Saúde

Vírus pode ficar ativo por mais de 14 dias em quem possui sintomas leves

Publicado


source
A descoberta foi feita pelo Instituto de Medicina Tropical da Universidade de São Paulo
Foto: Olhar Digital

A descoberta foi feita pelo Instituto de Medicina Tropical da Universidade de São Paulo

Um novo estudo revela que o vírus da Covid-19 pode permanecer ativo no corpo por mais de 14 dias em pacientes infectados que tenham sintomas leves da doença. A descoberta foi feita pelo Instituto de Medicina Tropical da Universidade de São Paulo.

Os dados são importantes pois 14 dias é o tempo de isolamento pedido no Brasil para pacientes diagnosticados com Covid-19 em seu estágio leve. Ou seja, se mesmo após esse período a pessoa permanecer infectada, pode continuar contaminando outros indivíduos.

O estudo analisa o caso de duas mulheres na faixa dos 50 anos. Uma delas foi diagnosticada com Covid-19 em abril de 2020, 22 dias após o começo dos sintomas. Durante o período, ela chegou a ter náusea, vômito, perda de olfato e paladar, mas se recuperou. No entanto, 37 dias após o começo dos sintomas, um segundo teste também deu positivo. A recuperação completa só ocorreu em meados de maio.

No segundo caso estudado, a mulher teve febre, dor de cabeça, tosse, fraqueza, coriza, náusea, dor no corpo e nas articulações em maio de 2020. O primeiro teste PCR foi feito cinco dias após o início dos sintomas e deu positivo. Ela fez um segundo teste após 24 dias e, novamente, foi dada a presença do vírus.

Veja Mais:  Brasil registra menor média móvel de mortes desde o início da pandemia

“Por se tratar de casos atípicos, as amostras de secreção nasofaríngea coletadas para diagnóstico foram levadas ao IMT-USP para uma análise aprofundada. O material foi inoculado em uma cultura de células epiteliais e, após diversos testes, confirmamos que o vírus ali presente ainda estava viável, ou seja, era capaz de se replicar e de infectar outras pessoas”, conta Maria Cassia Mendes-Correa, chefe da pesquisa, à Agência FAPESP.

Covid-19 ativa após 14 dias

As duas mulheres estudadas, que tiveram o vírus identificado por mais de 14 dias, fizeram parte do Programa Corona São Caetano, uma plataforma online criada para organizar o monitoramento remoto de moradores com sintomas de Covid-19 por equipes de saúde e a coleta domiciliar de amostras para diagnóstico. 50 pessoas do projeto estão foram acompanhadas pelos cientistas.

Você viu?

“As análises indicam que o RNA viral permanece detectável por mais tempo na saliva e na secreção nasofaríngea. Em 18% dos voluntários, o teste de RT-PCR nesse tipo de amostra permaneceu positivo por até 50 dias. Entre estes, 6% mantiveram-se transmissores [com o vírus da Covid-19 ainda se multiplicando] durante 14 dias”, completa Mendes-Correa.

“O fato de o vírus permanecer se replicando no organismo por tanto tempo favorece a seleção de mutações que conferem vantagens ao microrganismo. Esse paciente tem um alto grau de imunossupressão e está sendo monitorado de perto, dentro de um protocolo de pesquisa. Mas também é preciso se preocupar com a parcela da população que apresenta graus mais leves de imunossupressão, como os portadores de doenças autoimunes [que fazem uso de fármaco imunossupressores], por exemplo”, finaliza a especialista.

Via Agência Fapesp

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook

Saúde

Boa alimentação pode ajudar a prevenir câncer de mama

Publicado

Nutricionista Igor Oliveira- Foto: Assessoria

Com expectativa de mais de 60 mil novos casos de câncer de mama no Brasil, somente em 2021, a prevenção e o diagnóstico precoce, segundo os médicos, são a melhor forma de diminuir ou estabilizar esses números no país. Durante o Outubro Rosa, especialistas de diversas áreas da saúde sensibilizam a população sobre a importância de prevenir e diagnosticar precocemente o câncer de mama.

A boa alimentação, rica em verduras e vegetais, por exemplo, é fundamental tanto para a prevenção ou para o tratamento de diversos tipos de câncer. É o que explica o nutricionista do Sistema Hapvida, Igor Oliveira. “Quanto mais colorida for sua salada, melhor. Isso vai fazer com que você consuma de forma adequada vários tipos de antioxidantes que vão auxiliar na prevenção do câncer”, destaca.

O profissional também orienta para que as pessoas continuem se alimentando de frutas, com pelo menos três porções ao dia. Oliveira também lembra a importância de incluir nas refeições alimentos que regulam o intestino, como cereais integrais, aveia e arroz integral.

Tão importante quanto a ingestão de alimentos sólidos, está a necessidade da ingestão regular de água e sucos naturais. O líquido, explica, é o principal regulador do metabolismo no organismo, o que de fato também ajuda na prevenção de várias doenças, incluindo o câncer de mama.

Por último, o nutricionista Igor Oliveira orienta as pessoas a substituírem o sal e temperos prontos por temperos naturais. “Ervas como orégano, alecrim, manjericão são potentes alimentos ricos em antioxidantes, e vai fazer com que você, além de auxiliar na prevenção do câncer, melhore o sabor da sua comida”, finaliza.

Veja Mais:  Brasil registra menor média móvel de mortes desde o início da pandemia

Sobre o Sistema Hapvida

Com mais de 7,1 milhões de clientes, o Sistema Hapvida hoje se posiciona como um dos maiores sistemas de saúde suplementar do Brasil presente em todas as regiões do país, gerando emprego e renda para a sociedade. Fazem parte do Sistema as operadoras do RN Saúde, Medical, Grupo São José Saúde, Grupo Promed, além da operadora Hapvida e da healthtech Maida. Atua com mais de 37 mil colaboradores diretos envolvidos na operação, mais de 15 mil médicos e mais de 15 mil dentistas. Os números superlativos mostram o sucesso de uma estratégia baseada na gestão direta da operação e nos constantes investimentos: atualmente são 47 hospitais, 199 clínicas médicas, 47 prontos atendimentos, 172 centros de diagnóstico por imagem e coleta laboratorial.

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Brasil registra menor média móvel de mortes desde o início da pandemia

Publicado

Foto: Assessoria

Em 19 de abril de 2021 o Brasil registrou a maior média móvel de morte em decorrência da covid-19: cerca de 3 mil óbitos diários. Hoje (19), exatos seis meses após o ápice, o Ministério da Saúde informa que a vacinação em massa contra a doença surtiu efeito. Segundo a pasta, a queda no número de óbitos foi de quase 90% – tendência que se acumula desde junho.

O boletim divulgado na noite de ontem (18) mostra que a média móvel de mortes está em 379,5, acompanhada pela queda expressiva também no número de novos casos da doença, que está em 12,3 mil ao dia.

“Nós temos um Sistema Único de Saúde (SUS) forte, com mais de 38 mil salas de vacinação, capaz de vacinar mais de 2 milhões de brasileiros e um governo extremamente preocupado com a vida. Por isso, adquiriu mais de 550 milhões de doses de vacinas [contra a] covid-19, investiu bilhões com habilitação de leitos de unidades de terapia intensiva (UTIs) e vacinou mais de 90% da população brasileira com a primeira dose. Vacina é a saída para acabar com o caráter pandêmico da doença. Só assim vamos retornar para o nosso normal”, afirmou em nota o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

Segundo Queiroga, o sucesso da ampla campanha de vacinação deve se estender para 2022 com a compra antecipada de 354 milhões de doses de vacinas aprovadas no país. O plano de vacinação para 2022 foi apresentado no início do mês de outubro.

Veja Mais:  Brasil registra menor média móvel de mortes desde o início da pandemia

“Nós já temos asseguradas mais de 300 milhões de doses para vacinar a nossa população. É uma vacinação um pouco diferente do que aconteceu em 2021, porque não é uma vacinação primária. Mas, o mais importante é: teremos doses de vacinas para todos”, declarou Queiroga.

O painel de vacinação do Ministério da Saúde mostra que mais de 108 milhões de brasileiros já cumpriram integralmente o esquema vacinal. Essa população corresponde a 68% do público-alvo da campanha do Programa Nacional de Imunização (PNI). A ferramenta informa, ainda, que 3,6 milhões de pessoas já tomaram a dose de reforço, recomendada para pessoas acima de 60 anos, imunossuprimidos (aqueles cujos mecanismos normais de defesa contra infecção estão comprometidos) e profissionais de saúde.

Edição: Pedro Ivo de Oliveira

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Maus hábitos alimentares e sedentarismo levam à obesidade

Publicado

Especialista aponta que mudança de estilo de toda família é fundamental para garantir uma vida saudável

Arnaldo Patrício

A demonização de certos tipos de alimentos e gorduras boas a partir da década de 60 foi um dos fatores que ocasionou surtos de obesidade. Essa é a opinião do médico especialista em emagrecimento e longevidade do Hospital São Judas Tadeu, Arnaldo Patrício. Ele exemplifica que há meio século, acreditava-se que ovos, manteiga e banha eram ruins para a saúde e que a introdução de alimentos ricos em carboidratos na alimentação era incentivada. Combater esses mitos e estimular dietas equilibradas são temas a serem debatidos neste dia 11 de outubro, Dia Nacional de Prevenção da Obesidade.

“Os fast foods, os alimentos industrializados e a mudança de hábitos de vida provocaram uma epidemia de obesidade”, explica Patrício. “O intenso lobby da indústria alimentícia para vender mais produtos industrializados e inibir o consumo de verduras foi um verdadeiro crime contra a humanidade”, complementa.

O especialista explica que a gordura causa muitos problemas, pois produz citosinas que inflamam e predispõe o organismo a doenças como a hipertensão, doenças respiratórias, doenças psíquicas e emocionais, vários tipos de câncer e a diabetes tipo 2. “A diabetes expõe o indivíduo a doenças vasculares cerebrais, infartos, a perda da visão, a insuficiência renal, infarto. Isso ficou bem evidente na pandemia”, destaca.

O que pode levar uma pessoa a obesidade depende de muitos fatores, mas um estudo do Ministério da Saúde do ano passado apontou que 12,4% das crianças de 0 a 9 anos em Mato Grosso estão com excesso de peso.  Ou seja, uma a  cada 10 crianças estão acima do peso.

Veja Mais:  Boa alimentação pode ajudar a prevenir câncer de mama

Já dados da Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), que é realizado desde 2006 em todas as capitais e no Distrito Federal, aponta que Cuiabá é a segunda capital  com maior número de homens obesos, com 25,4%, ou um a cada quatro homens. A Vigitel também demonstrou que o índice tem aumentado ao longo dos anos, o que indica pouca mudança em termos de comportamento de consumo.

Um exemplo é o consumo de refrigerantes. O estudo também revelou que as mulheres cuiabanas estão em terceiro lugar no consumo de refrigerante. De acordo com o levantamento, 15,3% das entrevistadas afirmaram consumir refrigerante mais de cinco vezes por semana.

Arnaldo Patrício observa que o comportamento dos adultos impacta diretamente nos hábitos alimentares de crianças e adolescentes. Todos devem ser tratados com a melhora do hábito alimentar. “Não adianta conversar com a mãe e à noite o pai chegar com refrigerante e um monte de pizza. É necessário tratar os pais, tratar somente os pequenos não adianta. Tem que ser a família inteira”, afirma.

Mudanças no estilo de vida

Não existe forma de se tratar o excesso de peso sem adotar um estilo de vida saudável, com menos consumo de alimentos calóricos e mais exercícios físicos.

Para crianças e adolescentes, modificar o estilo de vida significa mudar hábitos familiares, que muitas vezes são resultado de nossa forma de pensar. Por isso, é muito importante procurar um médico especialista que poderá indicar tratamentos auxiliares como acompanhamento psicológico, uso de medicamentos, entre outros.

Comentários Facebook
Continue lendo

ALMT – Campanha Fake News II

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana