conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Artigos

“Não se faz revolução no conforto”, diz liderança do Movimento Negro

Publicado

Antonieta Luísa Costa, presidente do Instituto de Mulheres Negras de Mato Grosso (Imune), falou à Pública sobre a Amazônia negra, identidade racial e governo Bolsonaro.

Por Texto: Thiago Domenici | Fotos: Marcela Bonfim

Antonieta Luísa Costa, conhecida como Nieta, é presidente do Instituto de Mulheres Negras de Mato Grosso- Marcela Bonfim/Agência Pública

A quinta filha de Geraldo Henrique Costa e Angela Costa tem hoje 52 anos. De fala firme e contundente, Antonieta Luísa Costa, conhecida como Nieta, é uma das principais vozes do movimento negro em Mato Grosso.

Única mulher entre os irmãos, aprendeu desde cedo a fazer “os enfrentamentos” contra o racismo cotidiano. Nieta atribui ao pai, seu Geraldo, conhecido defensor da causa negra em Cuiabá, a força que a impulsionou na sua trajetória como militante, educadora e feminista negra. “Tive uma sorte de ter em casa esse respaldo pra preservar a minha identidade e me autoconhecer. Mesmo assim, com meu pai falando tudo isso, a sociedade me mostrava outra coisa.”

Numa conversa franca nos intervalos de um evento em Brasília no mês passado em que se discutia ativismo na Amazônia, a presidente do Instituto de Mulheres Negras de Mato Grosso (Imune) falou com a Agência Pública sobre sua trajetória, governo Bolsonaro e a noção de pertencimento do negro em relação à floresta – “A gente não discute essa Amazônia negra. Na verdade, a gente não acha que pertence a ela”, diz.

Para Nieta, não basta ser negro, tem que ter consciência negra. Não basta ser negro, tem que ir para a luta. “Não tem como eu, Antonieta, uma mulher preta, cabelo pixaim e nariz chato, passar despercebida porque todo mundo sabe que sou preta. E, se eu não sei, a sociedade sabe. E ela sabe e escolheu o meu lugar nessa sociedade; e é um lugar que não quero. Porque o meu lugar é o lugar que eu escolher. O meu turbante é a minha coroa.” A seguir, os principais trechos da entrevista.

Conte um pouco sobre a sua trajetória.

Cursei o ensino fundamental na escola pública. Conclui o fundamental até o ensino médio e, como sou muito falante, gosto das palavras, fui fazer magistério, mas eu não tinha pensado no processo educacional. Não tinha pensado em ser professora. Quando a gente é criança, a primeira coisa que a gente falava: “O que você vai querer fazer? Ser professora”.

Como você chegou lá?

Como mulher adolescente, negra, a minha adolescência sempre foi muito complicada, vivia na linha abaixo da pobreza, mas com os meus pais hiperconscientes. O meu pai era um superpai. A trajetória da educação na minha família começou desde antes com os meus avós. Meu pai foi da primeira turma de ciências contábeis da Universidade Federal de Mato Grosso [UFMT], e o meu tio se formou em letras. E eu vivia nesse clima. O meu pai dizia: “Estou dando o caderno, o lápis e vocês podem fazer disso muita coisa. É o que tenho para oferecer porque o meu pai não tinha isso para oferecer para mim. E eu cheguei à universidade. Vocês já têm muito mais do que eu”. Eu convivia diariamente com a discriminação, e tem coisas que marcam a vida da gente.

Como o quê?

Em Cuiabá, lembro que o ser negra entrou em contato comigo aos 7 anos. Fui com o meu irmão comprar pão perto da minha casa. Pedimos leite e uma quantidade de pão francês. E uma mulher falou pra mim e pro meu irmão: “Sai daqui. Xô. Sai daqui, negro. Eu não vendo pão para negro”. E foi batendo com a mão e botando a gente pra fora. Meu irmão, que sempre foi muito sensato, sério, saiu segurando a minha mão enquanto eu chorava. O meu pai perguntou quando chegamos em casa. Ele contou. Meu pai pegou a gente e voltamos lá. E essa senhora, mulher do dono da mercearia, correu e se escondeu quando o meu pai chegou. O marido dela falou: “Ah, Geraldo desculpa. Ela faz essas coisas. Eu não gosto”. O meu pai falou: “Chama ela pra entregar o pão na mão dos meus filhos”. Ela apareceu: “Ah, eu tava brincando”. E entregou o pão e o leite pra gente.

Veja Mais:  No furacão da COVID-19: ou agimos como o bambu ou lutamos contra o vento

Qual o papel do seu pai na sua educação?

Ele sempre foi muito envolvido com as lutas populares e, num encontro sindical em São Paulo, ele conheceu uma galera do movimento negro. Ele ficou apaixonado pela causa. Quando ele chegou desse encontro, a primeira coisa que fez foi tentar reunir os grupos locais e fazer discussão. A própria Igreja Católica do Mato Grosso criou a Pastoral do Negro. Nesse processo a gente sempre o acompanhou.

Você começa a adquirir consciência política logo jovem…

Bem jovem. A gente sempre sofreu todas as formas de discriminação. Eu, por ser mulher negra e gorda. Nunca tinha ouvido falar de gordofobia. Então, ser mulher negra, gorda, de família empobrecida era uma dificuldade para mim. Porque, assim, o que era belo pra mim? O belo para mim era o branco. As pessoas de cabelo liso eram bonitas.

O racismo é interessante: ele entra nas famílias negras e não se percebe a porta na qual ele entrou. O que aconteceu na minha família não é diferente das outras – tinha um histórico de casar com branco para melhorar a raça. Tem aquela coisa de “você não pode usar muita roupa colorida que não fica bom”. Aqueles tipos de preconceitos que a sociedade vai colocando pra você e, principalmente, de ser o negro pacífico, bonzinho, de passar a ideia de que você é bom, de que você é calmo. Eu não aceitava. Eles falavam: “Aquela filha do Geraldo é danada”. Então, dessa frase da criança danada, passei pra adolescência danada. Meu pai estimulava a autoestima e o conhecimento. “Você pode, vai lá e faça. O seu cabelo não é ruim, ele fez mal pra quem? Seu cabelo é diferente. Você é bonita, sim.” Tive uma sorte de ter em casa esse respaldo pra preservar a minha identidade e me autoconhecer. Mesmo assim, com meu pai falando tudo isso, a sociedade me mostrava outra coisa.

Você chegou a ter contato em que momento com as histórias do movimento negro fora do Brasil?

Pra mim chegou mais ou menos na década de 1980. Lembro que nós, no Mato Grosso, fizemos milhares de assinaturas para a liberdade do Mandela. Contra o apartheid. Então a gente participou desse movimento. Foi a partir da luta de Mandela que a gente também começou a entender nossa luta. Mas tinha outros, o Martin Luther King, o Malcolm X… Eu sempre fui pro enfrentamento nessa coisa da discriminação. Nunca fui de silenciar. E aí você ganha fama de bocuda. O processo de desqualificação das pessoas que estão no movimento social é muito forte e começa cedo – “Não vamos levar em consideração o que ela fala” –, tirando o seu lugar de fala.

Mas você diz a sociedade ou…?

A sociedade de um modo geral… Enquanto você falava tudo aquilo que eles concordavam, era legal. Mas quando você mexia nas feridas… E falar de racismo é mexer na ferida.

O Instituto de Mulheres Negras de Mato Grosso significa o que para você?

O nosso foco é no Mato Grosso. Lá, nós fazemos as nossas atividades, as nossas rodas de conversa. Surgimos porque não somos nós que resolvemos dizer que as mulheres negras sofrem mais violência. O Ipea [Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada] aponta que as mulheres negras na região Centro-Oeste é que estão em pior estado de exclusão. O Mato Grosso é um estado onde 62% da população é negra e afrodescendente. Então, o Imune tem papel de poder lutar em prol de uma sociedade mais justa, mais igualitária e mais inclusiva. Mas, principalmente, a gente quer poder mostrar que não é na igualdade que a gente cresce, e sim nas diferenças. E viva a diferença!

Entender que o ser diferente é um ser que contribui na construção de uma sociedade que vai poder se reconhecer; e hoje a nossa sociedade não se reconhece porque, quando eu não reconheço os pares, não me reconheço. Então, é nessa perspectiva o nosso trabalho.

De 2002 pra cá, o grande avanço do Imune foi fazer com que as mulheres negras tivessem voz. E hoje a gente tem uma discussão efetiva no estado sobre a questão das mulheres negras.

Veja Mais:  Como estudar em casa na quarentena

Mato Grosso faz parte dos chamados estados Amazônia Legal. Como é a relação da mulher negra com esse pertencimento?

A minha leitura é de que o Brasil precisa conhecer a Amazônia. Essa questão de pertencimento tem que vir por meio do conhecimento. Dentro dos estados – e no Mato Grosso – a gente não discute essa Amazônia negra. Na verdade, a gente não acha que pertence a ela. A gente acha que só o indígena está dentro da Amazônia. Eu sempre gosto de discutir o lugar… e a Marcela Bonfim foi muito feliz em retratar a Amazônia negra em suas fotos. Eu fui saber desse meu pertencimento à Amazônia há uns dez anos. E essa falta de informação ainda permeia dentro do nosso espaço. No nosso estado, por exemplo, a gente precisa dizer que fazemos parte da Amazônia a todo momento. É hipocrisia a gente achar que todo mundo sabe a nossa história. As pessoas não conhecem, as pessoas falam do lugar delas pra mim; e elas precisam conhecer o meu lugar. Eu conheço a história indígena? Não conheço totalmente, porque só no meu estado existem 43 etnias indígenas. As pessoas ficam falando a todo momento como se conhecessem, como se a Amazônia fosse uma coisa só. O meu pai sempre dizia pra mim: “Nunca fale do que você não sabe”.

Você falou, numa conversa anterior, que “a gente precisa trazer a Amazônia pro Brasil. Que a Amazônia está distante no Brasil”. O que você quer dizer com isso?

Quero dizer que, se os brasileiros conhecessem a Amazônia, isso não estaria acontecendo – toda essa invasão, essa violência contra a natureza, contra os povos da floresta. Não estaria acontecendo porque eu saberia da importância que aquilo tem pra minha vida como brasileira. O brasileiro precisa conhecer a Amazônia, saber da importância da Amazônia, para não ser massa de manobra, não ser manipulado por um processo político que quer destruir, que só pensa em ganhar dinheiro, em explorar o outro.

Você acredita em alguma mudança real nesse sentido?

Não dá para fazer revolução no conforto. Fico pensando que as pessoas entram em um ar condicionado, sentam, colocam uma mesa. Ele tem telefone, ele tem celular, e fica ali. Estou tirando dessa minha fala os pesquisadores, as pessoas que estão lutando para uma melhoria. Essa minha fala são para as pessoas que assumem os cargos políticos e ficam dizendo: “Ó, vamos fazer isso. Ah, vai dar certo”. Como é o caso do governo federal. Falo também das pessoas que “ah, vou só postar aqui, vou colocar ali e pronto”. Mas não vem pra luta, não sai na rua. Não dá pra gente ficar só postando e dizendo que não está bom. Às vezes, a gente tem que ir lá e falar; no seu espaço de trabalho fazer uma fala. Ir pro seu espaço de diversão e fazer uma fala, porque a mudança não se dá sozinha, ela se dá no coletivo. A gente é partícula. Faça alguma coisa.

Gostaria que você falasse sobre a questão da identidade e da estética da mulher negra no processo de conhecimento da sua própria história?

É o que a gente diz para o nosso povo: “Você tem que saber quem você é porque o outro sabe quem você é”. Então, quando a gente fala de identidade, não tem como eu falar só de estética. Porque o turbante, para mim, tem uma história. O meu turbante é a minha coroa. Então, eu não posso falar que vou colocar um turbante, sair por aí e pronto. Não. O turbante tem representatividade. Então, quando a gente fala de identidade negra, vem a questão da estética afro. Não, pra mim não basta ser negro. Tem que ter consciência negra. Não basta ser negro, tem que vir pra luta. E ter consciência negra é isso. É mais que um tom de pele. E a identidade é o nosso portal. Não tem como eu, Antonieta, uma mulher preta, cabelo pixaim e nariz chato, passar despercebida porque todo mundo sabe que sou preta. E, se eu não sei, a sociedade sabe. E ela sabe e ela escolheu o meu lugar nessa sociedade; e é um lugar que não quero. Porque o meu lugar é o lugar que eu escolher. Preciso entender o meu papel enquanto mulher, enquanto negra, enquanto trabalhadora em uma sociedade racista, excludente, machista e que tem todas as formas de preconceito. Como vou me posicionar?

Veja Mais:  Não atrair problemas já afastados por Deus

A gente não pode ter o pensamento do colonizador. Eu não tenho que ser uma negra pacífica. Eu não posso ser uma negra consciente porque a consciência me deixa reflexiva, me torna uma pessoa cheia de porquês e isso incomoda e eu não posso incomodar. Não! Toda minha história de resgate é através da minha memória preta. É a minha memória preta que me faz estar na luta, acordar todo dia e, mesmo cansada, mesmo cheia de problemas de saúde, mesmo não tendo grana, digo: “Não, eu preciso e hoje eu vou fazer diferença como a cada dia eu faço a diferença”. Se cada um de nós acordar nessa perspectiva de fazer a diferença para a mudança, a gente cresce. É por isso que eu gosto de discutir a identidade.

Como é que você tem visto o governo Bolsonaro?

Bom, Bolsonaro… sempre aprendi com a minha família que a gente não deve dar ibope a encardido, né? Mas, enfim… Se temos que falar do presidente do país, porque não é o meu, não foi a minha escolha. Mas falar do governo atual do Bolsonaro é falar de desgoverno. E o que é um desgoverno? É tudo aquilo que quer desconstruir todas as formas de luta e inclusão dos povos. Aquela coisa antiga da política do mando. Bolsonaro implementa uma política do medo, do medo dele. Entendeu? Porque todas as pessoas aliadas a esse governo são pessoas medrosas. E nós não somos pessoas medrosas. A gente não tem medo. Quando falo do medo, é o medo do conhecimento. Quando a pessoa aponta uma ideia de conhecimento, mandam matar. “Vou mandar matar, vou exterminar, silenciar.” E o silêncio é a morte. Então assim: o medo da fala é a morte de uma sociedade mais justa. É a morte dos direitos humanos. Tem muita gente em sono profundo nessa política implementada pelo governo Bolsonaro. E qual o impacto disso para o meu povo? Para a minha sociedade?

Qual é? Me diga.

O impacto dessa política é: dou 80 tiros e depois vejo quem é. O genocídio da população negra. O genocídio da juventude negra. A violência ampliada contra mulheres negras. O processo de aumento do racismo no Brasil. É a liberdade que o governo deu para as pessoas nos matar. A fala de um líder de governo dizendo que o quilombola pesa uma arroba? A fala de um líder de governo dizendo que o meu filho é tão bem-educado que não vai casar com uma negra? Eu vejo uma sociedade hipócrita que não percebe isso. Como nós chegamos a esse nível? Como diz o Martin Luther King: “O que incomoda não é o grito dos maus, mas o silêncio dos bons”. E é isso que me incomoda no governo Bolsonaro. Vêm pessoas dizendo que são evangélicos, que são de Jesus. Mas que Jesus é esse? Eu ouso falar: que porra de Jesus é esse? Eu cresci no berço da religião católica e conheci o Jesus que tinha os dez mandamentos. E o primeiro é amar a Deus sobre todas as coisas e o próximo como a si mesmo. Eu cresci com um Jesus que a Bíblia pregava que ele dava a outra face, sabe? Eu cresci vendo um Jesus que pregava, que lavava o pé de uma prostituta. Eu cresci vendo um Jesus que pregava, em todos os momentos, não matarás, no testamento. Entendeu? Não roubarás. É um governo que rouba a nossa dignidade. Que rouba a nossa luta. Que rouba a nossa história. Que rouba a nossa paz. É um governo de sangue porque é um governo que mata. É um governo que permite a morte. E permite o pior: a morte cultural de um povo.

A entrevista é parte do projeto da Agência Pública chamado Amazônia sem Lei, que investiga violência relacionada à regularização fundiária, à demarcação de terras e à reforma agrária na Amazônia Legal.

Colaborou: Caroline Ferrari

Por: Agência Pública

Comentários Facebook

Artigos

Pandemia: Um congresso da humanidade em tempo real

Publicado

Por Dr. Rosário Casalenuovo Júnior

Nunca a humanidade esteve tão conectada na ciência médica, sendo acompanhada em cada descoberta, conclusão científica pelas pessoas de todo o planeta. Uma corrida científica para minimizar as mortes por todos os países. Um congresso nada teórico, totalmente prático, empírico.

Esta conexão planetária pela internet, em aplicativos, criou uma comunicação instantânea, imediata. Desde os protocolos de prevenção, como de tratamento que foi se formando de acordo com as conclusões chegadas no dia a dia, a cada morte ou sucesso do tratamento. Todos os congressos que participei são basicamente apresentações dos sucessos dos tratamentos ou muito raramente os insucessos.

Muitos vão para aproveitar a parte comercial, o turismo e as festas. Um clima de alegria, vaidade, paqueras, tudo de bom, como ir ao shopping, por exemplo. Mas este congresso da pandemia é oposto. É real. É guerra da humanidade contra um outro planeta inimigo que veio para matar os terráqueos e destruir a Terra. Já vimos muitos filmes assim, comendo pipoca e depois saindo do cinema e voltando para vida fora da história. Agora, estamos todos no elenco do filme e esperando a nossa vez de entrar em ação, indo para um hospital e até mesmo saindo dele encaixotado.

A ciência com todos profissionais, interligados em tempo real e em todos os países buscando urgentemente um tratamento mais adequado que possa evitar mais mortes.

Veja Mais:  Não atrair problemas já afastados por Deus

O gás ozônio ganhou destaque, por ser virucida, passou a ser usado para os ambientes, roupas, na paramentação e desparamentação. No Brasil, não é aprovado para usar nos humanos pela medicina, mas na Itália e Espanha, pesquisas foram realizadas, com nível de sucesso muito alto. Na pesquisa de 36 casos condenados a entubação, somente um foi para a respiração mecânica. Em São Paulo, a cada 5 internados na UTI, 1 falece. Acredito que o uso do ozônio como protocolo nos tratamentos da covid-19, salvaria muitos brasileiros.

Na corrida contra o tempo, foi se adequando o momento a dose e eficácia em cada fase da doença, do uso da cloroquina, do anticoagulante, dos corticoides e ventilação mecânica.

Diante do caos, a humanidade sempre irá evoluir, e neste momento já expandimos muito nesta intercomunicação global imediata. A forma de relação humana, principalmente na profissional não será a mesma, teremos uma relação muito maior no online. E, além disso, cursos e congressos passarão a acontecer com maior frequência. Os hospitais construídos nesta pandemia, poderão ficar para os atendimentos cotidianos e os gestores do futuro, aprenderão que com vontade tudo pode ser feito rapidamente e com qualidade.

Sempre a economia mandou no mundo, na política e no judiciário até mesmo nas igrejas. Agora, vimos que a saúde do ser humano e a economia andam juntos. Quem movimenta a economia é este serzinho que somos e quando paramos, a economia entra em falência múltipla dos órgãos e terá que ir para UTI, ser entubada.

Veja Mais:  O abastecimento em meio a crise

Desconfio que irá faltar respirador para a senhora economia global. Que para se poupar, não quis gastar com isto.

*Rosário Casalenuovo Júnior é dentista, professor de odontologia há 30 anos, músico e articulista dos principais jornais de Mato Grosso. Cristão, atleta, pai de Pedro e Giovanna. Contato: [email protected]

Comentários Facebook
Continue lendo

Artigos

Um Tribunal de Contas voltado para a busca de soluções

Publicado

Guilherme Antônio Maluf

Os Tribunais de Contas vêm passando por um processo de intensa modernização e certamente estão entre as instituições que mais evoluíram no país nas últimas décadas. Há um efetivo esforço de disseminação de boas práticas, de orientação preventiva, de integração a partir do uso crescente das ferramentas digitais e da inteligência artificial, consolidando novos parâmetros que vão muito além das missões básicas de fiscalizar e julgar as contas dos gestores públicos, sem delas descuidar.

Os desafios colocados às instituições de controle externo neste século XXI exigem esforços coordenados para o bom desempenho da sua missão constitucional, respondendo com rapidez e eficiência às demandas de uma sociedade que exige serviços públicos de qualidade. Pode-se dizer que o próprio futuro da democracia depende da construção de instituições sólidas e eficientes. Instituições técnica e politicamente capazes de dar respostas efetivas, assegurando a correta execução das políticas públicas em benefício do cidadão, objetivo final de todo o processo de gestão do Estado.
Grandes desafios trazem oportunidades ainda maiores e, neste momento, vivenciamos uma nova e instigante função assumida pelo Tribunal de Contas de Mato Grosso: a função de indutor de soluções e de segurança jurídica para os gestores públicos. O TCE passa a oferecer estudos técnicos que ajudam a assegurar a efetividade das políticas públicas. Em outras palavras, garantem que a correta gestão da saúde, da educação, da segurança, da infra-estrutura, etc, atenda na prática às necessidades da população.
Nesta perspectiva de ir direto ao ponto que interessa ao cidadão, a eficiência dos serviços públicos, nosso corpo técnico colocou foco especial nos estudos propositivos. Com adequada fundamentação técnica e normativa, eles apresentam aos gestores estaduais e municipais caminhos e soluções para os principais problemas, com ênfase na segurança jurídica, pilar estruturante de todo e qualquer ordenamento institucional.
Esses estudos técnicos são instruídos por auditores de carreira do Tribunal e despachados pela Presidência, compartilhados com o Procurador-Geral de Contas, com os membros do Tribunal, e com os jurisdicionados, bem como divulgados no site do TCE-MT. A emissão dos estudos propositivos atende à determinação contida na Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro, que em seu artigo 30 prevê: “as autoridades públicas devem atuar para aumentar a segurança jurídica na aplicação das normas”.
Neste ano, geramos aos nossos jurisdicionados e à sociedade em geral, estudos técnicos propositivos sobre temas urgentes como as medidas legais de enfretamento da emergência de saúde pública causada pelo novo Coronavírus. Entre outros aspectos, os estudos abordaram situações fáticas como as alternativas para a autenticação de documentos em licitações diante da restrição de atividades de cartórios. Soluções adequadas para problemas concretos, que fazem parte do dia a dia dos gestores na atualidade.
Também embasamos juridicamente a possibilidade de o Estado suspender o pagamento de sua dívida pública com a União, direcionando esses recursos para o combate à pandemia. Emitimos ainda estudos em defesa da legalidade do FETHAB, importante mecanismo de desenvolvimento regional e sobre a possibilidade de alterar a legislação para permitir que os municípios usem os recursos na saúde pública.
É importante destacar que a emissão dos estudos técnicos objetiva mostrar ao gestor caminhos e soluções, jogando luz sobre procedimentos por vezes desconhecidos, embora estratégicos. A tomada de decisão sobre o objeto dos estudos sempre será do administrador público. Em tempos de crise sanitária, é ainda mais imperioso reforçar canais de diálogo e orientação aos gestores municipais, conhecendo e levando em conta as dificuldades de quem gere a máquina pública. Este processo de empatia mútua trará resultados diretos na melhoria da execução das políticas públicas.
Boa parte das condutas que causam danos ao erário decorre de desconhecimento das normas ou má interpretações, vícios que pretendemos ajudar a corrigir com esta nova modalidade de produção de conhecimento técnico-jurídico. A função pedagógica e orientativa é sempre a melhor opção, mais efetiva que as funções repressivas e sancionatórias, porque antecipa e evita o erro e o mau gasto público.
Este novo campo de atuação ainda envolverá muito aprendizado, num processo permanente de monitoramento e revisão das atividades planejadas, um ciclo virtuoso de retroalimentação. Construir e oferecer soluções e segurança jurídica ao gestor público, no seu desafiante dia-a-dia laboral, agrega valor ao controle externo, aprimora a gestão e melhora os serviços públicos, que é o que interessa ao cidadão.

Guilherme Antônio Maluf é Presidente do TCE-MT

Veja Mais:  O oxigênio da vida

Comentários Facebook
Continue lendo

Artigos

Não atrair problemas já afastados por Deus

Publicado

José de Paiva Netto, jornalista, radialista e escritor

Em Seu Santo Evangelho, segundo Mateus, 12:43 a 45, Jesus nos dá uma lição de segurança espiritual, que serve inclusive para as nações e jamais deve ser esquecida em tempos de grande perturbação íntima:

 

A estratégia de satanás

43 Quando um espírito imundo sai de um homem [ou de uma mulher], passa por lugares áridos, procurando descanso.

44 Como não o encontra, diz: — Voltarei para a casa de onde saí. Chegando, encontra a casa desocupada, varrida e adornada.

Essa alma — conforme escrevi em A Missão dos Setenta e o “lobo invisível” (2018) — é um homem ou uma mulher, desencarnados ou não, em situação espiritual precária.

45 Então, vai e traz consigo outros sete espíritos piores do que ele, e, entrando, passam a viver ali. E o estado final daquele homem [ou daquela mulher] torna-se pior do que o primeiro. Assim acontecerá a esta geração perversa.

 

A Caridade de Deus afasta de nosso caminho os mais variados problemas de ordem espiritual, psíquica, emocional e de natureza material. Ainda em A Missão dos Setenta e o “lobo invisível”, chamo a atenção para o fato de que o Divino Amigo, Jesus, afasta de milhões e milhões pelo mundo o espírito obsessor, que, por sua vez, sai por aí arrependido, mas é um remorso falso. Vejam o que ocorre, no versículo 45, “(…) vai e traz consigo outros sete espíritos piores do que ele (…)”.

Isso se dá por causa da invigilância em torno de um dos preceitos fundamentais do Mundo Invisível: a Lei de Atração. A sintonia com determinadas classes de entidades só pode nos fazer mal. Porém, se ela for estabelecida com os Maiores da Espiritualidade, irá nos engrandecer o coração e a Alma, o que impacta diretamente na saúde espiritual, moral, social, financeira e física das nações.

Veja Mais:  Pandemia: Um congresso da humanidade em tempo real

Em sua sabedoria, o povo nos ensina: “Cérebro desocupado é oficina do diabo”.

E o “lobo invisível”, espírito obsessor, por não possuir a vestimenta carnal, anda pelo mundo com liberdade relativa, levando em conta que apenas se aproxima de alguém quando se estabelece com esta pessoa sintonia de sentimentos e atos, quando descobre brechas, isto é, se instala na casa vazia, anteriormente limpa pelo Celeste Taumaturgo. Daí ser fundamental reeducar, à luz da Espiritualidade Superior, os nossos canais psíquicos, mantendo-os sanados e desobstruídos, com a elevação do nosso pensamento, nossas palavras e nossas ações (a Sintonia Tríplice com Jesus) voltados à Bondade, à Generosidade, à Fraternidade Ecumênica, à Verdade e à Justiça Divinas; enfim, ao Amor Crístico, sintetizado no Novo Mandamento do Condutor de nossas vidas — “Amai-vos como Eu vos amei. Somente assim podereis ser reconhecidos como meus discípulos” (Evangelho, segundo João, 13:34 e 35).

Dessa maneira, firmaremos a ligação psicoespiritual permanente com os mais sublimes sentimentos, com nossos Anjos da Guarda, Guias Espirituais, Numes Tutelares, Almas Benditas, Espíritos Luminosos, que podem livrar-nos desse vilão, e permaneceremos atuantes no trabalho do Bem. Trata-se de elevadíssima lição da Cidadania Espiritual, que o Cristo Estadista nos oferece.

Jamais nos esqueçamos de que compete a nós não trazermos de volta os problemas que Deus afasta de nosso caminho.

Veja Mais:  Pandemia fortalece ferramentas digitais

 

José de Paiva Netto ― Jornalista, radialista e escritor.

[email protected] — www.boavontade.com

Comentários Facebook
Continue lendo

Câmara Municipal de Rondonópolis

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana