Artigos

Racionalização de medicamentos em tempo de pandemia

Publicado

Ednaldo Anthony Jesus e Silva

Desde que promulgada pelo Decreto Federal nº 10.212, de 30 de janeiro de 2020, o Regulamento Sanitário Internacional na qual versa a Declaração de Emergência em Saúde Pública de Importância Internacional pela Organização Mundial de Saúde, criou-se uma busca incansável e inenarrável no meio científico em descobrir um medicamento efetivo no combate à doença COVID-19.

Dois anos de pandemia já se passaram e inúmeras incertezas pairam sobre qual seja a melhor condução terapêutica apropriada no manejo clínico do paciente com a Síndrome Aguda do Desconforto Respiratório. São tantas alternativas “off label”, aquelas em que o tratamento não está descrito em bula técnica do produto, que levantam uma série de questionamentos no tocante ao monitoramento do perfil farmacoterapêutico e farmacovigilância de possíveis eventos adversos a medicamentos.

Neste cenário pandêmico, na qual nos deparamos com um Sistema de Saúde colapsado aliado à escassez de abastecimento devido a alta demanda de consumo, o farmacêutico hospitalar e clínico tem papel importantíssimo junto a equipe multiprofissional no controle do uso racional e efetivo de medicamentos.

Ações constantes e periódicas de revisão de protocolos de sepse, pneumonia, infecção de trato urinário, analgesia e sedação são algumas das inúmeras tarefas que o colega farmacêutico poderá propor para cobertura digna e eficaz da assistência à saúde ao paciente do SUS.

Recentemente, um alerta catastrófico acendeu as chamas no cenário mundial e brasileiro, na qual começam a faltar itens fundamentais para recuperação a saúde do paciente COVID-19 positivo tais como antibióticos, anticoagulantes, drogas vasoativas, analgésicos, sedativos e bloqueadores neuromusculares e tantos outros, fazendo com que muitas sociedades científicas orientem da melhor maneira a aplicabilidade dos protocolos hospitalares institucionais. Como exemplo, temos o destaque da inclusão de anestésicos inalatórios (Óxido Nitroso, Desflurano, Isoflurano, Sevoflurano) pela Sociedade Brasileira de Anestesiologia devido a escassez dos agentes endovenosos pelo aumento do consumo para sedação em vigência da Covid-19, a Sociedade Brasileira de Anestesiologia (SBA) recomenda aos profissionais que deem preferência aos anestésicos inalatórios e às técnicas anestésicas associadas a agentes adjuvantes durante a realização dos procedimentos anestésicos.

Veja Mais:  Mineração: riqueza que pode gerar muitos benefícios ao país

O trabalho deste importante profissional da saúde vai muito além dos holofotes televisivos e manchetes nos noticiários e mídias sociais, desde a pesquisa de uma nova molécula química nas Indústrias farmacêuticas de um medicamento, alguns ensaios clínicos de imunobiológicos até a resolução de problemas no tocante a substituição da farmacoterapia instituída pelo prescritor que muitas vezes não se encontra disponível nos estoques dos hospitais públicos e privados do país.

“Sem medicamento não há saúde, sem farmacêutico não há medicamento e sem saúde não há esperança para a população. Consulte e valorize o farmacêutico, pois ele é um profissional indispensável à saúde pública brasileira e mundial”.  

*Ednaldo Anthony Jesus e Silva é farmacêutico Hospitalar e Clínico e conselheiro regional do CRF-MT. 

Comentários Facebook

Artigos

STF julga neste mês a ação direta de inconstitucionalidade sobre a correção monetária do FGTS

Publicado

Leandro J. Giovanini Casadio- Foto: Assessoria

No próximo dia 13 de maio, o Supremo Tribunal Federal (STF) julgará a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 5.090/DF) que trata sobre a correção monetária do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). A discussão veio à tona, em razão da Caixa Econômica Federal, responsável pelo fundo, alterar a maneira de atualização do saldo do FGTS, utilizando então a TR (Taxa Referencial), que colocada em prática se mostrou menos rentável que a própria inflação, acarretando prejuízos aos empregados.

Com efeito, os trabalhadores que tiveram carteira assinada entre os anos de 1999 e 2013, podem propor a ação revisional pleiteando o “recálculo” do saldo do seu FGTS disponível na época, com um índice de correção monetária mais favorável (INPC ou IPCA-E), o que poderá representar um aumento estimado de 48% a 88% do saldo do FGTS. Assim, tem direito a reanalise, sendo:

• Trabalhadores urbanos e rurais;
• Trabalhadores intermitentes (Lei nº 13.467/2017 – Reforma Trabalhista);
• Trabalhadores temporários;
• Trabalhadores avulsos;
• Safreiros (operários rurais, que trabalham apenas no período de colheita);
• Atletas profissionais (jogadores de futebol, vôlei, etc.) e;
• Empregado doméstico.

Vale lembra que, mesmo aqueles que sacaram total ou parcialmente o saldo existente no fundo, podem propor a ação revisional. O valor a ser discutido trata-se da diferença que, atualizando pelo INPC ou IPCA, renderia naquele período. A ação deve ser proposta contra a Caixa Econômica Federal por um advogado de sua confiança e o trabalhador deve possuir a seguinte documentação: RG, CPF, carteira de trabalho, comprovante de residência atualizado em nome do trabalhador e extrato completo do FGTS.

Veja Mais:  Dia das Mães também é momento para reflexão

O extrato completo do FGTS pode ser acessado por meio do link abaixo, sem precisar ir diretamente na agência: https://acessoseguro.sso.caixa.gov.br/cidadao/auth?response_type=code&client_id=portal-inter&segmento=CIDADAO01&template=portal&redirect_uri=https://acessoseguro.sso.caixa.gov.br/portal/login

Segundo o advogado, Leandro Casadio, diante da imprevisibilidade da decisão do STF, àqueles trabalhadores que pretendam exercer seu direito de ação. “Recomenda-se que seja proposta até o dia 12/05/2021, para se evitar a restrição de direitos pela modulação de efeitos eventualmente adotada pelo STF”, explicou.

Comentários Facebook
Continue lendo

Artigos

Mineração: riqueza que pode gerar muitos benefícios ao país

Publicado

Irajá Lacerda

Necessária para o desenvolvimento econômico mundial, a produção da mineração no Brasil vem sendo cada vez mais representativa. Dados da Agência Nacional de Mineração (ANM) e do Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM) revelam que, no primeiro trimestre deste ano, o setor mineral alcançou R$ 70 bilhões de faturamento (com exceção do petróleo e gás), registrando alta de 95% em relação ao mesmo período do ano passado.

A produção comercializada do setor chegou a 227 milhões de toneladas no primeiro trimestre, o que significa um aumento de 15% na comparação com o mesmo período de 2020.  Com isso, o recolhimento de tributos dobrou. Enquanto em 2020 o total foi de R$ 12 bilhões nos três primeiros meses, neste ano, já foram recolhidos R$ 24,2 bilhões.

Entre os tributos, a Compensação Financeira pela Exploração Mineral (CFEM), que é o royalt cobrado das mineradoras, obteve crescimento de mais de 100%, gerando benefícios diretos aos estados e municípios, já que regularmente esses recursos são aplicados em melhorias na infraestrutura, qualidade ambiental, saúde e educação. Segundo o IBRAM, ao todo, foram beneficiados 2.388 municípios com a arrecadação de CFEM.

Com todos esses números fica evidente a importância de investir no desenvolvimento desse setor no país. Na produção de minério de ferro, por exemplo, o Brasil já obtém destaque, ficando logo atrás da Austrália. De janeiro a março deste ano, o minério correspondeu a 69,9% do faturamento total do setor brasileiro. Em seguida, vêm o ouro (10,6%), cobre (5,5%) e bauxita (2%).

Veja Mais:  Lugar de medicamento vencido ou sem uso é no lixo comum?

Os estados do Pará e Minas Gerais concentraram a maior fatia da produção. Já Bahia e Mato Grosso, apesar de produções modestas, tiveram crescimento acima de 90%. No levantamento, o IBRAM afirma que as estimativas de investimentos para o período de 2021 a 2025 são de US$ 38 bilhões. Bahia, Pará e Minas Gerais concentram a maior parte dos projetos minerários, que contribuirão para movimentar a economia de diversos municípios e estados.

A mineração contribui consideravelmente para a criação de empregos diretos e indiretos justamente por oferecer matéria-prima para variados tipos de indústrias (tecnologia, transporte, medicina, agricultura…). Além disso, existem minérios, como cobalto, lítio, grafite e cobre, que apresentam aumento da demanda, pois são empregados, por exemplo, na produção de veículos elétricos, cada vez mais utilizados no mundo.

Portanto, existe um grande potencial a ser explorado e, para isso, são necessários investimentos em pesquisas minerais, bem como adoção de medidas de desburocratização e de práticas de mitigação para garantir um crescimento sustentável, equilibrando produção com a devida recuperação das áreas destinadas para a exploração mineral.

*Irajá Lacerda é advogado, ex-presidente da Comissão de Direito Agrário da OAB-Mato Grosso e da Câmara Setorial Temática de Regularização Fundiária da AL/MT. Atualmente ocupa o cargo de Chefe de Gabinete do Senador Carlos Fávaro. E-mail: irajá[email protected]

Comentários Facebook
Continue lendo

Artigos

Mulheres que constroem Mato Grosso: prêmio Ruth Marques

Publicado

*Glaucia Amaral

Você consegue citar de imediato o nome de dez mulheres que tiveram (e/ou têm) um papel fundamental na construção de Mato Grosso? Apesar de parecer simples, essa pergunta nem sempre é acompanhada por uma resposta na mesma velocidade. Não à toa, o prêmio estadual Ruth Marques Corrêa da Costa vem – mais uma vez – para ecoar as conquistas e, é claro, a importância destas mulheres que, por vezes, não constam oficialmente em relatos históricos ou contemporâneos.

Em sua sexta edição, a iniciativa – realizada pelo Conselho Estadual dos Direitos da Mulher (CEDM/MT), por meio da Secretaria de Estado de Assistência Social e Cidadania (Setasc/MT) – tem como objetivo enaltecer a trajetória em vida e in memoriam das mulheres que lutam e promovem a defesa dos direitos femininos em todas as esferas sociais e econômicas do Estado.

Mulheres que se destacaram no campo profissional ou pessoal, quer seja por um fato relevante, produção de conhecimento ou pela própria trajetória de vida. São professoras, escritoras, advogadas, políticas e trabalhadoras das mais diversas áreas, capazes de inspirar importantes transformações que impactam e/ou impactaram a vida da população hoje. Mulheres que podem estar ao seu lado – na sua família, ambiente de trabalho ou vizinhança. Inclusive, uma delas pode ser você.

Todas as indicações são feitas, mediante requerimento, pela sociedade. Ou seja, você pode indicar e valorizar a luta de uma mulher. E, sem dúvidas, ao valorizarmos aquelas representantes que estão na luta pelos direitos das mulheres, nós valorizamos também as lutas relacionadas à dignidade humana e à igualdade. Lutas que ajudam a construir um Mato Grosso ainda melhor.

Veja Mais:  A diferença entre o legado e a herança

Ruth Marques Corrêa da Costa, que cede nome ao prêmio, é um exemplo dessa representatividade feminina. Dedicou-se ao magistério e foi diretora da Escola Bernardina Rich por 19 anos, além de exercer o cargo de supervisora em várias escolas de Cuiabá. Ela ajudou a criar a Associação de Professores Primários de Mato Grosso, que depois recebeu o nome de Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público. Ruth fez a diferença no Estado.

Vale destacar que, ao longo dos anos, o prêmio homenageou mulheres como, por exemplo, a defensora pública Lindalva de Fátima Ramos, que traz na bagagem vários projetos e eventos nos bairros com ações da Defensoria voltadas à melhoria da qualidade de vida da população. Lindalva sempre se preocupou com as mulheres vítimas de violência doméstica e familiar. Tanto que desenvolveu campanhas de combate ao problema, sendo uma das fundadoras da Rede de Frente – que recebeu prêmios nacionais e internacionais.

E é assim, entre tantas histórias incríveis de mulheres que precisam e merecem ser lembradas, que o prêmio estadual Ruth Marques Corrêa da Costa assume seu papel mais importante: consagrar e divulgar ao grande público aquelas que sempre estiveram na luta e que, de maneira direta ou indireta, ajudaram a mudar os rumos da história de Mato Grosso. Consulte o regulamento completo no Instagram @cedm_mt e indique uma mulher. Por elas, por todos, pelo passado, presente e futuro do nosso Estado, não podemos deixá-las no anonimato.

Veja Mais:  Análise crítica ao capitalismo com relação ao trabalhador moderno

Indo além, é de extrema importância que a gente resgate e revisite novamente a história de Mato Grosso quanto do Brasil e do mundo sob um novo olhar. Afinal, a história é majoritariamente contada na perspectiva masculina e abordando a atuação dos homens. Contudo, sempre existiram mulheres que, embora não reconhecidas, trabalharam e tiveram grande papel na construção de cidades, estados e países.

*Glaucia Amaral é procuradora do Estado de Mato Grosso e presidente do Conselho Estadual dos Direitos da Mulher

Comentários Facebook
Continue lendo

ALMT – Campanha Fake News II

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana