Artigos

Afinal, robôs vão substituir os jornalistas?

Publicado

“A missão desse artigo é perfeitamente clara. Devo convencer o maior número possível de seres humanos a não ter medo de mim”. A frase está logo nas primeiras linhas de um artigo publicado no início de setembro pelo britânico The Guardian. O título é um convite ao debate: “Um robô escreveu este artigo inteiro. Você ainda está com medo, humano?”.

O texto foi totalmente produzido a partir do GPT-3 (ou seja, a terceira versão do “Generative Pre-trained Transformer”), desenvolvido pelo programa de pesquisa em Inteligência Artificial OpenAI. O algoritmo baseia-se em tecnologias computacionais como processamento de linguagem natural, aprendizagem de máquina e redes neurais profundas — conceitos que estão por trás de qualquer discussão sobre inteligência artificial.

De uma forma mais simples: é um modelo probabilístico, baseado em um universo gigantesco de dados, que procura estabelecer relações sintáticas e semânticas. Assim, a máquina é capaz de calcular e predizer, a partir de alguns exemplos, qual deve ser a próxima palavra do texto.

No caso do artigo produzido para o The Guardian, o GPT-3 recebeu as seguintes ordens: produzir um pequeno artigo de opinião, com linguagem concisa e simples, cerca de 500 palavras, argumentando que os humanos não deveriam temer a IA”.

Foram produzidos oito textos diferentes. “Cada um era único, interessante e apresentava um argumento diferente”, apontou o editor do texto, que optou por usar trechos de cada um e ressaltar os diferentes estilos. “No geral, levou menos tempo para editar do que muitos artigos de opinião humanos”, concluiu.

Veja Mais:  Escolas devem estar atentas estado emocional dos professores na volta às aulas

Computadores-repórteres

Apesar do espanto provocado pela iniciativa, o uso de tecnologias baseadas em processamento de linguagem natural para produção de textos não é novidade. Para o professor da Northwestern University Nicholas Diakopoulos, a mídia se transforma desde o uso de técnicas baseadas em mineração de dados em reportagens investigativas, passando por outras iniciativas, como a otimização de notícias para distribuição em plataformas sociais.

Em seu livro Automating the News, lançado em 2019, Diakopoulos lembra ainda que agências de notícias utilizam processos automatizados para gerar notícias de finanças ou previsão do tempo há décadas. Empresas como a Narrative Science, fundada em 2010, ampliou este tipo de serviço.

Mais recentemente, em 2018, a agência britânica PA Media anunciou, em parceria com a Urbs Media, a iniciativa RADAR (Reporters and Data and Robots), gerando 250 mil artigos em seus primeiros 18 meses.

Ironicamente, a mesma PA Media viu 27 de seus colaboradores serem dispensados em maio deste ano. Eles prestavam serviço para a Microsoft, selecionando conteúdos para os agregadores da rede MSN e o navegador Edge. Todos foram substituídos por algoritmos.

“Eu passo todo o meu tempo lendo sobre como a automação e a inteligência artificial vão ocupar todos os nossos trabalhos, agora está ocupando o meu”, declarou um dos profissionais desligados.

175 bilhões de parâmetros

Será esse o futuro dos repórteres, já que um algoritmo avançado como o GPT-3 pode substituir um articulista?

Veja Mais:  Erradicar a miséria: uma questão econômica ou de consciência? 

Professor da PUC-SP e pesquisador nas áreas de inteligência artificial, ciências cognitivas e computação social, Diogo Cortiz esclarece. “A posição dos principais pesquisadores na área de Inteligência Artificial é a de que o GPT-3 é um modelo muito bom, mas ainda está longe de fazer cruzamentos factuais ou inferências de causa e efeito”.

Ele detalhou o princípio de funcionamento deste modelo de linguagem num vídeo em seu canal do YouTube. O que chama a atenção é o volume de parâmetros, isto é, potenciais conexões que permitem ao algoritmo entender contextos. O GPT-3 possui 175 bilhões de parâmetros. Para se ter uma ideia, a segunda versão (GPT-2) continha 1,5 bilhão de parâmetros.

Cortiz explicou ainda que o modelo de processamento é “task-agnostic”, ou seja, não foi treinado para realizar uma tarefa específica. Isso significa que, com alguns exemplos, o GPT-3 é capaz de identificar padrões de linguagem capazes de, entre outras tarefas, traduzir um texto, produzir código de um software, criar protótipos de interfaces ou mesmo compor músicas.

Nicholas Diakopoulos enxerga restrições no processo de produção de notícias automatizadas, como a dependência de dados estruturados, a capacidade interpretativa dos sistemas e a qualidade de redação. Ao mesmo tempo, entende que atualizar-se é inevitável.

“Os jornalistas vão, sem dúvida, precisar de novas habilidades e treinamento para serem colaboradores de sucesso em um sistema híbrido de mídia. Acima de tudo, eles precisarão de conhecimentos relacionados aos algoritmos. O público em geral também se beneficiará com o desenvolvimento desse conhecimento à medida que passa a ter um contato cada vez maior com esses sistemas”, aponta, em seu livro.

Veja Mais:  Esclerose múltipla: está aberta a consulta pública para atualização do rol da ANS

Não trabalhe como um robô

O uso de inteligência artificial em tarefas envolvendo grandes bases de dados foi o tema da edição #111 do Podcast-se. Nele, o CEO do Grupo Comunique-se, Rodrigo Azevedo, apresentou em detalhes as técnicas usadas pelos algoritmos do Influency.me para identificar potenciais influenciadores digitais, categorizar os assuntos tratados por eles e traçar um perfil de sua audiência — incluindo dados geográficos e de reconhecimento facial.

“Há uma avalanche de dados sobre novos perfis crescendo o tempo inteiro, é humanamente impossível acompanhar”, reforçou, valorizando ainda as tarefas que nenhuma inteligência artificial é capaz de fazer.

“Os robôs do Infuency.me organizam os dados. Mas o discernimento humano, para identificar as melhores escolhas, não dá para substituir por uma máquina. Se você não quer ser substituído por um robô, não trabalhe como um robô”, concluiu.

Por André Rosa- Canal Comunique-se

Artigos

Exames de avaliação auditiva aumentam durante a pandemia, segundo fonoaudióloga

Publicado

Samia Helena Ribeiro, fonoaudióloga

A procura por exames de avaliação de perda auditiva cresceu nos últimos três meses em Cuiabá. “Os números mostram que a procura aumentou em 42% para crianças, 38% para adultos e 20% no caso de idosos. As famílias estão percebendo com o uso da máscara, que algumas pessoas possuem dificuldade de audição por conta do som abafado e a dificuldade de leitura labial”, compartilha Samia Helena Ribeiro, fonoaudióloga da Audax Aparelhos Auditivos.
Os dados demonstram a preocupação das famílias com a saúde auditiva. Segundo a especialista em perda de audição, a avaliação se faz importante para que possa ser indicado o melhor tipo de tratamento para a pessoa que está com surdez.
Vale destacar que o exame de audiometria é feito por meio de um equipamento chamado audiômetro, dentro de uma cabine acústica ou em uma sala acusticamente tratada (sala isolada). “O paciente coloca um fone e os profissionais avaliam a menor intensidade que o indivíduo ouve cada som apresentado”, explica Ribeiro
A partir de então, o diagnóstico traçado informará se a pessoa tem uma perda de audição e qual o tipo e grau dessa perda (leve, moderada, severa ou profunda). Com o laudo, o médico otorrino irá indicar o tratamento específico de cada paciente, podendo ser o uso de aparelho auditivo que pode ser encontrado na Audax ou então a cirurgia ou o uso de remédios.

Veja Mais:  Jovem eleitor, não abra mão do seu voto!
Continue lendo

Artigos

Jovem eleitor, não abra mão do seu voto!

Publicado

Professora Francileide Fontinelle

Acabou o egoísmo, o narcisismo selfie, a obsessão pelo consumo e a passividade que isso acarreta. Há uma geração que quer salvar o mundo, mas ainda não sabe como. Cresceu em plena recessão, em um mundo fustigado pelo terrorismo, índices de desemprego galopantes e uma sensação apocalíptica provocada pelas mudanças climáticas e, mais recente, pela pandemia do Coronavírus. São a Geração Z, o grupo demográfico nascido entre 1994 e 2010, cujos jovens (queiram ou não falar ou se envolver em política) representam o futuro da governança do nosso país.

Na época em que eles nasceram, a internet já existia e se popularizava com o surgimento da banda larga. O pendrive era lançado para substituir o disquete, consoles de videogames ganhavam a segunda versão e a globalização engolia toda a sociedade. A geração 2020, formada pelos 3,5 milhões de brasileiros nascidos no ano 2000, é a primeira 100% digital. Eles votaram em 2018 já em urnas digitais, e consideram o direito ao voto essencial. No entanto, muitos se mostram desiludidos com a política por causa do excesso de escândalos de corrupção. Outros não querem nem saber do ringue ideológico que se transformou o debate político, onde até amizades de longa data são desfeitas por causa de posicionamentos contrários.

O problema é que essa desilusão geral pode paralisar esse enorme grupo representativo exatamente no momento em que ele deveria sair às ruas – mais especificamente às urnas para garantir os seus direitos. A participação de eleitores com 16 e 17 anos de idade no pleito de novembro será a menor em uma eleição brasileira desde 1990, após o voto facultativo ser instituído na Constituição de 1988. Estão aptos a votar este ano pouco mais de 1 milhão de eleitores desse grupo etário, número 55% menor que o contabilizado em 2016.

Veja Mais:  Exames de avaliação auditiva aumentam durante a pandemia, segundo fonoaudióloga

No Estado do Mato Grosso a estatística acompanha a queda preocupante: temos 15,8 mil eleitores cadastrados na faixa de 16 e 17 anos, ante 29,5 mil em 2016. E não dá para colocar a culpa dessa baixa adesão somente no isolamento social pois a curva de queda já vinha sendo observada nos últimos anos, apesar de estar bem mais acentuada em 2020.

Para quem já nasceu on-line, com possibilidades quase infinitas de comunicação, modelos tradicionais têm poucos atrativos. Movimentos sociais organizados, união de estudantes e legendas, antes essenciais na mobilização política, perdem cada vez mais espaço para a internet. Hoje se conversa muito mais sobre a política ideológica e muito pouco sobre a política partidária, mas ambas são de vital importância. Porque no nosso modelo atual, para disputar uma eleição, para ter um mandato eletivo, para fiscalizar o que acontece na política, é necessário entender e acompanhar a política partidária. Mas fundamental mesmo é marcar posição através do voto.

Essa nova geração já nasceu com larga vantagem em relação às outras pois o dinamismo proposto pela web superdimensiona a interação, o que é um facilitador para quem quer se organizar politicamente. O lado complicado é quando a mobilização virtual vira o meio exclusivo de interlocução da juventude para tratar sobre política. E a baixa participação entre os jovens aptos a votar não é um bom sinal para a democracia, pois torna-se ainda mais difícil a tarefa – necessária – de formar cidadãos ativos, que intervenham na vida pública e promovam uma renovação geracional, fortalecendo as instituições e oxigenando as esferas de poder.

Veja Mais:  Erradicar a miséria: uma questão econômica ou de consciência? 

Quando a juventude toma para si a responsabilidade da renovação o mundo inteiro é obrigado a se curvar. Malala Yousafzai virou a voz do mundo contra as atrocidades do Talibã com apenas 11 anos. O paquistanês Iqbal Masih se tornou, aos 12 anos, um símbolo da luta contra o trabalho infantil. Claudette Colvin é uma americana que iniciou aos 15 anos uma batalha jurídica referencial contra a segregação racial. Pedro I proclamou a independência do Brasil com apenas 24 anos e os líderes da Revolução Francesa tinham entre 17 e 25 anos, para citar só alguns exemplos.

Num dos filmes do Homem Aranha o tio do herói encoberto Peter Park diz ao sobrinho que grandes poderes sempre vêm acompanhados de grandes responsabilidades. Guardadas as proporções, há muita semelhança desse episódio do mundo fantástico com a realidade dos jovens que poderão, se assim o quiserem, comparecer às urnas nessas eleições. E meu apelo, vai diretamente para os Zes, essa geração que já nasceu ´muito mais tudo´ do que a nossa. Lembrem-se da célebre frase do historiador Arnold Toynbee que diz que “o maior castigo para aqueles que não se interessam por política é que serão governados pelos que se interessam.” Ou mesmo uma versão mais dura do dramaturgo Bertolt Brecht, que sentenciou: “que continuemos a nos omitir da política. É tudo o que os malfeitores da vida pública mais querem”. Vamos inverter essa premissa. A gente costuma dizer que o jovem é o futuro, mas o futuro se faz agora. O jovem é o presente.

Francileide Fontinelle é professora

Continue lendo

Artigos

Enfrentando o luto diante da pandemia

Publicado

Sandra Morais, psicóloga*

A perda de um ente querido já é dolorosa por si só, e diante dessa pandemia, ao passarmos pelas etapas sem velório e funeral, se torna mais dolorida. Isso acontece porque ficamos sem o abraço dos amigos e familiares e sem a chance do último adeus em um funeral.

Luto é um processo, onde forma reações e emoções, resultado de uma perda muito marcante em nossas vidas. Na verdade, nunca iremos conseguir definir o que é luto, porque ele é particular e individual, cada qual tem uma forma de sentir e passar por ele.

Mas como lidar diante de um momento tão frágil em nossas vidas? Primeiro de tudo, acolha os sentimentos. Não fica se culpando por senti-los ou simplesmente por estar triste. Expresse o que sente com pessoas próximas. Não se julgue.

Também tente buscar prazer nas pequenas coisas e procurar focar no presente, naquilo que você tem no momento e não nas coisas que perdeu. Organize uma rotina diária que inclua atividades produtivas e prazerosas, de autocuidado, de relaxamento e tente algo para praticar a compaixão.

Entenda que cada pessoa tem uma reação e um jeito de lidar com as situações. Ou seja, cada um irá passar pela aceitação do luto de formas diferentes, não há fórmulas, apesar de que há alguns exemplos de pessoas, talvez até mesmo familiares e amigos, que souberam superar esses sentimentos e que nos desperta encorajamentos. Mas se você não conseguir superar tão rápido ou tão bem quanto essas pessoas, não se culpe nem se julgue.

Veja Mais:  Jovem eleitor, não abra mão do seu voto!

Outra questão é sobre o tipo de luto encarado por cada pessoa. Por exemplo, não se pode diferenciar simplesmente pelo seu tempo de duração. Cada um tem seu tempo na hora de passar pelo processo de superação da perda. Há várias etapas, como o contato com o ocorrido, a raiva, a compreensão, a aceitação e, enfim, a superação.

Superar o luto e vencer os sentimentos de tristeza não significa que a pessoa precisa esquecer o ente querido. O detalhe está em superar a dor da ausência e aceitar a perda.

É preciso entender que não somos máquinas com o botão de “liga e desliga”. Então, para vencer esse momento procure ter uma rotina, tente voltar a trabalhar, busque coisas produtivas para a vida, tire tempo para o lazer, para passear, evite ficar sozinho e busque a companhia de amigos.

No entanto, há aqueles que não conseguem entrar na fase de aceitação. Há quem passa a ter um sofrimento duradouro e não consegue chegar à fase da superação. Com isso, não alcança o desapego daquele que já se foi.  Nesse caso, o enlutado deve procurar ajuda, pois, quando isso acontece, a depressão acaba fazendo parte deste luto. Para isso, é necessária a busca por acompanhamento psicológico.

É importante ressaltar que a terapia não irá eliminar a dor, mas irá promover uma memória saudável em vez de um peso. E quanto mais leve nossa mente ficar diante da dor, mais fácil será para a pessoa retomar sua rotina e fazer sua vida seguir em frente.

Veja Mais:  Esclerose múltipla: está aberta a consulta pública para atualização do rol da ANS

(*) Sandra Morais é Psicóloga (CRP: 5/52586) e Neuropsicóloga, com especialização em Avaliação Neuropsicológica pela PUC RJ. Atualmente cursando pós graduação em Terapia Cognitivo Comportamental baseada em evidências. Coautora do Livro: “É Possível Sonhar, o Câncer não é Maior que você”, com capítulo sobre “Como construir autoestima e ser Super confiante”. E psicóloga na Casa de Convivência e lazer para idosos.

Continue lendo

CAMPANHA COVID-19 ALMT

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana