Tecnologia

YouTube remove 14 lives do canal de Bolsonaro por violação de políticas da rede

Publicado


source
Bolsonaro em live com a ministra Damares Alves
Reprodução/Facebook

Bolsonaro em live com a ministra Damares Alves

O YouTube removeu 15 vídeos do canal oficial do presidente Jair Bolsonaro por violação das políticas da rede social. De acordo com a rede, Bolsonaro violou as políticas de informações médicas  ao propagar medidas ineficazes contra à Covid-19, como uso da cloroquina e ivermectina

Das 15 gravações removidas, 14 são lives apresentadas pelo presidente às quintas-feiras. Em duas delas, Bolsonaro estava ao lado do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello e da ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves. Em outra live, o presidente comentava a defesa da médica Nise Yamaguchi para uso de medicamentos ineficazes contra a doença.

“Após análise cuidadosa, removemos vídeos do canal Jair Bolsonaro por violar nossas políticas de informações médicas incorretas sobre a Covid-19. Nossas regras não permitem conteúdo que afirma que hidroxicloroquina e/ou ivermectina são eficazes para tratar ou prevenir Covid-19; garante que há uma cura para a doença; ou assegura que as máscaras não funcionam para evitar a propagação do vírus”, afirmou o YouTube, em comunicado à imprensa. 

Além das retiradas dos vídeos, Bolsonaro recebeu uma notificação de possibilidade de bloqueio de seu canal caso não respeite as políticas da empresa. 

Veja Mais:  Jogos de graça! Amazon libera 28 games sem pagar nada; veja quais

Essa não é a primeira vez em que Bolsonaro tem vídeos bloqueados pelo YouTube. Em abril, a plataforma removeu cinco vídeos do presidente por conta de divulgação de desinformação sobre a Covid-19 . Há dois meses,  outros 11 vídeos foram excluidos da rede .

Na época, a rede não notificou a possibilidade de bloqueio da conta, mas, após alterações na política de privacidade em abril, a plataforma poderá excluir a conta de Jair Bolsonaro em caso de reincidência. 

Comentários Facebook

Tecnologia

Google, Gmail e YouTube vão barrar login em celulares Android muito antigos

Publicado


source

Tecnoblog

Google bloqueia apps de Android antigo
Unsplash/Kai Wenzel

Google bloqueia apps de Android antigo

O Google vai barrar o login em serviços como Gmail e YouTube em celulares com versões muito antigas do Android. Um comunicado da empresa aos usuários diz que as proibições vão começar a partir de 27 de setembro, e valem para quem usa Android 2.3.7 Gingerbread ou inferior.

Segundo a companhia, o motivo para o encerramento do login nestes aparelhos é a falta de segurança. “Como parte de nossos esforços contínuos para manter nossos usuários seguros, o Google não permitirá mais login em dispositivos Android que executam Android 2.3.7 ou inferior a partir de 27 de setembro de 2021”, disse Zak Pollack, gerente da comunidade de ajuda do Android.

A proibição afeta todos os apps do Google — usuários que deslogarem de suas contas não poderão mais checar e-mails, obter histórico de navegação do Google Maps e muito mais. O fim do suporte a contas Google no Android 2.3.7 pode resultar em erros de nome de usuário ou senha ao tentar acessar produtos do Google.

Você viu?

A companhia afirma ainda que a criação de novas contas Google não poderá ser realizada nestes dispositivos. Caso o usuário tente redefinir as configurações de fábrica do aparelho, não será possível realizar um novo login. Redefinições de senha também irão interromper o uso da conta nos celulares com sistema defasado.

Veja Mais:  Fãs da Samsung pedem novo Galaxy Note no lugar do S22

Google fornecerá solução alternativa via web

Sabemos que quem ainda utiliza o Android 2.3.7, lançado em dezembro de 2010, dificilmente faz isso porque quer — provavelmente o aparelho não suporta uma versão superior do sistema. O Google incentiva o uso do Android 3.0 ou superior, mas caso isso não seja possível, há uma forma alternativa de usar alguns serviços.

“Se você não pode atualizar seu dispositivo para uma versão mais recente do Android (3.0+), você pode tentar fazer login em sua conta do Google no navegador da web do seu dispositivo. Você ainda pode usar alguns serviços do Google quando conectado ao Google no navegador do seu dispositivo”.

Para acessar sua Conta do Google e e-mail em seu dispositivo usando um navegador da web, siga os passos abaixo:

  1. Abra o aplicativo do navegador do seu telefone.
  2. Acesse sua conta em myaccount.google.com.

Você também poderá acessar o Gmail em mail.google.com, pelo navegador.

Comentários Facebook
Continue lendo

Tecnologia

Novo vírus grava a tela do celular para roubar senhas; saiba se proteger

Publicado


source
Hackers invadem smartphones
Unsplash/Mika Baumeister

Hackers invadem smartphones

Um novo vírus chamado Vultur consegue se instalar em smartphones, gravar a tela e roubar os dados que são digitados no teclado. O malware pode roubar senhas de aplicativos bancários e outros dados sensíveis e, de acordo com relatório da empresa de segurança Threat Fabric, divulgado na quinta-feira (29), já infectou entre 5 mil e 8 mil celulares.

Inicialmente, o vírus, que fica escondido em aplicativos maliciosos, foi desenvolvido para roubar dados bancários em países europeus. Depois, ele passou a acessar também serviços de pagamentos digitais, carteiras de criptomoedas, mensageiros e redes sociais.

Sem que o usuário perceba, o Vultur ativa o sistema de captura de tela e envia todas as informações a um cibercriminoso. Esse acompanhamento humano serve para que o hacker vá extraindo as informações relevantes, como senhas, conforme a vítima usa o smartphone.

De acordo com o relatório, o vírus se instala diretamente pela Google Play Store, ou seja, vem “embutido” em aplicativos falsos. “Pela primeira vez estamos diante de um trojan bancário para Android que usa gravação de tela e keyloggin como estratégia principal para coletar dados de login de forma automatizada e escalonável”, diz o documento.

Para se previnir de golpes como esse, é importante tee um antivírus instalado e atualizado no celular. Confira aqui algumas opções gratuitas .

Comentários Facebook
Continue lendo

Tecnologia

Sony consegue bloqueio de 47 serviços piratas para Olimpíadas de Tóquio

Publicado


source

Tecnoblog

Pirataria é combatida
Unsplash/Austin Neill

Pirataria é combatida

A Sony Pictures obteve uma liminar na Justiça da Índia para bloquear 47 sites piratas que poderiam transmitir as Olimpíadas de Tóquio sem autorização. Além de pagar pelos direitos exclusivos de transmissão no país, a empresa entrou em acordo com o Comitê Olímpico Internacional (COI) para ser a emissora oficial dos jogos em mais 6 países da região, como Paquistão e Bangladesh.

Sony identifica 70 serviços piratas que transmitem jogos

No ofício enviado à Justiça, a Sony Pictures declara que é dona de uma rede de televisão de dez canais chamada Sony Ten Network — todos têm o direito de transmissão das Olimpíadas de Tóquio. O advogado da emissora no processo, Abhishek Malhotra, afirma que a empresa identificou 40 sites e 30 serviços de TV a cabo e multiplataforma ilegais que divulgam os jogos.

O despacho emitido pelo juiz da Corte de Nova Déli no dia 19 de julho confere vitória à Sony Pictures, que pretende manter sua exclusividade para transmitir os jogos olímpicos num momento em que a pandemia obriga a maioria dos indianos a permanecer no país.

Você viu?

Mesmo com restrições de público nos locais das competições, a audiência das Olimpíadas de Tóquio chega na casa dos bilhões, de quem acompanha à distância pela TV ou Internet.

Para estabelecer um parâmetro, o advogado da Sony aponta um caso que pedia o bloqueio do site pirata 1337x.to na Índia. A partir desse exemplo, ele alega que é possível identificar um padrão semelhante de violação em outros 47 serviços que também deveriam ser restritos; o único explicitamente citado no processo é o Yallashootextra.com .

Juiz obriga 30 operadoras de internet a barrar sites piratas

Segundo o documento, 30 operadoras de internet são obrigadas a barrar 47 domínios de sites de pirataria, além de quaisquer sites criados para contornar a restrição imposta pela decisão judicial. Desta forma, o juiz acabou emitindo uma ordem para banir páginas que sequer existem.

Na ordem judicial do dia 19, o juiz J. C. Hari Shankar, de Nova Déli, proíbe os 47 sites de “hospedar [material das Olimpíadas de Tóquio], reproduzir, distribuir, tornar disponível ao público ou comunicá-lo sobre qualquer conteúdo sem autorização ou com licença de transmissão oficial em canais locais”. Desta forma, os endereços piratas são proibidos de sequer divulgar os jogos.

A medida está em vigor até o dia 29 de setembro. Até lá, as Olimpíadas de Tóquio terão se encerrado. Mas como a liminar proíbe qualquer tipo de reprodução de conteúdo exclusivo da Sony, é capaz de que essa briga na Justiça da Índia continue quente.

Comentários Facebook
Continue lendo

ALMT – Campanha Fake News II

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana