conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Nacional

Veja argumentos de ministros do STF no julgamento sobre prisão após 2ª instância

Publicado

stf arrow-options
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Julgamento sobre a validade da prisão em segunda instância do Supremo Tribunal Federal (STF)

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, nesta quinta-feira (7), que a prisão dever ser decretada apenas após o trânsito em julgado, isto é, quando todos os recursos do processo forem analisados. Com isso, a Corte mudou o entendimento que tinha, desde 2016, que previa que o réu já poderia ser preso logo após a segunda instância. O julgamento terminou com um placar de seis votos favoráreis a aguardar o esgotamento do processo a cinco pela execução antecipada da pena. O presidente do STF, Dias Toffoli, foi o último dos ministros a dar seu parecer, que desempatou a decisão.

Veja como votou cada um dos ministros do Supremo:

À favor da prisão apenas após o trânsito em julgado

Dias Toffoli

Considerou inconstitucional a prisão após segunda instância . Argumentou que há compatibilidade entre o artigo 5ª da Constituição, que diz que ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado, e o artigo 283 do Código de Processo Penal, que afirma que ninguém poderá ser preso se não em flagrante delito ou em decorrência de sentença condenatória transitada em julgada.

Leia também: Moro na ‘mira’, apoio da Argentina e nova oposição: os próximos passos de Lula

Celso de Mello

Ao defender o cumprimento da pena apenas após o trânsito em julgado , sustentou que não há impedimento para que investigados sejam detidos antes da condenação, desde que a prisão antecipada esteja sustentada, e citou a previsão de prisão em flagrante, temporária e preventiva. Rebateu críticas de que há excesso de recursos: “Este não é um problema do Judiciário, é um problema da lei”.

Veja Mais:  Comissão do coronavírus debate tabelamento de preços e requisição de medicamentos

Gilmar Mendes

Ao votar contra a prisão após a segunda instância, explicou que mudou de posição por avaliar que houve “desvirtuamento” da decisão do Supremo de 2016 sobre o tema pelas instâncias inferiores, que passaram a adotar a medida como regra. “Decidiu-se que a execução da pena após condenação em segunda instância seria possível, mas não imperativa”, criticou o ministro.

Leia também: Primeiro ato de Lula após ser solto será em frente à PF de Curitiba 

Ricardo Lewandowski

Ao votar contra a prisão após segunda instância, defendeu que a Constituição não permite margem de interpretação e criticou o alto número de prisões automáticas, o que chamou de “retrocesso jurisprudencial”. Ressaltou que a presunção de inocência é uma “salvaguarda do cidadão” diante da possibilidade de erros judiciais em um sistema com cerca de 100 milhões de ações para 17 mil juízes.

Rosa Weber

Argumentou que a Constituição define expressamente como prazo para tornar o réu culpado o trânsito em julgado e que o STF é o guardião do texto constitucional, não seu autor: “Goste eu pessoalmente ou não, esta é a escolha político-civilizatória manifestada pelo poder constituinte. Não reconhecê-la importa reescrever a Constituição para que ela espelhe o que gostaríamos que ela dissesse”.

Leia também: STF determina fim de prisão após segunda instância

Marco Aurélio Mello

Para o relator, a Constituição “não abre campo a controvérsias semânticas” e as únicas exceções para execução provisória da pena devem ser os casos de prisão preventiva previstos no Código Penal. O ministro também citou no voto a superlotação dos presídios e a alta proporção de presos provisórios. “Inverte-se a ordem natural para prender e, depois, investigar”, criticou.

Veja Mais:  Davi Alcolumbre quer reuniões semanais do Congresso Nacional

À favor da prisão logo após a condenação em segunda instância

Cármen Lúcia

Para a ministra, que votou pela prisão após segunda instância, a maior possibilidade de recursos aumenta as chances de prescrição. No voto, enfatizou que a eficácia do direito penal parte da certeza do cumprimento das penas e que, sem ela, impera a impunidade. Defendeu que o benefício não favorece os mais pobres, mas quem tem condição de contratar advogados e recorrer indefinidamente.

Leia também: Toffoli fica com ‘voto minerva’ no julgamento de prisão em segunda instância

Luiz Fux

Votou pela possibilidade de execução provisória da pena sob o argumento de que o princípio da presunção de inocência não tem vinculação com a prisão . “À medida que o processo vai tramitando, essa presunção de inocência vai sendo mitigada. Há uma gradação”, disse. Destacou ainda que as instâncias superiores (STF e STJ) não analisam mais a autoria e a materialidade do crime.

Luís Roberto Barroso

Sustentou que o cumprimento da pena apenas após o trânsito em julgado contribui para a impunidade ao incentivar a interposição de recursos protelatórios. “Nada disso estaria acontecendo se os processos demorassem o que têm que demorar”, disse. Destacou que o índice de encarceramento e de prisões provisórias diminuiu após o STF mudar o entendimento sobre a prisão após a segunda instância.

Leia também: “Augusto Nunes não teve opção”, diz Eduardo Bolsonaro sobre agressão a Glenn

Veja Mais:  Projeto obriga poder público a garantir hospedagem a profissionais de saúde durante a pandemia

Edson Fachin

Argumentou que é inviável sustentar que toda e qualquer prisão só pode ocorrer após o último recurso. Citou a jurisprudência da Corte Interamericana e da Corte Europeia, nas quais o alcance da presunção de inocência é delimitado e, entre seus direitos, não está ser preso só após o trânsito em julgado. “O tratamento processual do acusado não se confunde com a possibilidade de se realizar sua prisão”.

Alexandre de Moraes

Considerou que cabe às chamadas instâncias ordinárias (primeiro e segundo graus) o exame dos fatos e das provas e que, por isso, a condenação em segunda instância esgota a análise probatória e afasta o princípio da presunção de inocência. “As instâncias ordinárias não podem ser transformadas em meros juízos de passagem sem qualquer efetividade de suas decisões penais”, enfatizou.

Comentários Facebook

Nacional

Comissão promove debate sobre a atuação do Poder Judiciário na pandemia

Publicado


.

A Comissão Externa da Câmara sobre ações contra o Coronavírus promove audiência pública na quinta-feira (4) sobre a atuação do Poder Judiciário na pandemia da Covid-19.

O debate está marcado para as 14 horas, no plenário 3, e será interativo.

Banners - geral - audiência interativa comissões bate-papo

 

Da Redação –

Comentários Facebook
Veja Mais:  Comissão promove debate sobre a atuação do Poder Judiciário na pandemia
Continue lendo

Nacional

Projeto autoriza desempregado a sacar FGTS em situação de calamidade

Publicado


.

Para ajudar o trabalhador em tempos de pandemia, o senador Confúcio Moura (MDB-RO) apresentou projeto que autoriza o desempregado a sacar o FGTS em situação de calamidade. As únicas exigências previstas no PL 2.602/2020 são a comprovação da inexistência de vínculo de trabalho e o decreto de calamidade pública. Os detalhes com o repórter Pedro Pincer, da Rádio Senado.

Comentários Facebook
Veja Mais:  Comissão promove debate sobre a atuação do Poder Judiciário na pandemia
Continue lendo

Nacional

Davi Alcolumbre quer reuniões semanais do Congresso Nacional

Publicado


.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, está organizando um calendário para a apreciação de vetos presidenciais com reuniões semanais do Congresso. Atualmente, 18 vetos trancam a pauta de votação. Entre eles estão os vetos ao projeto que prevê o fornecimento de sangue a todos os pacientes do SUS e ao que prorroga o prazo para utilização do Recine. A reportagem é de Marcella Cunha, da Rádio Senado, da Rádio Senado

Comentários Facebook
Veja Mais:  Projeto obriga poder público a garantir hospedagem a profissionais de saúde durante a pandemia
Continue lendo

Câmara Municipal de Rondonópolis

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana