso cuidado e empatia.

“Você tem que ter tolerância, respeito, e tem que lidar com a situação de uma forma que leve a pessoa a concluir que aquilo não era plausível. Nós nunca entramos lá de maneira brusca dizendo, que nós iríamos cuidar da situação sozinhos. Os xamãs entravam lá, benziam o local, e nós fazíamos o nosso trabalho.”

A chance para trabalhar com o caso, conta Mari, surgiu porque o Brasil e os EUA participam de um programa conjunto para qualificação de psiquiatras em Moçambique. Como casos desse tipo são raros, foi uma oportunidade única.

Janelas quebradas

Na psicologia experimental, um dos cientistas que têm se preocupado com a questão de como as pessoas se deixam influenciar pelo comportamento das outras é Kees Keizer, da Universidade de Groningen (Holanda).

O cientista holandês tem feito nos últimos anos experimentos para testar o grau de sugestionabilidade das pessoas.

Sua ideia é testar cientificamente a chamada “teoria das janelas quebradas”, segundo a qual pessoas tendem a desrespeitar regras com mais facilidade em locais onde parece haver mais desordem e violação de normas.

Um bairro com janelas quebradas foi o exemplo usado em 1982 pelo criminologista George Kelling, proponente da teoria.

Veja Mais:  Ministério da Saúde descarta possível caso de Deltacron no Amapá

Alguns dos experimentos de Keizer parecem pegadinhas de programas de humor baratos da TV, apesar de serem controlados por uma metodologia rigorosa.

Em um deles, o cientista colocava uma nota de € 5 dentro de um envelope semitransparente e o encaixava na boca de uma caixa de correio, deixando um pedaço visível para fora. A ideia era ver se os transeuntes que se deparassem com aquilo iriam pegar o envelope para si ou fazer a boa ação de terminar de inseri-lo na caixa de correio.

Após medir as reações de algumas centenas de pessoas, o psicólogo viu que apenas 13% delas furtavam o envelope. O cientista passou então a espalhar lixo pelo chão, para ver se a reação das pessoas mudava. E mudou: com a rua emporcalhada, a taxa de furto do envelope aumentou para 25%.

O resultado do trabalho é de interesse para formuladores de política pública, claro, mas Keizer afirma que psicólogos precisam levar em conta que o comportamento das pessoas é muito mais impelido por fatores subjetivos do que se costuma reconhecer, para o bem ou para o mal.

“Uma das nossas conclusões é que o nível de cuidado que você dedica para fazer cumprir uma determinada norma impacta a probabilidade de obediência a outras normas também”, diz o cientista.

Estudos em neurobiologia

Mari mostra interesse em estudar também fenômenos como atos coletivos de agressão. O pesquisador cita como episódio emblemático o caso de linchamento de uma dona de casa no Guarujá (SP) em 2014, quando moradores do bairro de Morrinhos se convenceram de que a mulher sequestrava crianças na vizinhança.

Veja Mais:  Homem de 28 anos sofre derrame após estalar o pescoço dentro de casa nos EUA

Os cientistas reconhecem que ainda não conseguem enxergar muito bem uma brecha para intervir nesse tipo de caso, mas o interesse em entender os mecanismos que levam ao comportamento de manada já são objeto de estudo também no campo da neurobiologia.

Outro pesquisador que palestrou no congresso em Gramado foi o russo Vasily Klucharev, da Universidade de Amsterdam. Usando técnicas de imageamento cerebral, como sequências de ressonância magnética, ele busca entender quais regiões do cérebro estão ativas quando uma pessoa expressa conformidade com uma opinião.

Ao mapear a operação desse fenômeno no cérebro, ele enxergou que o ato de estar em conformidade com seu grupo ativa circuitos controlados pelo neurotransmissor dopamina, que ativa sensações mais primitivas de prazer, atuando como em um condicionamento comportamental de estímulo e recompensa.

Esse mecanismo pode ser explorado para o bem e para o mal, diz o pesquisador, especialmente no contexto em que o comportamento das pessoas se dá numa interação complexa com o ambiente virtual, onde é mais difícil de prever.

“É importante levar em conta que a conformidade com as normas sociais é particularmente preocupante num ambiente em transformação, quando a maioria das pessoas ainda não sabe muito bem como se comportar. Nesse contexto, essa tendência de se conformar a maioria pode ser perigosa”, afirma Klucharev.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook

Saúde

Produção da CoronaVac é suspensa por baixa demanda e falta de registro

Publicado

source
Vacina do Butantan (Coronavac) foi fundamental para conter o atraso das importações das outras vacinas
Crédito: SOPA Images/LightRocket via Getty Images

Vacina do Butantan (Coronavac) foi fundamental para conter o atraso das importações das outras vacinas

O Instituto Butantan anuncia a interrupção da produção da CoronaVac. A vacina foi a primeira aplicada no Brasil, e teve sua última produção realizada em outubro de 2021. Apesar das mais de 110 milhões de doses entregues, o último envio ocorreu em fevereiro. Sem novos pedidos por lotes do imunizante, não há previsão de retomada.

Pano de fundo para uma briga política entre o ex-governador João Doria (PSDB) e o presidente Jair Bolsonaro (PL), a CoronaVac foi aprovada pela Anvisa (Agência de Vigilância Sanitária) para uso emergencial em janeiro do ano passado, e desde então, nunca foi deixada de lado. Hoje, é utilizada especialmente para a vacinação de crianças e adolescentes.

A CoronaVac ajudou bastante a manter a eficiência da vacinação em “rebanho” no Brasil, uma vez que, os demais modelos, demoraram para chegar ao Brasil. Entretanto, assim que o abastecimento dessas demais aumentou, a vacina do Instituto Butantan perdeu espaço na campanha nacional de vacinação.

Em abril deste ano, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou o fim da emergência sanitária pela covid-19 no país. Sem emergência sanitária, apenas vacinas registradas definitivamente podem ser aplicadas em adultos — por isso, a CoronaVac foi barrada e ficou restrita a crianças e adolescentes. Os outros três imunizantes aplicados no país já têm registro definitivo pela Anvisa : Pfizer, AstraZeneca e Janssen .

Veja Mais:  Secretaria de Saúde de Manaus confirma primeira morte por sarampo
Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Vacinação contra a gripe é ampliada a partir deste sábado no país

Publicado

source
Reforço para a imunização ocorre pelo SUS (Sistema Único de Saúde)
Rovena Rosa/Agência Brasil – 19.01.2022

Reforço para a imunização ocorre pelo SUS (Sistema Único de Saúde)

A campanha contra a gripe será ampliada a partir deste sábado (25) para a população a partir de 6 meses de idade, em todo o país, enquanto durarem os estoques da vacina. A mobilização busca prevenir complicações decorrentes da doença e diminuir óbitos e pressão sobre o sistema de saúde.

Quem faz parte do público-alvo e ainda não se imunizou, também poderá se vacinar. Para receber a vacina da gripe, basta ir a qualquer posto de vacinação. O Sistema Único de Saúde (SUS) tem cerca de 38 mil salas de vacinas espalhadas por todo país e o Ministério da Saúde já distribuiu 80 milhões de doses da vacina contra a gripe para estados e Distrito Federal.

Até o momento, a mobilização contra a doença atingiu 53,5% de cobertura vacinal. “Os pressupostos para o sucesso das campanhas de vacinação são absolutamente atendidos no nosso país. Temos vacinas, temos uma capacidade sem precedentes de aplicação, graças aos vacinadores que estão nas salas de vacinação do Brasil .

Ano passado, tivemos casos em várias regiões do País por conta da cepa H3N2 . A vacina deste ano já protege contra essa cepa e as passadas. Precisamos combater essas doenças”, disse o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Ele fez um apelo à população para que à população para que ajude a aumentar os índices de imunização contra a doença no Brasil. Veja os grupos preferenciais, a seguir.

Veja Mais:  Cigarros eletrônicos podem causar várias doenças, incluindo câncer

Idosos acima de 60 anos; Trabalhadores da saúde; Crianças de 6 meses a menores de 5 anos de idade (4 anos, 11 meses e 29 dias); Gestantes e puérperas; Povos indígenas; Professores; Pessoas com comorbidades; Pessoas com deficiência permanente; Forças de segurança e salvamento e Forças Armadas; Caminhoneiros e trabalhadores de transporte coletivo rodoviário de passageiros urbano e de longo curso; Trabalhadores portuários; Funcionários do sistema prisional; Adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas; População privada de liberdade.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Brasil tem 17 casos confirmados de varíola dos macacos

Publicado

source
Brasil tem 17 casos confirmados de varíola dos macacos
Reprodução / CNN Brasil – 17.06.2022

Brasil tem 17 casos confirmados de varíola dos macacos

O Brasil registra, no momento, um total de 17 casos confirmados para a varíola dos macacos – monkeypox –, sendo 11 em São Paulo, dois no Rio Grande do Sul e quatro no Rio de Janeiro. Outros dez casos seguem em investigação. Do total de caso, cinco seriam autóctones, o que significa que houve transmissão local da doença. Dois deles no Rio de Janeiro e três em São Paulo.

Nesta sexta-feira (24), a pasta foi notificada de três novos casos da doença no país, sendo dois no estado do Rio de Janeiro e outro no estado de São Paulo, confirmados pelos laboratórios da Fiocruz-RJ e Adolf Lutz em São Paulo. Os dois casos do Rio de Janeiro já tinham sido confirmados pela prefeitura na noite de quinta-feira (23).

Em São Paulo, trata-se de um caso importado, com histórico de viagem para a Europa. O paciente é do sexo masculino, 29 anos, residente na capital paulista. Segundo informações do MS, os casos apresentam quadro clínico estável, sem complicações e estão sendo monitorados pelas Secretarias de Saúde dos estados e municípios.

São Paulo

Nesta quinta (23), o Ministério da Saúde foi notificado de três casos autóctones confirmados para a varíola dos macacos no estado de São Paulo, segundo divulgou a pasta. São três pacientes do sexo masculino, residentes na capital paulista, com idade entre 24 e 37 anos, sem histórico de viagem para países com casos confirmados.

Veja Mais:  6 mitos e verdades sobre alimentação

De acordo com o MS, os casos ainda estão em investigação para a busca de vínculos de transmissão. Eles estão isolados, com quadro clínico estável, sem complicações e sendo monitorados pelas Secretarias de Saúde do Estado e do município.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

ALMT – Campanha Fake News II

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana