Artigos

Reforma Tributária: “Nunca vi… Só ouço falar…”

Publicado

Estamos presenciando os últimos atos dos atuais governos estaduais e federal, e já se pode avistar, no camarim das transições, parte dos enredos que se anunciam para os próximos anos. E mais uma vez as discussões e reflexões sobre a reforma tributária sempre recebem destaque nos palcos da política.

A chamada reforma tributária vem sendo sucessivamente prometida pelos últimos presidentes do Brasil, os quais até tentaram, sem sucesso, formatar um modelo de reforma que pudesse ser aprovado.

Olhando para nosso quintal, o atual governador de Mato Grosso iniciou seu mandato prometendo realizar uma reforma na complexa legislação tributária do estado, visando propiciar maior competitividade, segurança jurídica e simplificação das normas. Chegou a ser apresentado no ano de 2016 um relatório elaborado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), anunciado como o melhor modelo de ICMS do Brasil. Porém, o modelo de reforma apresentado encontrou muita resistência por parte de contribuintes, contadores e não obteve aprovação unanime nem mesmo dentro da própria administração pública.

Em nível federal existe um projeto de reforma tributária em tramitação, sob a relatoria do deputado federal Luiz Carlos Hauly. Esse projeto prevê, dentre outras alterações, a criação de um Imposto sobre Valor Agregado (IVA), que substituiria nove tributos da base de consumo: PIS, Pasep, Cofins, IPI, ICMS estadual, ISS municipal, Cide, salário-educação. Contudo, essa reforma vem sendo discutida com a equipe de transição do Presidente eleito Jair Bolsonaro e não há uma definição acerca do aproveitamento integral da mesma.

Veja Mais:  Covid-19: Contaminação em grandes eventos não responsabiliza organizadores

De fato, é urgente que se promova uma reforma substancial no nosso atual sistema tributário. A necessidade de reforma é flagrante e pode ser traduzida em números obtidos em estudos científicos de conceituadas instituições, vejamos: segundo levantamento divulgado pelo Banco Mundial, o Brasil permanece com o indesejável título de país onde as empresas gastam mais tempo para se pagar impostos. Em razão do absurdo número de documentos, tributos e leis, uma empresa nacional gasta 1.958 horas ao ano para cumprir todas as suas obrigações tributárias. Esse tempo é seis vezes a média de 332 horas registrada nos países da América Latina e Caribe, conforme o último relatório Doing Business 2018, do Banco Mundial, que mede o impacto de regulações e da burocracia no funcionamento das empresas.

Além dessa nociva burocracia para cumprimento das obrigações tributárias, o Brasil ostenta outro título inglório: está entre os primeiros países com as legislações mais complexas, confusas e de difícil interpretação do mundo. Desde a promulgação da nossa atual Constituição Federal, em 1988, o Brasil já editou e publicou 363.779 normas em matéria tributária, o que representa mais de 1,88 normas tributárias por hora em um dia útil, conforme o cálculo realizado pelo Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação – IBPT. Não é difícil compreender a dificuldade e confusão que esse absurdo número de normas ocasiona para os Contribuintes, acabando por caracterizar o Brasil como um logradouro de insegurança jurídica em matéria tributária.

Veja Mais:  Os Jogos Paralímpicos e as tecnologias de prata: o que elas poderiam fazer para aumentar ainda mais o brilho do evento?

Formatar um projeto de reforma que consiga atender aos interesses e expectativas dos vários setores da economia, política e estado, contudo, não é uma tarefa simples. Já que os contribuintes entendem que a carga tributária é muito elevada e almejam pagar menos, ao passo que o Estado quer arrecadar mais. E para a classe política, não parece muito atrativo do ponto de vista eleitoral apoiar reforma que possa resultar em corte de alguns privilégios que hoje existem, quando o assunto é o chamado “pacto federativo”, que distribui competências tributárias e atribuições dos entes da federação. E a disputa por recursos entre os estados e a união é o grande complicador.

Em linhas gerais, creio que a dificuldade em se aprovar uma reforma no sistema tributário brasileiro repousa no fato de, até hoje, as velas do interesse coletivo não terem conseguido resistir aos vendavais do corporativismo de alguns seguimentos da política e da economia.

Me inclino a acreditar que tanto em nosso Estado de Mato Grosso, como na União, as atuais discussões e projetos sobre reforma tributária serão levadas adiante pelos gestores que assumirão a partir de janeiro/2019 e, ainda que com alguns ajustes, vão conduzir a algo efetivo para o bem de nosso sistema tributário. Enquanto isso não acontece, lembrando Zeca Pagodinho na canção “caviar”, continuo a afirmar que a reforma tributária no Brasil eu “nunca vi… só ouço falar”.

Mario Fernando da Silva Castilho

Mario Fernando da Silva Castilho é advogado, pós-graduado em Direito Civil e Processo Civil pela Escola Paulista de Direito, pós-graduado em Direito Tributário pelo Instituto Brasileiro de Estudos Tributários e sócio do escritório Thiago Dayan & Castilho Advogados Associados.

Comentários Facebook

Artigos

Divórcio no Brasil: aumento de casos e maior agilidade nos processos

Publicado

Irajá Lacerda

O número de divórcios registrados no país nos cinco primeiros meses deste ano teve um aumento significativo comparado ao mesmo período do ano passado. Segundo dados do Colégio Notarial do Brasil ocorreram, ao todo, 29.985 separações em 2021 contra 23.621 de janeiro a maio de 2020, demonstrando um aumento de 26,9%.

Para confirmar que os divórcios vêm subindo no país, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revela que o número de divórcios cresceu 75% em cinco anos e, no meio do ano passado, o total de divórcios saltou para 7,4 mil apenas em julho, representando um aumento de 260% em cima da média de meses anteriores.

Diante desse cenário, quais são as formas de lidar juridicamente com esses casos, que já são conflituosos por natureza? É bom destacar que hoje, os trâmites dos processos estão muito mais descomplicados e ágeis.

No Brasil, a Lei do Divórcio surgiu somente em 1977 (Lei nº 6.515) e, até então, não existia qualquer possibilidade de romper o vínculo matrimonial e se casar novamente. A partir dessa mudança, vieram outras legislações importantes que impactaram e tornaram o processo muito mais rápido e menos burocrático.

O divórcio pode ser judicial (quando há menores envolvidos) podendo ser consensual (de comum acordo entre as partes) ou litigioso (quando não há consenso relacionado a algum termo), ou extrajudicial, que pode ser realizado em um cartório de notas, quando as partes estão em consenso sobre todos os itens do divórcio.

Veja Mais:  Os Jogos Paralímpicos e as tecnologias de prata: o que elas poderiam fazer para aumentar ainda mais o brilho do evento?

Importante observar que, na forma extrajudicial, pode ser feito apenas por casais que não possuam filhos menores ou incapazes. Além disso, a mulher também não deve estar grávida e, embora o procedimento seja todo realizado em cartório, sem a necessidade de processo na Justiça, é necessário contar com o serviço de um advogado – que pode representar ambos os cônjuges.

Já na ação de divórcio litigioso, cada cônjuge é representado por um advogado. Como não existe consenso, será necessária produção de provas durante o trâmite do processo, entretanto, a qualquer momento é possível que os cônjuges entrem em um acordo. Nesse caso, os respectivos advogados apresentam conjuntamente o acordo ao juiz para a sua devida homologação.

A divisão de bens dependerá do regime escolhido pelo casal. No regime da comunhão parcial, o que foi adquirido durante o casamento, será dividido em duas partes iguais. Na comunhão universal, tudo o que o casal possui passa a fazer parte do patrimônio comum dos dois, inclusive, os bens que cada um já possuía antes do casamento. Já no regime da separação convencional de bens, o que cada um possui em seu nome continua sendo somente de sua propriedade.

Constata-se que as alterações feitas ao longo das décadas nas legislações atenderam aos anseios da sociedade. Hoje, lidar com essa situação, muitas vezes traumatizante, passou a ter um “peso” menor, já que a evolução no campo jurídico garantiu direitos e maior liberdade de escolha ao cidadão brasileiro.

Veja Mais:  Covid-19: Contaminação em grandes eventos não responsabiliza organizadores

*Irajá Lacerda é advogado, ex-presidente da Comissão de Direito Agrário da OAB-Mato Grosso e da Câmara Setorial Temática de Regularização Fundiária da AL/MT. Atualmente ocupa o cargo de Chefe de Gabinete do Senador Carlos Fávaro. E-mail: irajá[email protected]

Comentários Facebook
Continue lendo

Artigos

O Tribunal de Contas e o Parlamento

Publicado

Isaías Lopes da Cunha

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso (AL-MT) e o Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso (TCE-MT) estão ligados umbilicalmente pela função de controle externo da administração pública.

A fiscalização contábil, orçamentária, financeira, operacional e patrimonial da administração pública é exercida pelo Parlamento, mediante o controle externo, e pelo sistema de controle interno de cada Poder (art. 70, da CF/88). O controle externo, por sua vez, é exercido pelo Parlamento com auxílio do Tribunal de Contas (art. 71, caput, CF/88).

Nesse sentido, o TCE-MT auxilia os Parlamentos estadual e municipais, dentre outras formas, ao (a) apreciar as contas prestadas anualmente pelo Governador do Estado e pelos Prefeitos, mediante parecer prévio; (b)  realizar, por solicitação do parlamento,  de comissão técnica ou de inquérito, inspeções e auditorias de natureza contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial nos órgãos e entidades da administração pública; (c)  prestar as informações solicitadas pelo Parlamento ou por qualquer de suas comissões, sobre a fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial e sobre resultados de auditorias e inspeções realizadas.

Embora a AL-MT tenha a titularidade do controle externo e a preponderância na escolha de conselheiros do Tribunal de Contas (art. 42, §2º, CE/89), o TCE-MT possui autonomia administrativa, orçamentária e financeira. Não obstante, o Tribunal também presta contas ao Parlamento estadual, mediante o envio de relatórios trimestrais e anual de suas atividade.

Veja Mais:  Demissão por recusa à vacina: entenda as interpretações sobre a nova polêmica nas relações trabalhistas

Visando ampliar e melhorar o relacionamento institucional com o Parlamento estadual, bem como regulamentar o processo de Solicitação da Assembleia Legislativa (SAL) de informações e fiscalizações, o TCE-MT, por meio da Resolução Normativa nº 19/2020, o TCE-MT criou a Assessoria Parlamentar (ASPAR)

Para liderar essa importante unidade, o Conselheiro Presidente nomeou Carlos Brito como secretário, pois segundo o Guilherme Maluf ele “conhece o trabalho e atuação da Assembleia Legislativa”.

Por fim, a criação da ASPAR já é uma realidade e um marco na gestão do Presidente Guilherme Maluf e, certamente, será um grande legado para a sociedade e o Tribunal na governança do controle externo e no relacionamento institucional com a AL-MT.

saías Lopes da Cunha é auditor substituto de conselheiro do TCE-MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Artigos

Ferrovias para o futuro

Publicado

Gustavo Pinto Coelho de Oliveira

O Brasil pode estar muito próximo de uma revolução logística, a partir de uma inovação de Mato Grosso. O maior produtor de grãos e carne do país instituiu legislação que permite ao Estado conceder e autorizar a construção e operação de ramais ferroviários dentro de seu território – o que, na prática, amplia possibilidades de expansão da malha em diversas direções, aumentando a cobertura e reduzindo o custo do frete. Isso é imprescindível para estimular o crescimento econômico dos estados mais distantes dos grandes centros de consumo.

O primeiro efeito prático da nova legislação foi uma Manifestação Pública de Interesse (MPI) por parte da Rumo Logística, que gerou um chamamento público para a nova ferrovia estadual estendendo os trilhos da Ferronorte (que liga o sul de Mato Grosso à malha paulista e ao porto de Santos) até a capital mato-grossense e ao norte do Estado. A Rumo, que detém a concessão da Ferronorte, vinha há alguns anos tentando obter de volta, junto ao Governo Federal, a concessão para os novos trechos, sem sucesso. Com a inovação na legislação mato-grossense, o projeto poderá enfim sair do papel.

A importância disso para a economia é imensurável. O modelo já é consagrado em países com muito mais tradição que o Brasil no transporte ferroviário, como Estados Unidos e Alemanha. Além de trazer mais agilidade nas concessões, permite muito flexibilidade no atendimento a interesses locais, pois a construção de ramais a partir de troncos existentes pode atender a demandas específicas de diferentes setores econômicos, resolvendo uma série de impasses.

Veja Mais:  Ferrovias para o futuro

Trata-se de uma enorme oportunidade também para outros estados, que podem, respeitando a legislação federal e também a soberania dos entes subnacionais, implantar leis semelhantes e expandir suas malhas férreas, inclusive utilizando capital privado.

A partir da inovação de Mato Grosso, o Ministério da Infraestrutura editou em 30 de agosto a Medida Provisória 1.065/21, no intuito de organizar nacionalmente as iniciativas dos estados. A MP será devolvida pelo Senado, já que lá tramita, desde 2018, o PLS 261, tratando do mesmo tema. Qualquer que seja a medida de alcance federal que traga estabilidade e organização para o sistema ferroviário nacional é positiva, sem tirar dos estados a liberdade de legislar sobre os ramais ferroviários em seus territórios.

Tomemos como exemplo o caso de Mato Grosso: refém do alto custo e das limitações impostas pelo transporte rodoviário, o estado segue como carro-chefe do país na exportação de commodities. Todavia, poderia obter muito mais retorno beneficiando localmente parte da produção agropecuária e exportando produtos com maior valor agregado. E um dos grandes gargalos para a atração de investimentos voltados à agroindústria mato-grossense é o alto custo logístico.

O município de Rondonópolis, ao sul do estado, já abriga o maior terminal de grãos da América Latina, cuja operação responde por 26% do volume de grãos exportados pelo país. A nova ferrovia estadual terá mais de 700 quilômetros de extensão e ampliará de maneira expressiva e estruturante o modal ferroviário, abastecendo os municípios com insumos industriais e escoando a produção agropecuária e industrial.

Veja Mais:  Divórcio no Brasil: aumento de casos e maior agilidade nos processos

Essa ferrovia terá efeitos positivos em relação ao frete, hoje encarecido pelos trechos rodoviários percorridos para cobrir as longas distâncias internas. O custo rodoviário da tonelada por quilômetro útil dentro do estado chega a 16 centavos – exatamente o dobro do custo ferroviário.  Ainda assim, o frete médio no corredor entre Mato Grosso e o Porto de Santos é até 40% mais competitivo do que a média das cinco principais rotas ferroviárias que escoam commodities dos Estados Unidos para a China. Enquanto o produtor brasileiro paga US$ 28/tonelada, o norte-americano desembolsa, em média, US$ 47/tonelada.

Isso sem falar na questão da sustentabilidade, pois a ferrovia oferece vantagens conhecidas, ao reduzir as emissões de dióxido de carbono e o risco de acidentes.

O Brasil precisa de um novo olhar, baseado na compreensão de que o desenvolvimento sustentável passa necessariamente pelos estados produtores. Mato Grosso é o grande expoente no agronegócio e na bioeconomia – mas carece de logística cada vez mais integrada para crescer de forma consistente e sustentável.

Estamos no limiar de uma mudança histórica, com chances reais de interligar, por meio de trilhos, diversos pontos do território nacional. Basta, para isso, que os novos marcos legais sejam adequados, pois o interesse do setor privado em investir é certo. Basta ficar de olho no quanto a economia de Mato Grosso vai mudar nos próximos anos. E será exemplo para todo o país.

Veja Mais:  Demissão por recusa à vacina: entenda as interpretações sobre a nova polêmica nas relações trabalhistas
Comentários Facebook
Continue lendo

ALMT – Campanha Fake News II

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana