Mulher

Corpo Espetáculo revela vivências LGBTQIA+ por meio de fotos e documentário transgressores

Publicado

Mayara Lima- Foto: Assessoria

Onze corpos que falam, dançam, atuam, pintam-se e se vestem das cores da diversidade. Esses corpos se manifestam de forma transgressora e potente, opondo-se aos padrões heteronormativos. Esses corpos também estão a dizer: “queremos ocupar nossos espaços, ser reconhecidos por isso e resistir continuando vivos”.

Assim se define a Instalação Artística Corpo Espetáculo, um projeto que criou espaço para que 11 pessoas LGBTQIA+, sendo a maioria pessoas trans, possam falar de suas existências e dialogar, por meio da arte e da fotografia, suas histórias, perspectivas e modos de estar no mundo.

O idealizador do projeto, Ricardo Almeida, conhecido como Paçoca, e que é o diretor artístico, design de figurinos e maquiagem da instalação, explica que o Corpo Espetáculo se trata de uma abertura de espaço para que as pessoas dialoguem e absorvam as vivências de pessoas LGBTQIA+ para além do que elas são.

“Fizemos um recorte muito pautado em pessoas transexuais, que possuem certa invisibilidade. São trans, travestis, intersexo, queers, drag queens, pessoas que não seriam objeto de diálogo em espaços elitizados. Suas fotos e seus depoimentos que se transformaram em um documentário tratam sobre vivências, trabalhos e os desafios que essas pessoas enfrentam em suas vidas”.

Us modeles

O Corpo Espetáculo contou com a participação de modeles que moram em Cuiabá, Rondonópolis e Primavera do Leste. As fotos, em locais que demonstram os espaços ocupados por essas pessoas, retratam por meio dos figurinos e da maquiagem um pouco da forma como elas se expressam, seja como multiartistas, estudantes, ativistas, e acima de tudo, como sonhadores de uma existência com dignidade e respeito.O projeto também mostra a realidade desses artistas, sendo que muitos são vítimas da violência estrutural.

Veja Mais:  O que não fazer no cabelo loiro? Especialista indica o que prejudica o fio

De forma autêntica e impactante, o Corpo Espetáculo fotografou e entrevistou a travesti preta Lupita Amorim, a drag queen Dan Close; o multiartista Pedro Scalart, que se define como uma bicha preta e afeminada; e Geo Rodrigues que é uma pessoa trans não binárie.

Já de Rondonópolis, participaram Abayomi Jamila, pessoa não binárie; Adriana Liário, mulher trans e sobrevivente de diversos ataques transfóbicos; Majur, indígena que é a primeira mulher trans a se tornar cacique em Mato Grosso; e Nicolas de Jesus, que é homem trans e que expressa nas artes sua visão sobre a vida.

Em Primavera do Leste, us modeles do Corpo Espetáculo são: Camila Lima, mulher trans que se dedica ao ativismo em nome das causas LGBTQIA+ e que produz fantasias de carnaval, um trabalho que realiza em conjunto com Mayara Lima, também mulher trans; e Monique Lorrayne, mulher trans que está ganhando as redes sociais como influencer digital.

O projeto também contou com a contribuição de 10 profissionais, que atuaram para quebrar tabus, oportunizar a discussão de gênero e de sexualidade, sendo a maioria pessoas LGBTQIA+.

“Queremos que a sociedade mude, sabemos que isso demora para acontecer, mas a exposição vem contribuir com isso, é uma forma de expressão e de valorização desses corpos que estão à margem, que não são figuras de representação, ou qualquer coisa positiva ainda para a maioria das pessoas. Espero que a exposição dê essa visibilidade e que a sociedade pare com o preconceito”, expõe Cássyo Ander, produtor-geral do Corpo Espetáculo.

Veja Mais:  Casal encontra bilhete premiado no valor de US$ 1,8 milhão ao limpar a casa

Corpo Espetáculo

A Corpo Espetáculo é um projeto aprovado na seleção estadual nº 5 – Edital Nascente da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT), por meio dos recursos da Lei Federal nº 14.017/2020, designada Lei Aldir Blanc.

O resultado da Instalação Artística pode ser acompanhado de forma virtual pelas redes sociais. No instagram a página com as fotos é a @corpoespetaculo. Já a história de cada modele pode ser conferida no blog do projeto: https://corpoespetaculo.medium.com/

O Corpo Espetáculo também vai realizar duas oficinas intuitivas online, que apresentará técnicas de pinturas em diferentes objetos, espaços ou corpos, considerando para isso: tela para pintura, maquiagem, roupas, esculturas, muros e outros locais e objetos que podem se transformar em arte. Também será proporcionado o debate de conceitos de arte, de espaço, corpo, performance, objeto artístico, entre outros assuntos.

As oficinas vão ser realizadas em duas datas, sendo os dias 7 e 20 de agosto, com transmissão pela plataforma Google Meet.

Já a exibição de estreia do documentário Corpo Espetáculo será no sábado, dia 14 de agosto, também pela plataforma Google Meet, e depois ficará disponível no canal da instalação artística no Youtube.

Comentários Facebook

Mulher

Confira os signos mais chorões do mundo místico!

Publicado


source
Confira os signos mais chorões do mundo místico!
Reprodução: Alto Astral

Confira os signos mais chorões do mundo místico!

Por acaso você é aquela pessoa do grupo de amigos que fica emocionada e começa a chorar por tudo? Saiba que para alguns signos do Zodíaco, qualquer probleminha basta para começar aquele drama! Já para outros, só enfrentando o fundo do poço para soltar algumas lágrimas e ficar mais emotivo.

Se você é apaixonado pelo mundo místico, já conhece muito bem as nuances do Mapa Astral e sabe que os signos podem, sim, influenciar os mais diversos aspectos da nossa personalidade. Dessa forma, que tal entender como os astros ditam na maneira com a qual os doze signos lidam com as emoções? Abaixo, confira o ranking dos 6 signos mais emotivos do Zodíaco:

Câncer

Não é novidade para ninguém que o signo mais chorão do Zodíaco é Câncer. Afinal, o canceriano é considerado o mais emotivo e sentimental do horóscopo. Seja assistindo a filmes, séries e novelas ou ouvindo uma declaração de amor, Câncer não sente vergonha de deixar as lágrimas rolarem.

Peixes

O segundo lugar é do signo mais amável e companheiro do mundo místico: Peixes. Há momentos que o coração desse signo fica tão mole que é inevitável segurar as lágrimas. Quando ele chora, se sente mais calmo e até mesmo mais leve.

Veja Mais:  Quer mudar a decoração da casa? 10 ideias para você NÃO copiar de jeito nenhum

Escorpião

Escorpião chora? Por incrível que pareça, sim! Esse signo é julgado por ser frio, mas há um grande coração por trás de toda apatia dos escorpianos. Ele não é de chorar na frente das pessoas, porém, quando está sozinho, esse signo pode soltar todas as emoções guardadas dentro de si.

Você viu?

Libra

Esse é o signo que pega facilmente as dores de outras pessoas. Quem convive com librianos sabe que eles têm uma tendência a chorar por causa dos conflitos e aflições que os amigos ou a família estão passando. Conte uma história de vida triste e emocionante para Libra que você verá a maior choradeira!

Áries

Sabe aquele choro de raiva? Então, no caso de Áries, é desse tipo de choro que estamos falando. O ariano pode ficar tão irritado com algo ou alguém que pode começar a soltar as lágrimas! Mas, como tudo na vida, as lágrimas são passageiras e logo ele assume o controle das emoções.

Leão

Leão não vai chorar na frente das pessoas, principalmente se forem seus inimigos. Porém, esse signo pode se extravasar quando sente que está sendo deixado de lado, que não consegue fazer algo ou quando as pessoas não fazem o que ele quer. Nessas horas, o leonino se esconde no quarto e liberta o chororô.

Veja Mais:  5 tipos de amigo secreto para inovar no Natal com presentes por até R$ 49,99

Consultoria: João Bidu

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Continue lendo

Mulher

Queda de cabelo é percebida em pessoas que se recuperaram da Covid-19

Publicado

Pesquisa estadunidense indica que o vírus pode estar ligado à perda acelerada dos fios

Foto: Divulgação

Os relatos sobre quedas excessivas de cabelos entre pessoas que tiveram a Covid-19, têm sido cada vez mais frequentes. Estudos feitos por universidades dos Estados Unidos, México e Suécia apontam que um a cada quatro pacientes são atingidos pelo sintoma. Os dados demonstram ainda que 25% dos acometidos pelo vírus, adquirem a chamada “Covid-19 persistente/longa”, após a recuperação.

O professor do curso de medicina da Universidade de Cuiabá (Unic), infectologista Tiago Rodrigues, diz que ainda não há explicação específica para o fenômeno. “Estudos estão sendo feitos para entender melhor a causa específica, mas ela pode vir do processo inflamatório provocado pelo vírus no organismo, como acontece em outras doenças como a dengue e o zicavírus; ou devido ao estresse emocional causado pela própria doença. Além do problema capilar, outros sintomas também chamam atenção e são averiguados, como algumas lesões na pele e, em casos mais raros, cegueira”, diz.

A cuiabana e fotógrafa, Luana Moretto, relatou em suas redes sociais que percebe a queda dos fios e comenta que identificou outras mulheres vivendo a mesma situação. “Quem me conhece há mais tempo, ainda que apenas por redes sociais, sabe que sempre tive bastante cabelo. Meu cabelo é cacheado e bem volumoso. Eu tive Covid, me recuperei e agora, dois meses depois de curada, estou com várias falhas na cabeça. Outras meninas responderam aos meus stories no Instagram, pois também estão passando por isso”, fala.

Veja Mais:  Influenciadora viraliza com difusor de cachos feito de garrafa plástica; aprenda

Luana comenta que nas últimas semanas, os fios têm caído em menor quantidade, mas quando percebeu o problema, chegou a chorar por ter medo de ficar careca. “Em um banho saía tufos, perdia mechas e mechas grossas quando eu passava a mão, era desesperador. Eu digo tranquilamente que eu perdi mais ou menos 50% do volume do meu cabelo, no banho consigo ver bastante o couro cabeludo e em algumas fotos eu percebo as falhas que ficaram”

Outra pesquisa realizada nos Estados Unidos, observou pacientes já recuperados da doença. O resultado mostrou que apesar de as pessoas perderem cabelos naturalmente durante o dia (cerca de 100 por dia), existe uma ligação da infecção ao ciclo de vida dos fios. O estudo apontou que neste grupo de pessoas, a etapa em que se espera a queda do fio sofre alteração e acontece de forma antecipada, justificando a perda excessiva de cabelo.

O professor da Unic acrescenta que não existe prevenção para a situação, pontua que um(a) médico(a) deve ser consultado quando os sintomas começarem a aparecer, para que as medidas cabíveis sejam tomadas de forma saudável. “É importante buscar o médico ou médica de sua confiança e iniciar o tratamento adequado, caso ele seja prescrito. Não é recomendável que se faça receitas caseiras ou algo do tipo”, orienta.

UNIC

Fundada em 1988, a Unic foi a primeira instituição privada de ensino superior no Mato Grosso e é uma das universidades mais conhecidas e tradicionais da região, tendo formado milhares de alunos nos cursos presencias e a distância. Com unidades em várias cidades do estado e representatividade em diversos campos de atuação, a instituição oferece cursos de extensão, graduação, pós-graduação lato sensu, além de programas de mestrado e doutorado.

Veja Mais:  O que não fazer no cabelo loiro? Especialista indica o que prejudica o fio

De portas abertas para a comunidade, a instituição presta inúmeros serviços gratuitos à população por meio das Clínicas-Escola na área de Saúde e Núcleos de Práticas Jurídicas, locais em que os acadêmicos desenvolvem os estudos práticos. Focada na excelência da integração entre ensino, pesquisa e extensão, a Unic oferece formação de qualidade e tem em seu DNA a preocupação em compartilhar o conhecimento com a sociedade também por meio de projetos e ações sociais.

Em 2010, a Unic passou a integrar a Kroton. Para mais informações, acesse: https://www.unic.br
Comentários Facebook
Continue lendo

Mulher

Atrofia vaginal: pesquisa aponta que 45% das mulheres na pós-menopausa sofrem com a doença no mundo todo, mas só 25% tratam

Publicado

Reprodução/Shutterstock

Questões culturais, constrangimento e receio estão entre os principais tabus na hora de falar sobre a saúde íntima da mulher. Com o passar dos anos, durante o climatério, essa situação pode ficar ainda mais complexa. A atrofia vaginal, também conhecida como vaginite atrófica, ocorre quando há o afinamento e a inflamação das paredes vaginais devido ao declínio do hormônio estrogênio, que deixa de ser produzido pelos ovários.

“A atrofia vaginal é um dos sintomas da pós-menopausa que, geralmente, acomete as mulheres a partir dos 50 anos de idade. Entre os sinais mais comuns estão a secura, queimação, irritação, coceira e dor durante a relação sexual. É preciso ter consciência sobre essa doença e saber que existe tratamento”, destaca o ginecologista, Luciano Pompei.

O diagnóstico da atrofia vaginal é feito por meio da avaliação dos sinais e sintomas e exame ginecológico. “Uma das questões que dificultam o diagnóstico assertivo da atrofia vaginal é o fato de muitas mulheres acreditarem que os sintomas são parte natural do envelhecimento, e isso não é verdade. A vergonha de falar sobre o assunto, também costuma ser uma barreira para o tratamento. Sentir dor durante a relação sexual, por exemplo, não é normal. Todo e qualquer sintoma relacionado à saúde da vagina deve ser relatado aos profissionais de saúde”, afirma o especialista.

Tratamento

No Brasil existem diversos tratamentos disponíveis para esta condição. Entre eles, lubrificantes vaginais sem ingredientes hormonais ativos, hormônios na forma de creme vaginal ou óvulos e comprimido de estradiol, lançado recentemente. “Trata-se de um comprimido, intravaginal, que proporciona uma liberação gradual e controlada do estradiol (um tipo de estrogênio que o corpo produz) nas células da mucosa vaginal. É um tratamento seguro e eficaz de longo prazo. Quanto mais cedo for iniciado, melhor para a paciente”, explica o especialista.

Veja Mais:  O que não fazer no cabelo loiro? Especialista indica o que prejudica o fio

O medicamento deve ser administrado, com orientação médica, em três etapas: na primeira e segunda semana de uso é necessária uma aplicação diária do comprimido, já no período de manutenção, a aplicação é mais espaçada, duas vezes por semana.

“A fácil administração do comprimido e eficácia comprovada gera uma grande aderência ao tratamento. Os incômodos causados pela atrofia vaginal têm um impacto significativo não apenas no bem-estar físico, mas também no emocional e psicológico da mulher”, ressalta Luiz Steffen, diretor médico da Besins Healthcare, laboratório responsável pela terapia.

Comentários Facebook
Continue lendo

ALMT – Campanha Fake News II

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana