Saúde

Russos sugerem combinar Sputnik V com a vacina de Oxford

Publicado


source

Olhar Digital

undefined
Redação Olhar Digital

Russos sugerem combinar Sputnik V com a vacina de Oxford

A vacina criada pela farmacêutica AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford pode ter resultados mais eficazes contra o novo coronavírus caso seu uso seja combinado com a Sputnik V, desenvolvida pelo governo russo, segundo informações publicadas pela agência russa de notícias TASS.

“Atualmente, uma dose completa do regime da AstraZeneca resulta em 62% de eficiência. Se eles entrarem em um novo teste clínico, nós sugerimos tentar um regime que combine a vacina da AZ com o vetor adenoviral humano Sputnik V para ampliar sua eficácia. A combinação de vacinas pode se provar importante durante revacinações”, disse o perfil da vacina russa no Twitter.

Os testes conduzidos pela AstraZeneca consideraram 20 mil voluntários no Reino Unido e no Brasil. Os primeiros resultados divulgados pela farmacêutica falaram em uma eficácia de 70%.

A empresa ainda informou a descoberta de que a potência de cada dose pode trazer variação no resultado dos tratamentos: se duas doses de potências iguais da mesma vacina forem aplicadas, o nível de proteção contra a infecção do novo coronavírus será de 62%. Entretanto, no caso de uma primeira dose pequena e uma segunda dose mais robusta, este número salta para 92%.

Veja Mais:  Novas variantes do coronavírus levantam incertezas sobre as vacinas

Recentemente, o CEO da AstraZeneca, Pascal Soriot, confirmou que a empresa deve realizar novos testes clínicos após alguns especialistas da indústria mundial de imunologia duvidarem de sua eficiência no tratamento e proteção contra a Covid-19.

O executivo, porém, não informou quantos voluntários fariam parte, quando os testes seriam executados, as condições ou qualquer outro parâmetro de controle de avaliação.ReproduçãoVacina de Oxford contra a Covid-19 deve passar por novos testes, mas Rússia gostaria de combinar esforços com a AstraZeneca para aprimorar eficácia.

E a CoronaVac?

A chamada “vacina chinesa”, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac e testada no Brasil em parceria com o Instituto Butantan, já conta com dados clínicos suficientes para que a sua eficácia seja conhecida, com o governo de São Paulo esperando divulgar resultados até a próxima semana.

De acordo com o Butantan, que falou à imprensa no último dia 23, era necessário esperar que o volume mínimo de infecções por Covid-19 – 74 casos – para que fosse realizada uma análise preliminar.

A expectativa do instituto é a de que, destes 74 casos, a maior parte tenha ocorrência no grupo que recebeu o medicamento placebo. Se isso se confirmar, então o entendimento da comunidade infectologista é o de que a vacina é funcional e tem boa eficácia.

Os resultados podem ser divulgados já na primeira semana de dezembro, e o Butantan pretende prosseguir com o registro da vacina assim que ela atingir pelo menos 50% de eficiência comprovada.

Veja Mais:  Covid-19: Hungria é o 1º país da União Europeia a comprar a vacina Sputnik V

Recentemente, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou atrás em afirmações de meses anteriores, afirmando durante transmissão ao vivo no Facebook que, havendo aprovação da CoronaVac pelo Ministério da Saúde e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o governo federal fará a compra do medicamento do laboratório chines.

Fonte: TASS

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook

Saúde

Vacina de Oxford: veja quantas doses cada estado receberá neste domingo

Publicado


source

Agência Brasil

Voo que veio da Índia trouxe 2 milhões de vacinas de Oxford, que serão distribuídas aos estados
Pedro Paulo Souza/MS

Voo que veio da Índia trouxe 2 milhões de vacinas de Oxford, que serão distribuídas aos estados

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) liberou neste sábado (23), para distribuição aos estados, as doses da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela biofarmacêutica AstraZeneca, importadas da Índia. A logística de distribuição cabe ao Ministério da Saúde e, no fim da tarde deste sábado, foram aplicadas as primeiras doses no Brasil. Ao todo, são dois milhões de doses, que serão distribuídas aos estados proporcionalmente neste domingo (24).

A vacinação ocorreu logo após a Fiocruz começar a liberar os 2 milhões de doses de vacinas prontas para o Programa Nacional de Imunizações (PNI/MS). O primeiro caminhão com parte da carga saiu às 14h18 da Fiocruz e foi direto para um centro de logística também na zona norte para iniciar a separação das caixas que serão distribuídas aos estados. Ao todo, serão etiquetadas 4 mil caixas, cada uma com 50 frascos e 500 doses da vacina. Depois da etiquetagem, ocorrerá a liberação de documentação pela garantia da qualidade.

Segundo a Fiocruz, ainda na manhã de hoje foram coletadas amostras pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS/Fiocruz) para análise de protocolo e liberação do produto para que o Programa Nacional de Imunizações possa distribuir as doses aos estados. “Toda a operação para liberação das vacinas segue normalmente, sem intercorrências e dentro do cronograma”, informou.

Veja Mais:  Fiocruz começa a aplicar vacina de Oxford; infectologista é o primeiro a receber

Confira quantas doses serão enviadas a cada estado

  • São Paulo – 501.960 doses, população de 46.289.333 habitantes;
  • Minas Gerais – 190.500 doses, população de 21.292.666 habitantes;
  • Rio de Janeiro – 185.000 doses, população de 17.366.189 habitantes;
  • Amazonas – 132.500 doses, população de 4.207.714 habitantes (estado tem direito a cota extra de 100 mil doses devido à gravidade da crise, sobretudo em Manaus);
  • Bahia – 119.500 doses, população de 14.930.634 habitantes;
  • Rio Grande do Sul – 116.000 doses, população de 11.422.973 habitantes;
  • Paraná – 86.500 doses, população de 11.516.840 habitantes;
  • Pernambuco – 84.000 doses, população de 9.616.621 habitantes;
  • Ceará – 72.500 doses, população de 9.187.103 habitantes;
  • Goiás – 65.500 doses, população de 7.113.540 habitantes;
  • Pará – 49.000 doses, população de 8.690.745 habitantes;
  • Maranhão – 48.500 doses, população de 7.114.598 habitantes;
  • Santa Catarina – 47.500 doses, população de 7.252.502 habitantes;
  • Distrito Federal – 41.500 doses, população de 3.055.149 habitantes;
  • Paraíba – 36.000 doses, população de 4.039.277 habitantes;
  • Espírito Santo – 35.500 doses, população de 4.064.052 habitantes;
  • Rio Grande do Norte – 31.500 doses, população de 3.534.165 habitantes;
  • Alagoas – 27.500 doses, população de 3.351.543 habitantes;
  • Mato Grosso – 24.000 doses, população de 3.526.220 habitantes;
  • Piauí – 24.000 doses, população de 3.281.480 habitantes;
  • Mato Grosso do Sul – 22.000 doses, população de 2.809.394 habitantes;
  • Sergipe – 19.000 doses, população de 2.318.822 habitantes;
  • Rondônia – 13.000 doses, população de 1.796.460 habitantes;
  • Tocantins – 11.500 doses, população de 1.590.248 habitantes;
  • Amapá – 6.000 doses, população de 861.773 habitantes;
  • Acre – 5.500 doses, população de 894.470 habitantes; e
  • Roraima – 4.000 doses, população de 631.181 habitantes.
Veja Mais:  Quem está recebendo as doses disponíveis de Coronavac em cada estado brasileiro

Chegada

As doses importadas do Instituto Serum da Índia, um dos centros produtores da vacina de Oxford/AstraZeneca , chegaram à Fiocruz por volta de 1h deste sábado, após serem recebidas no Aeroporto Internacional Tom Jobim RIOGaleão, na zona norte do Rio. O avião que trouxe as vacinas de São Paulo, aonde chegaram da Índia em voo comercial, pousou no Rio às 22h.

Você viu?

Os ministros da Saúde, Eduardo Pazuello , de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade, e o embaixador da Índia no Brasil, Suresh Reddy estavam presentes. De lá, as doses seguiram em caminhões para Bio-Manguinhos/Fiocruz, onde foi feito o trabalho de análise de segurança com medição de temperatura e de etiquetagem dos dois milhões de doses.

Em agosto do ano passado, a Fiocruz assinou um acordo com a Oxford e a AstraZeneca para transferência de tecnologia e produção da vacina no Brasil. A expectativa é que a produção comece em março. Após a chegada das doses no Aeroporto do Rio, o ministro da Saúde disse que a chegada do lote é o início do processo no país. “Esses dois milhões de doses são apenas o início. É o começo do processo. Estamos negociando receber mais doses no começo de fevereiro e o IFA [Ingrediente Farmacêutico Ativo] necessário para que a Fiocruz comece a produzir até 15 milhões de doses por mês. Nosso país precisa de produção nacional”, disse Pazuello.

Veja Mais:  Novas variantes do coronavírus levantam incertezas sobre as vacinas

Vacina de Oxford já começou a ser aplicada

Receberam a vacina o infectologista do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas da Fundação Oswaldo Cruz (INI/Fiocruz) Estevão Portela e a médica pneumologista do Centro de Referência Professor Helio Fraga, também da Fiocruz, Margareth Dalcolmo. Os dois atuam na linha de frente da assistência a pacientes com covid-19 desde o início da pandemia e receberam as vacinas no Complexo da Fiocruz, na zona norte do Rio de Janeiro.

Após ser vacinada, a médica Margareth Dalcolmo disse que o dia é simbólico, de muita esperança e sobretudo de muita confiança nas instituições do país. Margareth Dalcolmo acrescentou que também é um dia para homenagear os profissionais de saúde do Brasil inteiro que estão de plantão nas unidades de terapia intensiva (UTIs) e nas emergências, cuidando diretamente dos pacientes.

“Estou seguramente sorrindo, mas pela esperança. Em primeiro lugar não é uma esperança vã, é uma esperança da confiança objetiva nas instituições brasileiras, na força do SUS e em todos que desde o início da pandemia, do carnaval do ano passado, estão comprometidos e continuam trabalhando”, disse.

A terceira pessoa a receber a dose foi a médica Sarah Ananda Gomes, que é coordenadora da equipe de Cuidados Paliativos no Hospital Felicio Rocho.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Israel começa a vacinar menores de 18 anos com imunizante da Pfizer

Publicado


source
Israel vai vacinar adolescentes entre 16 e 18 anos contra Covid-19
Pixabay/Creative Commons

Israel vai vacinar adolescentes entre 16 e 18 anos contra Covid-19

Israel avançou mais algumas casas com sua campanha de vacinação contra a Covid-19 neste domingo (24), ao incluir jovens de 16 a 18 anos. A medida, divulgada pelas autoridades de saúde, foi apresentada como um esforço para permitir que os adolescentes possam fazer provas e vestibulares em segurança.

O diretor-geral do Ministério da Saúde, Hezi Levy, disse em entrevista a uma rádio local que, embora não se tenha muita informação sobre a vacinação em jovens, os possíveis efeitos colaterais são inferiores às vantagens de se vacinar.

“Esta vacina não é diferente das vacinas contra outras doenças virais. E já foi testada com sucesso”, disse.

Você viu?

Israel lançou uma campanha de vacinação em 19 de dezembro com foco nos idosos, aqueles com comorbidades médicas e trabalhadores de saúde que atuam na emergência. Mais de um quarto de seus cidadãos já receberam a vacina da Pfizer  produzida em parceria com a BioNTech, segundo as autoridades de saúde.

O país lidera no ranking mundial de vacinados, proporcionalmente à sua população. Mesmo assim, o governo decretou a continuação do confinamento nacional, pelo menos até o fim do mês, devido ao aumento no número de infecções.

As autoridades locais já haviam anunciado, no último dia 20, a inclusão de mulheres grávidas entre os grupos que têm acesso prioritário às vacinas contra a Covid-19, alegando não ver riscos para elas ou para os fetos, disse o governo nesta quarta-feira. A vacinação de gestantes é uma polêmica no mundo, uma vez que elas não participaram dos estudos feitos com as vacinas sobre segurança e eficácia.

A decisão seguiu-se à hospitalização nesta semana de várias mulheres grávidas com complicações da Covid-19 em meio a contágio crescente do novo coronavírus. Pelo menos uma foi colocada em um respirador e seu bebê nasceu por cesariana.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Fiocruz começa a aplicar vacina de Oxford; infectologista é o primeiro a receber

Publicado


source
Vacinação com imunizante de Oxford começa no Brasil
Patrick T. Fallon/Divulgação

Vacinação com imunizante de Oxford começa no Brasil

A Fundação Oswaldo Cruz ( Fiocruz ) iniciou na tarde deste sábado (23) a aplicação das primeiras doses da vacina Oxford/AstraZeneca , que chegaram ao Brasil ontem em um voo da Índia .

O infectologista do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI/Fiocruz), Estevão Portela, foi o primeiro profissional de saúde a ser vacinado pelo imunizante. Ao todo, 10 pessoas receberam a vacina, incluindo a médica pneumologista do Centro de Referência Professor Hélio Fraga, da Fiocruz, Margareth Dalcolmo.

A Fiocruz liberou as doses para serem entregues ao Ministério da Saúde e, em seguida, distribuídas pelo Brasil, após realizar um processo de análise de segurança. O governo prevê entregar todas as doses no domingo (24).

Os estados que mais receberão ampolas são: São Paulo (501.960), Minas Gerais (190.500), Rio de Janeiro (185.000), Amazonas (132.500), Bahia (119.500) e Rio Grande do Sul (116.000).

As vacinas foram fabricadas pelo Instituto Serum, na Índia , e eram aguardadas desde sábado passado (16), mas sofreram atraso no envio por questões internas da Índia .

Você viu?

Durante esta madrugada, as doses tiveram a temperatura avaliada e, na sequência, foram etiquetadas. Cada uma das caixas tem 50 frascos e 500 ampolas do imunizante .

A vacina de Oxford /AstraZeneca apresentou eficácia média de 70,42%, segundo estudo preliminar publicado na revista científica The Lancet no início de dezembro e validado pela Anvisa

Veja Mais:  Novas variantes do coronavírus levantam incertezas sobre as vacinas

Ele utiliza um adenovírus que provoca resfriado em chimpanzés e é inofensivo para humanos, mas contendo a sequência genética responsável pela codificação da proteína “spike”, usada pelo novo coronavírus  (Sars-CoV-2) para atacar.

Essa sequência genética instrui as células humanas a produzirem a proteína, que será reconhecida como agente invasor pelo sistema imunológico , estimulando a geração de anticorpos . O método é um dos mais tradicionais na produção de vacinas.

A vacina de Oxford é o segundo imunizante aprovado para uso no território brasileiro depois da CoronaVac , desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

CAMPANHA COVID-19 ALMT

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana