conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Artigos

Qual o melhor livro para aprender a escrever corretamente?

Publicado

Existem muitos livros que tratam de redação. Se você fizer uma busca no Google, encontrará títulos especialmente voltados para redação do Enem. Eles podem ser úteis, uma vez que apresentam o bê-á-bá da escrita, mas talvez não sejam suficientemente amplos para quem pretende escrever posts e artigos para empresas.

Por isso, selecionamos quatro livros para quem busca aprender a escrever corretamente. Todos têm link para compra na Amazon, mas podem ser encontrados em outras livrarias virtuais — e possivelmente em lojas físicas também.

primeira recomendação é o “Redação na prática: Um guia que faz a diferença na hora de escrever bem”, de Sandra Helena Terciotti e Eleomar Rosetti Ricino.

Redação na Prática

Trata-se de um livro que se concentra nos aspectos básicos — e críticos — da redação, como objetividade, clareza, coerência e coesão. Aborda também os principais elementos da gramática, como concordância, regência, regras ortográficas, acentuação, pontuação e outros itens que frequentemente geram dúvidas entre redatores.

segunda recomendação é o livro “Redação Descomplicada”, de Carlos Pimentel, que defende a ideia de que escrever não é uma questão de talento. Escrever se aprende, segundo ele.

Redação Descomplicada

O livro aborda a produção de diferentes tipos de textos, como relatórios, emails, cartas ou mesmo gêneros literários. Há, ainda, exercícios no final de cada capítulo.

Veja Mais:  Lei Geral de Proteção de Dados: as competências da ANPD e o Procon

As duas recomendações finais são complementares aos livros básicos. Ambas são estrangeiras e não têm tradução. Precisam ser lidas em inglês — e isso pode ser uma barreira.

Elements of Style

Uma é “The Elements of Style”, escrito por William Strunk Jr. em 1918 e revisado em 1935. A obra apresenta pelo menos dez regras da boa redação, como expressar uma ideia em cada parágrafo, preferir a voz ativa à passiva e evitar frases longas, entre outras.

Everybody Writes

A outra recomendação é o “Everybody Writes”, de Ann Handley, que ensina o passo a passo de uma produção consistente de texto, a partir da organização e simplificação das ideias. Embora uma parte do livro diga respeito a regras gramaticais da língua inglesa, a maioria dos capítulos aborda a estrutura de redação. Portanto, os conceitos são aplicáveis ao português.

Os livros mais relevantes

Um alerta importante: não são exatamente os livros focados em redação que ensinam a escrever, mas a leitura diária de variados estilos. Procure ler de tudo: romances, biografias, notícias, revistas, histórias em quadrinhos e o que mais lhe for útil ou prazeroso.

Durante a leitura, procure observar a forma como o redator usou as palavras para empregar determinadas artimanhas em seu texto. É desse exercício contínuo que vem o aprimoramento de sua redação.

Takeaways

Livros nacionais como “Redação na Prática” e “Redação Descomplicada” são boas opções para se aprender o básico da redação. Opções estrangeiras, como “The Elements of Style” e “Everybody Writes” complementam bem esses dois livros. Um bom redator, porém, cria o hábito de ler um pouco de tudo em sua vida — e de observar os estilos.

Veja Mais:  Coronavírus: soluções em defesa da vida

Comentários Facebook

Artigos

Auxílio emergencial: ajuda, queixas e devoluções

Publicado

 

Catiane Cabral, advogada*

Depois de um período sem resposta, finalmente o governo federal anunciou a prorrogação por mais dois meses o pagamento do auxílio emergencial. Os beneficiários vão receber mais duas parcelas no valor de R$ 600, que talvez possam ser divididos em mais de um pagamento no mês, segundo o Ministro da Economia.

Essa medida, amparada na Lei nº 13.982, de 2 de abril de 2020, tem ajudado muitas pessoas desde o início, apesar da demora na aprovação e de algumas queixas. As principais reclamações são instabilidades dos meios de acesso, além de inconstâncias nas informações. Como diversas alterações foram feitas desde o momento da publicação do decreto, isso criou uma sensação de insegurança por parte da população, sobretudo a parcela mais carente dela.

Outro problema foi a divulgação de difícil linguagem por parte das autoridades competentes, o que contribuiu para uma complicação nesses tempos de pandemia. Isso também mostrou quantas pessoas estão excluídas do mundo digital. Algumas pela falta de habilidade com a tecnologia outras pela falta de computador ou smartphone e acesso à internet.

Ainda tivemos erros de cadastramento cometidos por quem solicitou o auxílio. Muitos não se atentaram aos dados na hora de preenchimento, além de não observar se realmente preenchiam os requisitos necessários para a concessão do benefício. Esses fatores contribuíram para negação de muitos pedidos, o que também atrasou a vida de muita gente.

Veja Mais:  Lei Geral de Proteção de Dados: as competências da ANPD e o Procon

Quem teve o benefício negado, é necessário entender o motivo. Será que realmente preencheu os requisitos? A regra principal é não ter um emprego formal, ou seja, de carteira assinada. O auxílio só é pago a desempregados, trabalhadores informais e Micro Empreendedor Individual (MEI).

Por exemplo, precisa ter mais de 18 anos de idade, exceto se for mãe adolescente. A família só pode ter renda de até três salários mínimos (R$ 3.135), não pode estar recebendo seguro desemprego, não pode ter recebido durante o ano de 2018 mais de R$ 28.559,70, não receber benefício previdenciário ou assistencial, exceto o Bolsa Família.

Mas houve também quem obteve o auxílio sem preencher o requisito. Talvez por falha no sistema ou por mentir no momento do cadastro. Mas o que fazer para devolver a quantia e não enfrentar problemas na justiça futuramente? Para isso, o Ministério da Cidadania disponibiliza o site devolucaoauxilioemergencial.cidadania.gov.br. Por meio dele, é possível fazer a devolução das parcelas recebidas incorretamente.

Basta informar o CPF da pessoa, selecionar a opção de pagamento da GRU – “Banco do Brasil” ou “qualquer Banco”, seguir as instruções e clicar no botão “Emitir GRU”. Portanto, fique atento, busque seus direitos e tome cuidado com irregularidades.

(*) Catiane Cabral é advogada formada pela UNIG, pós graduada em Direito Previdenciário na faculdade LEGALE e pós graduada em Processo Civil e Gestão Jurídica pelo IBEMEC.

Veja Mais:  Tribunais de Contas e o acesso a dados e informações fiscais

Comentários Facebook
Continue lendo

Artigos

A resiliência de um setor essencial

Publicado

Jorge Santos

O setor sucroenergético de Mato Grosso vem dando mostras de resiliência e competência no enfrentamento da pandemia em curso, pois adotou uma diversidade de ações que estão permitindo sua sobrevivência e, mais do que isso, a manutenção dos empregos.

Desde há muito que temos avançado de maneira sistemática, e consistente, em termos socioambientais, pela redução do consumo de água, pela utilização da vinhaça em fertirrigação, pela mecanização do plantio e colheita e pela constante inovação dos processos industriais.

Considerado setor essencial, adotou todas as providencias de proteção de seus empregados, com o afastamento dos grupos de riscos, utilizando o teletrabalho quando possível, e estabelecendo novas condições de trabalho interno, com distanciamento social e recepção de todos à porta das empresas por equipe multidisciplinar que atesta as boas condições de cada um.

A utilização de sistemas de monitoramento a distância, seja da operação de equipamentos, climático, ações em tempo real, elevou a produtividade dos equipamentos em até cinco vezes e melhorou sensivelmente a qualidade e produtividade dos canaviais, otimizando a utilização de fertilizantes e defensivos, bem como o momento ideal de colheita.

Com utilização de vant, no combate a broca-da-cana, é derramada diretamente sobre a área infectada a micro vespa parasitoide que a combate de forma biológica.

Todos estes avanços possibilitaram que o setor, intensivo de mão de obra mas, principalmente, de capital, pudesse adotar todas as providências à sua manutenção e de todos os ativos, notadamente os empregos, pois uma sucessão de fatos o atingiram de maneira sistêmica e abrangente, durante a pandemia, senão vejamos:

Veja Mais:  Auxílio emergencial: ajuda, queixas e devoluções

·       O embate entre produtores de petróleo levou a uma irracional redução dos preços do produto no mercado mundial, afetando a competitividade do etanol;

·       As restrições a mobilidade, fruto da determinação do “fique em casa” reduziu o consumo do etanol, em Mato Grosso, em 60% entre fim de março e começo de abril;

·       Para manter a operação, as Unidades Produtoras viram-se na contingência de deprimir os preços, em alguns casos abaixo do custo de produção;

Aos poucos o consumo vai sendo retomado, porém os preços continuam muito deprimidos e estão a comprometer a sobrevivência de muitas empresas, que poderão não subsistir por muito mais tempo a esta situação.

Uma das ações que temos defendido é a utilização dos recursos da CIDE – CONTRIBUIÇÃO DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ECONÔMICO, nos termos do inciso I do § 1º do artigo 1º da lei que a instituiu, 10.336/2001, para subsidiar os custos de transporte do etanol entre estados produtores e não produtores, possibilitando o aumento de sua competividade.

A população de vários estados não pode desfrutar dos benefícios da utilização do etanol na saúde pública tendo em vista seu elevado custo frente ao combustível fóssil, muito por conta dos custos de logística.

Conforme estudo do médico patologista Paulo Saldiva, da USP – UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO, só na capital paulista haveria uma redução de US$ 190 milhões no orçamento do Sistema de Saúde, com a substituição dos combustíveis fósseis por etanol.

Veja Mais:  O desvio da aprendizagem organizacional e seus prejuízos

Consideradas as características de nossa economia, não conseguimos, ainda, infundir nos usuários de combustíveis as enormes vantagens indiretas da utilização do etanol, que ainda pensam, e muito, com o bolso.

*Jorge dos Santos é administrador e diretor executivo do SINDALCOOL/MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Artigos

Reagir à própria dor

Publicado

 

 

Escrevi em É Urgente Reeducar! (2010):

 

José de Paiva Netto, jornalista, radialista e escritor

Hoje, mais do que nunca, com o progresso da tecnologia nas áreas de comunicação (celulares, internet etc.), até um enfermo pode levantar alguém que sofre, embora esteja a milhares de quilômetros de distância. Nos tempos que correm, a possibilidade de ajudar encontra-se ao alcance de todos. Logo, que não se perca o bom ideal, porque ele é determinante em qualquer idade. Você é quem decide se é velho ou moço, por mais duras que sejam as circunstâncias em que se ache, temporária ou permanentemente. Na minha longa vida dedicada às causas espirituais e sociais da Religião do Terceiro Milênio e da Legião da Boa Vontade, tenho sido testemunha de exemplos inigualáveis vindos de pessoas que, em decorrência de lastimoso estado de saúde, poderiam considerar-se desobrigadas de socorrer, com uma palavra que fosse, outras criaturas também necessitadas de atenção. E muitas — surpreendentemente amparadas por quem de nada mais se poderia esperar (no dizer humano), por padecer males tormentosos — se viram na condição de reagir ao próprio infortúnio, tantas vezes descobrindo, após o auxílio inesperado, razões para enfrentar seus dramas com decisão, que pensaram ter há muito perdido.

 

Costumo fraternalmente recomendar: quem quiser diminuir sua dor ajude os que sofrem.

Veja Mais:  Tribunais de Contas e o acesso a dados e informações fiscais

 

Comentários Facebook
Continue lendo

Câmara Municipal de Rondonópolis

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana