conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Portal Agro

Mapa participa de ação para estimular produção de cacau no Brasil

Publicado

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) será parceiro do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) na realização da Oficina de Implementação do Polo Transamazônico – Rota do Cacau, que acontecerá entre os dias 17 e 20 de novembro, nos municípios de Altamira e Belém, no estado do Pará. O objetivo é impulsionar o potencial produtivo do cacau e contribuir para a geração de emprego e renda, especialmente para pequenos e médios produtores rurais.

A Rota do Cacau faz parte do Programa Rotas de Integração Nacional do MDR, que mapeia as cadeias produtivas potenciais em todo o país e atua com redes interligadas de Arranjos Produtivos Locais (APLs) para promover inovação, diferenciação, competitividade e lucratividade de empreendimentos associados. A participação do Mapa será por meio da Secretaria de Agricultura Familiar e Cooperativismo (SAF) e da Secretaria de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação (SDI).

O encontro vai reunir representantes de instituições públicas e atores locais interessados na instalação da Rota do Cacau, para debater a atualização do planejamento estratégico do Polo, a formalização do Comitê Gestor, propostas de cooperação e a execução de projeto de assistência rural. Também estarão na pauta temas como a viabilização do Centro de Referência do Cacau, a implementação do Projeto de Boas Práticas Agrícolas, o Programa PI Brasil, o Selo Brasil Certificado e a inauguração da incubadora de empreendimentos voltados para a inovação e o desenvolvimento da cadeia do cacau.

Técnicos da SAF estarão presentes na Oficina, expondo e articulando as possibilidades de integração com as diversas políticas públicas do Mapa, como os programas Bioeconomia Brasil – Sociobiodiversidade e Brasil Mais Cooperativo, voltados para a agricultura familiar e para pequenos e médios produtores rurais.

“A Rota do Cacau é mais uma possibilidade de somar esforços voltados para a estruturação de uma cadeia produtiva que tem significativa participação de agricultores familiares e pequenos e médios produtores. Dessa forma, podemos trazer mais efetividade e eficiência na aplicação dos recursos públicos para geração de renda destes produtores. Isso é bom para os agricultores, para as empresas e para o País”, destaca o secretário de Agricultura Familiar e Cooperativismo, Fernando Schwanke.

A SDI, por meio do Departamento de Desenvolvimento de Cadeias Produtivas, apresentará a Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil), um programa nacional, coordenado pelo Mapa desde 2002, que objetiva a produção de alimentos sustentáveis e seguros para o consumo mediante a adoção das Boas Práticas Agrícolas, o uso racional de pesticidas e a adoção de rastreabilidade nas cadeias produtivas agrícolas e florestais. Os produtores que aderem à PI Brasil podem fazer uso do Selo Brasil Certificado, garantindo que a produção é sustentável e que respeita as legislações ambiental e trabalhista.

Técnicos das duas Secretarias também participarão da abertura do Chocolat Amazônia 2019 – VI Festival Internacional do Chocolate e Cacau, que ocorrerá em Belém, de 19 a 22 de setembro. Durante o evento, a SDI realizará uma série de reuniões com representantes regionais da cadeia produtiva do cacau com vistas à adoção da PI Brasil na região amazônica.

Estão envolvidas com as atividades, a Superintendência Federal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Pará (SFA/PA), a Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac/Mapa), a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap-PA), a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater-PA), a Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Pará (Adepará-PA), a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), a Universidade Federal do Pará (UFPA), a Associação das Indústrias Processadoras de Cacau (AIPC), a Secretaria Nacional de Desenvolvimento Regional e Urbano (SDRU/MDR), a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet-PA), a World Cocoa Foundation (WCF-Cocoa Action) e as cooperativas Cepotx , Coopatrans, Copoam e Coopercau.

Rota do cacau         

Veja Mais:  Guardião das Águas já mapeou 26 municípios e aponta 95% das nascentes preservadas

O cacau é considerado uma das grandes promessas de crescimento do setor agrícola no Brasil e, consequentemente, de promoção de desenvolvimento regional. Atualmente, 90% da produção nacional está concentrada, principalmente em dois polos: no litoral sul da Bahia, que abrange 26 municípios na Mata Atlântica e na Transamazônica, englobando 11 cidades paraenses na região da Floresta Amazônica.

O Pará vem surpreendendo e ultrapassou a Bahia, até então líder na produção. Em 2016, foram 117 mil toneladas de cacau produzido em aproximadamente 170 mil hectares no estado paraense.

O Brasil é o 7º maior exportador do produto no mundo. A agregação de valor do cacau supera 2.000% desde a amêndoa até o chocolate e a cadeia produtiva movimenta R$ 20 bilhões no território nacional.

 Informações à imprensaCoordenação-Geral de Comunicação Social
[email protected]

Comentários Facebook

Portal Agro

Governo antecipa liberação de recursos do Funcafé

Publicado


.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento está antecipando, de forma inédita, a liberação dos recursos do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé), como forma de apoio ao setor neste momento de crise provocada pela pandemia do novo Coronavírus. Normalmente, a liberação ocorreria na segunda quinzena de julho.

“O ministério buscou a liberação antecipada dos recursos em virtude da premente necessidade dos produtores para atender o custo de mão de obra e preparo do café no momento da colheita, sobretudo nesse ano que aumentou as exigências de proteção aos trabalhadores por conta da Covid-19”, diz o diretor de Comercialização e Abastecimento do Mapa, Sílvio Farnese,  

Farnese explica que a medida também permitirá o acesso à linha de crédito de comercialização, reduzindo a necessidade dos produtores de venderem a sua produção no momento da colheita, quando normalmente ocorre queda nos preços.

O primeiro contrato com os agentes financeiros para aplicação dos recursos do fundo em crédito aos produtores, cooperativas, industriais e exportadores deve ser assinado hoje. Na próxima semana, o recurso já estará disponível nos bancos aos interessados. 

Estão habilitados 31 bancos comerciais e bancos cooperativos para aplicação de R$ 5,7 bilhões distribuídos em: R$ 1,6 bilhão para custeio, R$ 3,45 bilhões para comercialização e R$ 650 milhões para capital de giro das indústrias. O volume de recurso para essa safra é 11,7% maior que o da safra passada.

Veja Mais:  NOTA DE PESAR: CORCINO JOÃO ZEMOLIN

Informações à imprensa
Inez De Podestà
[email protected]

Comentários Facebook
Continue lendo

Portal Agro

Aprosoja espera que Brasil acompanhe os EUA e não libere Dicamba

Publicado


.

Sustentabilidade

Aprosoja espera que Brasil acompanhe os EUA e não libere Dicamba

Esta semana, um tribunal de recursos dos Estados Unidos decidiu proibir a venda no país

05/06/2020

A proibição judicial do uso do Dicamba nos Estados Unidos foi comemorada pela Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja). A entidade foi percussora no levantamento de discussão quanto ao uso do herbicida no Brasil e espera que a o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) siga o exemplo norte americano e não permita o uso do produto no país.

Presidente da Aprosoja Mato Grosso e vice-presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja Brasil), Antonio Galvan, conta que acompanhou de perto os estudos científicos do Dicamba desde o início, inclusive visitando lavouras e universidade nos Estados Unidos.

“Trouxemos esse alerta ao Brasil, fomos direto ao Ministério da Agricultura, numa iniciativa da Aprosoja MT, na sequencia seguida pela Aprosoja Brasil, porque essa questão é bastante grave. Uma tecnologia que foi instalada numa resistência na soja com a promessa de que seria, em tese, para ajudar a controlar as folhas largas, por sua eficiência. Esperamos agora que o Mapa reveja essa autorização que foi dada para essas pesquisas para uma possível liberação dele já em 2022, para que isso não venha a acontecer aqui no Brasil”, dispara Galvan

Veja Mais:  Secretaria de Pesca recebe sugestões para concessão do Terminal de Cabedelo (PB)

Presidente explica ainda que o herbicida preocupa os produtores brasileiros principalmente pela ineficiência e volatilidade. “Nos deparamos com a ineficiência dele, porque só age no estágio em que a planta está muito pequena, fase inicial. Lançamos esse alerta aqui no Brasil e deixamos dito que ele não funcionaria aqui, pois ainda tem problema da deriva que seria a volatilização”, contou o presidente.

Na mesma linha, o presidente da Aprosoja Brasil, Bartolomeu Braz, lembrou das consequências do uso do Dicamba nas lavouras vizinhas, especialmente no plantio de soja convencional e reafirma que os produtores brasileiros de soja são totalmente contra o uso do herbicida.

“Nos Estados Unidos vimos que liberaram este produto por uma necessidade muito grande porque estavam sem controle dos amarantos. Mas nos deparamos com consequências gravíssimas, com injúrias a propriedades vizinhas. Injúrias aonde não são as mesmas variedades, não são as mesmas tecnologias do Dicamba. A gente está vendo até hoje nos Estados Unidos vários produtores que plantam soja convencional ou outra soja que não possui essa tecnologia, estão sendo prejudicados. Nós discordamos totalmente dessa tecnologia, não é necessária, ela vai trazer somente custo de produção. Somos contra o uso desse produto no Brasil, o produtor que fizer vai ter problemas. É um produto inadequado as condições do Brasil. Temos que tomar cuidado porque vai trazer muito mais prejuízo que benefício ao produtor”, afirmou Bartolomeu Braz.

Veja Mais:  Aprosoja espera que Brasil acompanhe os EUA e não libere Dicamba

Proibição nos EUA – Esta semana, um tribunal de recursos dos Estados Unidos decidiu proibir a venda no país de produtos com o princípio ativo Dicamba, que é um herbicida utilizado na produção de soja. Um painel de três juízes decidiu que a Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA, na sigla em inglês) subestimou significativamente os riscos relacionados ao uso da tecnologia.

Dicamba – É um herbicida que a indústria dos Estados Unidos tem buscado estudos para usar e torna-lo substituto do glifosato, utilizado na produção da soja transgênica.

 

Fonte: Ascom Aprosoja

Assessoria de Comunicação

Contatos: Telefone: 65 3644-4215 Email: [email protected]

Fonte: APROSOJA

Comentários Facebook
Continue lendo

Portal Agro

Guardião das Águas já mapeou 26 municípios e aponta 95% das nascentes preservadas

Publicado


.

Sustentabilidade

Guardião das Águas já mapeou 26 municípios e aponta 95% das nascentes preservadas

Paranatinga é o que tem mais nascentes, 12.742, com 99% conservadas

05/06/2020

O Projeto Guardião das Águas, da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja), já mapeou 26 municípios, identificou 41.548 nascentes e apontou que, em média, 95% das nascentes localizadas em áreas agricultáveis estão intactas, no Estado. A ação, que identifica e classifica nascentes em área de agricultura, foi iniciada em 2018 com a finalidade de orientar e apoiar o produtor rural na manutenção, preservação e restauro das nascentes em Mato Grosso. 

Apontado até o momento com o maior número de nascentes identificadas, o município de Paranatinga tem 12.742 nascentes, com 99% conservadas em área de agricultura. Nova Mutum também preserva o bem natural, com 99% das nascentes encontradas em área de plantio, em bom e ótimo estado de conservação. Dados da Aprosoja apontam ainda os municípios Primavera do Leste e Gaúcha do Norte e Diamantino com 97% das fontes conservadas. Em Sorriso são 96% conservadas. A identificação passou também por Tapurah (95%).

Gerente de Sustentabilidade e responsável pelo projeto, Marlene Lima, explica que por meio da ação tem sido possível apresentar à sociedade dados concretos do quanto o produtor preserva e cuida do meio ambiente e mostrar que a produção de alimentos de Mato Grosso é aliada à preservação. “O que identificamos até o momento é um número muito bom de nascentes conservadas, demonstra que aqui se pratica uma agricultura com responsabilidade ambiental comprovada”, enfatizou Marlene.

Veja Mais:  Mapa divulga consórcios municipais selecionados para participar do projeto de ampliação do mercado de Produtos de Origem Animal

Marlene destaca ainda, que por meio da ação é possível engajar os produtores rurais a recuperarem as nascentes degradadas, fomentar a regularização e implementar o Código Florestal. “É uma ação contínua que serve para instruir o produtor associado sobre os trabalhos de restauro florestal que precisam ser realizados nas fazendas”, informou.

Para o produtor e diretor financeiro da Aprosoja, Carlos Sfreddo, que tem nascente preservada em sua propriedade, o Guardião é um aliado importante. “O Brasil detém mais de 12% de toda água doce do planeta. Uma riqueza que Deus nos deu. Nosso estado tem mais de 95% de nascentes preservadas, mas Aprosoja entende que isso pode ser melhorado, por isso desenvolve o projeto Guardião das Águas em parceria com os produtores rurais. Orientando para que cada um possa conservar cada vez mais as nascentes dentro da propriedade e com isso produzir mais alimento para o mundo com sustentabilidade e respeito ao meio ambiente”, frisou Sfreddo.

Ivan Marx Hoffmann, produtor do município de Cláudia, onde 99% das nascentes estão preservadas, conta que tem rios e nascentes preservadas nas propriedades da família. “Precisamos cuidar das nossas nascentes e preservar o meio ambiente, pois é dele que tiramos o nosso sustento e o do planeta”, acentuou.

Para o produtor de Campo Novo do Parecis, Antonio Brolio, através do Guardião das Águas a entidade mostra para sociedade o bom trabalho do agricultor. “É extremamente importante preservar nascentes e rios. Sabemos que a água é um recurso insubstituível para manutenção dos seres vivos, preservando e protegendo nossas nascentes garantimos um futuro para as próximas gerações. Parabéns a todos produtores mato-grossenses por serem sustentáveis e produzirem em equilíbrio com a natureza”, destacou.

Veja Mais:  Juntos na luta contra a COVID-19

Este ano serão levantados os dados das nascentes de mais sete municípios: Tabaporã, Porto dos Gaúchos, Bom Jesus do Araguaia, São Félix do Araguaia, Brasnorte, Cuiabá e Chapada dos Guimarães.

Clique e veja a porcentagem de preservação dos municípios já mapeados pelo Guardião das Águas:

 

Fonte: Ascom Aprosoja

Assessoria de Comunicação

Contatos: Telefone: 65 3644-4215 Email: [email protected]

Fonte: APROSOJA

Comentários Facebook
Continue lendo

Câmara Municipal de Rondonópolis

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana