Política MT

WF rifa medeiros e aproxima aliança com Sachetti (PRB) na disputa ao senado

Publicado

Fonte: Assessoria

As vésperas do prazo final para as convenções partidárias, o senador e pré-candidato ao Governo do Estado, Wellington Fagundes (PR) vetou o nome do senador José Medeiros (Podemos) para compor aliança com o PR.

Segundo fontes, o motivo foi evitar uma chapa polarizada em Rondonópolis e buscar um nome mais popular e de partidos de esquerda.

De acordo com informações, a saída de Medeiros se dá após a chegada de Adilton Sachetti (PRB) na coligação. Ele seria um dos nomes da chapa para o Senado.

Com isso, a candidatura da ex-reitora da UFMT, Maria Lucia Cavalli Neder (PCdoB) deve ser oficializada. O nome dela, além de tirar da chapa a polarização de Rondonópolis, colocaria uma mulher de esquerda, atraindo assim votos mais populares. A chegada do PT na coligação, inclusive, é dada como certa.

Este argumento, inclusive, deve ser utilizado por Wellington Fagundes para justificar a retirada de Medeiros da chapa. O problema é que ela também deve significar na saída do PP, de Ezequiel Fonseca, da aliança com o PR.

Nas contas dos Progressistas, a chapa tem até o momento dois nomes fortes entre todos os partidos que compões a base de Wellington Fagundes, ambos do PP: Ezequiel Fonseca e Neri Geller. A chegada do PT traria para a coligação o nome do deputado federal Ságuas Moraes.

Com isso, José Medeiros e a ‘frentinha’ se uniriam ao PP, formando uma chapa avulsa, sem candidato ao Governo, para que o senador tivesse a possibilidade de tentar a reeleição. Para o PP, a vantagem seria poder eleger seus dois principais nomes, o que não seria possível com a chegada de Ságuas, que o próprio Progressistas entende que é mais forte, por exemplo, que Ezequiel Fonseca.

Comentários Facebook
Veja Mais:  Juntas, PECs  asseguram o pagamento em dia ao servidor e vinculam 10% das emendas para a segurança

Política MT

Deputado João Batista entrega resfriador de leite para assentamento de Campo Verde

Publicado

Foto: LUCIENE LINS

Os produtores rurais do assentamento 14 de Agosto, localizado no município de Campo Verde, foram beneficiados com um tanque de resfriamento de leite – adquirido através de emenda parlamentar do deputado estadual João Batista do Sindspen (PP). De acordo com o deputado, a destinação do maquinário realizada nessa quinta-feira (19), atendeu um pedido do vereador Miguel de Paula.

João Batista destaca que este benefício é importante para os pequenos produtores rurais, uma vez que vai ajudar inúmeras famílias da região, além de fomentar a produção do leite.

“Esse suporte aos pequenos produtores é de extrema importância porque conheço de perto as dificuldades que eles enfrentam. Com o resfriador, o produtor vai poder negociar o leite diretamente com o laticínio, tendo em vista que a conservação do produto se torna mais durável dentro dos resfriadores, fator que irá permitir maior lucro na venda do leite. Na ocasião, parabenizo a atuação do vereador Miguel de Paula, que nos trouxe essa demanda e está sempre atento às necessidades da população do município de Campo Verde”, disse o parlamentar. 

Para o vereador Miguel de Paula, o objetivo da ação é aumentar a produtividade e a qualidade do leite fornecido pelos pequenos produtores em Campo Verde.

“Eu, juntamente com os moradores do assentamento 14 de Agosto, agradecemos ao deputado João Batista que não mediu esforços para nos auxiliar na conquista desse importante equipamento para nosso município. A atividade leiteira tem papel importante na vida de muitas pessoas e na geração da receita mensal que contribui para a manutenção das famílias do nosso município”, concluiu.

Veja Mais:  Deputado Claudinei vai se filiar no PL nesta quinta-feira (3)

Fonte: ALMT

Comentários Facebook
Continue lendo

Política MT

Condenados por maus-tratos contra animais podem ser proibidos de novas adoções

Publicado

Foto: PEDRO LUIS VELASCO DE BARROS

A prática de maus-tratos a animais domésticos, silvestres, nativos ou exóticos no Brasil é crime previsto na Lei 9.605/98, com pena de 2 a 5 anos de prisão, além do pagamento de multa e inclusão do nome no registro de antecedente criminal, para quem for condenado.

Além do dispositivo legal, tramita na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), o projeto de lei nº 500/2022, desenvolvido pelo deputado estadual Valdir Barranco (PT), que garante que pessoas condenadas pelo crime de maus-tratos aos animais no estado não poderão adotar outros animais.

“Esse projeto é uma grande vitória de todos nós, protetores e ativistas. Ela é clara ao vedar aqueles que tenham sido condenados, com sentença transitado em julgado, pelo crime de maus-tratos, de adotar animais”, disse o parlamentar.

A proposta tem como objetivo principal fortalecer a defesa dos direitos dos animais e sua efetiva proteção contra toda e qualquer forma de maus-tratos. Conforme o texto, o Poder Executivo poderá regulamentar a lei para garantir a execução do texto.

Fonte: ALMT

Comentários Facebook
Veja Mais:  Roda de samba feminina presenteia mulheres no Parque das Águas nesta quarta-feira (09)
Continue lendo

Política MT

Barranco pede informações sobre multas irregulares realizadas pela Sema

Publicado

Foto: FABLICIO RODRIGUES / ALMT

O deputado estadual Valdir Barranco (PT) apresentou um requerimento à Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), solicitando informações da secretária de Estado de Meio Ambiente (Sema), Mauren Lazzaretti, sobre denúncias de assentados da reforma agrária do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), de que agentes do órgão estão realizando, de maneira equivocada, penalizações, por meio de multas e outras punições, aos agricultores de Mato Grosso.

O parlamentar disse que muitos produtores e produtoras de projetos estaduais, cuja reserva ambiental foi locada na época da implantação de assentamento em área coletiva, estão sendo multados sem qualquer motivo. “A Sema tem penalizado esses assentados para cobrar a reserva individual. São várias reclamações de diversos municípios que estão sendo atacados pela fiscalização da instituição que não reconhece as reservas em condomínio dos assentados, que deixaria o lote livre e respeitar as APPs”, disse.

Membro titular da Comissão de Agropecuária, Desenvolvimento Florestal e Agrário e Regularização Fundiária, Barranco complementou que a entidade falhou em várias situações. “Essa situação de denúncias e descaso vêm se agravando há algum tempo, pois a Sema assumiu a responsabilidade de elaborar o Sistema Mato-grossense de Cadastro Ambiental Rural (SIMCAR) há quatro anos e até agora data nada apresentou”, falou.

Sistema Mato-grossense de Cadastro Ambiental Rural (SIMCAR) – É um sistema eletrônico de âmbito estadual, com base de dados integrada ao Sistema Nacional de Cadastro Ambiental Rural (SICAR), destinado à inscrição, consulta, acompanhamento e gerenciamento da situação ambiental dos imóveis rurais.

Veja Mais:  Thiago Silva defende maior incentivo à startups em Mato Grosso

Fonte: ALMT

Comentários Facebook
Continue lendo

ALMT – Campanha Fake News II

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana