Artigos

Narcisismo, redes sociais e o medo do diferente

Publicado

Sandra Araujo Hott

Narciso acha feio o que não é espelho, diria Caetano Veloso. Nos consultórios, ouvimos pessoas sofrendo por ter um corpo que transpira, se cansa, tem espinhas e fraqueja, um corpo que perece e parece radicalmente diverso das infinitas cópias. Teremos nos desacostumado aos rostos vivos com ângulos nem sempre belos ou felizes, mas vivos? Podemos pensar que o único filtro do corpo vivo é o da ilusão, da fantasia, recobrindo de desejo como um véu velando nossas fragilidades e medos.

 

A internet proporciona a disseminação de ideias e imagens em uma velocidade cada vez maior. Embora não esteja disponível para a maior parte da população mundial, a web é uma poderosa ferramenta de comunicação e aprendizagem para a humanidade.

Abra-se uma rede social qualquer e encontraremos um fenômeno curioso de apagamento gradual das peculiaridades, ou seja, dá a impressão de que as pessoas têm buscado parecer milimetricamente iguais. Embora existam excelentes profissionais, alguns processos de harmonização facial se assemelham mais a algum tipo de formatação facial. E nunca basta!

Lembramos do icônico ‘bico de pato’ que fez uma multidão de moças esticar seus lábios ao infinito ajudadas por toda sorte de cosméticos para dar-lhes volume e por exercícios em que usavam copinhos de sucção chineses. Pode-se ir mais além com algum dos inúmeros preenchimentos labiais para um efeito mais duradouro. E, a todo instante, surgem novos desenhos de lábios considerados mais belos.

Veja Mais:  Como a fumaça das queimadas pode prejudicar sua pele

Por algum tempo houve uma tempestade de fotos nas quais meninas procuravam algo que havia caído no chão – e que nunca aparecia na imagem – ou seguiam alguma trilha de formigas imaginárias. E, nova moda, formando uma infinita repetição de poses iguais em lugares iguais e com pessoas se querendo iguais.

Filtros e tutoriais de imagem seguem rechaçando sempre as diferenças. A busca por um ideal de beleza não é novo, assim como não são novas as rupturas provocadas pelos modismos. A novidade talvez seja o humano, com sua imagem especular, exposto em rede e os múltiplos recursos tecnológicos que possibilitam ter bocas, narizes, rostos parecidos. O que acontece nessa repetição infinita de querer caber naquilo que pensamos que o outro deseja de nós? Aqui, tanto Freud como Lacan teriam muitíssimo a contribuir, mas faremos apenas uma brevíssima reflexão.

A sensação de pertencimento é apaziguadora para o humano! Entretanto, para ser reconhecido por um grupo qualquer, são necessários rituais específicos que exibam as semelhanças e, simultaneamente, ocultem as diferenças. Sob o novo filtro, sob a intervenção estética ou sob a maquiagem, esse é o acordo necessário.

O mercado produz necessidades com o objetivo de vender saciedade, e os corpos viram objetos, assim como roupas, carros e perfumes. Um jovem pode sofrer indefinidamente por conta da imagem corporal que jamais se encaixará nas promessas das fotos retocadas tecnologicamente. A infelicidade ganha nome, é precificada, e recebe uma promessa de fim quando a moça passa a querer ‘fazer a boca’ de determinada celebridade ou se deseja alinhar o nariz. A falta constitutiva, porém, seguirá deslizando numa angústia infinita. Por fim, para nossa alegria ou tristeza, somos únicos. Cabe a cada um viver sua própria diferença do jeito que puder.

Veja Mais:  Abençoada Chuva do Caju!

(*) Com formação e mestrado em psicologia pela UFRJ, Sandra Araujo Hott é psicanalista, professora e supervisora clínica. Sandra tem 25 anos de experiência clínica e mais de 20 anos como professora e supervisora.

Artigos

Afinal, robôs vão substituir os jornalistas?

Publicado

“A missão desse artigo é perfeitamente clara. Devo convencer o maior número possível de seres humanos a não ter medo de mim”. A frase está logo nas primeiras linhas de um artigo publicado no início de setembro pelo britânico The Guardian. O título é um convite ao debate: “Um robô escreveu este artigo inteiro. Você ainda está com medo, humano?”.

O texto foi totalmente produzido a partir do GPT-3 (ou seja, a terceira versão do “Generative Pre-trained Transformer”), desenvolvido pelo programa de pesquisa em Inteligência Artificial OpenAI. O algoritmo baseia-se em tecnologias computacionais como processamento de linguagem natural, aprendizagem de máquina e redes neurais profundas — conceitos que estão por trás de qualquer discussão sobre inteligência artificial.

De uma forma mais simples: é um modelo probabilístico, baseado em um universo gigantesco de dados, que procura estabelecer relações sintáticas e semânticas. Assim, a máquina é capaz de calcular e predizer, a partir de alguns exemplos, qual deve ser a próxima palavra do texto.

No caso do artigo produzido para o The Guardian, o GPT-3 recebeu as seguintes ordens: produzir um pequeno artigo de opinião, com linguagem concisa e simples, cerca de 500 palavras, argumentando que os humanos não deveriam temer a IA”.

Foram produzidos oito textos diferentes. “Cada um era único, interessante e apresentava um argumento diferente”, apontou o editor do texto, que optou por usar trechos de cada um e ressaltar os diferentes estilos. “No geral, levou menos tempo para editar do que muitos artigos de opinião humanos”, concluiu.

Veja Mais:  Como a fumaça das queimadas pode prejudicar sua pele

Computadores-repórteres

Apesar do espanto provocado pela iniciativa, o uso de tecnologias baseadas em processamento de linguagem natural para produção de textos não é novidade. Para o professor da Northwestern University Nicholas Diakopoulos, a mídia se transforma desde o uso de técnicas baseadas em mineração de dados em reportagens investigativas, passando por outras iniciativas, como a otimização de notícias para distribuição em plataformas sociais.

Em seu livro Automating the News, lançado em 2019, Diakopoulos lembra ainda que agências de notícias utilizam processos automatizados para gerar notícias de finanças ou previsão do tempo há décadas. Empresas como a Narrative Science, fundada em 2010, ampliou este tipo de serviço.

Mais recentemente, em 2018, a agência britânica PA Media anunciou, em parceria com a Urbs Media, a iniciativa RADAR (Reporters and Data and Robots), gerando 250 mil artigos em seus primeiros 18 meses.

Ironicamente, a mesma PA Media viu 27 de seus colaboradores serem dispensados em maio deste ano. Eles prestavam serviço para a Microsoft, selecionando conteúdos para os agregadores da rede MSN e o navegador Edge. Todos foram substituídos por algoritmos.

“Eu passo todo o meu tempo lendo sobre como a automação e a inteligência artificial vão ocupar todos os nossos trabalhos, agora está ocupando o meu”, declarou um dos profissionais desligados.

175 bilhões de parâmetros

Será esse o futuro dos repórteres, já que um algoritmo avançado como o GPT-3 pode substituir um articulista?

Veja Mais:  Afinal, robôs vão substituir os jornalistas?

Professor da PUC-SP e pesquisador nas áreas de inteligência artificial, ciências cognitivas e computação social, Diogo Cortiz esclarece. “A posição dos principais pesquisadores na área de Inteligência Artificial é a de que o GPT-3 é um modelo muito bom, mas ainda está longe de fazer cruzamentos factuais ou inferências de causa e efeito”.

Ele detalhou o princípio de funcionamento deste modelo de linguagem num vídeo em seu canal do YouTube. O que chama a atenção é o volume de parâmetros, isto é, potenciais conexões que permitem ao algoritmo entender contextos. O GPT-3 possui 175 bilhões de parâmetros. Para se ter uma ideia, a segunda versão (GPT-2) continha 1,5 bilhão de parâmetros.

Cortiz explicou ainda que o modelo de processamento é “task-agnostic”, ou seja, não foi treinado para realizar uma tarefa específica. Isso significa que, com alguns exemplos, o GPT-3 é capaz de identificar padrões de linguagem capazes de, entre outras tarefas, traduzir um texto, produzir código de um software, criar protótipos de interfaces ou mesmo compor músicas.

Nicholas Diakopoulos enxerga restrições no processo de produção de notícias automatizadas, como a dependência de dados estruturados, a capacidade interpretativa dos sistemas e a qualidade de redação. Ao mesmo tempo, entende que atualizar-se é inevitável.

“Os jornalistas vão, sem dúvida, precisar de novas habilidades e treinamento para serem colaboradores de sucesso em um sistema híbrido de mídia. Acima de tudo, eles precisarão de conhecimentos relacionados aos algoritmos. O público em geral também se beneficiará com o desenvolvimento desse conhecimento à medida que passa a ter um contato cada vez maior com esses sistemas”, aponta, em seu livro.

Veja Mais:  A conta da pandemia e os caminhos para a retomada da economia

Não trabalhe como um robô

O uso de inteligência artificial em tarefas envolvendo grandes bases de dados foi o tema da edição #111 do Podcast-se. Nele, o CEO do Grupo Comunique-se, Rodrigo Azevedo, apresentou em detalhes as técnicas usadas pelos algoritmos do Influency.me para identificar potenciais influenciadores digitais, categorizar os assuntos tratados por eles e traçar um perfil de sua audiência — incluindo dados geográficos e de reconhecimento facial.

“Há uma avalanche de dados sobre novos perfis crescendo o tempo inteiro, é humanamente impossível acompanhar”, reforçou, valorizando ainda as tarefas que nenhuma inteligência artificial é capaz de fazer.

“Os robôs do Infuency.me organizam os dados. Mas o discernimento humano, para identificar as melhores escolhas, não dá para substituir por uma máquina. Se você não quer ser substituído por um robô, não trabalhe como um robô”, concluiu.

Por André Rosa- Canal Comunique-se

Continue lendo

Artigos

A conta da pandemia e os caminhos para a retomada da economia

Publicado

Foto: Assessorian

Em tempos de pandemia e de olho nos seus possíveis desdobramentos para nossa sociedade, governos, empresas e cidadãos têm se deparado com uma coleção de conjecturas e exercícios de futurologia na esteira do chamado ‘novo normal’. Independentemente do que virá a seguir já temos a certeza de que crises como essa escancaram um desafio novo de um problema muito antigo: o eterno desequilíbrio de forças entre os elos poderosos da cadeia produtiva e os setores mais fracos, sufocados pelo sistema predatório e pelo acúmulo cada vez maior de riquezas.

Exatamente por isso o mundo pós-pandêmico traz quatro grandes obstáculos a serem superados pela sociedade: aumento da pobreza, desemprego, o grande número de falências e a necessidade de mais eficiência na oferta de crédito.

Aqui na América Latina a projeção é que teremos um aumento de 5% na taxa de pobreza e 2,5 % de pobreza extrema. Isso equivale a 44,7 milhões de pessoas a mais que viverão em situação de precariedade ou mesmo miséria. Sem o apoio coletivo, os mais pobres não sobrevivem às crises, quaisquer que sejam elas. Muitos estão morrendo do vírus. E um número maior ainda de pessoas está morrendo da pior das mazelas causada pelo esgarçamento do tecido social. Está morrendo de fome.

No Brasil, já estávamos mergulhados numa crise resistente praticamente desde 2014, quando os banqueiros assumiram o processo decisório na área econômica e tivemos uma recessão em 2015 (-3,8% do PIB), outra em 2016 (-3,6% do PIB). O desemprego disparou, o endividamento das famílias cresceu, o investimento na economia se retraiu e o país nunca demorou tanto para sair de uma recessão. Desde então, vínhamos com um crescimento da ordem de 1% ao ano, que descontando crescimento demográfico, nos coloca num patamar de total paralisia.

Veja Mais:  Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais entra em vigor

Somado a isso carregamos uma herança estrutural também crítica, numa profunda desigualdade de renda, de emprego e de riqueza. Estamos entre os 10 países mais desiguais do planeta, onde seis famílias detém mais riqueza acumulada do que a metade mais pobre da população de 105 milhões de pessoas.

Verdade seja dita que o Governo Federal vinha tentando o reequilíbrio fiscal no período pré-pandemia, mas teve que colocar um pé no freio nas reformas estruturantes para priorizar as demandas crescentes por gastos emergenciais direcionados à saúde, à população vulnerável sem renda fixa, ao financiamento às micro, pequenas e médias empresas sem faturamento, e, também, ao socorro financeiro a estados e municípios com perdas enormes de arrecadação tributária.

Portanto, do ponto de vista sanitário, a crise ainda levará vários meses até ser sanada. Mas é imperativo iniciarmos um planejamento para o futuro próximo. Se por um lado a ampliação de despesas públicas foi até agora fundamental para manter os níveis de emprego e renda, por outro não é economicamente viável imaginar que o estado brasileiro tenha condições de perpetuar o atual nível de gastos.

E como administrar essa crise nesse final de 2020 e ainda se pensar na volta do crescimento econômico em 2021? Em outras palavras, como pagar a conta da pandemia e gerar investimentos para a retomada dos negócios no período pós-pandemia? Esse é o atual impasse político que permeia as divisões dentro do governo e as descoordenadas articulações dentro do Congresso Nacional. Seguir o caminho de conter gastos e o retorno da austeridade fiscal pré-pandemia ou aumentar os gastos públicos para dar início a uma agenda desenvolvimentista ancorada pelo Estado?

Veja Mais:  Descaso político e intelectual sofrido pelo Pantanal ganha destaque na mídia nacional

O dilema é o mesmo entre escolher o remédio doce e paliativo ou o amargo que cura. Em suma, precisamos entender que, de forma ainda mais grave do que antes da pandemia, teremos de retomar o debate sem saídas fáceis ou demagógicas sobre a necessidade de promover o equilíbrio fiscal por meio de uma melhor gestão dos recursos públicos, controle efetivo da taxa de juros e de programas que reduzam estruturalmente as despesas governamentais.

Euclides Ribeiro, advogado especialista em Recuperação de Empresas e Empresários Rurais e pré- candidato ao senado pelo Avante

Continue lendo

Artigos

Abençoada Chuva do Caju!

Publicado

A chuva do Caju é um termo da cuiabania para se referir a primeira chuva no mês de setembro após uma seca prolongada. Cientificamente é um fenômeno que acontece por causa da frente fria que vem do Sul do país, que se encontra com as altas temperaturas e pode causar as chuvas.
Tradicionalmente é a chuva do caju que dá o pingo de esperança para amenizar tanto calor nessa época do ano na capital mato-grossense.
Ano difícil, não só pelas queimadas, mas porque Cuiabá tem registrado as maiores temperaturas dos últimos tempos. Só em agosto, foram quatro dias seguidos com o termômetro chegando aos 40 graus e a sensação térmica de um calor maior ainda. As altas temperaturas aliada a escassez de chuvas proporciona uma baixa umidade do ar, isso faz com que o cuiabano espere muito essa chuva.
A esperança também está na beleza do mês de setembro, que traz consigo a primavera e a chuva do caju, e vem enfeitando as árvores da cidade, deixando-as floridas, o colorido da estação toma conta, deixando ainda mais belo o que já estava, já que o Ipê, uma exceção, em seu afã de colorir e embelezar as ruas e o cerrado quando se destaca em meio a um campo, colorindo aquilo que deveria ser feito de solidão, o Ipê não espera a chuva e em meio à seca que predomina nessa época do ano, dá um espetáculo de vida e cores na cidade e nos campos do cerrado.
Mas ela é ainda mais cobiçada, e a mais esperada por todos. Só temos a agradecer, ó abençoada, que chegou timidamente com seus dedos umedecidos, frios, trazendo alento ao céu cinzento de nossa capital. Torçamos para que venha mais encorpada, farta, mas em paz, molhando os nossos telhados, lavando as nossas calçadas, adoçando os nossos cajueiros e enchendo o nosso coração de frescor e amor por esse torrão no coração do Brasil. Seja bem-vinda a Cuiabá, abençoada chuva do caju.
FRANKES MARCIO BATISTA SIQUEIRA. Doutor em Cultura contemporânea e professor.

Veja Mais:  O câncer nunca espera
Continue lendo

CAMPANHA COVID-19 ALMT

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana