Carros e Motos

Veja 5 carros que você nem lembra que são vendidos no Brasil

Publicado

Pode não parecer, mas temos mais de 600 modelos de carros diferentes à venda no Brasil, compreendendo todas as categorias, preços e versões. E neste universo tão competitivo que é o mercado brasileiro, quem vende bem é majestade. Todos os segmentos costumam ter suas guerras internas. Entre os SUVs compactos, por exemplo, temos quatro modelos disputando diretamente a liderança (HR-V, Renegade, Kicks e Creta). Mas sempre existem os “underdogs”, ou carros que vendem mal.

Pois bem, no meio de tantos veteranos e lançamentos, é normal ficar meio perdido sobre o que ainda está sendo vendido no Brasil ou não. Para provar, a reportagem do iG Carros enumera cinco carros que vendem mal
e você nem lembra que ainda estão disponíveis nas lojas no Brasil. Acompanhe!

1 – Kia Picanto

Kia Picanto renovado está quase esquecido, sendo um dos carros que vendem mal no Brasil hoje em dia
Divulgação

Kia Picanto renovado está quase esquecido, sendo um dos carros que vendem mal no Brasil hoje em dia

O hatch compacto da Kia tem uma história antiga no Brasil. Foi lançado em 2007 com uma cara não muito atraente que também passou longe de deslanchar. A segunda geração surgiu em 2011, elevando o seu status em um mercado que ainda não era dominado por HB20, Onix e Ford Ka. Foi nessa geração que o Picanto
virou artista de novela (aparecia com frequência nos romances da Globo) e viu suas vendas subirem consideravelmente.

No início do ano, as primeiras unidades da reestilização do Picanto desembarcaram no Brasil.  Partindo de R$ 58.990, o Picanto
traz 1.0 flex, de 80 cv e 10,2 kgfm de torque, com etanol. Na gasolina, os números vão para 77 cv e 9,6 kgfm. Junto com o motor tricilíndrico, a marca optou por equipar o Picanto com câmbio automático de quatro marchas – a mesma do modelo antigo.

Veja Mais:  Dafra Next 300 parece uma motocicleta maior

O hatch coreano é bem equipado, contando até com chave presencial. O interior, por exemplo, tem central multimídia, volante multifuncional e bancos de couro. Na Europa, o Picanto vem um pouco mais incrementado, com motor 1.0 turbo, de 100 cv e caixa automática CVT. Enfim, é um carro tão tímido que justifica sua entrada em nossa lista. Com visual esportivo, parte de R$ 58.990.

2 – Subaru XV

Entre os carros que vendem mal, o Subaru XV surge como um hatch médio aventureiro difícil de ser visto nas ruas
Divulgação

Entre os carros que vendem mal, o Subaru XV surge como um hatch médio aventureiro difícil de ser visto nas ruas

É difícil definir o XV. Dá para confundí-lo com um SUV, mas a verdade é que se trata de um hatch médio aventureiro feito com base no Impreza. Além do visual descolado, o crossover se destaca pelo bom número de equipamentos. Ele tem teto solar, banco do motorista com regulagens elétricas, detector de ponto cego e revestimento de couro com costuras laranjas.

Apesar de ser baseado em um hatch com DNA esportivo, o XV não tem o mesmo vigor mecânico do Impreza. O motor é 2.0 aspirado, de 156 cv e 20 kgfm de torque a 4.000 rpm, aliado ao sistema de tração integral. De acordo com a fabricante, o modelo acelera de 0 a 100 km/h em 10,4 segundos, número facilmente superado por hatches menores e mais baratos. O modelo pode ser encontrado nas concessionárias do Grupo CAOA, por R$ 114.900.

3 – Fiat Fiorino

Fiat Fiorino já foi uma estrela. Hoje, é um dos carros que vendem mal no Brasil por mudanças no mercado de utilitários
Divulgação

Fiat Fiorino já foi uma estrela. Hoje, é um dos carros que vendem mal no Brasil por mudanças no mercado de utilitários

O furgão da Fiat está em sua terceira geração no Brasil. Pode-se dizer que ele nasceu em 1977, baseada no carismático Fiat 147. Naquela época, recebeu o apelido de “saboneteira” por suas linhas arredondadas. A segunda geração surgiu em 1988, agora baseada no Fiat Uno. Foi um dos veículos comerciais mais importantes da história da indústria brasileira, passando por diversas reestilizações até 2013.

Veja Mais:  VW revela esboço da sucessora da Kombi com retoques no desenho

No dia 1 de janeiro de 2014, passaram a valer as resoluções 311 e 312 do CONTRAN, obrigando que todos os veículos fabricados em território nacional contassem com airbag e ABS. Junto de Mille e Fiorino, Kombi e Gol G4 também acabaram rodando. O jeito foi investir em uma nova geração, mais de vinte anos depois, com base no Uno Vivace.

Esta se mostrou um verdadeiro fracasso. O Fiorino, que já esteve entre os veículos comerciais mais vendidos do Brasil, viu apenas 6,4 mil unidades deixarem as concessionárias da Fiat entre janeiro e julho de 2018. A irmã Strada continua sendo o destaque entre os emplacamentos, com 38 mil unidades vendidas.

Isso mostra o reflexo de um novo hábito dos brasileiros: a preferência por picapes com capota de furgão. Outro fator que torna a vida do Fiorino mais difícil no Brasil é o preço. Equipado sempre com motor 1.4 que entrega 88 cv e 12,5 kgfm de torque, o modelo parte de R$ 59.590.  Além disso, a chegada dos novos furgões compactos Citroën Jumpy, Peugeot Expert e Mercedes Vito também atrapalhou as vendas do segmento do modelo da Fiat.

4 – VW SpaceFox

VW SpaceFox surge entre os carros que vendem mal por conta de seu segmento. Peruas correspondem a 0,4% do total
Divulgação

VW SpaceFox surge entre os carros que vendem mal por conta de seu segmento. Peruas correspondem a 0,4% do total

Sim, a SpaceFox
ainda está sendo vendida no Brasil. Enquanto muitos imaginavam que sua produção seria interrompida na Argentina, a Volkswagen acaba de lançar a versão 2019 por R$ 62.700 (podendo chegar aos R$ 66.250 na versão mais cara). O SpaceFox segue a decadência de sua categoria, uma vez que peruas correspondem a apenas 0,4% das vendas nacionais, conforme a Fenabrave (Federação Nacional de Distribuição de Veículos).

Veja Mais:  Audi Q8: aceleramos na pista o maior SUV da marca que acaba de chegar ao Brasil

No acumulado de vendas de 2018, a SpaceFox não chega a aparecer nem entre os 50 modelos mais vendidos do Brasil. Foram apenas 3.103 emplacamentos entre janeiro e julho, conferindo uma média de 440 modelos por mês.

A SpaceFox é sempre equipado com motor 1.6, de 104 cv de potência e 9,7 kgfm de torque. O modelo mais caro surge com câmbio automatizado I-Motion de cinco velocidades. Conforme apurado pela reportagem do iG Carros, o SpaceFox
será o único modelo da Volkswagen que continuará sendo vendido com opção automatizada. Todos os veículos da marca fabricados no Brasil já abandonaram este recurso.

5 – SsangYong Tivoli

SsangYong Tivoli veio para combater os SUVs compactos, mas acaba sendo um dos carros que vendem mal
Divulgação

SsangYong Tivoli veio para combater os SUVs compactos, mas acaba sendo um dos carros que vendem mal

O que Ferrari 12 Berlinetta tem em comum com o SsangYong Tivoli? Ambos foram desenvolvidos pelo estúdio Pininfarina, na Itália. A marca coreana nunca foi reconhecida por ter um design muito atraente, e recorreu a um dos mais conceituados estúdios de design do mundo para dar uma forcinha.

Deste casamento nasceu o Tivoli, o SUV compacto da SsangYong que chega ao Brasil para disputar com Jeep Renegade, Honda HR-V e Nissan Kicks. O modelo, entretanto, ainda não caiu no gosto dos brasileiros por conta da baixa popularidade. São cinco concessionárias em São Paulo, duas em Santa Catarina e uma no Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul e na Bahia,

Ele vem equipado com sistema de direção elétrica, partida por chave presencial, rebatimento dos retrovisores e ar-condicionado de duas zonas. Entretanto, a central multimídia não traz funções de navegação. O conjunto mecânico é composto por um motor 1.6, de 128 cv e câmbio automático, de seis marchas. Entre os carros que vendem mal
, o Tivoli sai das concessionárias da SsangYong por R$ 84.990.

Comentários Facebook

Carros e Motos

Prefeito de Nova Mutum paga RGA e cria de vale alimentação para servidores públicos

Publicado

Leandro Félix- Foto: Assessoria

O Prefeito de Nova Mutum, Leandro Félix anunciou o pagamento do RGA – Reajuste Geral Anual – aos salários dos servidores municipais e a criação de um vale alimentação também voltado aos colaboradores municipais. O anúncio do Prefeito aconteceu esta manhã (05/07) durante sua participação na 21ª Sessão Ordinária da Câmara de Vereadores.

Segundo Leandro está em fase de conclusão o levantamento que definirá o percentual do Reajuste Geral Anual. “Já demos o start para que nossa equipe econômica conclua o levantamento. Debateremos o percentual com nossos legisladores antes da definição”, afirmou durante fala em Tribuna.

A Prefeitura de Nova Mutum realizou recentemente uma consulta junto ao Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT) sobre a legalidade para conceder o reajuste ainda neste ano, por conta da Lei Federal Nº 173, de 27 de maio de 2020, que impede a concessão de reajustes salariais, bem como a Revisão Geral Anual (RGA), aos servidores públicos até dezembro de 2021. “Como o posicionamento do Tribunal nós impediu de realizar o reajuste neste ano, iremos propor este pagamento para janeiro do ano que vem. Sendo assim no início do próximo ano pagaremos o reajuste deste período e já em meados de março realizarmos mais um reajuste. Esta é nossa maneira de valorizar amplamente nossa equipe de servidores públicos municipais”, destacou o Leandro.

Veja Mais:  Renault mostrará versão elétrica do Kwid no Salão de Xangai, na China

No mês de agosto a Prefeitura encaminha para a Câmara Municipal do Projeto de reajuste, referente ao período de 2020 e em maio encaminha um novo projeto de reajuste, referente a 2021. Totalizando dois reajustes para 2022.

O Prefeito Leandro Félix também anunciou a criação do Cartão Vale Alimentação para os servidores municipais. “Já iniciamos os estudos de viabilidade, também incluiremos nossos legisladores neste debate e este ano encaminharemos o projeto para a Casa de Leis, para iniciarmos o pagamento do Vale Alimentação já no próximo ano. É mais um compromisso firmado com nossos servidores que será cumprido”, complementou.

Ainda durante sua fala em Tribuna, durante a sessão ordinária o Prefeito Leandro homenageou o município de Nova Mutum, que celebrou seu 33º aniversário no último domingo (04/07). Agradeceu o empenho dos servidores municipais que estão diariamente na linha de frente contra a pandemia, prestou considerações às vítimas de covid-19 e reafirmou o compromisso da Gestão Administrativa com toda a cidade e sua população.

Comentários Facebook
Continue lendo

Carros e Motos

Chevrolet Captiva, um veículo acima da média

Publicado

Conheça todos os atributos desse formidável carro

O Chevrolet Captiva é considerado um carro acima da média e não é à toa. Sua relação custo x benefício é simplesmente incomparável. Independente se você comprar um exemplar novo ou procurar no mercado de carros à venda em Cuiabá, o Captiva é sempre uma boa pedida para quem gosta de sofisticação sem ter que pagar tanto.

Ele teve uma excelente recepção no mercado nacional desde o seu lançamento, exibindo um surpreendente sucesso entre o público. Ele foi lançado no ano de 2008 e chegava a ter fila de espera na época e até juros sobre o preço final. Mesmo passado 12 anos, ele continua cativando o público.

Mas qual é a configuração do Chevrolet Captiva? Como é o seu interior, exterior e performance? É o que será abordado adiante.

Ficha técnica completa do Chevrolet Captiva

Observe logo abaixo a ficha técnica completa do Chevrolet Captiva:

Motor: 2.4 Ecotec

Tipo: Dianteiro, Transversal e Gasolina

Número de cilindros: 4 em linha

Cilindrada em cm3: 2.384

Comentários Facebook
Veja Mais:  Yamaha Fazer 250 ABS 2020 chega R$ 200 mais cara e com nova cor
Continue lendo

Carros e Motos

SUV eletrificado menor que o Mustang Mach-E usará plataforma da VW

Publicado

Mustang arrow-options
Divulgação

O SUV Mustang Mach-E chega no início de 2020 com o exclusivo modelo “First Edition” de produção limitada

Após firmarem uma aliança bilateral, a VW cedeu sua plataforma de carros elétricos MEB para a Ford implementar em seus carros. E, então, eis que surge o “irmão” menor do SUV Mustang Mach-E. Ainda sem ter sido revelado, um relatório oficial aponta que será produzido na Alemanha, que terá características similares aos I.D da Volks — como capô mais curto, pára-brisa mas avançado na dianteira e outros — bem como mais de 300 cv. As expectativas de lançamento são para 2021, após a chegada do SUV do Mustang.

LEIA MAIS: Ford Mustang Lithium, Chevy E-10 e Bronco R querem dar alma aos eletrificados

Junto à plataforma MEB, os motores elétricos e as baterias vão compor um novo sistema de tração nas quatro rodas, que, contando com recursos de regeneração de energia, é esperada uma autonomia capaz de superar os 800 km. Entretanto, os planos da Ford com a novidade — do mesmo modo que com o Mustang Mach-E — ainda são de caracterizá-lo como um modelo autêntico, sem que seja apenas um VW com o logotipo da montadora norte-americana.

“É fundamental que tenhamos flexibilidade suficiente, diferenciação o suficiente e o tipo de desempenho que você espera de um Ford. Muito disso foi feito no início das negociações com a VW. Com os parâmetros que vimos, podemos fazer um ótimo Ford”, diz Ted Cannis, diretor global de eletrificação da Ford.

LEIA MAIS: Mustang Bullitt de McQueen será leiloado por mais de R$ 4 milhões nos EUA

Aliança vai ditar parâmetros no futuro

Aliança arrow-options
Divulgação

Aliança Ford-Volkswagen vai significar a expansão dos negócios para as montadoras, para se tornar a maior da Europa

Ao todo, R$ 26 bilhões estão reservados à criação das novas tecnologias. Com isso, a aliança VW-Ford já dá início à maior planta de desenvolvimento de carros elétricos de toda a Europa. O Grupo Volkswagen espera que 10 milhões de veículos sejam produzidos sobre a MEB já na primeira leva.

Segundo o CEO responsável pela aliança VW-Ford, Herbert Diess: “Olhando para o futuro, ainda mais clientes e o meio ambiente se beneficiarão da arquitetura EV da Volkswagen. Nossa aliança global está começando a demonstrar uma promessa ainda maior, e continuamos a analisar outras áreas nas quais podemos colaborar”.

LEIA MAIS: Por que é melhor gastar R$ 300 mil no Ford Edge ST e não no Mustang?

Outro ponto importante se refere à empresa Argo AI, responsável por desenvolver tecnologias de condução autônoma. Com foco nos novos carros elétricos, tanto a Ford quanto a VW possuem participação conjunta nas ações, que quando somadas, detém a porção majoritária do conselho. A Argo é avaliada em US$ 7 bilhões e, após o acordo, receberá pelo menos US$ 1 bilhão em investimentos. A partir disso, o Mustang Mach-E e outros modelos poderão ser carros autônomos .

Comentários Facebook
Continue lendo

ALMT – Campanha Fake News II

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana